Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

O dom de estar doente

Não faço ideia como é que o mês de Janeiro está quase no fim... No dia 2 de Janeiro comecei um novo estágio hospitalar, desta vez em Pediatria. O trabalho tem sido muito e os ponteiros do relógio não perdoam ... tic tac, tic tac ... e o tempo voa!

 

No início desta semana, fiquei doente, de cama, com uma valente amigdalite. Muita febre, arrepios e suores, muito sono e cansaço, tantas dores por todo o lado e oh, tantas dores de garganta! ... e, quase dum dia para o outro, eis que a minha voz praticamente desaparece. Para conseguir dizer uma única palavra, numa voz muito rouca e baixinha, tinha de suportar um aumento significativo nas dores de garganta e ui, como doía ....

 

Claro que me revi na situação da nossa querida Teresa Power todos os dias  

Deus fez questão que eu experimentasse em primeira mão grande parte das experiências que ela tem partilhado connosco no site das Famílias de Caná - e que experiências!!

 

cruz e flor.jpg

 

Louvado seja o Senhor pelo dom de estar doente!

Mas será que eu endoideci? 

 

Que maravilhosa experiência é poder compreender, completamente, o sofrimento dos doentes de quem cuido todos os dias.

Que dom é aceitar ser vulnerável e frágil e de precisar da ajuda de alguém.

Que lição de humildade é ter que deixar que alguém cuide de mim.

Que óptima oportunidade para oferecer este meu (gigante, a meu ver) sofrimento por uma intenção especial.

E que bom que é estar calada ...

 

Sim, estar calada, leram bem.

O pecado que eu mais repito a cada confissão há-de ser certamente as respostas tortas que eu digo aqui por casa....

Ao longo destes 6 anos em medicina, já me disseram por diversas vezes que a paciência e o carinho que eu demonstro ao lidar com os doentes será com certeza um dos meus maiores pontos fortes .... mas parece que essas capacidades se esgotam totalmente no meu local de trabalho. 

Cá por casa, exactamente para as pessoas que eu mais amo, o que se ouve mais sair da minha boca são respostas tortas e muitas, muitas, muitas declarações de cansaço e frustração ...

 

Ora, quando Deus me coloca numa situação, como a desta semana, em que cada palavra que eu quisesse pronunciar tinha de estar disposta a sofrer ... aprende-se uma bela lição, não é verdade?

Quem nos dera que fosse sempre assim. Como seria diferente a nossa postura no mundo.

Como seria diferente a minha vida, se eu me lembrasse sempre antes de falar: valerá a pena? estaria disposta a sofrer para a pronunciar?

 

Fez-me lembrar uma frase que li, algures, na internet:

think.jpg

Imagem retirada daqui

 

Antes de falar, pensa (THINK):

T - é verdade?

H - vai ajudar?

I - é inspirador?

N - é necessário?

K - é amável e gentil?

 

Nem queiram saber a paz que reinou aqui por casa nestes últimos dias ... como desejo que permaneça assim, mesmo quando a minha voz voltar.

 

Já São Paulo nos tinha exortado:

 

"Irmãos, tudo o que seja verdadeiro, tudo o que seja nobre,

tudo o que seja justo, tudo o que seja puro,

tudo o que seja amável, tudo o que seja respeitável,

tudo o que seja virtuoso e louvável,

eis o que deve ocupar os vossos pensamentos."

Carta de S.Paulo aos Filipensses 4:8

 

E eu vou acrescentar: eis o que deve sair da vossa boca ... 

 

P.s: Ao longo deste mês tenho adicionado novos links de blogs/sites na barra lateral do blog, que gosto e vos recomendo, se quiserem descobrir novas páginas católicas ...

O deserto

Eis que chegamos ao fim de Agosto. E aproximamo-nos do fim do Verão ....

