Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem rapariga católica. Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia e do amor incondicional ao próximo. Espero que este blog vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem rapariga católica. Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia e do amor incondicional ao próximo. Espero que este blog vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

O meu mês de Outubro

Ops! 

 

Não tinha planeado ficar 4 semanas sem escrever um post aqui no blog ...  perdoem-me!

Mas este ano é especial, diferente de qualquer outro ano anterior na minha vida, e as minhas prioridades tiveram de ser re-organizadas.

 

Tenho muito pouco tempo para vos escrever este post, mas penso que já vos devo uma actualização acerca dos eventos mais importantes que se têm passado na minha vida:

 

  • O avô paterno, com o qual vivemos, e que desde Fevereiro está (quase completamente) acamado com doença de Alzheimer, tem estado (excepto um dia ou outro) praticamente na mesma. Não melhorou em nenhum aspecto da doença, nem com as mudanças na medicação, mas, graças a Deus, não piorou. A sua situação, e principalmente a sua mente, manteve-se e não se deteriorou! Glória a Deus!! 

 

  • A avó materna, que vive em Lamego com a irmã mais nova da minha mãe, e que no início do verão foi diagnosticada com uma neoplasia do estômago, vai ser operada no próximo dia 24 de Outubro, no mesmo dia em que faz 75 anos de idade. Por um lado, a situação da avó não é muito favorável, porque a sua neoplasia sangra bastante e está a ser necessário ela receber uma transfusão de sangue por semana .... desde o início do verão! Além de toda a sintomatologia associada a esta neoplasia, desde a falta de vontade para comer, às náuseas e vómitos constantes, e ao cansaço fácil provocado pela anemia ... Contudo, por outro lado, devido a esta hemorragia continua, foi possível adiantar a data da cirurgia (para aquilo que seria a lista de espera normal naquela região). Além disso, a TAC parece demonstrar que a neoplasia está apenas localizada no estômago, ou seja, não parece haver metástases ... o que foi uma das melhores notícias que podíamos ter recebido!!! Muitas, muitas, muitas graças e glórias sejam dadas ao Senhor!! Assim, pedia-vos que, se se lembrarem, por favor rezem pelo sucesso da cirurgia da minha avó na próxima segunda-feira

 

  • Hoje terminei o meu 1º estágio deste último ano na faculdade. Estive 4 semanas no serviço de Obstetrícia e Ginecologia no hospital de Setúbal, como vos tinha dito antes. Como é a área médica (além de Medicina Geral e Familiar claro, mas sobre isso acho que estou sempre aqui a dizer ) que eu mais gosto, obviamente que foi um estágio maravilhoso, extremamente produtivo e enriquecedor! Gostava muito de partilhar convosco todos os episódios importantes, todas as experiências e histórias de vida únicas que conheci e ajudei, mas o sigilo médico e o meu dever para com os doentes não mo permite... Assim, conto-vos apenas que foi com grande alegria que tenho descoberto uma imagem de Nossa Senhora em todos os pisos do hospital, e em diversas localizações nos mesmos pisos! 

20161020_121657.jpg

  • Esta era a que estava no puerpério (o local onde estão as "grávidas" que já deram à luz) e no internamento pós-cirurgia ginecológica. Não sei se reparam, mas esta imagem de Nossa Senhora, além das ofertas dos ramos de flores em baixo, está carregadíssima de terços de todas as cores e feitios, oferecidos pelas mulheres que passaram por este internamento .... E não é exemplo único naquele hospital! Onde quer que eu tivesse, encontrava sempre uma Nossa Senhora a velar por mim, pelos médicos, pelos enfermeiros, pelos funcionários do hospital e, claro, pelos nossos queridos doentes 

 

  • [Editado mais tarde] Na semana antes do início do estágio e nas semanas que se seguiram, deixei de conseguir rezar o Terço - aconteceu muita coisa, havia muitas coisas para tratar, horários novos que eu não controlava, mudanças, reboliço, stress, confusão - e pumba! uma desorganização total ... Assim, tenho (re)aprendido nos últimos dias a encontrar o tempo necessário para poder rezar e oh! que lição de humildade tem sido! Ainda não consegui encontrar uma boa solução ... há dias em que consigo rezar, outros não ... enfim, vou tentando todos os dias! Lá haverei de conseguir com a ajuda de Nossa Senhora certamente 

 

  • E de resto, a minha vida tem sido muitooo trabalho e muitooo estudo! 

