Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem rapariga católica. Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia e do amor incondicional ao próximo. Espero que este blog vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem rapariga católica. Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia e do amor incondicional ao próximo. Espero que este blog vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

O Grande Milagre

Em pleno espírito de Páscoa, hoje quero partilhar convosco um filme maravilhoso que descobri recentemente. É um filme mexicano (realizado por Dos Corazones Films - com legendas em português), que se chama "O Grande Milagre" e explica-nos de forma belíssima o que acontece na missa e na confissão, assim como outros aspectos da fé católica.

O filme conta a história de 3 personagens que, por diferentes razões, se encontram em fases muito difíceis das suas vidas: a Mónica, uma jovem viúva, mãe dum menino de 9 anos, que faz tudo o que pode para sustentar sozinha o seu filho, tentando seguir em frente após a morte inesperada do marido. O Sr. Chema, o motorista dum autocarro, que recebe inesperadamente a notícia de que o seu filho corre perigo de vida. E a Sra. Cata, uma idosa que se prepara para o fim da sua vida. 

Com um "empurrãozinho" dos seus Anjos da Guarda, as 3 personagens acabam por ir parar ao mesmo tempo a uma missa (numa igreja lindíssima!). E essa missa irá mudar as suas vidas para sempre!

Este filme ilustra a luta constante, nas nossas vidas e em todas as nossas acções, entre o bem e o mal, entre o desespero, o medo e as dificuldades do dia-a-dia e a fé, a esperança e a misericórdia que só o Senhor nos pode dar 

 

É um filme de animação, é verdade, e pode ser visto em família, mas é especialmente direccionado para adolescentes e adultos. Este filme não é bom, É MUITISSIMO BOM! É maravilhoso e extraordinário! É, sem dúvida nenhuma, um dos melhores filmes que já vi!! Recomendo-o vivamente a todos! 

 

 

Um abençoado Domingo da Divina Misericórdia para todos! 

Tenho sede, Senhor!

Este será o último post do ano 2016.

 

Apesar da minha falta de investimento no blog durante este ano, parece que, apesar disso, e para minha grande surpresa, ele foi ganhando alguma notoriedade nesta infindável internet ... e, como acontece com frequência quando expomos pontos de vista diferentes do que a sociedade actual dita e manda, somos quase apedrejados com duras palavras, quase sempre provenientes de corajosos anónimos ...

É difícil voltar a mostrar vulnerabilidade, quando o fizemos anteriormente e saímos magoados. É particularmente difícil voltar a mostrar vulnerabilidade a total desconhecidos, como acontece maioritariamente aqui no blog.

 

Mas Jesus ensinou-nos a «dar a outra face» a quem nos bate e a «perdoar setenta vezes sete» ... por isso, lá tentarei novamente. Se algum post, alguma vez escrito neste blog, tiver levado alguém um pouquinho mais longe no seu amor a Deus, então esta minha (pobre e fraquinha) tentativa de evangelização terá valido a pena - e glória a Deus! 

 

Para celebrar o início do 4ºano de evangelização deste blog, quero partilhar convosco o meu poema favorito, aquele que mais me fala ao coração, aquele com que sempre me emociono, e que dou por mim, às vezes, a tentar recitar ... e que, curiosamente, não sei quem o escreveu! (Alguém sabe??) Descobri-o numa das orações da Liturgia das Horas no Natal de 2015, e apontei-o exactamente como aqui o transcrevo...

 

Tenho sede ...

 

Tenho sede de Ti, meu doce Amado,

Sede de ver a Tua formosura,

Sede de ter-Te em mim Sacramentado,

Sede de amor, de cruz e vida pura;

 

Sede de ver-Te conhecido e honrado,

De a Ti trazer, Deus meu, toda a criatura;

Sede do Céu, sede de dar-Te agrado,

Sede de sede, e sede de fartura ...