Como podem ter calculado pela minha ausência aqui no blogue, estive de férias. Este ano, pela primeira vez, não fomos passar férias a lado nenhum, com excepção dum fim-de-semana, no início de Agosto, a que fomos a Lamego, à terra natal da mãe, para o casamento do meu padrinho, o irmão mais novo da minha mãe.

Assim, apesar de ter permanecido em casa, decidi afastar-me da internet, do computador e, claro, dos blogues ...

 

Talvez devesse ter-vos contado antes mas, desde o início destas férias, no princípio de Julho, que tenho experimentado algo que apenas posso expressar como um "deserto espiritual". Durante estes dois meses tenho-me sentido verdadeiramente seca e árida a nível espiritual. A minha fé parece que estagnou. Deixei de crescer. Simplesmente parei. Permaneço no mesmíssimo lugar. Aqui, no deserto …

 

Não pensem que tenho passado por uma crise de fé. Longe disso.

Começo, finalmente, a compreender que o Senhor me trouxe até aqui para puder mostrar-me alguns defeitos e alguns pecados que, continuamente, tenho repetido e repetido e repetido, sem conseguir superá-los verdadeiramente. Em troca, Deus tem-me (tentado) ensinar novas virtudes, para substituir os defeitos que tenho tentado vencer. Mas tem sido um trabalho demorado e bastante difícil … apenas porque eu sou teimosa e teimosa e teimosa, e recuso-me a deixá-los ir ….

Perdoem-me por não poder dizer mais, mas a natureza da situação é demasiado íntima para puder partilhá-la convosco…

 

Além disso, para piorar a situação, estas férias têm trazido bastantes más notícias para a nossa família e para os nossos amigos. Julho começou com uma tentativa de suicídio duma amiga da mãe. Houve idas às urgências e internamentos de outros amigos nossos. Houve, na família, a partida dum querido e desejado bebé, que o Senhor chamou para junto de Si, ainda antes de nascer. E, para terminar, na véspera do meu aniversário, ficámos a saber que a avó materna, que vive em Lamego, tem uma neoplasia do estômago pouco promissora, e que uma tia da minha mãe estava também no hospital, às portas da morte, com um tumor do ovário, já metastizado por tudo quanto seja lado … Ah, sem esquecendo, claro,  a carga física e emocional diária de ter o avô acamado e demente ...

 

Compreendem, assim, que este verão tem sido particularmente difícil, não só para mim, mas também para a minha família. Adicionalmente, Setembro promete trazer consigo inúmeras e profundas alterações nas nossas vidas, mas sobre isso talvez seja melhor falar-vos num outro post….

 

Não pretendia escrever-vos um post desanimador, como acabei por escrever. Nós estamos bem – talvez um pouco abatidos e fragilizados, sim, mas estamos bem. Porque temos a nossa Fé. 

 

A Fé Católica trouxe-nos este enorme presente: nós sabemos que, desde que haja esperança, amor e fé ... tudo se faz e tudo se supera. 

 

P.s: Tentarei voltar, ainda que aos poucos, às publicações aqui no blog, talvez já na próxima semana :)

 

Humildade e Caridade

Não há dúvida que o Senhor tem andado a trabalhar profundamente no meu coração nos últimos tempos. Ele encaminhou-me para uma fase da minha vida onde tenho tido diferentes oportunidades para praticar virtudes que ... digamos assim ... tinham sido um pouco esquecidas ultimamente.  

 

Um dia destes deparei-me com a seguinte citação:

 "Humility and charity are the two main parts of the spiritual edifice. One is the lowest and the other the highest, and all the others depend on them. Hence, we must keep ourselves well founded in these two, because the preservation of the entire edifice depends on the foundation and the roof."  (St. Francis de Sales)

 

"A Humildade e a Caridade são os dois pilares principais do edifício espiritual. Uma delas é a menor e a outra a maior, e todas as outras dependem delas. Por isso, nós devemos permanecer bem apoiados em ambas, porque a preservação de todo o edifício depende da sua fundação e do seu telhado." (São Francisco de Sales - tradução minha)

 

humildade.JPG

 

Ah, uma citação bonita, certo?