 

Não sei quando conseguirei voltar a escrever. Deus tem-me dado inúmeras oportunidades para poder (finalmente) pôr em prática aquilo que Ele me tem carinhosa e pacientemente ensinado nos últimos anos e que tenho partilhado convosco desde o início do blog. Agora, é tempo de passar da teoria à prática - e muita prática tem sido! 

 

Para tudo há um tempo ...

"Para tudo há um momento e há um tempo para cada coisa que se deseja debaixo do céu."

Eclesiastes 3:1

 

Segunda-feira começo o 6º e último ano da faculdade de Medicina. Meu Deus, como o tempo passa depressa ...

Este irá ser um ano bem diferente de qualquer um que já tive até hoje. Já não voltarei a ter aulas e deixarei de ser "aluna"... Será um "ano" com quase 15 meses, que começará dia 26 de Setembro e só terminará no final de Novembro de 2017. Sem férias (nem no Verão), sem interrupções. Ao longo destes meses, espera-me muito, muito, muito trabalho ... 

 

"Tempo para nascer e tempo para morrer;

Tempo para plantar e tempo para arrancar o que se plantou"

Eclesiastes 3:2

 

Estarei a maior parte destes meses a estagiar, em diferentes especialidades, no Hospital de São Bernardo, em Setúbal, com um horário de trabalho a cumprir.

Estarei também a trabalhar na minha tese de mestrado, na área da Obstetrícia, com o objectivo de a defender algures entre Abril e Maio de 2017.

E, como se não fosse suficiente, terei de estudar e de me preparar para o maior, mais difícil e mais importante exame de toda a minha vida, que será em Novembro de 2017. Um exame cuja nota decidirá (quase definitivamente) toda a minha futura carreira médica ... 

 

"Tempo para matar e tempo para curar;

Tempo para destruir e tempo para edi­ficar;

Tempo para chorar e tempo para rir;

Tempo para se lamentar e tempo para dançar"

Eclesiastes 3:3-4

 

Canto de oração Jun-Jul-Ago.jpg

 

Suspiro só de pensar em todo o trabalho que terei este ano.... caramba, tanto, tanto, tanto trabalho!...

Mas depois penso em Nós Jesus e nas oportunidades que o Senhor certamente me oferecerá para me poder santificar, aos poucos, a cada dia ... e em todas as oportunidades que terei para servir e ajudar os meus doentes e os meus colegas ... 

 

"Tempo para atirar pedras e tempo para as juntar;

Tempo para abraçar e tempo para evi­tar o abraço;

Tempo para procurar e tempo para per­der;

Tempo para guardar e tempo para ati­rar fora."

Eclesiastes 3:5-6

 

Admiro-me diariamente em como basta um pequeno Nós Jesus, duas simples palavras, uma meia dúzia de letras, uma pequeníssima frase sussurrada, uma simples oração ... e de repente, quase que tudo muda. E eis que acontecem pequenos milagres nos nossos dias ... 

 

No ano passado, sem que me desse bem conta disso, acabei por "escolher" uma música para me acompanhar ao longo desse ano. Vezes e vezes sem conta dei comigo a cantar (atrapalhadamente) a Ladainha da Humildade, que a Danielle Rose (a minha cantora favorita) transformou em canção e que partilhei convosco neste post.

 

Curiosamente, ao preparar este novo ano, só apareciam na minha mente trechos duma outra canção da Danielle Rose, Small things with great love (Pequenas coisas com grande amor), escrita pela própria cantora, baseando-se na vida e nos ensinamentos da Madre Teresa de Calcutá e da Santa Teresinha do Menino Jesus. É uma música muito simples, cuja letra partilho hoje convosco.

