Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

As criaturas das águas e as criaturas do céu (5º dia da Criação)

Deus disse: «Que as águas sejam povoadas de inúmeros seres vivos, e que por cima da terra voem aves, sob o firmamento dos céus.» Deus criou, segundo as suas espécies, os monstros marinhos e todos os seres vivos que se movem nas águas, e todas as aves aladas, segundo as suas espécies. E Deus viu que isto era bom. Deus abençoou-os, dizendo: «Crescei e multiplicai-vos e enchei as águas do mar e multipliquem-se as aves sobre a terra.» Assim, surgiu a tarde e, em seguida, a manhã: foi o quinto dia. (Gn 1, 20-23)

A narração do 5º dia da Criação convida-nos a reflectir de novo na dicotomia do povo judeu sobre as águas do mar em oposição ao céu. Como já explorámos anteriormente, para o povo judeu as águas do mar representavam o local da morte e de julgamento do homem.

Em pleno mar, todos os homens, sem excepção, estavam sujeitos às mesmas forças e ao mesmo juízo das ondas e do vento. Os pescadores lançavam-se ao mar, mal a madrugada começava, estando ainda tudo escuro à sua volta. Decidiam quando iam; mas nunca poderiam saber se voltariam para as suas casas com vida.

Hoje, estamos habituados a ver o fundo do mar como um local colorido, cheio de formas estranhas, de peixes curiosos, de formas de vida surpreendentes. Mas, se perguntassem a um judeu, como pensava que era o fundo do mar, certamente que receberiam como resposta - "Como sabes tu que o mar tem fundo? Quem lá se aventurou, nunca voltou para contar o que viu ... Deve ser um autêntico vazio de morte, sem absolutamente nada ..."

sea and sky.jpg

Imagem retirada daqui

Assim, as águas eram vistas como instáveis e traiçoeiras, insondáveis e perigosas, e os animais que lá viviam não eram olhados de forma diferente. Afinal, as criaturas do mar habitavam num local onde a escuridão parecia dominar e onde forças invisíveis pareciam comandar tudo o que acontecia. 

Penso no profeta Jonas, que tentou fugir do chamamento do Senhor e que acabou por ser lançado ao mar e engolido por uma baleia, uma criatura proveniente destas águas obscuras e malignas. A sua história serve-nos de aviso, acerca do que sempre nos acontecerá quando fugimos deliberadamente da vontade de Deus. Ao escolhermos fugir da terra, preparada para nós para ser um local sólido e seguro, ao virarmos as costas à vontade do Senhor, estamos a escolher lançar-nos nas águas do Abismo, ficando à mercê do maligno e das suas criaturas. Na verdade, Jonas só foi libertado do buraco escuro onde tinha aceitado esconder-se, após confessar o seu pecado, implorando a misericórdia de Deus e abrindo-se de novo à graça do Senhor, que o trouxe em segurança para terra firme. Agora sim, depois de viver este episódio marcante e reestruturante, Jonas estava preparado para anunciar, a todos os habitantes da cidade de Nínive, o quão Deus estava próximo de cada um deles ...

fish and birds.jpg

Imagem retirada daqui

Em contraste com as perigosas e traiçoeiras criaturas do mar, são-nos apresentadas as aves do céu: livres como uma alma recém Baptizada, leves como uma alma recém Confessada, pequenas e humildes como Jesus nos incentiva a tornar-nos para conseguirmos entrar no Reino dos Céus ... 

Os pássaros passam as suas vidas a voar no céu aberto, que representa a morada eterna de Deus, aquela que os nossos corações tanto desejam alcançar. E, talvez por isso, tenhamos associado a imagem dos Anjos à destes seres alados e voadores, que habitam continuamente na presença de Deus.

Sempre achei fascinante como as aves conseguem parecer, simultaneamente, frágeis e fortes: frágeis pela sua constituição delicada; fortes por serem capazes de enfrentar vento e chuva, continuando a voar e a cantar ...