 

Tenho sede ... mas ah! que nada acalma,

Nem Tu, meu Deus, pois, quando fartas a alma,

A sede aumenta a par da saciedade ...

 

Não, não me fartes! Dá-me a cada dia

Mais sede - dessa sede que inebria ...

A fartura será na eternidade.

 

14-4-1915

Satiabor cum apparuerit gloria tua

(Eu ficarei saciado quando a Tua Glória aparecer)

Ps XVI, 15

 

Por fim, deixo-vos também uma prenda de Natal*  como já começa a ser tradição ... Mais uma vez, neste verão, fiz um Calendário Católico mensal de 2017 (ou aqui). Podem fazer o download grátis à vontade, à semelhança dos anos anteriores (calendário do ano 2015 e calendário do ano 2016). O calendário pode parecer desfocado na pré-visualização do Scribd, mas quando fizerem o download (clicando na setinha vertical, à esquerda do ícone da impressora) vão ver que afinal não está 

Peço-vos apenas que, ao fazerem o download do calendário, rezem uma Avé Maria por mim - obrigado! 

 

*Não se esqueçam que o Natal celebra-se até ao dia do Baptimo de Jesus! 

Vencendo os nossos medos

Hoje quero contar-vos uma história... Uma história que me é difícil de contar, pela intimidade das emoções que descrevo, mas que ainda assim vos conto, na esperança de ajudar alguém que esteja numa situação parecida.

 

No Verão entre os meus 17 e 18 anos, ou seja, entre a saída da escola secundária e a entrada na faculdade de medicina, eu decidi tirar a carta de condução. E porquê?

Ora, porque os meus avós paternos queriam oferecer-ma como prenda dos meus 18 anos e porque, principalmente, eu queria ser a primeira pessoa do nosso círculo de amigos a tirar a carta... Esta era a principal razão - eu queria, como sempre tinha acontecido até essa altura, ser a primeira. 

Correu tudo muito bem e eu tirei a carta em 4 meses, passando tanto na prova de código como na de condução à primeira, sem problemas nenhuns...

 

Contudo, pouco tempo depois, ía eu um dia a conduzir com o meu pai ao lado, quando tive um (quase) acidente ... bastante estúpido e embaraçoso.

Eu parei numa passadeira, numa rua bastante inclinada, e depois ... simplesmente não consegui subir com o carro. Deixei o carro ir a baixo pelo menos 5 vezes. E de cada vez que tentava voltar a ligar o carro e arrancar, fazia um barulho alto e deixava-o cair para trás, mais e mais, cada vez mais para trás, quase batendo no carro que seguia atrás. Os outros carros já apitavam e gritavam. As pessoas que estavam no café ao lado vieram cá para fora, para ver e comentar. Eu tremia por todo o lado e chorava. E o meu pai gritava comigo, talvez pela 3ª vez em toda a minha vida, que eu estava quase a bater ...

Não me lembro de como consegui eventualmente subir a rua. Só me lembro de pisar a fundo o acelerador e do carro fazer novamente um barulho muitíssimo alto .... mas lá subi.

 

Nesse dia, jurei que nunca mais voltava a pegar no carro. Nunca, nunca mais!

Durante os 5 anos seguintes, ganhei um medo crescente de conduzir e de andar de carro. Fazia de tudo para o evitar. Tive pesadelos frequentes comigo a conduzir e a ter vários acidentes... travões a falharem, pessoas a morrerem ... Nunca mais consegui estar dentro dum carro e subir uma rua inclinada, mesmo não sendo eu a conduzir, sem começar a suar e a tremer, fechando os olhos com força e rezando para que o carro não caia para trás, por favor, que não caia para trás, por favor .... 

 

com medo.JPG

 

Dizer que eu tinha medo de conduzir era um verdadeiro eufemismo! Eu tinha um autêntico pavor!!