 

 

Small Things with Great Love 

(Letra original - Based on Luke 10:21)

 

Not to the learned nor to the kings,

But to the little ones you show the mysteries.

I rejoice when I am weak, for you will give me all I need.

Though I cannot fly, you carry me to heaven.

 

You have not called me to be successful;

You have called me to be faithful.

 

I can do small things with great love

That is enough.

I can do small things with great love

And make my life something beautiful for God.

 

One drop in the ocean,

One petal in the garden,

One hidden sacrifice,

One reason for my life,

One dance before your throne,

One child to give a home,

One step towards Calvary,

One touch of empathy.

 

You have not called me to be successful;

You have called me to be faithful.

 

I can do small things with great love

That is enough.

I can do small things with great love

And make my life something beautiful for God.

 

Yesterday is gone, Tomorrow has not yet come.

We have only today.

Let us begin.

 

I can do small things with great love

That is enough.

I can do small things with great love

And make my life something beautiful for God.

 

Be faithful in small things,

For in them our strength lies.

Pequenas coisas com grande amor 

(Tradução minha - Baseada em Lucas 10:21)

 

Não (foi) aos eruditos nem aos reis,

Mas aos pequeninos que Tu mostrastes estes mistérios

Eu alegro-me quando sou fraca, porque Tu me darás tudo o que eu preciso.

Embora eu não possa voar, Tu levas-me até ao Céu.

 

Tu não me chamaste para ser bem-sucedida

Tu chamaste-me para ser leal.

 

Eu posso fazer pequenas coisas com grande amor.

Isso é suficiente.

Eu posso fazer pequenas coisas com grande amor.

E fazer da minha vida algo belo para Deus.

 

Uma gota no oceano,

Uma pétala no jardim,

Um sacrifício escondido,

Uma razão para a minha vida,

Uma dança diante do Teu trono,

Uma criança para dar um lar,

Um passo em direcção ao Calvário,

Um toque de empatia.

 

Tu não me chamaste para ser bem-sucedida

Tu chamaste-me para ser leal.

 

Eu posso fazer pequenas coisas com grande amor.

Isso é suficiente.

Eu posso fazer pequenas coisas com grande amor.

E fazer da minha vida algo belo para Deus.

 

O ontem já se foi, o amanhã ainda não chegou.

Nós apenas temos o hoje.

Comecemos.

 

Eu posso fazer pequenas coisas com grande amor.

Isso é suficiente.

Eu posso fazer pequenas coisas com grande amor.

E fazer da minha vida algo belo para Deus.

 

Sê leal nas coisas pequenas,

Porque nelas reside a nossa força.

 

 

 

 

 

Para tudo há um tempo ... 

Como podem imaginar, eu não terei muito tempo para o blog nos próximos meses. As publicações serão provavelmente escassas e espaçadas.

Eu tenho alguns livros em mente para ir lendo ao longo deste ano e espero poder partilhar convosco algumas passagens que me venham a falar ao coração...

 

Rezem por mim, por favor. 

E saibam que eu rezo todos os dias por cada um de vocês 

 

O Filho Mais Novo Volta Para o Pai

   Missão País 2016 - 6ºdia  

 

Uma das maiores surpresas que tive na Missão País foi a quantidade de tempo dedicada à oração de que dispúnhamos, ou seja, em Missão Pessoal e Interna!

Eu pensava inicialmente que iríamos passar os dias a fazer voluntariado - o que foi verdade! - mas não estava à espera que praticamente metade do nosso dia fosse passado na nossa pequena Capela, em oração!!