Pensar em aves do céu faz-me logo lembrar da representação do Espírito Santo na forma duma pomba, pura e branca, como nos é relatado no episódio do Baptismo de Jesus, ao sair das águas do rio Jordão. Lembro-me também do convite de Jesus, a abandonar as nossas preocupações e inquietações e a confiarmos na Providência Divina, que cuida de tudo nas nossas vidas com tanto amor e delicadeza, atenta a cada pequeno pormenor

Olhai as aves do céu: não semeiam nem ceifam nem recolhem em celeiros; e o vosso Pai celeste alimenta-as. Não valeis vós muito mais do que elas? (Mt 6,26)

 

Agora, percebo melhor porque é que o Apóstolo João, ao terminar as suas visões sobre o fim do mundo e o Juízo Final, nos descreve que:

"Vi, então, um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham desaparecido e o mar já não existia." (Ap 21,1)

Na vida eterna, na Jerusalém celeste, onde serão recebidos todos os que amam o Senhor, haverá uma nova terra e um novo céu, renovadas e purificadas para nos acolher; mas o mar, esse local de morte e castigo, jamais existirá no Reino dos Céus, jamais voltará a ser visto ou sequer lembrado... 

Maranata, vem Senhor Jesus!

Na presença do sol, da lua e das estrelas (ainda o 4º dia da Criação)

Deus fez dois grandes luzeiros: o maior para presidir ao dia, e o menor para presidir à noite; fez também as estrelasDeus colocou-os no firmamento dos céus para iluminarem a Terra, para presidirem ao dia e à noite, e para separarem a luz das trevas. E Deus viu que isto era bom. Assim, surgiu a tarde e, em seguida, a manhã: foi o quarto dia. (Gn 1,14-19)

A narração do 4º dia da Criação leva-me a pensar em todos os episódios das Escrituras em que vemos simultaneamente presente o sol, Jesus, e a lua, Maria, mas também as diversas estrelas que os acompanham.

 

Penso na Anunciação do anjo Gabriel, a primeira estrela luminosa a aparecer no céu da Nova Criação, e no primeiro encontro terreno entre este sol e esta lua, fruto do "sim" humano mais importante na nossa História.

Penso na Visitação de Nossa Senhora, em Isabel e Zacarias, autênticas estrelas cintilantes de esperança, e na canção de louvor que brotou do coração de Maria, magnificando de forma incomparável a luz do Senhor.

Penso no nascimento de Jesus em Belém e no mistério da Encarnação. Deus que Se fez Homem, num corpo pequenino e frágil dum bebé, para que a Sua luz, tão forte e resplandecente, que facilmente seria capaz de nos cegar pela Sua grandeza, não nos assustasse nem por um segundo. Antes, fez-Se débil e vulnerável, de forma a nos atrair até junto de Si, para que pudéssemos ver, mais de perto, como é maravilhosa a luz que a lua, Maria, reflecte tão admiravelmente desde essa noite. E quantas estrelas não se juntaram no céu da Nova Criação nesse momento? José, o silencioso guia e protector da Sagrada Família; os humildes pastores, os últimos que se tornam em primeiros, e que tanto se alegraram com a glória do Senhor; os sábios magos, prudentes e conhecedores, tanto da direcção dos planos de Deus como das intenções do coração humano...

Sol, lua e estrelas.jpg

Imagem retirada daqui

Penso na Apresentação de Jesus no Templo, na luz proveniente deste pequeno sol, feito Menino de colo, a ser reflectido e espelhado na face de Sua Mãe, permitindo que Simeão e Ana, quais estrelas puras e expectantes, soubessem exactamente o caminho até bem junto de Deus.

Penso na Fuga repentina da Sagrada Família para o Egipto, na tentativa dos homens deste mundo de exterminarem qualquer raio de luz de amor ou misericórdia que possam vislumbrar. Como é verdade que, pensando no protector São José, é na noite mais escura, que melhor se vê a luz das estrelas...

Penso na Perda e no Reencontro de Jesus no Templo e em todas as vezes em que eu própria perdi de vista a luz e o calor do Senhor, para O reencontrar sempre no mesmo lugar em que O deixei, sozinho e para trás. Se ao menos eu, como a lua, Maria, demonstrou nesse dia, vivesse a mesma ânsia e angústia pela terrível separação com a sua primordial fonte de luz e vida ... Benditas sejam as estrelas, como São José, que nos acompanham nessa busca de novo pelo nosso sol perdido.