A maior parte das mulheres na minha família têm carta de condução mas não conduzem. A minha mãe conduz e é uma excepção, apesar de ter estado alguns anos sem conduzir antes de eu ter nascido. A minha situação era portanto perfeitamente "normal" e aceitável no seio da minha família.... ainda assim, eu sentia uma enorme vergonha de não conseguir conduzir. Principalmente, quando ao longo destes anos fui vendo os meus colegas a tirarem também a carta e a conduzir até à faculdade ... se alguém me perguntasse se eu tinha carta, eu mentia e dizia que não, só para não ter que dar satisfações ... e a vergonha da situação aumentava a cada dia.

 

Acho que já o disse várias vezes aqui no blog, mas eu entrei para Medicina para um dia vir a ser médica de família. Esse sempre foi o meu maior sonho, ser médica de família, e até hoje, estando prestes a terminar a faculdade, nunca encontrei outra especialidade que me fascinasse e interessasse mais ... 

Ora, penso que conseguirão imaginar como eu me senti quando, um dia, descobri que para se ser médica de família é necessário ter carta de condução e conduzir ... Faz parte das funções duma médica de família visitar os doentes a casa, quando estes não se podem deslocar ao centro de saúde (aquilo a que chamamos fazer domicílios).

Além disso, estava a tornar-se cada vez mais difícil encontrar transportes públicos para chegar aos diversos hospitais de Lisboa onde tinha aulas ....

 

E agora, o que é que eu faço?

 

Deus, como querido e atencioso Pai, enviou-me dois autênticos anjos para se tornarem meus amigos na dura e difícil vida na faculdade de medicina. Esses dois anjos, a quem eu estarei eternamente agradecida, transformaram aos poucos a minha vida, em diversos aspectos. Um deles, foi em relação ao meu medo de conduzir. 

Durante o último ano, estes dois amigos (curiosamente, um casal de namorados católico) foram falando comigo acerca deste medo e incentivaram-me progressivamente a voltar a pegar no carro e conduzir. Todos os dias me diziam uma nova razão para conduzir: visitar os meus (futuros) doentes a casa; ir à igreja e à missa quando me apetecesse, não ter que estar sempre a pedir favores para me levarem aqui ou além, transportar crianças... enfim, servir o próximo.

Assim, durante o último ano rezei quase diariamente para que Deus me ajudasse a voltar a conseguir conduzir e a superar este medo que me paralisava e me impedia de ajudar aqueles que precisavam de mim ...

 

Quando soube que iria (como realmente vou) passar o próximo ano no Hospital de S.Bernardo em Setúbal, achei que tinha chegado a hora. Estava na altura de vencer os meus (vários) medos, e voltar a conduzir seria o primeiro. Estava na altura de crescer.

 

sem medo.JPG

 

Assim, este verão decidi tirar algumas aulas numa escola de condução... e então consegui! Voltei a conduzir!!

 

Há dias em que me esqueço como era a minha vida antes de me (re)converter ao Catolicismo.... oh tão, tão diferente da vida que hoje tenho. Da vida que o Senhor me deu. 

Só quando comecei a tentar vencer este medo de conduzir e procurei o porquê das razões que me tinham levado a desistir é que me dei conta da enorme diferença que existia também neste aspecto da minha vida. Antes, eu queria conduzir para ser a primeira, para ser importante, para ser admirada ... por orgulho! 

Agora, imensamente ajudada por Deus, quero conduzir para poder servir o próximo. Oh, só o Senhor para provocar uma mudança tão grande neste meu coração, orgulhoso e egoísta ...

 

Não foi nada fácil voltar a conduzir, claro ... foi uma autêntica batalha ... mas Deus escolheu um instrutor com a voz mais baixa e calma que eu alguma vez ouvi, e com a maior paciência do mundo, que me ensinou a ter confiança em mim mesma. Deus ofereceu-me inúmeras oportunidades, durante o verão, para conduzir o nosso carro, inicialmente com a mãe e depois com o pai.