E estou mesmo a falar a sério: entre a(s) hora(s) de oração da manhã e oração da noite diárias, a Missa e o Terço também diários, e a oportunidade que tivemos de estar em Adoração ao Santíssimo durante uma noite inteira ... nós acabámos por estar o mesmo número de horas em Missão Interna (ou seja, em oração) como em Missão Externa (ou seja, em serviço na comunidade)! O que foi pra lá de mega-maravilhoso!!!! :)

 

Foi num destes momentos de oração e silêncio que, no 6ºdia da nossa Missão, ao continuarmos o estudo da Parábola do Filho Pródigo nos versículos 17 a 20, me dei conta dum pormenor:

 

"E, caindo em si, disse:

‘Quantos jornaleiros de meu pai têm pão em abundância, e eu aqui a morrer de fome!

Levantar-me-ei, irei ter com meu pai e vou dizer-lhe:

Pai, pequei contra o Céu e contra ti; já não sou digno de ser chamado teu filho;

trata-me como um dos teus jornaleiros.’

E, levantando-se, foi ter com o pai."

Lucas 15:17-20

 

O Filho mais novo só deu conta do seu pecado e da sua miséria quando, finalmente, ficou sozinho e em silêncio pela primeira vez na sua vida!

O silêncio não é, como o mundo nos diz, algo passivo. Não é ausência de comunicação. Não é sinal de fraqueza. Não significa indiferença da nossa parte. Não quer dizer: "Desisti ... "

 

Luz.jpg

 

O silêncio é, vim eu a descobrir nesta semana, uma atitude bastante activa. Já experimentaram? Eu achei bastante difícil estar em silêncio por tanto tempo - sim, até mesmo para alguém que é naturalmente calada como eu!

Mas, também vim a descobrir, é no silêncio da nossa voz, da nossa mente e do nosso coração que, aos poucos, vai surgindo um voz suave e leve, doce e meiga, que me canta e que me fala até ao mais profundo do meu ser…

 

Quando regressei a casa, li na primeira página do mini-jornal da nossa paróquia, as seguintes palavras do nosso Prior:

 

"Num mundo que fala, que grita (...) é cada vez mais imperioso que se faça silêncio. É necessário fazer silêncio. É necessário ouvirmos Jesus, que diz: «quando não tens nada de bom a dizer, cala-te». Cala-te!

A Quaresma é isto, o silêncio de Deus que fala no meu silêncio. Sem silêncio não há Quaresma, não há Deus, não há conversão, não há perdão."

 

Oh, sem dúvida!

Tal como o Filho mais novo descobriu, sem silêncio não há conversão; sem silêncio não ouvimos a voz de Deus; sem silêncio não podemos encontrar a misericórdia e o perdão que o Nosso Querido Pai, a todos, quer tanto oferecer!

  

 † ALEGRA-TE, FOSTE ENCONTRADO! † 

 Missão País 2016 

 

O Filho Mais Novo Está Perdido

  Missão País 2016 - 5ºdia  

 

No 5°dia da nossa Missão, reflectimos acerca dos versículos 14 a 16 da Parábola do Filho Pródigo:

 

“Depois de gastar tudo, houve grande fome nesse país e ele começou a passar privações.

Então, foi colocar-se ao serviço de um dos habitantes daquela terra,

o qual o mandou para os seus campos guardar porcos.

Bem desejava ele encher o estômago com as alfarrobas que os porcos comiam,

mas ninguém lhas dava.”

Lucas 15:14-16

 

Nesta passagem vemos o Filho mais novo perdido e na miséria.

Tal como falei nos dois posts anteriores, também nós, volta e meia, nos perdemos. Também nós nos encontramos repetidamente, ao longo da nossa vida, neste estado de miséria que só o nosso pecado nos pode colocar.

Perante esta situação temos duas opções - ou permanecemos nesse estado ou fazemos qualquer coisa para o alterar. Deus chama-nos continuamente a escolhermos a segunda opção.

E Deus pede-nos, incessantemente, que olhemos para nós próprios e para a nossa situação com o mesmo olhar que Ele - repleto de Misericórdia.

 

Nós não somos as nossas misérias. Os nossos pecados não nos definem. Nós não fomos criados para viver nas nossas misérias nem para elas.