Penso nas Bodas de Caná, naquele que é talvez o exemplo mais perfeito para se compreender o papel do sol, Jesus, fonte de vida, a lua, Maria, conhecedora e reflectora da luz do Senhor, e das estrelas, como os Apóstolos, que começaram a acreditar no messianismo de Jesus a partir daquele dia, e assim começaram a ganhar coragem para difundirem a sua própria luz, oferecida pelo Senhor. 

Penso, por fim, no Calvário, no supremo e total derramamento do amor e misericórdia do Senhor, que a todos dá uma nova vida. Penso na Sua ternura, ao pedir a cada um de nós, Suas estrelas, para que cuidassemos da sua lua, a nossa professora exemplar na arte de magnificar e reflectir a luz do sol.

 

Não houve um só episódio em que o sol, Jesus, e a lua, Maria, estivessem juntos, sem estarem também presentes outras estrelas, numa maravilhosa escola de santidade para cada um de nós. E Deus desejou que assim fosse, desde o início da Criação ... 

O Sol e a Lua (o 4º dia da Criação)

Deus disse: «Haja luzeiros no firmamento dos céus, para separar o dia da noite e servirem de sinais, determinando as estações, os dias e os anos; servirão também de luzeiros no firmamento dos céus, para iluminarem a Terra.» E assim aconteceu. 

Deus fez dois grandes luzeiros: o maior para presidir ao dia, e o menor para presidir à noite; fez também as estrelas. Deus colocou-os no firmamento dos céus para iluminarem a Terra, para presidirem ao dia e à noite, e para separarem a luz das trevas. E Deus viu que isto era bom. Assim, surgiu a tarde e, em seguida, a manhã: foi o quarto dia. (Gn 1,14-19)

Um grande luzeiro, maior que qualquer outro, para presidir e guiar o nosso dia, para iluminar toda a terra e a separar das trevas ...

Se pensarmos no Senhor como o sol, podemos começar a delinear uma frutuosa analogia a partir destas palavras do livro do Génesis acerca do 4º dia da Criação. É em redor do sol que todos os planetas, asteróides e cometas giram. O sol encontra-se bem no centro do nosso Sistema Solar, chegando a dar-lhe um nome - Solar - e, assim, uma filiação e identidade única. Também o Senhor deseja encontrar-se no centro das nossas vidas, em redor do Qual nós nos movimentamos e direccionamos, de tal modo que possamos ser chamados de Seus filhos muito amados

É pela vontade do Senhor, à semelhança da energia que provém do sol, que tudo se move e ganha vida à Sua volta. Cristo é a verdadeira fonte de luz, através da Qual nós podemos ver todas as coisas exactamente como elas são, em vez de estarmos cegos na escuridão. Ele é a origem de toda a nossa vida. Tal como, sem a luz e o calor do sol, não poderia haver uma vida fértil e frutuosa na terra, assim também, sem o amor e a misericórdia do Senhor, não poderia haver tantos frutos e graças na nossa vida. 

Mesmo quando a terra se tenta esconder da luz do sol, virando-lhe as costas e abraçando a escuridão que a rodeia, mesmo assim a luz deste sol continua a brilhar, tão quente e acolhedora como sempre. Nós até podemos - e tentamos muitas vezes - esconder-nos desta luz, mas ela irá permanecer sempre lá, pronta para nos acolher no novo amanhecer do perdão.

beach-sun-and-moon.jpg

Imagem retirada daqui

Por outro lado, podemos pensar na lua como representando Maria. A lua parece ser um astro muito brilhante durante a noite, mas isto apenas ocorre porque ela reflecte, de forma extraordinária, a luz que lhe é transmitida pelo sol. Assim, à semelhança da lua, também Nossa Senhora reflecte, de forma extraordinária, a luz que irradia do seu Filho.

Apesar de a lua parecer que brilha intensamente - mais que qualquer outro astro - durante a noite, nem por isso rouba, por um só segundo sequer, o brilho da luz que provém do grande e belo sol, que ilumina o nosso dia e a nossa vida. O mesmo acontece com Maria e Jesus. 