Na verdade, no início não lhe liguei nenhuma .....

Contudo, nos dias seguintes, com a progressão da doença do avô e depois de ler os inspiradores comentários da Teresa, acabei por me lembrar novamente dela ....

 

Disse a Teresa num comentário ao último post:

 "Pensa no pai de Santa Teresinha, e que hoje é santo como ela, Luis Martin: morreu demente... Teresinha disse que não trocava os anos de sofrimento do pai por nada deste mundo! (…)

Sabes que os chamados "advogados do diabo" no processo de canonização de Luis Martin colocaram essa questão: Pode um santo terminar demente? Foi uma bela discussão na Igreja... E o resultado foi claríssimo: claro que sim! Haverá maior humilhação? Luis Martin, nos pequenos momentos de lucidez que tinha antes de entrar em demência profunda, disse a Teresinha, por detrás das grades: "Para agradecer a Deus o dom que me fez de chamar à vida religiosa todas as minhas filhas, ofereci-me como vítima... E Deus aceitou! Eu nunca antes tinha sido humilhado, e agora sou-o mais do que pensei ser possível..." Ah, que grande exemplo de santidade!"

 

Humildade e Caridade

Ora aí estão as duas virtudes com as quais eu me debato mais frequentemente.

Mas não são elas a base da nossa Igreja? A base do Cristianismo? A base do projecto de Deus para toda a humanidade?

 

Humildade e Caridade

As duas virtudes que Jesus mais nos exortou a seguir e a praticar nas nossas vidas….

 

Humildade e Caridade ….

.... as principais virtudes que o mundo já se esqueceu.

 

O que se chama hoje em dia a uma pessoa que tenta ser humilde??

Burra? Estúpida? Parva?

Fraca? Alguém que se deixa pisar pelos outros?

Ridícula? Retardada? Ultrapassada?

Ou alguém que suspeitamos que pretende ser dissimuladamente melhor que os outros?

 

Alguém já ouviu falar da Ladainha da Humildade? Sim? Não?

Peço-vos então que oiçam com atenção os pedidos que são feitos a Jesus nesta belíssima oração. Peço-vos que tirem os próximos 5 minutos para apreciem bem a simplicidade e a doce submissão presente na letra da oração, assim como na voz da maravilhosa cantora católica, Danielle Rose:

 

 

Litany Of Humility

 

(The Missionaries of Charity pray this litany each week. May we seek to become humble like little children.)

 

 

From the desire of being esteemed,

From the desire of being loved,

From the desire of being extolled,

From the desire of being honored,

From the desire of being praised,

From the desire of being preferred,

From the desire of being approved,

From the desire of being consulted,

 

Deliver me,

Oh deliver me,

Jesus.

 

From the fear of being humiliated,

From the fear of being despised,

From the fear of suffering rebukes,

From the fear of being calumniated,

From the fear of being forgotten,

From the fear of being wronged,

From the fear of being ridiculed,

From the fear of being suspected,

 

Deliver me,

Oh deliver me,

Jesus.

 

That others be loved more than I,

Others esteemed more than I,

Others increase and I decrease in the world’s eyes,

That others be chosen and I set aside,

Others praised and I unnoticed,

Others be preferred in everything,

That others become holier than I,

Provided that I may become as holy as I should,

 

Jesus, grant me the grace to desire it.

 

Meek and humble of heart, Jesus.

Meek and humble of heart, hear us.

Meek and humble of heart, Jesus.

 

Ladainha da Humildade

Oração tradicional que as Missionárias da Caridade rezam todas as semanas. Que procuremos tornar-nos humildes como as crianças pequenas.

 

Do desejo de ser estimado,

Do desejo de ser amado,

Do desejo de ser exaltado,

Do desejo de ser honrado,

Do desejo de ser elogiado,

Do desejo de ser preferido,

Do desejo de ser aprovado,

Do desejo de ser consultado,

 

Livra-me,

Ó livra-me,

Jesus.

