Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Arte de Aproveitar-se das Próprias Faltas - 14

Provavelmente a última publicação com enxertos do livro "Arte de Aproveitar-se das Próprias Faltas"

woman-praying-marquee1.jpg

Imagem retirada daqui

Corrige-te compassivamente!

 

Se me propusesse, por exemplo, a evitar todo o pecado de vaidade, e não obstante caísse, mesmo gravemente, não havia de repreender o meu coração deste modo:

«Tu és verdadeiramente um miserável, um abominável, porque te deixaste seduzir pela vaidade depois de tantas resoluções! Que vergonha! não levantes mais os olhos para o Céu, cego, imprudente e infiel ao teu Deus!...» e coisas semelhantes.

 

(...) Corrigi (o vosso coração) com modos compassivos:

«Pois bem, meu pobre coração, eis-nos de novo caídos na cilada que tinhamos resolvido evitar! Ah! levantemo-nos de novo e livremo-nos dela para sempre; imploremos a misericórdia de Deus; esperemos que Ele nos sustenha para o futuro e reentremos nos caminhos da humildade! Coragem! Deus nos há-de ajudar e ainda faremos alguma coisa de bom ..."

Pe. José Tissot

 

 

Capítulo II do livro "A Arte de aproveitar-se das próprias faltas", da autoria do Pe José Tissot

Este livro pode ser encontrado na Alexandria Católica ou então fazendo o download aqui

Arte de Aproveitar-se das Próprias Faltas - 13

prayer_sunrise_marquee.jpg

Imagem retirada daqui

 

"Logo desde a manhã, disponde a vossa alma para andar tranquila, e tende o cuidado de, no decorrer do dia, a chamar muitas vezes e colocá-la em vossas mãos. 

Se vos suceder algum caso triste, não vos espanteis; humilhai-vos tranquilamente na presença de Deus e procurai pôr o espírito em atitude de quem está tranquilo e quieto.

Dizei à vossa alma: «Eia, demos um passo em falso; vamos agora devagarinho e tenhamos cautela connosco!» Fazei isto todas as vezes que cairdes." 

São Francisco de Sales

 

 

Capítulo II do livro "A Arte de aproveitar-se das próprias faltas", da autoria do Pe José Tissot

Este livro pode ser encontrado na Alexandria Católica ou então fazendo o download aqui

Arte de Aproveitar-se das Próprias Faltas - 4

patience.jpg

Imagem retirada do Pinterest

"Foi São Paulo purificado num só instante, como o foram também outros Santos. Mas uma transformação tão repentina é, na ordem da graça, milagre tão grande e extraordinário como é, na ordem da natureza, a ressurreição dum morto; a tanto não devemos pretender. A purificação ordinária, tanto do corpo como do espírito, só se faz pouco a pouco, a custo e devagar ...

 

É, pois, preciso ter paciência e não pensar em curar num só dia tantos hábitos maus, que contraímos pelo pouco cuidado com a nossa saúde espiritual."

 

 

Capítulo I do livro "A Arte de aproveitar-se das próprias faltas", da autoria do Pe José Tissot

Este livro pode ser encontrado na Alexandria Católica ou então fazendo o download aqui

Arte de Aproveitar-se das Próprias Faltas - 3

oratorio.jpg

Imagem retirada do Pinterest 

"O amor-próprio poderá estar em nós mortificado; morto, porém, nunca estará; de tempos em tempos, em ocasiões diferentes há-de lançar novos rebentos, mostrando que, se foi cortado pelo pé, não lhe foram arrancadas as raízes ...

(...) Ele dorme às vezes como uma raposa; depois, dum salto, atira-se sobre as galinhas. É, pois, muito importante velarmos constantemente sobre ele e defendermo-nos com paciência e mansidão.

Nesta vida, por muito boa que seja a nossa vontade, não há remédio senão ter paciência de sermos homens, e não anjos."

São Francisco de Sales

 

"A imperfeição há-de acompanhar-nos até à supultura. Não podemos andar sem tocar a terra. O que não devemos fazer é deitar-nos nela e rebolar na lama; mas nem pensemos em voar, porquanto, pintainhos que somos e tão pequenos, ainda não temos asas." 