Na verdade, se a lua não tivesse esta capacidade de reflectir tão perfeitamente a luz que lhe é oferecida pelo sol, não passaria de outro astro qualquer, sem especial valor. Mas é exactamente esta capacidade de reflectir, de magnificar, de glorificar a luz do Senhor, que distingue a Virgem Maria de qualquer outra estrela, de qualquer outro santo ou santa ... 

Tal como a lua passa todos os momentos da sua existência a girar à volta da terra, assim também Nossa Senhora aceitou dedicar-se por completo aos filhos que recebeu, das mãos de Jesus, junto à Cruz. Ela acompanha-nos em todas as etapas da nossa viagem em direção ao sol. Ela rodeia-nos, em todos os instantes, com carinhos e cuidados, preces e intercessões. 

Por fim, tal como a lua nos ajuda a regular a passagem das semanas, a compreender a melhor altura de plantar e de colher, a orientar a nossa migração e a acolher o movimento das marés, também Nossa Senhora nos ajuda e ensina a regular a nossa vida à imagem de Deus, a procurar a verdadeira sabedoria e a acolher as adversidades como oportunidades para crescermos em amor e santidade.

 

Sê, Senhor, o sol da minha vida, que tudo salva e vivifica.

E ensina-me, minha Mãe, a reflectir, a magnificar, a luz do amor do Senhor.

Amén!

As tentações no deserto (ainda o 3º dia da Criação)

O início do 3º dia da Criação relembra-nos a travessia do Mar Vermelho a pé enxuto pelo povo hebreu, fugindo da escravatura do Egipto e dirigindo-se para o grande deserto a que o Senhor os chamava a atravessar. 

"Recorda-te de todo esse caminho que o Senhor, teu Deus, te fez percorrer durante quarenta anos pelo deserto, a fim de te tornar humilde, para te experimentar, para conhecer o teu coração" (Dt 8,2)

Também Jesus, após ter sido baptizado nas margens do rio Jordão, foi conduzido pelo Espírito Santo ao deserto - para nos mostrar a Sua humildade, para nos mostrar a pureza do Seu coração - como estava prefigurado na segunda parte do relato do 3º dia da Criação

Deus disse: «Que a terra produza verdura, erva com semente, árvores frutíferas que dêem fruto sobre a terra, segundo as suas espécies, e contendo semente.» E assim aconteceu. A terra produziu verdura, erva com semente, segundo a sua espécie, e árvores de fruto, segundo as suas espécies, com a respectiva semente. Deus viu que isto era bom. Assim, surgiu a tarde e, em seguida, a manhã: foi o terceiro dia. (Gn 1,11-13)

third day of creation.gif

Imagem retirada daqui

Foram 3 os tipos de plantas que Deus fez brotar da terra seca recém criada, à semelhança das 3 tentações pelas quais Cristo passou nos 40 dias e 40 noites em que jejuou no deserto. Por 3 vezes, Satanás tentou que Jesus cedesse e se afastasse da Sua missão de Redenção da humanidade. Por 3 vezes, Satanás tentou reproduzir, na vida e figura de Jesus, a falta de confiança demonstrada neste deserto pelo povo hebreu, na Providência Divina e nas promessas do Senhor.

A primeira tentação foi a da procura do conforto e do prazer dos sentidos: «Se Tu és o Filho de Deus, ordena que estas pedras se convertam em pães» (Mt 4,3) - à semelhança do povo hebreu que murmurou contra Moisés e, assim, contra o Senhor, com medo de morrerem à fome no deserto. Mas Jesus relembra-nos que «Nem só de pão vive o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus» (Mt 4,4).

A segunda tentação foi a da procura do poder e do controlo: «Se Tu és o Filho de Deus, lança-Te daqui abaixo, que o Senhor Te sustentará» (Mt 4,6) - relembrando a ocasião em que o povo israelita, mais uma vez, duvidou das promessas do Senhor e exigiu um milagre, uma prova, do Seu amor e do Seu cuidado paternal. Mas não teria Deus já dado provas suficientes? Quão curta pode ser a nossa memória?