 

O Senhor, na Sua Sabedoria Infinita, concede-nos sempre a chance de usarmos os nossos erros e os nossos pecados como novas “janelas de oportunidade” - para O amarmos cada vez mais e, assim, amarmo-nos uns aos outros como verdadeiros irmãos.

E as Missões Externas que realizámos na Chamusca permitiu-nos concretizar isso mesmo.

 

Missão País 2016.jpg

Adivinhem? Sou novamente a rapariga do casaco vermelho ... 

 

As Missões Externas eram um dos três componentes-chave da Missão País, onde tínhamos a oportunidade de estar em serviço directo à população da cidade. Basicamente, o que fizemos foi dividir-nos em 6 grupos e cada um esteve encarregue duma área/forma de serviço:

  • Um grupo esteve encarregue da creche, brincando com as crianças e ajudando em tudo o que era necessário.
  • Outro grupo esteve na escola primária, onde também através da brincadeira tentaram evangelizar as crianças. Esta actividade foi um autêntico sucesso, como podem ver pelas fotos aqui, aqui e ainda aqui)
  • Outro grupo foi responsável por dar as aulas de Educação Moral e Religiosa Católica na escola básica e secundária – o que foi outro sucesso gigantesco! Nem imaginam a quantidade de jovens que se interessaram imenso pelas aulas que os meus colegas deram!! Oh, quantos corações se incendiaram!
  • Outro grupo esteve encarregue de alegrar e animar o lar de idosos (onde eu estive). Não foi fácil lidar com tantas histórias de vida complicadas e cheias de sofrimento. Também não foi fácil animar as pessoas que nos diziam que desejavam morrer. Foi uma experiência que me ensinou muitas coisas …
  • Outro grupo esteve na unidade de cuidados continuados, também na tentativa de acompanhar, conversar e animar os doentes
  • Por fim, o 6º grupo esteve responsável por encenar um teatro evangelizador, que foi apresentado aos habitantes no último dia de Missão e que teve um êxito tremendo! (podem ver fotos desta actividade aqui)

 

Além desta componente, também fazia parte das nossas Missões Externas o Porta-a-Porta, em que (literalmente) batíamos à porta e visitávamos a casa de cada habitante, à procura daquelas que se sentiam mais sós e desamparadas. O nosso serviço foi, na realidade, muito simples – conversar, escutar, sorrir, animar e alegrar, fazer companhia, apoiar, perceber, estimar, ou dar uma pequena ajuda no que fosse preciso. Coisas tão simples mas frequentemente esquecidas, e que podem fazem toda a diferença na vida das pessoas….

                                                                                       

E de todas estas diferentes e pequenas formas, tentámos ser, o mais humildemente possível, as mãos, os pés e a boca de Jesus para cada habitante da Chamusca.

 

 † ALEGRA-TE, FOSTE ENCONTRADO! † 

 Missão País 2016 

 

O Filho Mais Novo Pede a Herança

  Missão País 2016 - 3ºdia  

 

No 3ºdia da nossa Missão, iniciámos o estudo mais pormenorizado da Parábola do Filho Pródigo, pelos dois primeiros versículos:

 

"Disse ainda: «Um homem tinha dois filhos.

O mais novo disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte dos bens que me corresponde.’

E o pai repartiu os bens entre os dois."

Lucas 15:11-12

 

Apesar dos meus esforços diários, na verdade, volta e meia, eu coloco-me nesta mesma posição ante o Senhor. Se olhar com atenção, dia sim dia não, lá estou eu novamente a querer, a pedir, a exigir alguma coisa de Deus! Como se aquilo que já recebi, gratuitamente e sem me ter sido exigido que retribuísse, não fosse suficiente para glorificar Deus a toda a hora!...

Mas a cruz é pesada e dói. E eu canso-me com facilidade. Desisto. E deixo de me entregar totalmente à vontade do Senhor. Deixo de olhar apenas para Jesus, à minha frente, e olho para o lado, para os outros, comparando e tentando ser ou ter igual. 