São Francisco de Sales

 

 

Capítulo I do livro "A Arte de aproveitar-se das próprias faltas", da autoria do Pe José Tissot

Este livro pode ser encontrado na Alexandria Católica ou então fazendo o download aqui

Arte de Aproveitar-se das Próprias Faltas - 2

praying.jpg

Imagem retirada daqui

"Queixai-vos de que, em vossa vida, terdes muitas imperfeições e defeitos, a despeito do vosso desejo da perfeição e da pureza do amor de nosso Deus.

Certíssimo é que, enquanto andamos neste mundo, envolvidos neste corpo tão pesado e corruptível, sempre em nós alguma coisa, um não sei quê nos falta ...

Temos de nos suportar a nós próprios, até que Deus nos leve para o Céu."

São Francisco de Sales

 

"Não pensemos em viver neste mundo sem imperfeições ... Somos todos meros homens e, por consequinte, todos temos de aceitar como certíssima esta verdade, para não nos admirarmos das nossas imperfeições.

Mandou-nos Nosso Senhor, que dissessemos todos os dias estas palavras do Pai Nosso: «Perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido» ... "

São Francisco de Sales

 

 

Capítulo I do livro "A Arte de aproveitar-se das próprias faltas", da autoria do Pe José Tissot

Este livro pode ser encontrado na Alexandria Católica ou então fazendo o download aqui. 

Arte de Aproveitar-se das Próprias Faltas - 1

No início deste longo período de estudo intensivo em que me encontro - tal como vos contei no último post - num dia particularmente difícil e frustante, Deus carinhosamente fez-me lembrar dum certo livrinho que eu tinha encontrado uns tempos atrás na Alexandria Católica. 

Esse livrinho tinha um título que me chamou bastante à atenção - "Arte de Aproveitar-se das Próprias Faltas" da autoria do Padre José Tissot. 

 

Graças eternas sejam dadas ao Senhor - este pequeno livrinho foi um autêntico mini-tornado na minha vida!!

Meu Deus que pérola! Que jóia tão preciosa! Obrigado! Obrigado!! - passei eu uma noite a dizer e a exclamar!...

 

É um livro já antigo, escrito em 1878 (mas vocês nunca adivinhariam ao ler!) e baseia-se principalmente nos ensinamentos de São Francisco de Sales (mas de outros santos também). O autor, Pe José Tissot, foi um membro da congregação dos Missionários de S. Francisco de Sales em França e escreveu este livro na forma dum guia prático para transformar as nossas imperfeições num verdadeiro caminho de santidade!

 

 

É um livro absolutamente maravilhoso! Tão maravilhoso que pensei em ir partilhando aqui no blog um excerto todas as semanas.

Recomendo a todos a sua leitura neste Verão! É um livro de muito fácil leitura, com pouco mais de 100 páginas e pode ser encontrado na Alexandria Católica ou então fazendo o download aqui.

 

Jesus_Nail_Scarred_Hands.jpg

 Imagem retirada daqui

"Tudo contribui para o progresso de uma alma; tudo, até mesmo as próprias imperfeições - nas Minhas mãos, são como pedras preciosas, porque as transformo em actos de humildade que inspiro nessa alma ... "

 

Palavras de Jesus à sua serva Benigna Consolata

Introdução do livro "Arte de aproveitar-se das próprias faltas" do Pe José Tissot

 

A Parábola e a Pintura

  Missão País 2016 - 2ºdia  

 

Como já tinha partilhado convosco, o lema das Missões deste ano foi baseado no Evangelho de São Lucas, capítulo 15, versículo 11 a 32 - ou seja, a Parábola do Filho Pródigo - ideal para o Ano Extraordinário da Misericórdia!

Esta parábola foi sendo explorada ao longo da nossa semana, auxiliados pelo estudo duma pintura alusiva à história, da autoria de Rembrandt. Este pintor viveu na sua vida a sua própria parábola do filho pródigo, o que é perceptível tanto pela beleza do quadro que criou, como pelos inúmeros pormenores e seus significados.

 

Rembrandt_Harmensz_van_Rijn_-_Return_of_the_Prodig

O Regresso do Filho Pródigo (1668) - Rembrandt

 

Pequena Reflexão acerca das Personagens deste Quadro:

  • Filho mais novo

Personagem principal no quadro, bem iluminada, juntamente com o Pai.

Mostra-se exausto e sem forças. Está joelhado, sendo amparado pelo Pai. Tem a cabeça rapada, como um escravo. A sua roupa está suja e rota, reflectindo a sua condição - perdido, destruído, humilhado.