 

Do medo de ser humilhado,

Do medo de ser desprezado,

Do medo de sofrer repreensões,

Do medo de ser caluniado,

Do medo de ser esquecido,

Do medo de ser injustiçado,

Do medo de ser ridicularizado,

Do medo de ser duvidado,

 

Livra-me,

Ó livra-me,

Jesus.

 

Que os outros sejam mais amados do que eu,

Que os outros sejam mais estimado do que eu,

Que os outros aumentem e que eu diminua aos olhos do mundo,

Que os outros sejam escolhidos e eu seja colocado de parte,

Que os outros sejam elogiados e eu passe despercebida,

Que os outros sejam preferidos em tudo,

Que os outros se tornem mais santos do que eu,

Desde que eu me torne tão santo quanto deveria,

 

Jesus, concede-me a graça de desejá-lo.

 

Manso e humilde de coração, Jesus.

Manso e humilde de coração, ouvi-nos.

Manso e humilde de coração, Jesus.

 

humildade 2.JPG

 

Lágrimas chegam rapidamente aos meus olhos e facilmente deslizam pela minha face.

 

Porque choro eu?

 

Choro porque dói. E dói muito.

Dói porque estou disposta a renunciar-me.

Dói porque custa tanto, mesmo agora, e continuará a custar.

 

Mas choro também, e principalmente, por causa duma felicidade inexprimível.

Duma alegria inexplicada.

E duma certeza inabalável no infinito Amor e Misericórdia do Senhor.

 

Se Tu queres Jesus, então eu também quero.

Está bem, Jesus, eu desisto.

Está bem, Jesus, eu rendo-me.

Está bem, Jesus, eu aceito.

 

A actual situação cá por casa ...

Há algum tempo que penso em escrever este post, mas tenho vindo a adiar e adiar ... sempre na esperança de que a situação vai melhorar em breve ... mas na verdade, não vai.

 

O meu avô (aquele com quem nós vivemos) foi diagnosticado com doença de Alzheimer há cerca de 1 ano e meio. O diagnóstico não foi surpresa nenhuma para nós, já conhecíamos os sintomas-chave da doença e estavam todos presentes há algum tempo ... o facto dos diversos exames estarem (quase) normais vieram apenas confirmar este diagnostico (que é sempre de exclusão). Concomitantemente, suspeita-se que o avô tenha também uma demência vascular (que é mais frequente que a doença de Alzheimer) que basicamente acaba por ter os mesmos efeitos... só acelera ainda mais o processo ... 

 

Na semana antes de ir para a Missão País, o estado físico do avô agravou num ápice. Ele vinha a envelhecer bastante fisicamente ao longo do último ano, perdendo rapidamente a mobilidade e a força muscular, principalmente a nível dos membros inferiores. Nessa semana, ele praticamente deixou de conseguir andar. E estava a piorar tanto e tão depressa que, por alguns dias, pensávamos que ele poderia morrer a qualquer momento... Eu estive muito perto de não ir à Missão País - acabei por ir, mas com o coração bastante pesado e na promessa de voltar para casa ao menor sinal de qualquer contrariedade... 

 

O avô neste momento está acamado e continua a definhar a cada dia que passa... e nós perguntamo-nos se ele ainda estará connosco no próximo mês, para celebrarmos os seus 81 anos no dia 3 de Maio ... 

 

Esta situação tem sido especialmente difícil para a avó que, além de ser a principal enfermeira e empregada, de dia e de noite, tem também de ver o seu companheiro de há mais de 50 anos a perder-se e a esquecer-se de tudo e de todos ... e a situação piora a cada dia ... e tem sido tão, tão difícil, tanto física como mentalmente, para os quatro cá em casa, lidarmos com tudo ... É sempre preciso muita ajuda para tratar do avô. Dá imenso trabalho. E além disso, passámos a ter que fazer as imensas tarefas que a avó fazia diariamente... sim, tem sido muito, muito, muito difícil....