 

Às vezes, acho que à minha maneira as coisas aconteciam mais depressa, seriam melhores e mais eficazes.... e tento fazer as coisas sozinha, sem ajudas. E Deus, como o Pai da parábola, permite-nos ser livres e escolher, permite-nos que seja feita a nossa vontade...

Ah .... a (aparente) independência e autonomia, que o mundo hoje proclama como bem supremo e último, é um falácia tão matreira e sedutora.... e eu que caio nela tantas vezes.

 

Cruz e rosa.jpg

 

Deus sim, podia ser, se quisesse, totalmente independente e autónomo de todas as Suas obras, de todas as formas de vida que Ele criou, de tudo! Mas, pelo contrário, Ele QUIS ser DEPENDENTE de nós!

Ele QUIS a nossa participação na Criação. Ele QUIS o nosso envolvimento na história do mundo. Ele QUIS que nós fossemos co-administradores das Suas obras e bençãos. Ele QUIS que a Salvação de toda a humanidade dependesse da resposta duma simples e jovem virgem. Ele QUIS ser DEPENDENTE de nós, exactamente para nos mostrar que NÓS também o DEVEMOS SER!

 

Não há nenhum problema em dependermos uns dos outros. Não há vergonha nenhuma em aceitar ajuda. Não é humilhação nenhuma pedir ajuda. Não é fraqueza aceitarmos algo de alguém, quer seja uma pequena palavra ou gesto ou algo grande e importante, mesmo sem termos forma de retribuir.

 

Chama-se Generosidade. E por definição, deve ser gratuita e sem esperar nada em troca.

Deus pratica-a connosco a todo o momento. Pela Sua Graça, somos abençoados infinitamente a todo o instante. Mesmo sem nos apercebermos. Mesmo sem retribuirmos. Ele fá-lo exactamente sem esperar nada em troca.

Porque Ele nos ama - infinita, completa e incondicionalmente!

 

 

 † ALEGRA-TE, FOSTE ENCONTRADO! † 

 Missão País 2016 

 

A Parábola e a Pintura

  Missão País 2016 - 2ºdia  

 

Como já tinha partilhado convosco, o lema das Missões deste ano foi baseado no Evangelho de São Lucas, capítulo 15, versículo 11 a 32 - ou seja, a Parábola do Filho Pródigo - ideal para o Ano Extraordinário da Misericórdia!

Esta parábola foi sendo explorada ao longo da nossa semana, auxiliados pelo estudo duma pintura alusiva à história, da autoria de Rembrandt. Este pintor viveu na sua vida a sua própria parábola do filho pródigo, o que é perceptível tanto pela beleza do quadro que criou, como pelos inúmeros pormenores e seus significados.

 

Rembrandt_Harmensz_van_Rijn_-_Return_of_the_Prodig

O Regresso do Filho Pródigo (1668) - Rembrandt

 

Pequena Reflexão acerca das Personagens deste Quadro:

  • Filho mais novo

Personagem principal no quadro, bem iluminada, juntamente com o Pai.

Mostra-se exausto e sem forças. Está joelhado, sendo amparado pelo Pai. Tem a cabeça rapada, como um escravo. A sua roupa está suja e rota, reflectindo a sua condição - perdido, destruído, humilhado.

O seu pé esquerdo está descalço, mostrando uma cicatriz e denunciando o seu sofrimento. No pé direito, o que resta do sapato mal se aguenta, o que ilustra a miséria deste filho.

Está desposado de tudo, excepto duma pequena espada no seu lado direito, que simboliza a origem nobre concebida pelo Pai. O Filho mais novo vendeu tudo o que tinha, menos aquilo que lhe conferia um sinal de dignidade e de pertença.

Tem o rosto desviado, pois sente-se culpado e não é capaz de olhar directamente nos olhos do seu Pai.

 

  • Pai

Outra personagem principal no quadro, também ela bem iluminada.