O seu pé esquerdo está descalço, mostrando uma cicatriz e denunciando o seu sofrimento. No pé direito, o que resta do sapato mal se aguenta, o que ilustra a miséria deste filho.

Está desposado de tudo, excepto duma pequena espada no seu lado direito, que simboliza a origem nobre concebida pelo Pai. O Filho mais novo vendeu tudo o que tinha, menos aquilo que lhe conferia um sinal de dignidade e de pertença.

Tem o rosto desviado, pois sente-se culpado e não é capaz de olhar directamente nos olhos do seu Pai.

 

  • Pai

Outra personagem principal no quadro, também ela bem iluminada.

É um homem velho, de barba e cabelos brancos, de costas curvadas, como quem viveu e esperou muito tempo. Possui um manto vermelho e luxuoso, mostrando a sua nobreza e dignidade.

O seu rosto demonstra tanto um sentimento de sofrimento como de simultânea alegria, ao abraçar e amparar o seu Filho mais novo que regressa.

O pormenor das mãos é muito significativo: a sua mão direita parece uma mão feminina, fina e elegante, lembrando uma mão de mãe, que consola e que expressa simultaneamente ternura. Já a mão esquerda parece uma mão de pai, larga e forte, que tenta proteger e fortalecer, dando segurança e sustento.

 

  • Filho mais velho

Personagem apenas parcialmente iluminada.

Está de pé e afastado da cena principal. Está fechado sobre si próprio, com as mãos juntas ao corpo, aparentemente insensível ao regresso do seu Irmão mais novo e à misericórdia e perdão demonstrado pelo Pai.

Olha o abraço de reconciliação com um olhar frio e distante, ilustrando o facto de, apesar de perto fisicamente da casa do Pai, o seu coração estar tão afastado Deste como esteve o do seu Irmão mais novo.

 

  • Outras personagens

Colector de Impostos: Imediatamente à direita do Irmão mais velho, encontra-se uma personagem também parcialmente obscurecida. Está ricamente vestida, mostrando a sua importância social (é possivelmente um colector de impostos), estando atento e comovido pelo abraço de reconciliação.

 

Servo: Figura obscurecida e com pouca visibilidade, no centro do quadro. Encontra-se meio escondido, tem roupas simples (é possivelmente um servo da casa do Pai) que não consegue desviar o olhar deste momento de reconciliação entre o Pai e o Filho mais novo.

 

Mãe: No canto superior esquerdo da pintura, encontra-se a figura duma senhora, pelos seus cabelos compridos. É possivelmente a Mãe dos dois irmãos, que aguardava este regresso e este abraço. Talvez represente Nossa Senhora que, mais do ninguém, deseja ardentemente o nosso encontro com o Pai.  

 

 

Curiosamente, a minha madrinha de Crisma tinha-me oferecido há uns meses um livro com o mesmo nome, "O Regresso do Filho Pródigo", do padre Henri Nouwen, que explora de forma progressiva e bastante profunda a parábola do filho pródigo a partir do estudo desta pintura. (podem ler um excerto deste livro aqui).

Na altura, li apenas 2 capítulos do livro mas achei-o logo extraordinário!! Infelizmente, vieram os exames da faculdade e tive de o pôr de lado por uns tempos... Contudo, pensei logo em lê-lo durante esta Quaresma - e é o que farei! 

Ao longo do livro, ao mesmo tempo que o autor avalia o quadro e a parábola, reflecte também acerca da sua própria caminhada como cristão, e de ter passado de filho pródigo, afastado do Pai; a filho mais velho, junto do Pai mas longe Dele na mesma; até à sua verdadeira vocação (e a de todos nós!), ou seja, ser como o Pai, sendo capaz de acolher, perdoar e alegrar-se com o regresso de todos os seus filhos.

É um livro que eu vos recomendo vivamente a lerem! É relativamente barato, incrivelmente belo, rico e profundo, apesar de escrito de forma simples e clara. É uma companhia ideal para a longa jornada da Quaresma em que nos encontramos! 

 

 † ALEGRA-TE, FOSTE ENCONTRADO! † 

 Missão País 2016 

 

 

P.s: Como já devem ter reparado, mudei as cores do blog! Que tal? Já não parece um blog só para raparigas, pois não? Pois, a verdade é que só recentemente me apercebi que há alguns rapazes que lêem o blog. Sim, só agora ...