Neste momento, já conduzi várias horas sozinha, de dia e de noite, sem trânsito e com trânsito. Já atravessei a Ponte 25 de Abril e passei por Lisboa. No último fim-de-semana, o Senhor deu-me a oportunidade de ir a conduzir até ao retiro das Famílias de Caná, a 250km daqui. E daqui por uns dias, passarei a ir de carro até ao Hospital de Setúbal, sozinha, todos os dias.

 

Ainda faço asneiras, claro. Continuo a ter algum receio de subidas inclinadas. Há dias em que ainda deixo o carro ir a baixo. Acontece, pronto. Mas, com calma, consigo.

Não há problema se falhar à primeira. Tenho sempre uma nova oportunidade .... a misericórdia infinita de Deus assim nos concede.

Conduzir, parece-me, assemelha-se muito ao ensinamento acerca da ginástica da nossa querida Teresa:

 

 

É preciso ter força para agarrar e coragem para largar ...

 

 

Nós Jesus, vamos de carro até ali.

Nós Jesus, vamos conduzir em segurança.

Nós Jesus, Tu e eu.... 

O deserto

Eis que chegamos ao fim de Agosto. E aproximamo-nos do fim do Verão ....

Como podem ter calculado pela minha ausência aqui no blogue, estive de férias. Este ano, pela primeira vez, não fomos passar férias a lado nenhum, com excepção dum fim-de-semana, no início de Agosto, a que fomos a Lamego, à terra natal da mãe, para o casamento do meu padrinho, o irmão mais novo da minha mãe.

Assim, apesar de ter permanecido em casa, decidi afastar-me da internet, do computador e, claro, dos blogues ...

 

Talvez devesse ter-vos contado antes mas, desde o início destas férias, no princípio de Julho, que tenho experimentado algo que apenas posso expressar como um "deserto espiritual". Durante estes dois meses tenho-me sentido verdadeiramente seca e árida a nível espiritual. A minha fé parece que estagnou. Deixei de crescer. Simplesmente parei. Permaneço no mesmíssimo lugar. Aqui, no deserto …

 

Não pensem que tenho passado por uma crise de fé. Longe disso.

Começo, finalmente, a compreender que o Senhor me trouxe até aqui para puder mostrar-me alguns defeitos e alguns pecados que, continuamente, tenho repetido e repetido e repetido, sem conseguir superá-los verdadeiramente. Em troca, Deus tem-me (tentado) ensinar novas virtudes, para substituir os defeitos que tenho tentado vencer. Mas tem sido um trabalho demorado e bastante difícil … apenas porque eu sou teimosa e teimosa e teimosa, e recuso-me a deixá-los ir ….

Perdoem-me por não poder dizer mais, mas a natureza da situação é demasiado íntima para puder partilhá-la convosco…

 

Além disso, para piorar a situação, estas férias têm trazido bastantes más notícias para a nossa família e para os nossos amigos. Julho começou com uma tentativa de suicídio duma amiga da mãe. Houve idas às urgências e internamentos de outros amigos nossos. Houve, na família, a partida dum querido e desejado bebé, que o Senhor chamou para junto de Si, ainda antes de nascer. E, para terminar, na véspera do meu aniversário, ficámos a saber que a avó materna, que vive em Lamego, tem uma neoplasia do estômago pouco promissora, e que uma tia da minha mãe estava também no hospital, às portas da morte, com um tumor do ovário, já metastizado por tudo quanto seja lado … Ah, sem esquecendo, claro,  a carga física e emocional diária de ter o avô acamado e demente ...

 

Compreendem, assim, que este verão tem sido particularmente difícil, não só para mim, mas também para a minha família. Adicionalmente, Setembro promete trazer consigo inúmeras e profundas alterações nas nossas vidas, mas sobre isso talvez seja melhor falar-vos num outro post….

 

Não pretendia escrever-vos um post desanimador, como acabei por escrever. Nós estamos bem – talvez um pouco abatidos e fragilizados, sim, mas estamos bem. Porque temos a nossa Fé. 