 

Porque escrevo eu isto? Também não sei ... 

Achei que estava na hora de vos contar porque, apesar de tentar que este blogue seja um local onde qualquer pessoa possa sair daqui a sentir-se melhor, mais alegre, com mais esperança e fé.... na verdade, esta é a minha vida real - confusa, difícil, imperfeita, dolorosa, cheia de frustrações e de dores de cabeça e de lágrimas e ....

O nosso mundo, tal como o conhecíamos, está a desabar. Já nada será como ontem. Aguarda-nos um futuro desconhecido e imprevisível e que nos mete tanto medo ... 

 

Se não fosse o Senhor... ai, se não fosse pelo Senhor....
Com certeza, todas as pessoas desta casa já tinham desabado ....

Ai se não fosse o Senhor a segurar-nos ... 

 

Louvado seja o Senhor! Louvado seja o Senhor, para sempre!

Só por acção da Divina Providência poderia acontecer que, num dia de especial dor e tristeza cá em casa, tenha literalmente chovido emails, cartas, telefonemas e mensagens de apoio inesperadas de todo o lado
Obrigado Senhor, oh, muito obrigado!

 

Sugestões de Leitura #1

Bem sei que na Semana Santa se privilegia o silêncio e o recolhimento interior ...

Mas se houver aí desse lado alguém como eu, que precisa sempre dum "empurrãozinho" nestas coisas, permitam-me que vos sugira a leitura de alguns textos que, na minha humilde opinião, vos irá favorecer e facilitar grandemente a reflexão e a meditação nesta que é a semana mais importante do ano:

 

 

6 metas pessoais para esta Semana Santa.jpg6 Metas pessoais para esta Semana Santa

 

"A Quaresma e a Semana Santa são caminhos de crescimento espiritual para ratificar, diante de nós mesmos e dos outros, que Deus passou pelas nossas vidas para fazer de nós pessoas melhores

E para que esta mudança seja verdadeira, o Senhor nos convida a deixar morrer em nós tudo aquilo que nos afasta Dele e dos outros."

 

 

 

Que faz Deus numa cruz.jpg

Que faz Deus numa cruz?

 

“São Paulo dirá mais tarde, que um "Deus crucificado" será motivo de escândalo para os pagãos. E não será para tantos de nós, cristãos?

«As perguntas são inevitáveis: Como é possível acreditar num Deus crucificado pelos homens? Temos consciência do que estamos a dizer? Que faz Deus numa cruz? Como pode subsistir uma religião fundada numa concepção tão absurda de Deus?»” 

 

 

Quem sou eu diante do meu Senhor.jpg

Quem sou eu diante do meu Senhor?

 

"Ouvimos a Paixão do Senhor. Será bom pormo-nos apenas uma pergunta: Quem sou eu? Quem sou eu, face ao meu Senhor?

Sou eu como Judas?

Ou sou como os discípulos, que não compreendiam o que era trair Jesus?

Sou eu como Pilatos?

Ou sou eu como Simão de Cirene que voltava do trabalho, cansado, mas teve a boa vontade de ajudar o Senhor a levar a cruz?

Quem sou eu, face a Jesus que sofre?"

 

 

DOM DAS LÁGRIMAS.jpegO Dom das Lágrimas

 

"As lágrimas têm um lugar fundamental na nossa vida.

O choro, seja pelo sofrimento, pelo desespero ou pela angústia, constitui um primeiro passo de libertação.

Chorar é dar um lugar ao sofrimento, é colocá-lo diante de nós, é dar-lhe um rosto: ele deixa de ser parte de nós, e torna-se uma realidade que enfrentamos."

 

 

 

Ultimamente

Já por inúmeras vezes que tentei voltar a escrever aqui no blogue, mas simplesmente não consigo. Os 5 minutos espalhados em vários dias não resultam em nada de jeito ....

