Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Coroa de Espinhos

Hoje não consigo ter palavras para vos expressar o que sinto ... assim, deixo-vos com uma das melhores canções da belíssima cantora norte-americana Danielle Rose - Crown of Thorns (Coroa de Espinhos).
 

3º Mistério Doloroso: A Coroação de Espinhos de Jesus

 

Letra escrita com base nos Evangelhos de S.Mateus 27: 27-31, S.Marcos 15: 16-20, e S.Lucas 23:11

A letra da canção descreve o ponto de vista da Rosa

 

 

 

 

My seed was born
One bright spring morn
In gardens grown by God.
Out of the earth
My stem gave birth
To petals red as blood.

 

The gentle rain
My growth sustained,
And like each seed God sows,
I dreamed one day
That I’d be named
A king’s most precious rose.

 

***

 

One day a soldier
Bent me over,
Tore me from my bed.
All beaten, battered,
My stem tattered,
Wanted but for dead.

 

In cruel hands gripped,
My beauty stripped,
‘Twas not the dream I chose.
And filled with shame,
I wept in pain,
No more a precious rose.

 

***

 

Then I did see
The soldiers lead
A man through palace doors.
Was this my king?
Why did they bring him in,
This man so poor?

 

A purple garment
Hid the torment
None but I could see.


They mocked and laughed,
Gave him a staff,
And bowed on bended knee.

 

***

 

They bent me ‘round
And wove a crown
And placed me on his head.


My petals found
Crushed on the ground,
Like tears of God turned red.

 

With each small sin
I was pressed in.
I pierced with self-disdain.


In thought and deed
I made him bleed,
My selfishness, his pain.

 

***

 

“Behold!” they’d sing,
“Behold your King! Hail,
King of the Jews!”
With each reeds’ blow,
Our pain did grow.


As one we were abused.

Despite the crown,
He did not frown.


He smiled with love instead,
And carried me
For all to see
Upon His tender head.

 

***

 

Once placed with awe
In manger straw,
Anointed by John’s hands,
Transfigured on
A mountain dawn,
Now wore a mangled branch.

 

Once gently kissed
By Mary’s lips,
And blessed with magi’s myrrh,
Baptized by
A parting sky,
Now streamed with blood so pure.

 

***

 

An innocent brow
Calls to us know
To follow this example:
To let our thorns
And all that scorns
Be healed within His Temple.

 

Though dreams may fade,
Each one was made
In seed that Jesus sows.
And now I see
I’m called to be
The King’s most precious rose.

 

***

A minha semente nasceu

Numa manhã clara de primavera

Nos jardins cultivados por Deus.

Fora da terra

O meu caule deu à luz

Pétalas vermelhas como o sangue.

 

A chuva suave

O meu crescimento continuou,

E como cada semente que Deus semeia,

Eu sonhei (que) um dia

Seria chamada

A rosa mais preciosa do rei.

 

***

 

Um dia, um soldado

Inclinou-se sobre mim,

(E) arrancou-me da minha cama.

Totalmente espancado, golpeado,

O meu caule esfarrapado,

Procurado, mas para morrer.

 

Agarrada em mãos cruéis,

Fui despida da minha beleza,

Este não era o sonho que eu escolhi.

E cheia de vergonha,

Chorei de dor

Nunca mais (seria) uma rosa preciosa.

 

***

 

Então, eu vi

(Que) os soldados conduziam

Um Homem através das portas do palácio.

Seria este o meu Rei?

Porque trazem eles

Este Homem tão pobre?

 

Um manto de púrpura

Escondeu a tortura

Mas eu (ainda) podia ver.

 

Eles ridicularizaram(-No) e riram-se (Dele),

Deram-Lhe uma equipa,

E se inclinaram ajoelhados.

 

***

 

Eles dobraram-me sobre mim mesma

E teceram uma coroa

E colocaram-me sobre a Sua cabeça.

 

As minhas pétalas encontravam-se

Esmagadas pelo chão,

Como se fossem as lágrimas vermelhas de Deus.

 

Com cada pequeno pecado

Eu estava pressionando-O.

