Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Rir à gargalhada com Deus

Este post devia começar com uma gargalhada. 

Deus tem um maravilhoso sentido de humor, que eu adoro (re)descobrir todos os dias. Sei que isto pode soar estranho mas ninguém me consegue fazer rir tanto como Deus. Todos os dias, há sempre pelo menos uma situação que me faz rir à gargalhada!

Tomem como exemplo o facto de o último post publicado neste blog ter sido acerca de imprevistos! Ora, o que tem acontecido mais nestes últimos dias são imprevistos atrás de imprevistos ... Eu não tinha programado ficar tantos dias sem escrever nada aqui no blog, mas comecei a trabalhar no hospital de Setúbal e o tempo livre para escrever parece que evaporou. Tenham paciência comigo, até eu me conseguir adaptar a esta nova fase da minha vida...

 

Por falar em gargalhadas, já repararam como a Bíblia também está cheia de episódios caricatos, cómicos até? Quando penso nisso, vem-me logo à cabeça a história do chamamento de Samuel (que vim a descobrir que seria a 1ª leitura deste Domingo! Quão adequado!)

 

Naqueles dias, o jovem Samuel servia ao Senhor na presença de Eli. Aconteceu que, um dia, Eli estava a dormir no seu quarto (...) e Samuel estava a dormir no templo do Senhor, onde se encontrava a arca de Deus.

Então o Senhor chamou: 'Samuel, Samuel!' Ele respondeu: 'Estou aqui'. E correu para junto de Eli e disse: 'Chamaste-me, aqui estou'. 

Eli respondeu: 'Eu não te chamei. Volta a dormir!' E ele foi deitar-se.

O Senhor chamou de novo: 'Samuel, Samuel!' E Samuel levantou-se, foi ter com Eli e disse: 'Chamaste-me, aqui estou'.

Ele respondeu: 'Não te chamei, meu filho. Volta a dormir!' (...) 

O Senhor chamou pela terceira vez: 'Samuel, Samuel!' Ele levantou-se, foi para junto de Eli e disse: 'Chamaste-me, aqui estou'.

Eli compreendeu que era o Senhor que estava a chamar o menino. Então disse a Samuel: 'Volta a deitar-te e, se alguém te chamar, responderás: 'Senhor, fala, que teu servo escuta!'

E Samuel voltou ao seu lugar para dormir. O Senhor veio, pôs-se junto dele e chamou-o como das outras vezes: 'Samuel! Samuel!' E ele respondeu: 'Fala, que teu servo escuta'.

Leitura do Primeiro Livro de Samuel 3,1-10.19-20

Um vídeo muito velhinho da família Power, fundadores das Famílias de Caná

 

Conseguem imaginar o menino Samuel a correr por 3 vezes dum lado para o outro? Conseguem imaginar a cara de frustração de Eli, por ser acordado abruptamente tantas vezes, ou a cara de confusão de Samuel? Oh, Deus também deve ter rido bastante com este episódio! 

 

Já deixaram que Deus vos fizesse rir à gargalhada hoje? Já lhe deram essa oportunidade?

Sim, nós temos de deixar e de estarmos dispostos a ouvir e a estarmos atentos, tal como Samuel. E temos de aprender a discernir, mesmo nas situações mais engraçadas, o que o Senhor nos quer dizer, tal como Eli - porque Deus aproveita muitas situações destas para nos ensinar coisas importantes.

Estejamos atentos, à escuta, à espera, para que possamos sempre dizer «Fala, Senhor, que o Teu servo escuta»

Calendário Católico - Janeiro de 2018

~ Mês dedicado ao Santo Nome de Jesus ~

Janeiro 2018.jpg

Podem fazer à vontade o download grátis do Calendário mensal católico para 2018 que eu criei.

Peço-vos apenas que, ao fazerem o download do calendário, rezem uma Avé Maria por mim - obrigado! 