 

Teoricamente, eu já suponha o quão difícil e trabalhoso viria a ser o 5ºano de Medicina. Mas pelos vistos eu nem sabia da ponta do icebergue....!!!

Em 3 semanas, o meu horário foi mudado 4 vezes. Mudei 2 vezes de hospital onde iria ter algumas aulas. Ontem saí de casa às 7h e voltei às 21h. Hoje estive no bloco operatório de manhã, acabámos perto das 15h, almocei e cheguei à pouco a casa. Eu ando cheia, mas caramba mesmo cheia!, de coisas para fazer, livros para estudar, aulas a que tenho mesmo de ir. A exigência está super elevada!!

 

No meio disto, tento por tudo não descuidar da minha vida católica - o tempo de oração e o Terço, a missa dominical e a confissão frequente mantêm-se. Afinal, dentro de poucos dias realizarei o meu Crisma! :)

Mas depois, a maior parte dos meus colegas continuarão na catequese de adultos. Alguns pensam tornar-se catequistas. E todos estão envolvidos em actividades da igreja....

Eu não irei conseguir fazer nada disso. Este ano não conseguirei mais manter nenhum compromisso semanal. Simplesmente não é possível. Não consigo....

 

E por causa desta situação, tenho-me sentido bastante triste e infeliz. Sinto-me fraca e incapaz. No fundo, sinto-me como uma católica de 2ºcategoria que nem encontra um tempinho para levar Jesus aos outros  .... 

 

Assim, uma das coisas que também terei que pôr de parte por agora será este blogue. Este blogue não é uma prioridade, é apenas mais um meio de evangelização. Contudo, neste próximo ano da minha vida não conseguirei mantê-lo como antes. Peço-vos desculpa, mas eu simplesmente não consigo mais .....

Os meus joelhos

20150407_090732.jpg

 

Hoje quero falar-vos dos meus joelhos. Sim, leram bem, dos meus joelhos. 

 

Os meus joelhos foram incrivelmente mal amados durante a minha adolescência. Durante anos considerei-os feios, horrendos e indignos de verem sequer a luz do dia.

 

Os meus joelhos feios e tortos. Os meus joelhos "metidos para dentro".

Os meus joelhos esfolados e cheios de marcas e cicatrizes.

 

Durante muito tempo foram a parte do meu corpo que menos gostava. Aliás, eu odiava-os profundamente!!

 

Na Semana Santa, durante uma das várias Adorações que fiz ao Santíssimo Sacramento, dei por mim a olhar para os meus joelhos (não, nesse momento não estava a meditar na Paixão de Jesus, perdoem-me!).

E de repente, um pensamento formou-se na minha mente - Como são fortes os meus joelhos!

 

Desde que voltei à Igreja que tenho vindo a reparar o quanto não me custa estar de joelhos. Vejo as outras pessoas, da minha idade ou pouco mais velhas que eu, aos ais e aos gemidos depois de estarem 5 min ajoelhados, e eu só pensava - a mim não me custa nada!

 

Nesta Páscoa vim a descobrir o quão fortes são os meus joelhos - numa das Adorações tive 3 horas de joelhos no chão - sim, 3 horas, no chão de pedra, com 3 intervalos de 5 min!

E sabem, não me custou nada! Nada mesmo!

 

Escusado será dizer que agora estou apaixonada pelos meus joelhos. Eles continuam tortos, e marcados, e cheios de cicatrizes. Mas, por alguma estranha razão anatómica, eles são capazes de aguentar longos tempos de oração. 

Talvez Deus os tenha feito assim de propósito, para que eu descobrisse um dia, e confirmasse mais uma vez a razão da minha existência - Louvar a Deus, sobre todas as coisas, e a toda a hora!

 

Agora, de cada vez que olho para os meus joelhos sorrio. Eles são perfeitos para adorarem o Senhor! 