 

A Fé Católica trouxe-nos este enorme presente: nós sabemos que, desde que haja esperança, amor e fé ... tudo se faz e tudo se supera. 

 

P.s: Tentarei voltar, ainda que aos poucos, às publicações aqui no blog, talvez já na próxima semana :)

 

Os nossos nomes que estão escritos no Céu

Maravilha-me sempre como o Senhor nos pode falar ao coração, de tantas maneiras diferentes, através duma única passagem das Sagradas Escrituras ....

No outro dia, estava a ler o Evangelho segundo S.Lucas, capítulo 10, sobre o episódio em que Jesus (v.1) "escolheu 72 discípulos e enviou-os dois a dois, á Sua frente, a todas as cidades e lugares aonde Ele próprio devia ir".

Mais à frente, no v.17, é-nos relatado que "os 72 voltaram, muito alegres, dizendo: «Senhor, até os demónios nos obedecem por causa do Teu Nome.» Jesus respondeu: «Eu vi Satanás cair do céu como um relâmpago. Olhai que vos dei poder de andar sobre cobras e escorpiões e sobre a força do inimigo, e nada vos poderá fazer mal. Contudo, não vos alegreis porque os espíritos maus vos obedecem; antes, alegrai-vos porque os vossos nomes estão escritos no Céu.»"

 

Há cerca de um ano, perto do meu Crisma, pensei em oferecer uma pequena prenda à minha madrinha de Crisma, para agradecer pelo seu apoio e por tudo o que me tinha ensinado no último ano. Durante o retiro das Famílias de Caná, na Quinta do Conde, pude comprar um terço, com um azul muito bonito, que me fez logo lembrar a minha querida madrinha. Já em casa, tive a ideia de tentar bordar uma cruz num tecido e tentar fazer uma bolsinha pequena para guardar o terço. Para minha surpresa, o resultado ficou muito bonito - foi o primeiro bordado que fiz na minha vida mas, infelizmente, na altura não me lembrei de tirar uma foto...

Desde essa altura, sempre que tinha uns minutinhos livres, ía bordado umas coisas, aqui e ali - se tiverem curiosidade, podem ver algumas coisas que fiz, no último ano, na minha conta do Instagram - e, com o tempo, descobri uma enorme paixão pela arte de bordar! Deve ter uma componente genética algures, porque tanto a minha mãe como a minha avó também gostavam muito de bordar ... 

 

Em Abril, nasceu o último bebé do nosso círculo de amigos e familiares, e pensei em bordar uma toalha de banho para lhe oferecer...

Gabriel 1.jpg

Chamaram-lhe Gabriel - como o Anjo 

 

Tenho estado a aproveitar o Verão para bordar mais duas toalhas, para as oferecer no Natal a duas outras pessoas. Adoro aprender mais uma arte que me faz sentir em plena sintonia com outras mulheres ao longo da História - e até com algumas santas, no meio das milhares de mulheres que já pegaram numa agulha nesta Terra!

Santa Maria Domingas Mazzarello disse uma vez:

"Ao decidir aprender o ofício de costureira, disse à sua amiga Petronilla: «Coloquemos logo esta intenção: que cada ponto seja um ato de amor a Deus»." 
 
E esse tem sido o meu objectivo de cada vez que pego na agulha ...
 
 
Mas o que tem esta conversa toda a ver com o capítulo 10 do Evangelho de S. Lucas?
 

Gabriel 2.jpg

"Contudo, não vos alegreis porque os espíritos maus vos obedecem; antes, alegrai-vos porque os vossos nomes estão escritos no Céu.»"