 

1 de Janeiro (2ª feira) - Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus

6 de Janeiro (Sábado) - Dia de Reis

7 de Janeiro (Domingo) - Epifania do Senhor

8 de Janeiro (2ª feira) - Baptismo do Senhor

14 de Janeiro - 2º Domingo do Tempo Comum

21 de Janeiro - 3º Domingo do Tempo Comum

25 de Janeiro (5ª feira) - Conversão de São Paulo

28 de Janeiro - 4º Domingo do Tempo Comum

Imprevistos, previstos por Deus

Os Evangelhos não nos explicam os motivos que levaram Nossa Senhora a acompanhar S. José até Belém para o recenseamento - tal como escrevi numa reflexão há dois anos atrás

 

Mais de 200km separam Nazaré de Belém. Os caminhos são rudes, por vezes muito difíceis de passar e sempre cercados de perigos. Mesmo que, segundo a Tradição, Nossa Senhora tenha feito esse caminho no dorso dum burrinho, não deixa, contudo, de ser uma dura viagem de quatro a cinco dias... Com comida simples e frugal, com algumas noites passadas ao relento, deitados no chão, quando passavam por zonas pouco habitadas...

 vespera de natal 2.jpg

Imagem retirada daqui

 

A Igreja ensina-nos que uma das melhores formas de contemplarmos e de meditarmos acerca da vida de Jesus é imaginar que somos nós a viver aquelas situações relatadas - se fossemos nós, como reagiriamos? como teriamos falado? como teriamos agido? como teria sido, se fossemos nós?

 

Este tipo de pensamentos, para mim, "dá-me sempre pano para mangas" .... dá-me sempre para dias e dias de meditação - porque eu teria agido sempre duma maneira completamente diferente da que aparece nos Evangelhos. Eu e a minha natureza pecadora....

 

Por exemplo, eu facilmente manifesto frustração perante situações, por mais pequenas que sejam, em que ocorre algo que eu não tinha previsto. Ou seja, quando as coisas não acontecem à minha maneira, como eu queria, como eu tinha imaginado, como eu me tinha preparado - quando me vejo com problemas inesperados.... o resultado não costuma ser bom nem bonito. Zango-me, chateio-me, fico logo de mau humor e pobre coitado do primeiro que me aparece à frente... Há anos que tento mudar este traço horrível da minha personalidade, e ele tem vindo a suavizar-se, sem dúvida, pela graça de Deus, mas ainda continua muito vincado.

 

Este Advento dei por mim a reflectir numa enormíssima e bela virtude de Nossa Senhora (e de São José também) - a capacidade de aceitar os "imprevistos" enviados por Deus.... uma virtude que eu claramente não possuo. 

virgem maria.jpg

 

Esta virtude aparece em todos os relatos que envolvem a Santíssima Virgem - ela esteve sempre disposta a aceitar todos os "imprevistos", previstos por Deus. Não apenas aceitar, mas inclusive abraçar estes imprevistos - o anjo Gabriel que aparece e que lhe faz uma proposta que muda toda a sua vida; a admirável notícia da gravidez de Isabel; o surgir do recenseamento e a viagem até Belém; a ausência dum lugar para ficarem; o parto num estábulo; os pastores que os descobrem e vêm visitar; os magos que vieram de longe e que trazem presentes tão estranhos; a fuga à pressa para o Egipto; a estadia num país diferente; a viagem de volta para Nazaré; a perda e o reencontro do Menino no Templo; o vinho que falta nas Bodas de Caná .... 

 

Em todos os momentos, em todas as situações, por mais caricatas ou perigosas ou estranhas ou incompreensíveis - sempre:

Seja feita a Vossa vontade.

 

Imagem retirada do Pinterest

 

Ou nas palavras da nossa querida Chiara 'Luce' Badano - Tu queres Jesus? Então eu também quero. 