É um homem velho, de barba e cabelos brancos, de costas curvadas, como quem viveu e esperou muito tempo. Possui um manto vermelho e luxuoso, mostrando a sua nobreza e dignidade.

O seu rosto demonstra tanto um sentimento de sofrimento como de simultânea alegria, ao abraçar e amparar o seu Filho mais novo que regressa.

O pormenor das mãos é muito significativo: a sua mão direita parece uma mão feminina, fina e elegante, lembrando uma mão de mãe, que consola e que expressa simultaneamente ternura. Já a mão esquerda parece uma mão de pai, larga e forte, que tenta proteger e fortalecer, dando segurança e sustento.

 

  • Filho mais velho

Personagem apenas parcialmente iluminada.

Está de pé e afastado da cena principal. Está fechado sobre si próprio, com as mãos juntas ao corpo, aparentemente insensível ao regresso do seu Irmão mais novo e à misericórdia e perdão demonstrado pelo Pai.

Olha o abraço de reconciliação com um olhar frio e distante, ilustrando o facto de, apesar de perto fisicamente da casa do Pai, o seu coração estar tão afastado Deste como esteve o do seu Irmão mais novo.

 

  • Outras personagens

Colector de Impostos: Imediatamente à direita do Irmão mais velho, encontra-se uma personagem também parcialmente obscurecida. Está ricamente vestida, mostrando a sua importância social (é possivelmente um colector de impostos), estando atento e comovido pelo abraço de reconciliação.

 

Servo: Figura obscurecida e com pouca visibilidade, no centro do quadro. Encontra-se meio escondido, tem roupas simples (é possivelmente um servo da casa do Pai) que não consegue desviar o olhar deste momento de reconciliação entre o Pai e o Filho mais novo.

 

Mãe: No canto superior esquerdo da pintura, encontra-se a figura duma senhora, pelos seus cabelos compridos. É possivelmente a Mãe dos dois irmãos, que aguardava este regresso e este abraço. Talvez represente Nossa Senhora que, mais do ninguém, deseja ardentemente o nosso encontro com o Pai.  

 

 

Curiosamente, a minha madrinha de Crisma tinha-me oferecido há uns meses um livro com o mesmo nome, "O Regresso do Filho Pródigo", do padre Henri Nouwen, que explora de forma progressiva e bastante profunda a parábola do filho pródigo a partir do estudo desta pintura. (podem ler um excerto deste livro aqui).

Na altura, li apenas 2 capítulos do livro mas achei-o logo extraordinário!! Infelizmente, vieram os exames da faculdade e tive de o pôr de lado por uns tempos... Contudo, pensei logo em lê-lo durante esta Quaresma - e é o que farei! 

Ao longo do livro, ao mesmo tempo que o autor avalia o quadro e a parábola, reflecte também acerca da sua própria caminhada como cristão, e de ter passado de filho pródigo, afastado do Pai; a filho mais velho, junto do Pai mas longe Dele na mesma; até à sua verdadeira vocação (e a de todos nós!), ou seja, ser como o Pai, sendo capaz de acolher, perdoar e alegrar-se com o regresso de todos os seus filhos.

É um livro que eu vos recomendo vivamente a lerem! É relativamente barato, incrivelmente belo, rico e profundo, apesar de escrito de forma simples e clara. É uma companhia ideal para a longa jornada da Quaresma em que nos encontramos! 

 

 † ALEGRA-TE, FOSTE ENCONTRADO! † 

 Missão País 2016 

 

 

P.s: Como já devem ter reparado, mudei as cores do blog! Que tal? Já não parece um blog só para raparigas, pois não? Pois, a verdade é que só recentemente me apercebi que há alguns rapazes que lêem o blog. Sim, só agora ... 

Tenho tempo, Senhor

  Missão País 2016 - 1ºdia (2ªparte)  

 

imagem missão pais FML 2016 (2).jpg

A primeira tarefa que nos foi proposta no início da semana da Missão País foi conseguir pôr de parte a nossa vida; esquecer os resultados dos exames da faculdade, que alguns tinham apenas terminado no dia anterior; deixar de lado a confusão, o stress, os problemas e as preocupações do dia a dia - e encontrarmo-nos de novo! A nós e a Ele!