 
Nesse dia, quando li este versículo, curiosamente a primeira imagem que se formou na minha mente foi a do nosso nome a ser bordado no Céu, ponto por ponto, por cada acto de amor que fazemos no nosso dia a dia. Por mais pequenino que seja o nosso acto, Deus está sempre atento e não deixa escapar nenhum dos nosso actos de amor e de sacrifício ... Ponto por ponto, um pouquinho mais a cada dia, mais um pontinho e outro e outro ... 
 
Em que estado estará o meu nome, Marisa, bordado no Céu?
Há dias em que penso (erradamente) que já devo ter uma letra completamente bordada no Céu; noutros dias, penso que não passará ainda do contorno do pontinho da letra i ...
 
Haverá pessoas que têm nomes maiores e mais compridos para serem desenhados no Céu; outros, santos, apenas "precisarão" de escrever um nome pequenino, como ...
 
 
Além disso, é também conhecida a analogia de que Deus está no Céu a fazer um bordado ou uma tapeçaria, um trabalho muito grande, bonito e especial, e que nós, como só vemos as costas ou o verso desse trabalho, não conseguimos ver claramente o desenho e só vemos os nós e os cruzamentos de linhas e as misturas de cores sem sentido. Um dia, quando chegarmos ao Céu e virmos o resultado desse bordado ou tapeçaria pelo lado de Deus, tudo fará finalmente sentido - e perderemos o fôlego ao observar o lindíssimo, maravilhoso, pormenorizado e extraordinariamente complexo trabalho do Senhor ...
 
 
Hoje rezo para que o Senhor nos dê a todos muitas e muitas oportunidades para darmos mais um pontinho no nosso nome, que está a ser bordado no Céu e para que Ele nos ajude a desatar todos os nós que nós próprios fazemos ... e não nos esqueçamos de rezar à melhor Desatadora de Nós que existe 

Jardim de Primavera

Queridos leitores, estou a entrar naquela fase do semestre da faculdade em que tenho de começar a estudar a sério para os exames finais de ano. Peço-vos as vossas orações para que corra tudo (não bem, mas) consoante a vontade do Senhor. O blog entrará assim em standby a meio do mês de Maio .... mas ainda tenho 2 posts para partilhar convosco, que penso que vos agradarão.

 

Hoje, compartilho convosco duas citações belíssimas de duas grandes Santas, que tive o prazer de ler (e reler) nesta semana. A Primavera é uma altura de renovação, de renascimento e de reflorescer. Sigamos os passos seguros dos Santos: 

 

"O aprendiz deve pensar de si mesmo como se fosse construir um jardim, no qual o Senhor possa deleitar-se e deliciar-se, ainda que o solo seja bastante infrutífero e cheio de ervas daninhas… (...)

Sua Majestade arrancará as ervas daninhas e irá colocar boas plantas no seu lugar. (...)

Então, nós temos que, com a ajuda de Deus, e como bons jardineiros, fazer com que essas plantas crescem. Temos que regá-las com cuidado, para que não murchem e morram; para que produzam muitas flores, que enviarão a sua bela fragrância para refrescar o nosso Senhor; a fim de que Ele venha muitas vezes ao nosso jardim e nele encontre, entre as nossas virtudes, prazer, agrado e alegria."  

Santa Teresa de Ávila

 

"Se uma pequena flor pudesse falar, parece-me que iria dizer-nos, muito simplesmente, tudo o que Deus tem feito por ela, sem esconder qualquer um dos seus presentes. Não iria, sob o pretexto da humildade, dizer que não era bonita, ou que não tinha um cheiro doce, que o sol tinha secado as suas pétalas ou que a tempestade tinha ferido o seu caule. (...)

O esplendor da rosa e a brancura do lírio não roubam a pequena violeta do seu perfume nem a margarida de seu simples charme. Se cada pequena flor quisesse ser uma rosa, a Primavera perderia todo o seu encanto e beleza. "

Santa Teresinha do Menino Jesus

Maio.JPG

 

"Fala o meu amado e diz-me:

Levanta-te! Anda, vem daí,

ó minha bela amada!