 

Eis o que diz o Senhor que te criou, que te formou desde o seio materno e te socorreu:

nada temas, Jacob, meu servo, meu Israel, a quem Eu escolhi!

Isaías 44: 2

Amor Salvador

20150407_165238.jpg

Aqui por casa ainda estamos em festa!

 

Parece que estou em sintonia com a Olivia - não encontro palavras para vos descrever a minha semana santa e em particular o meu Tríduo Pascal. Ou devia antes dizer nosso - meu e de Jesus.

Sim, porque estes dias foram vividos em intensa e profunda união e comunhão com o nosso Príncipe Salvador. E foi incrivelmente maravilhoso, extraordinariamente belo e absolutamente estonteante!!!!!

Perdoem-me, simplesmente ainda não encontrei as palavras certas para descrever todos os acontecimentos da última semana...

                                                                     

Hoje queria relatar-vos algo que aconteceu ontem. Como já tinha dito antes, nesta quaresma uma das minhas resoluções era descobrir uma forma de ir à missa diária (ou quase diária). Consegui encontrar uma solução e consegui manter esta resolução durante toda a quaresma, o que só por si, dado o meu horário irregular e inacreditavelmente preenchido, foi algo incrível!

Agora, estou motivada em manter esta resolução! Já é algo que faz parte da rotina do meu dia, como antes tinha conseguido alcançar com o Terço.

 

Missa das 12.30h no Hospital de Santa Maria - com um senhor padre que possui um dom das palavras como não se vê todos os dias, além duma voz melodiosa!

As passagens da Bíblia falam-nos do primeiro aparecimento de Jesus após a Sua Ressurreição, à Santa Maria Madalena.

 

Mas porquê a Maria Madalena?

Com tantas, tantas pessoas diferentes que Jesus poderia ter escolhido para serem os primeiros a vê-lO ressuscitado, porquê Maria Madalena?

Porque não Maria, sua mãe tão amada? Porque não um dos apóstolos? Porque não outra pessoa qualquer? 

 

Segundo o senhor padre, Jesus escolheu Maria Madalena devido à sua vida anterior em grande pecado

Diz no Evangelho que Jesus expulsou 7 demónios de dentro de Maria Madalena. Vejam bem quantos pecados esta mulher não teria cometido ao longo da sua vida! 

 

Antes de conhecer Jesus, Maria Madalena estava morta. Jesus era o único capaz de lhe restaurar a vida, de lhe dar uma nova vida. Tal como fez.

 

Segundo o senhor padre, só alguém que soubesse o que era estar morto, só alguém que tivesse pecado muito, só alguém que tivesse sofrido muito, como Maria Madalena, poderia ser a primeira pessoa a acreditar na Ressurreição de Jesus! 

Porque, se não soubermos o quão perdidos estamos sem a salvação de Deus, não saberemos reconhecer a imensidão da vitória do Seu Filho, não saberemos reconhecer o mistério maravilhoso que é a Ressurreição, nem saberemos reconhecer o quão abençoados e amados somos!

Assim como, só alguém que saiba o nada que é sem Jesus, poderá aceitar o Seu Amor Salvador!

 

Ainda existem alturas em que eu penso em todos os pecados que cometi. E arrependo-me sempre tanto tanto tanto... Como fui capaz? Como?

Mas, de cada vez que penso nesses tempos negros e tenebrosos, nesses tempos de morte e sofrimento atroz, sinto novamente aquela alegria incontrolável e transbordante, aquela sensação de agradecimento eterno, aquela paz, aquele amor intensíssimo, que senti na primeira vez que me confessei depois de tantos anos de má vida.

 

Meu querido e amado Jesus, obrigado por Te teres sacrificado por mim. Eu jamais poderei agradecer-Te o suficiente, e jamais conseguirei recompensar-Te por isso. Assim, eu simplesmente aceito-Te e ao Teu Sacrifício de Amor, e prometo obedecer-Te, amar-Te, louvar-Te e honrar-Te sempre e em todas as circuntâncias. Amén.