 

Era tempo de voltar a encontrarmo-nos na nossa condição principal e mais importante - sermos filhos muitíssimo amados de Deus Pai! 

 

Nesse sentido, foi-nos apresentado o seguinte poema, que tocou o meu coração de forma tão profunda, tão forte, tão íntima, tão sincera ... logo eu, que me queixo a toda a hora da minha falta de tempo...

 

Tenho tempo, Senhor

"Lá fora os homens saíam,

Iam,

Vinham,

Andavam,

Corriam,

As bicicletas corriam,

A rua corria,

A cidade corria,

Toda a gente corria …

Corriam todos, para não perder tempo:

Corriam no encalço do tempo,

            para recuperar tempo,

            para ganhar tempo.

 

Até logo doutor, desculpe-me,

           não tenho tempo.

Passarei outra vez, não posso esperar mais,

           não tenho tempo.

Termino esta carta

           pois não tenho tempo.

Queria tanto ajudar-te

           mas não tenho tempo.

Não posso aceitar,

           por falta de tempo.

Não posso reflectir, nem ler, ando assoberbado,

           não tenho tempo.

Gostaria de rezar mas …

           não tenho tempo.

 

Compreendes, Senhor, eles não têm tempo.

A criança está a brincar,

           não tem tempo agora … mais tarde …

O estudante tem os seus deveres a fazer,

           não tem tempo ... mais tarde...

O universitário tem as suas aulas, e tanto, tanto trabalho

           que não tem tempo … mais tarde …

O que casou há pouco, tem a sua casa, deve organizá-la,

           não tem tempo ... mais tarde ...

O pai de família tem os seus filhos,

           não tem tempo ... mais tarde ...

Os avós têm os seus netos,

           não têm tempo ... mais tarde ...

Estão doentes. Precisam de tratar-se ...

           não têm tempo ... mais tarde ...

Estão à morte,

           não têm tempo ...

Tarde de mais ...

           já não têm tempo.

 

Assim correm todos os homens atrás do tempo, Senhor.

Passam correndo pela Terra,

            apressados,

            atropelados,

            sobrecarregados,

            enlouquecidos,

            assoberbados.

Nunca chegam, falta-lhes tempo,

Apesar de todos os esforços, falta-lhes tempo.

Falta-lhes mesmo muito tempo.

 

Com certeza, Senhor, erraste os cálculos.

Há um engano geral:

Horas curtas de mais,

Dias curtos de mais,

Vidas curtas de mais.

Tu que estás fora do tempo, Senhor,

           sorris ao ver-nos assim

           brigar com ele,

E sabes o que fazes.

 

Não te enganas quando distribuis o tempo aos homens,

A cada um dás o tempo de fazer o que queres que faça.

Mas é preciso não perder tempo,

            não esbanjar tempo,

            não matar o tempo.

Pois o tempo é um presente que nos dás.

Presente perecível,

Um presente que não se conserva.

 

Tenho tempo, Senhor,

Tenho todo o meu tempo.

Todo o tempo que me dás,

            os anos da minha vida,

            os dias dos meus anos,

            os minutos dos meus dias.

 São todos meus,

Cabe-me preenchê-los

            tranquilamente,

            calmamente,

Mas preenchê-los inteiros, até à borda,

Para os dar a Ti

           para que, da água sem sabor,

           faças um vinho generoso

           como outrora, em Caná,

           fizeste para as bodas humanas.

 

Nesta noite eu te peço, Senhor,

           o tempo de fazer isto

           e depois aquilo,

Peço-te a graça de fazer, conscienciosamente,

           no tempo que me dás,

           o que faço."

 

Michel Quoist - Em poemas para rezar

No Original - Priéres

 

Será preciso dizer mais alguma coisa?

 

 † ALEGRA-TE, FOSTE ENCONTRADO! † 

 Missão País 2016