Eis que o Inverno já passou,

a chuva parou e foi-se embora;

despontam as flores na terra,

chegou o tempo das canções,

e a voz da rola

já se ouve na nossa terra;

a figueira faz brotar os seus figos

e as vinhas floridas exalam per­fume.

Levanta-te! Anda, vem daí,

ó minha bela amada!"

Cânticos dos Cânticos 2:10-13

O Filho Mais Velho Também Estava Perdido

   Missão País 2016 - 8ºdia (1ªparte)  

 

Hoje terminamos o estudo da Parábola do Filho Pródigo, com os versículos que, a meu ver, são os mais surpreendentes e desconcertantes:

 

"Ora, o filho mais velho estava no campo. Quando regressou, ao aproximar-se de casa ouviu a música e as danças. Chamou um dos servos e perguntou-lhe o que era aquilo. Disse-lhe ele: ‘O teu irmão voltou e o teu pai matou o vitelo gordo, porque chegou são e salvo.’

Encolerizado, não queria entrar; mas o seu pai, saindo, suplicava-lhe que entrasse. Respondendo ao pai, disse-lhe: ‘Há já tantos anos que te sirvo sem nunca transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito para fazer uma festa com os meus amigos; e agora, ao chegar esse teu filho, que gastou os teus bens com meretrizes, mataste-lhe o vitelo gordo.’

O pai respondeu-lhe: ‘Filho, tu estás sempre comigo, e tudo o que é meu é teu. Mas tínhamos de fazer uma festa e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e reviveu; estava perdido e foi encontrado.’»”

Lucas 15:25-32

 

O Filho mais velho também se afastou ...

Ao lermos atentamente estes versículos, acabamos por constatar que, apesar de sempre ter vivido na casa do seu Pai, o Filho mais velho também se sentia longe dela ...

Ele vê-se como sendo um filho fiel e exemplar, que sempre cumpriu todos os seus deveres e que sempre seguiu todas as ordens do seu Pai. E, por causa disso, dos seus méritos e acções (aparentemente) exemplares, pensa que devia ser recompensado.

Mas, apercebemo-nos depois, o Filho mais velho, na verdade, não se comportava como verdadeiro filho, mas sim como um escravo obediente. O Filho mais velho demonstra ser capaz de fidelidade, sem dúvida, mas também demonstra uma incapacidade em amar e deixar-se ser amado. 

É por esta razão, simultaneamente tão simples mas tão decisiva, que o Filho mais velho não consegue compreender o amor que perdoa manifestado pelo Pai.

Para ele, o mais importante é o mérito prático, os sacrifícios públicos e visíveis, e as formalidades rígidas e indiferentes - o que muito me lembra o comportamento dos fariseus descritos nos Evangelhos e que Jesus tanto criticava ....

Para ele, não existe lugar para a solidariedade, nem para a gratuidade, muito menos para a caridade ou o amor desinteressado….

Na verdade, o Filho mais velho estava tão afastado do Pai tanto quanto o Irmão mais novo...

 

Rembrandt - Return of the Prodigal Son

 O Regresso do Filho Pródigo (1668) - Rembrandt

 

O Filho mais velho também estava perdido ...

Nestes versículos, vemos o Filho mais velho a acusar o Pai de cegueira e de injustiça. De notar que, ao falar, ele usa expressões como "esse teu filho" e "os teus bens", demonstrando uma frieza, um isolamento, uma separação, um afastamento e um sentimento de não pertença na sua família.

Assim, verifica-se que ocorreu com o Filho mais velho o mesmo que com o seu irmão, ou seja, também ele estava perdido e precisava voltar...

Porém, o seu regresso, ao contrário do irmão, ainda não aconteceu. Ele encontra-se ainda perdido, no interior da própria cada do seu Pai. Também ele é o Filho Pródigo... 

 

 

O Filho mais velho também foi encontrado pelo Pai...

