Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Dia de Natal

 FELIZ ANIVERSÁRIO JESUS! 

 

Hoje celebramos a Encarnação de Deus! Alegria, alegria!!

O nosso adorado Deus tornou-se um de nós à 2014 anos atrás, só para nos dizer o quanto Ele nos ama!

A Deus da misericórdia entrou na história da humanidade para nos trazer a Paz perfeita. A Paz de espírito e da alma e do coração. Uma paz que o mundo jamais poderia dar, apenas Jesus!

 

Deixo-vos um pequeno vídeo, que retrata os maravilhosos acontecimentos que se realizaram em Belém, quando o Deus vivo se fez Carne, para salvar a Humanidade! Alegria, alegria!!

 

A Natividade

 

“O Natal é a altura em que celebramos Deus que veio tão perto do homem, chegando a participar no nosso próprio acto de nascer, mostrando aos homens e às mulheres a sua mais profunda dignidade: a de sermos filhos de Deus!

O sonho da humanidade que começou no Jardim do Éden - querermos ser como Deus - é realizada duma forma inesperada, e não através da grandeza do homem, que não pode criar o próprio Deus, mas por meio da misericórdia de Deus, que desceu entre nós na Sua humildade, para nos elevar à verdadeira grandeza do Seu ser. "

Christmas – God Comes So Close to Man

Papa Emérito Bento XVI (tradução minha)

 

Queridas famílias, desejo-vos a todos um Santo Natal, cheio de bençãos e de alegria! 

A Procura da Santidade

Hoje é Dia de Todos os Santos. Que dia tão especial!

 alphabet of saints.jpg

Imagem retirada do Pinterest

 

A festa deste dia é celebrada em honra de todos os santos e mártires, nossos conhecidos ou não. Pudemos assim aproveitar o dia para relembrarmos santos que nos tocaram particularmente com as suas vidas, ler algumas biografias e agradecer-lhes por todas as vezes que rogaram e intercederam por nós.

 

Há já algum tempo que um dos sites que se encontra na minha barra de marcadores da internet, é este:

Portal Paulinas - Santo do dia

 

Abro este site todos os dias que venho ao computador e tem-me ajudado diariamente, quer a ter inspiração para o que tenho que fazer, quer a aprender acerca das vidas e dos feitos de vários santos e santas que eu não conhecia.

 

Quando ponderava sobre o que escrever neste post, dei por mim, como já é costume, a pensar nos vários posts que a Teresa escreve. Ando particularmente pensativa acerca dos seus posts sobre a santidade e do dever que cada cristão tem de a procurar todos os dias da sua vida. Nunca antes me tinha apercebido desta responsabilidade até a Teresa o dizer tão explicitamente.

E, de repente, parece que encontro por todos os lados mais passagens bíblicas a dizer isto mesmo e me deparo com outros textos e pensamentos de diferentes cristãos acerca deste assunto. Falo, por exemplo, das ideias defendidas pelo Santo Papa João Paulo II e pelo Papa Francisco. Ambos dedicaram o seu papado a divulgarem ao mundo este chamamento pessoal que Cristo nos faz, da vocação individual para a santidade:

 

«Sede perfeitos, como o vosso Pai celeste é perfeito» (Mateus 5:48)

 

Os santos não estão todos mortos. Alguns vivem hoje, no mesmo mundo que nós. Os santos não são só pessoas que viveram há muito tempo e que fizeram coisas extraordinárias, que no presente nos parecem quase impossíveis. A verdade, parece-me que esquecida pelo mundo, é que cada pessoa tem o potenciar para ser santa. Pois, Deus encheu-nos de bênçãos, ofereceu-nos inúmeros dons e concedeu-nos infinitas graças.

 

«Os cristãos, de qualquer estado ou ordem, são chamados à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade. (…) Para alcançar esta perfeição, empreguem os fiéis as forças recebidas segundo a medida em que Cristo as dá, a fim de que (…) obedecendo em tudo à vontade do Pai, se consagrem com toda a alma à glória do Senhor e ao serviço do próximo. Assim crescerá em frutos abundantes a santidade do povo de Deus, como patentemente se manifesta na história da Igreja, com a vida de tantos santos» - Concílio Vaticano II.

 

E nós? E eu? E tu?

Estaremos finalmente dispostos a aceitar o chamamento para a santidade de Jesus?

Bodas de Ouro

DSC_0513-1.JPG

 

O que vocês vêem?

 

Eu vejo um dos casais mais unidos que conheço.

Eu vejo um dos maiores exemplos da minha vida.

Eu vejo duas das pessoas mais importantes da minha vida.

 

Eu vejo duas pessoas que me ensinaram que o amor não é um sentimento, mas uma decisão diária que se transforma em acções, em entrega, em serviço. Que o amor é desejar a felicidade do outro mais que a nossa. Que o amor é carinho, é amizade, é companheirismo. Que o amor, se bem praticado e estimado, é eterno.

 

Estes são os meus avós paternos, os que sempre viveram connosco. Ou melhor, eles é que nos acolheram a nós. Os meus avós são duma pequena aldeia de Beja. Vêm ambos de famílias grandes mas pobres. A avó não foi à escola, porque a mãe exigia que ela ficasse em casa a tratar dos irmãos e da casa. O avô fez a 4ªclasse e depois foi trabalhar para o campo. Ambos trabalharam na agricultura durante anos e anos. Quer fizesse sol ou chuva, quer fosse dia de semana ou de fim-de-semana, quer fosse inverno ou verão. 

O avô é 7 anos mais velho que a avó. Eles começaram a namorar quando a minha avó tinha 17 anos. Casaram 3 anos depois, e o meu pai nasceu quando a avó tinha 23 anos. Meses depois, fartos duma vida já tão longa de trabalho, e sem perspectivas dum futuro melhor, partiram da aldeia com direcção a Lisboa, trazendo consigo os seus poucos pertences. 

Aqui o avô conseguiu emprego no antigo Arsenal do Alfeite. A avó começou por trabalhar numa fábrica têxtil, depois essa fábrica fechou e a partir daí foi sempre costureira. Ambos tinham o sonho duma vida melhor e mais digna. Sempre pensaram em construir uma casa e em ter um bom terreno para uma horta. 

Os avós construiram com as suas mãos a casa em que vivemos hoje, uma tarefa que demorou quase 20 anos a ser concluída. Eles construiram-na sozinha e sempre com o dinheiro dos seus bolsos. 

 

Juntos, passaram por momentos de plena felicidade, mas também de completo terror e medo.

Juntos, enfrentaram a perda de familiares e amigos, e receberam de braços abertos todos os novos amigos, vizinhos, irmãos e sobrinhos.

Juntos, criaram uma família unida, sempre junta e feliz.

Juntos, alcançaram hoje 50 anos de casados.

 

Hoje há uma grande festa cá em casa. Vamos celebrar os avós, a sua vida e o seu exemplo. Mas vamos também celebrar a nossa família e todos os seus elementos.

 

 

Hoje celebramos aqueles que sempre nos ensinaram que:

 "O amor é paciente, o amor é benigno, não é invejoso; o amor não é orgulhoso, não se envaidece; não é descortês, não é interesseiro, não se irrita, não guarda rancor, não se alegra com a injustiça mas regozija-se com a verdade; tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais acabará..."

1Coríntios 13:4-8