Por fim, a terceira tentação foi a da procura da própria glória e louvor: «Tudo isto [reinos e poderes do mundo] Te darei, se, prostrado, me adorares» (Mt 4,9) - Ah, a procura incessante do ser humano em ser adorado, admirado e glorificado. Como parece que queremos ser, sempre, fortes, grandes e importantes. Jesus, pelo contrário, aceitou tornar-se pequeno e humano, para chegar até junto de nós. Aceitou tornar-se escravo por amor, cordeiro sacrificial para nos salvar. «Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.» (Mt 4,10) Tudo o que somos, tudo o que possuímos, tudo o que conseguimos, tudo isto é por graça e amor do Senhor.

Também nós, no nosso Baptismo, à semelhança de Cristo, somos chamados a renunciar a estas 3 tentações: ao conforto da nossa Carne, ao desejo de controlo sobre o Mundo e ao orgulho favorecido pelo Diabo

temptations of jesus.jpg

Imagem retirada daqui

No deserto, o povo israelita deixou-se vencer pelo seu pecado e pela sua concupiscência, escolhendo esquecer-se e afastar-se do amor do Senhor. Jesus, pela Sua humildade, conseguiu restituir a infidelidade cometida, por mim e por ti, ao amor oferecido por Deus. E Jesus venceu, sem fazer nenhum feito extraordinário, sem fazer nenhum milagre. Ele venceu todas as tentações puramente através da sua humanidade, recitando de memória as promessas que o próprio Senhor tinha feito, ao longo dos tempos, ao seu povo escolhido e muito amado.

A vitória de Jesus sobre as tentações no deserto antecipa, desde já, a Sua vitória também na Paixão, o mais supremo acto de obediência ao amor do Pai.

A divisão das águas e a travessia da terra seca (o 3º dia da Criação)

Primeiro trevas, depois uma luz brilhante proveniente do Senhor, o sopro do vento sobre as águas, a terra seca a surgir enquanto as águas se separam ... Estarei eu a falar do 3º dia da Criação, ou do episódio da divisão do Mar Vermelho? 

Bem, de ambos, na verdade.

Deus disse: «Reúnam-se as águas que estão debaixo dos céus, num único lugar, a fim de aparecer a terra seca.» E assim aconteceu. Deus chamou terra à parte sólida, e mar, ao conjunto das águas. E Deus viu que isto era bom. (Gn 1,9-10)

A imagem da divisão das águas - que representava o local do julgamento e da morte do homem - e do surgimento da terra seca - local seguro e estável, onde o homem poderia construir uma casa temporária, antes de chegar à sua Morada Eterna, no Reino dos Céus - foi uma imagem que permaneceu com o povo judeu durante muito tempo.

O povo hebreu não só viu, como experienciou na sua própria vida, esta imagem tão forte - a divisão das águas, inseguras e traiçoeiras, pelo poder do Senhor, e o surgir da terra seca, sólida e confiável. A indicação do caminho a seguir, preparado com a ternura dum Pai antes de todos os séculos ... 

Moisés estendeu a sua mão sobre o mar e o Senhor fez recuar o mar com um vento forte do oriente toda a noite, e pôs o mar a seco. As águas dividiram-se, e os filhos de Israel entraram pelo meio do mar, por terra seca, e as águas eram para eles um muro à sua direita e à sua esquerda. (Ex 14,21-22)

crossing red sea.jpg

Imagem retirada daqui

Eis uma nova criação: um povo especialmente escolhido pelo Senhor. Cada hebreu recebeu um convite da parte do Senhor, um chamamento pessoal e único, para deixar o Egipto, a terra da escravatura, e a passar, através das águas do Mar Vermelho, pelo deserto das provações da vida, até chegar finalmente à Terra Prometida, onde então correria o mais puro leite e mel...

Neste deserto, Deus guiou e instruiu, alimentou e hidratou, curou e sarou o seu povo escolhido, dia após dia, tentando maravilhar e cativar os seus corações, durante 40 anos. O Senhor esforçou-se, enviando-lhes mil oportunidades por dia, para que o tempo passado no deserto, que as escolhas feitas por cada membro do Seu povo, lhes servissem para estabelecer qual o local da sua morada eterna - o Céu ou o Inferno. 