 

Não existe nenhuma situação "imprevista", que não tenha sido prevista por Deus. Eu posso ser apanhada desprevenida - mas Deus nunca. A maior parte dos imprevistos, dou por mim a pensar, talvez até sejam desejados por Deus que ocorram: para que eu exercite paciência e obediência, para que eu aprenda a confiar n'Ele, para que a minha Fé cresça...

 

Que Nossa Senhora nos dê a graça de sermos cada vez mais parecidos com ela!

 

P.s: Antes que eu me volte a esquecer - este ano, eu voltei a criar um calendário mensal católico para 2018. Podem fazer o download grátis, aqui ou então aqui. Podem imprimi-lo à vontade, e podem partilhá-lo com quem quiserem. Só vos peço que, ao fazerem o download, rezem uma Avé Maria por mim, por favor. Que Deus vos abençoe! 

Por causa dum Sim, veio o Natal

"O Natal é quando o homem quiser!"

 

Não me recordo a primeira vez que ouvi esta velha expressão mas sei que a tenho ouvido vezes e vezes e vezes sem conta. Oiço-a na rua, nas lojas, no hospital, nas reuniões de família.... Alguém (usualmente eu) deseja "um feliz Natal" e a outra pessoa responde, numa voz cheia de sarcasmo e amargura - "Natal? Natal é quando o homem quiser!

Apetece-me sempre responder de volta - "Ora, isso querias tu!

 

Não, o Natal NÃO é quando o homem quiser....

Nas palavras do nosso novo sr. padre - o Natal foi quando Deus quis e uma mulher aceitou e disse que sim.

 

Natal foi quando Jesus voluntariamente se propôs vir à Terra. 

Natal foi quando Ele atravessou o enormíssimo abismo do pecado (que nós próprios criámos) e que nos separava do amor de Deus. 

O Natal foi uma das maiores expressões de humildade, que nunca ninguém se tinha atrevido sequer a pensar ser possível: Deus Todo Poderoso, Criador do Céu e da Terra, Aquele a quem nada falta, que tudo tem, que tudo pode - esse mesmo Deus, desejou encarnar, verdadeiramente, na nossa própria natureza humana, frágil e dependente.... e, escândalo dos escândalos, apenas depois de pedir o consentimento a uma jovem virgem. 

Que grande é este mistério! 

 

S. Luís Maria de Montfort, no seu Tratado, nos tinha tentado exprimir este mistério:

"Maria, não sendo mais que uma criatura saída das mãos do Altíssimo, (...) não sendo nada em comparação com a Sua Majestade infinita" e sendo " (...) o Senhor sempre independente e bastando-se a Si mesmo, (Ele) não teve nem tem absoluta necessidade da Santíssima Virgem para o cumprimento dos seus desígnios" (TVD 14)

 

Jesus podia ter vindo à Terra e ter-se tornado homem de qualquer maneira que Ele quisesse. Podia ter surgido, já homem adulto, do nada! Mas não.... Ele quis pedir a participação voluntária a Nossa Senhora, assumindo a condição dum ser tão indefeso como um bebé.  

"O Espírito Santo quer servir-se dela, embora disso não tenha uma necessidade absoluta, para produzir nela e por ela Jesus Cristo." (TVD 21)

"Ó admirável e incompreensível dependência de um Deus!" (TVD 18

 

Nossa Senhora podia ter dito que não. Ela era livre para escolher. Ela podia ter duvidado. Mas não - como reflectimos num post anterior, ela tentou logo compreender como tal podia acontecer.

 

Maria.jpg

 

Parem um momento e reflictam bem no valor do sacrifício deste sim: Maria, uma jovem mulher (numa sociedade onde as mulheres eram maioritariamente vistas como mercadorias de troca entre famílias), uma virgem noiva, às portas do seu casamento.... aceita tornar-se mãe, sem compreender bem como nem porquê, esquecendo todos os seus planos de vida, aceitando o risco de ser repudiada por S. José e pela sua própria família, aceitando o risco de ser apedrejada até à morte por um suposto crime de adultério... 