O Pai que, momentos antes saíra da sua casa ao encontro do Filho mais novo, parte agora em busca do Mais velho. Pede-lhe, suplicando, que participe da sua alegria, que só será completa quando houver verdadeira comunhão entre todos os filhos. Vemos um Pai que anseia por uma completa união e reconciliação da sua família.

Portanto, «é preciso» que também o Filho mais velho "caia em si", reconhecendo os seus erros e experimentando também ele o perdão do Pai. 

Na verdade, ao rivalizar com o irmão, o Filho mais velho não se apercebe que o amor do Pai não tem preferências nem predilecções; e é tão grande que chega para todos…

 

 

 † ALEGRA-TE, FOSTE ENCONTRADO! † 

 Missão País 2016 

 

O Filho Mais Novo é Encontrado

  Missão País 2016 - 7ºdia  

 

Ao lermos a Parábola do Filho Pródigo, quase inconscientemente achamos que o Filho Mais Novo é a personagem principal - porque é a personagem mais falada e acerca da qual a parábola parece girar. Mas, finalmente, nos versos 20 a 24, apercebemo-nos que o Pai, uma personagem quase secundária até aqui, é na verdade a personagem mais importante.

 

"Quando ainda estava longe, o pai viu-o e, enchendo-se de compaixão, correu a lançar-se-lhe ao pescoço e cobriu-o de beijos. O filho disse-lhe: ‘Pai, pequei contra o Céu e contra ti; já não mereço ser chamado teu filho.’ Mas o pai disse aos seus servos: ‘Trazei depressa a melhor túnica e vesti-lha; dai-lhe um anel para o dedo e sandálias para os pés. Trazei o vitelo gordo e matai-o; vamos fazer um banquete e alegrar-nos, porque este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi encontrado.’ E a festa principiou."

Lucas 15:20-24

 

O Pai, representando Deus, espera durante muito tempo pelo regresso do seu Filho mais novo a casa. E, quando o vê, corre de braços abertos para o receber! Quando o recebe, não lhe pergunta por onde andou nem o que fez, mas dá-lhe, simplesmente, de volta toda a dignidade de filho que se arrependeu.

Por muitos pecados que possamos ter cometido, Deus espera-nos sempre e está pronto a acolher-nos e a festejar connosco e por nós! Deus nunca se esquece de nenhum de nós. Deus nunca nos abandona. Ele é um Pai infinitamente paciente, que nos espera sempre!

 

Porque, como disse o Papa Francisco, "Deus nunca se cansa de nos perdoar! ... nós é que nos podemos cansar de Lhe pedirmos perdão."

 

Crucifixo HPV

Disse também o Sumo Pontífice, no Angelus, a 15 de Setembro de 2013:

"Se vivermos segundo a lei do «olho por olho, dente por dente», jamais sairemos da espiral do mal. O Maligno é astuto e ilude-nos que, com a nossa justiça humana, podemos salvar-nos a nós mesmos e ao mundo...

Na realidade, só a justiça de Deus nos pode salvar! E a justiça de Deus revelou-se na Cruz: a Cruz é o juízo de Deus sobre este mundo. 

Mas como nos julga Deus? Dando a vida por nós!

Eis o gesto supremo de justiça, que derrotou de uma vez por todas o Príncipe deste mundo. E este gesto supremo de justiça é também, precisamente, o gesto supremo de misericórdia. Jesus chama a todos nós a seguir este caminho: «Sede misericordiosos, como o vosso Pai é misericordioso» (Lc 6:36)

 

Realço também que, apesar de não ser dito directamente, pode-se inferir que é só neste momento que o Filho mais novo se apercebe que a verdadeira herança do Pai não era a posse material, mas o sim Seu amor!

 

O nosso Deus é um Pai que espera.

O nosso Deus é um Pai alegre - e a Sua alegria é perdoar!

 

 † ALEGRA-TE, FOSTE ENCONTRADO! † 

 Missão País 2016