 

Também hoje, na minha vida, o Senhor tenta proteger-me das águas enganadoras do pecado, levando-me por um caminho seguro, nesta passagem temporária pela terra, guiando-me e instruindo-me, alimentando-me e hidratando-me, curando-me e sarando-me, dia após dia. Também a mim, não me faltam oportunidades, todos os dias, a todo o instante, para me abrir à graça e ao amor de Deus, para me deixar moldar à Sua imagem e semelhança, para escolher o local da minha morada eterna - o Céu ou o Inferno. 

Confinamento - à Luz da História do Povo de Deus

Na sexta-feira passada, tive a enorme graça de poder ouvir uma catequese maravilhosa, como há muito não ouvia, do nosso querido bispo de Setúbal, D. José Ornelas, no 1º Encontro Formativo da Pastoral Familiar de Setúbal.

Falou-se de 'confinamento' nos dias de hoje, nas nossas famílias, na nossa sociedade, mas através duma perspectiva diferente - trazendo à memória, e tornando vivas novamente, várias histórias do Povo de Deus, relatadas ao longo das Escrituras. Nunca antes me tinha apercebido de tantos paralelismos entre o passado do Povo de Deus, o nosso presente e as lições para o nosso futuro ... 

Começando pelo relato da 1ª Páscoa judaica, quando o povo hebreu se refugiou nas suas casas, para proteger os seus filhos e se distinguir dos egípcios, ao exílio na Babilónia exigido pelo rei Nabucodonosor, passando pelo distanciamento necessário entre Abrãao e o seu sobrinho Lot, até chegar ao 'desconfinamento' trazido por Jesus. Uma catequese que nos leva (e muito!) a reflectir, sempre à luz da Bíblia e da História do Povo de Deus. Absolutamente imperdível! 

 

Haverá mais catequeses ao longo do ano! Estejam atentos à página da Pastoral Familiar de Setúbal.

Saindo das águas e entrando no Céu (ainda o 2º dia da Criação)

Meditar no 2º dia do relato da Criação permite-nos também compreender melhor o significado do Baptismo de Jesus.

Veio Jesus da Galileia ao Jordão ter com João, para ser baptizado por ele. João opunha-se, dizendo: «Eu é que tenho necessidade de ser baptizado por Ti, e Tu vens a mim?» Jesus, porém, respondeu-lhe: «Deixa por agora. Convém que cumpramos assim toda a justiça.» João, então, concordou.
Uma vez baptizado, Jesus saiu da água e eis que se rasgaram os céus, e viu o Espírito de Deus descer como uma pomba e vir sobre Ele. 
E uma voz vinda do Céu dizia: «Este é o Meu Filho muito amado, no qual pus todo o Meu agrado.» (Mt 3,13-17)

Jesus é baptizado no rio Jordão, o rio cujo nome significa "Aquele que desce" em hebraico. Lembrando a analogia do último post, não me parece ser um acaso que este rio nasça no topo dum monte, o monte Hérmon, em Cesareia de Filipe no norte de Israel. Na verdade, o monte Hérmon é um monte tão alto -  e assim tão perto da morada de Deus - que permanece coberto de neve durante a maior parte do ano.

Foi bem aqui em cima, em Cesareia de Filipe, perto da nascente do rio Jordão, que Jesus deu a Pedro as chaves do Reino dos Céus, representando a sua união íntima com o coração do Senhor.

Desde a sua origem no norte de Israel, o rio Jordão vai descendo continuamente, atravessando Israel, até por fim desaguar no ponto mais baixo de toda a terra, no mar Morto. Podendo ter escolhido qualquer ponto do comprimento do rio, o Senhor chamou João Baptista a baptizar o povo judeu no local imediatamente antes deste rio chegar às águas estéreis e inóspitas do mar Morto.

Foi bem aqui em baixo, perto do ponto de entrada no mar Morto, que Jesus escolheu também ser baptizado por João. Jesus vai-nos buscar, independentemente do quão fundo o nosso pecado nos arrastar, não desistindo de nós e de nos salvar até ao último instante da nossa vida, antes de nos perdermos completamente no Inferno...