Maria, simples e humildemente, aceita. Livremente ela aceita tudo. Aceita completamente. Ela doa-se na sua totalidade, tudo para Deus... 

 

Sim, como é grande este mistério!

 

O Natal aconteceu uma vez; mas os seus efeitos e implicações são eternos.

A Igreja estabeleceu um período de 4 semanas (a que chamou Advento) para prepararmos os nossos corações e as nossas vidas, a fim de, durante as 2 semanas seguintes, pudéssemos reflectir e traduzir em acções concretas na nossa vida, as inúmeras graças e os mistérios que envolvem o início da nossa Salvação.

Mas não permaneçamos no que aconteceu ontem; no tempo do Natal devemos olhar para o hoje e para o futuro, preparando-nos, com alguma pressa e urgência, para a segunda e definitiva vinda de Jesus - não sabemos quando será mas o Senhor pediu-nos, em diversas vezes, para que estivéssemos sempre prontos e preparados.

 

Essa é que devia ser a nossa principal pressa... e não no trânsito, nas filas, na compra das prendas (e agora na troca das prendas e nos saldos).

Há tanta coisa para fazer, tanta coisa para preparar - vá, comecemos agora mesmo! Rezem comigo uma Avé Maria e um Nós, Jesus - e aqui vamos nós! Juntos! 

O nascimento de Jesus a 25 de Dezembro

Imprevistos, imprevistos e imprevistos!

 

Tinha pensado em traduzir e publicar hoje aqui no blog, no seguimento dos posts anteriores, dois textos do Prof. Taylor Marshall, um deles citando o Papa Bento XVI, confirmando que o dia do nascimento de Jesus foi mesmo a 25 de Dezembro. Mas surgiram imprevistos aqui por casa e já não tive tempo... 

 

Providencialmente, descobri que o blog Senza Pagare já os tinha traduzido e publicado! Oh, graças sejam dadas a Deus!

 

Podem ler aqui:

Senza Pagare - Jesus nasceu mesmo no dia 25 de Dezembro?       (Original do Prof. Taylor Marshall)

 

e aqui:

 

Senza Pagare - Papa Bento XVI: Jesus nasceu no dia 25 de Dezembro      (Original do Prof. Taylor Marshall)

 

Perto do dia 25 de Dezembro, se puderem, voltem a ler este post sobre o dia do Natal - é um post bem velhinho eu sei, mas eu própria tendo a lê-lo todos os anos. É uma das melhores reflexões de Natal que já encontrei ... 

 

dia de natal.jpg

 

Tu fazes parte da família agora (24 Dez 2014)

- Meditação sobre o nascimento de Jesus, por Jurell Sison

 

A Voz - S. João Baptista

No tempo do Advento, a partir do 2º Domingo, as leituras diárias da missa começam a falar-nos muito de João Baptista - desde o relato da anunciação da sua concepção a Zacarias pelo anjo Gabriel, ate à sua vida no deserto, as suas semelhanças com os antigos Profetas, aos baptimos que incentivava as pessoas a realizar e, por fim, até ao relato da sua morte tão injusta.

 

Mas exploremos um pouco mais a importância de João Baptista e a sua extrema humildade, com a ajuda de Santo Agostinho ... 

 

jesus and john baptist.jpg

 Imagem retirada daqui

"João é a voz, Cristo, a Palavra

João era a voz, mas o Senhor, no princípio, era a Palavra (Jo 1,1). João era a voz passageira, Cristo, a Palavra eterna desde o princípio.

Suprimi a palavra, o que se torna a voz? Esvaziada de sentido, é apenas um ruído. A voz sem palavras ressoa ao ouvido, mas não alimenta o coração.

Entretanto, mesmo quando se trata de alimentar nossos corações, vejamos a ordem das coisas. Se penso no que vou dizer, a palavra já está em meu coração. Se quero, porém, falar contigo, procuro o modo de fazer chegar ao teu coração o que já está no meu.