 

Jesus baptism.jpg

Imagem retirada daqui

Mas vamos voltar ao simbolismo do 2º dia do relato da Criação. Com o Seu Baptismo, Jesus entra dentro das águas de baixo, das águas do abismo, assim como depois entrará nas águas do sofrimento e da Sua morte. Ele ergue-se destas águas, tal como virá depois a erguer-se da morada dos mortos, ao ressuscitar. Os Céus rasgam-se; a barreira, a divisão, existente entre Deus e o homem, desde o 2º dia da Criação, que impedia que o homem se unisse plenamente ao seu Criador, desaparece. Os Céus abrem-se, a Vida Eterna torna-se possível ao homem, de tal forma que o Espírito Santo desce, sob a forma duma pomba, tal como fará mais tarde no dia do Pentecostes, para anunciar através de Jesus, a todos os homens, o quanto cada um de nós é, também, o Seu filho muito amado ... 

 

O Baptismo de Jesus destrói assim a barreira que nos separava de Deus e abre-nos as portas do Céu ... 

A divisão entre as águas (o 2º dia da Criação)

Deus disse: «Haja um firmamento entre as águas, para as manter separadas umas das outras.» E assim aconteceu. Deus fez o firmamento e separou as águas que estavam debaixo do firmamento das que estavam por cima do firmamento. Deus chamou céus ao firmamento. Assim, surgiu a tarde e, em seguida, a manhã: foi o segundo dia. (Gn 1,6-8)

No 2º dia da Criação, diz-nos o autor do Génesis que Deus criou as águas. As águas de cima seriam os Céus, onde Deus escolheu ser a Sua morada. Já as águas de baixo seriam a morada do homem. Entre elas, uma barreira, uma divisão, um firmamento, que separava o homem de Deus.

Em todo o relato da Criação, o 2º dia é o único dia que o Senhor não chama "bom". Deus não quer que o homem esteja separado Dele, mesmo que o homem insista em fazê-lo, escolhendo continuamente o pecado em vez do Seu amor. Deste modo, o 2º dia da Criação parece querer representar o mundo antes da vinda de Jesus.

 

Para o povo judaico, as águas do mar, profundas e insondáveis, representavam um local de morte e de julgamento para o homem. Foi nas águas do mar que a humanidade corrupta foi submergida, no dia do grande Dilúvio, enquanto Noé e a sua família, permanecendo sobre as águas do mar, dentro da arca, foram protegidos contra a morte. Foi nas águas do rio Nilo que o Faraó mandou afogar todos os bebés hebreus, enquanto apenas Moisés pôde ser protegido da morte, ao permanecer sobre as águas do rio, dentro duma cesta de vime. Foi também nas águas do mar Vermelho que os soldados do Egipto foram engolidos pela morte, que eles próprios provocaram, enquanto o povo hebreu atravessou as águas, sem que qualquer mal lhes acontecesse. 

 

Se, para os judeus, quanto mais fundo descermos nas águas, mais nos aproximaremos da morte, também é verdade que, quanto mais alto subirmos, mais perto estaremos de Deus, mais amiga e íntima será a nossa relação com o Senhor. Assim aconteceu com Moisés e depois com Elias, que encontraram o Senhor após subirem até ao topo da montanha. Também as alianças entre Deus e o seu povo realizaram-se sempre nos sítios mais altos.

Praying above water and mountain.jpg

Imagem retirada daqui

Mas "perto de" não quer dizer "junto de" ou "unido a". Se as águas de baixo representam a morada terrena do homem e, quanto mais fundo, mais perto da morte; se as águas de cima representam os céus e a morada eterna do homem, que ele almeja alcançar; e se existe uma barreira, uma divisão entre ambos, como poderá o homem ultrapassar essa barreira e chegar, por fim, até junto de Deus, unindo-se Àquele que a sua alma mais ama, o Único capaz de saciar os desejos do seu coração?

 

«Eu sou o Caminho», diz-nos Jesus.

Realmente, Jesus é a única via através da qual poderemos vir a alcançar o Céu e, assim, o amor eterno e abundante do Senhor. Foi Ele que nos abriu o caminho até ao Céu, foi Ele que restituiu a união primordial entre Deus e o homem, que havia antes do nosso pecado. Fê-lo na Sua Transfiguração, no cimo do Monte Tabor; fê-lo na Sua Crucificação, no topo do Calvário; fê-lo através da Sua Ascenção aos Céus, deixando o caminho aberto, desde o Monte das Oliveiras, para cada um de nós ...