Procurando então como fazer chegar a ti e penetrar em teu coração o que já está no meu, recorro à voz e por ela falo contigo. O som da voz te faz entender a palavra; e quando te fez entendê-la, esse som desaparece, mas a palavra que ele te transmitiu permanece em teu coração, sem haver deixado o meu.

Não te parece que esse som, depois de haver transmitido minha palavra, está dizendo: É necessário que ele cresça e eu diminua? (Jo 3,30). A voz ressoou, cumprindo sua função, e desapareceu, como se dissesse: Esta é a minha alegria, e ela é completa (Jo 3,29). Guardemos a palavra; não percamos a palavra concebida em nosso íntimo.

Queres ver como a voz passa e a palavra divina permanece? Que foi feito do batismo de João? Cumpriu sua missão e desapareceu; agora é o batismo de Cristo que está em vigor. Todos cremos em Cristo e esperamos dele a salvação: foi o que a voz anunciou.

Justamente porque é difícil não confundir a voz com a palavra, julgaram que João era o Cristo. Confundiram a voz com a palavra. Mas a voz reconheceu o que era para não prejudicar a palavra. Eu não sou o Cristo (Jo 1,20), disse João, nem Elias nem o Profeta. Perguntaram-lhe então: Quem és tu? Eu sou, respondeu ele, a voz que grita no deserto: “Aplainai o caminho do Senhor" (Jo 1,19.23). É a voz do que grita no deserto, do que rompe o silêncio. Aplainai o caminho do Senhor, como se dissesse: “Sou a voz que se faz ouvir apenas para levar o Senhor aos vossos corações. Mas ele não se dignará vir aonde o quero levar, se não preparardes o caminho”.

O que significa: Aplainai o caminho, senão: Orai como se deve orar? O que significa ainda: Aplainai o caminho, senão: Tende pensamentos humildes? Imitai o exemplo de João. Julgam que é o Cristo e ele diz não ser aquele que julgam; não se aproveita do erro alheio para uma afirmação pessoal. Se tivesse dito: “Eu sou o Cristo”, facilmente teriam acreditado nele, pois já era considerado como tal antes que o dissesse. Mas não disse; pelo contrário, reconheceu o que era, disse o que não era, foi humilde. Viu de onde lhe vinha a salvação; compreendeu que era uma lâmpada e temeu que o vento do orgulho pudesse apagá-la."

 

Dos Sermões de Santo Agostinho, bispo

(Sermão 293, 3: PL 38, 1328-1329) (Séc. V)

Liturgia das Horas do 3º Domingo do Advento

Sugestão de filme para o Advento

Hoje queria fazer uma sugestão dum filme, muito adequado para o tempo do Advento em que nos encontramos, chamado "It's a beautiful life" (em português, deram-lhe o nome "Do Céu caiu uma estrela" ou então "A felicidade não se compra").

É um filme antigo, de 1946, ainda a preto e branco mas que conta uma história maravilhosa, cheia de boas lições e de bons exemplos - um anjo da guarda tenta impedir que um homem se atire duma ponte, na véspera de Natal. Com esse intuito, o anjo decide recordar-lhe diversas situações que se passaram na sua vida e nas vidas das pessoas que o rodeavam, por causa das suas boas acções, pelo seu espírito de altruísmo e pelo seu bom coração. Decide também mostrar-lhe o que não teria acontecido, caso ele tivesse dito que não às diversas oportunidades de santidade que Deus lhe deu ao longo da sua vida.

É uma maravilhosa história que nos põe bastante a pensar nos efeitos das nossas boas acções, por mais pequenas que possam ser, e que nos incentiva a dizermos sim a Deus e a aceitarmos ser a Sua mão visível neste mundo. 

 

Podem ver o filme em inglês aqui:

 

Mas facilmente o encontram com legendas através do google