(E) eu perfurei-O com auto-desprezo.

 

Em pensamentos e em acções,

Eu fi-Lo sangrar,

O meu egoísmo, a Sua dor.

 

***

 

"Eis", eles cantam,

"Eis o vosso Rei! Saúdem,

O Rei dos judeus!"

Com cada golpe dos juncos,

A nossa dor aumentava.

 

Como (se fossemos) um, nós fomos maltratados.

Apesar da coroa,

Ele não franziu as sobrancelhas.

 

Em vez disso, Ele sorriu com amor,

E carregou-me

Para todos verem

Sobre a Sua querida cabeça.

 

***

 

Outrora colocado com reverência

Sobre as palhas duma manjedoura,

Ungido pelas mãos de João,

Transfigurado

Numa montanha ao amanhecer,

Agora usava um ramo destruído.

 

Outrora beijado delicadamente

Pelos lábios de Maria,

E abençoado com mirra dos Magos,

Baptizado por

Um céu que se dividiu (ao meio),

(Estava) agora raiado do sangue mais puro.

 

***

 

Uma fronte inocente

Chama-nos a conhecer

(E) a seguir este exemplo:

Deixemos que os nossos espinhos

E tudo o que nos despreza

Seja curado no interior do Seu Templo.

 

Embora os sonhos possam desaparecer,

Cada um (deles) foi criado

Nas sementes que Jesus semeou.

E agora eu vejo

(Que) fui chamado a ser

A Rosa mais preciosos do Rei.

 

***

 

 

Se quiserem, podem ouvir as canções dos outros Mistérios Dolorosos e seguir a letra de cada uma aqui.

 

A minha preparação para o Advento

O Advento está aí, mesmo à porta! :)

Cá em casa, já começamos a decorar a casa. Já começamos a pensar nas prendas, Já começamos a pensar nos pratos para a festa no dia de Natal - que, por tradição, a família toda reúne-se cá em casa!

 

Contudo, para vos ser sincera, todas essas coisas parecem-me irrelevantes este ano. E logo eu, conhecida por adorar tudo o que tinha haver com o Natal....!!

 

O ano passado já notei a diferença. Mas este ano, o sentimento está ainda mais forte!

Não, não quero saber de prendas, nem de decorações, nem de festas. Não quero saber de Pais Natais nem de barretes vermelhos com pompom na ponta. Não quero saber de compras, de lojas, nem de luzinhas.

 

Desde o meu Crisma que tenho tentado aumentar consideravelmente os momentos de oração no meu dia a dia. Não o tenho feito porque achava que devia. Tenho-o feito porque é o que desejo!

 

Desde o Crisma que, o desejo de conhecer e amar mais e mais o Senhor, tem aumentado de forma incrível e inexplicavelmente! Parece que esta minha sede não é saciada de maneira nenhuma!

Desejo sempre mais 5 min com Jesus! Por favor, Jesus, fica comigo mais 5min - a seguir já estudo! A seguir já vou a correr para a aula. A seguir já vou dormir...

 

20150423_082308.jpg

Este semeste, ao contrário do anterior e com enorme pena minha, não consigo ir com a mesma frequência à Eucaristia.... a minha hora de almoço é completamente diferente e irregular, e não me permite ir à missa das 12.30h no hospital de Santa Maria (onde este semestre passo a maior parte dos meus dias)....

 

Mas, graças ao exemplo da Teresa, que partilhou connosco no início do ano lectivo os seus 15 minutos com Jesus, que eu tenho tentado fazer o mesmo! Há dias em que consigo estar meia hora em oração na capela do hospital, noutros dias apenas 15 minutos, e às vezes, só tenho mesmo 2 min antes de ir a correr para a aula seguinte ....

 

Além disso, ao longo do meu dia, tenho outros momentos de oração:

  • A oração do Terço já é algo enraizado no meu dia. Durante a semana, rezo-o nos transportes. Ao fim de semana, vou rezando uma dezena por cada intervalo de estudo que faço.
  • Ao deitar, também tenho um momento de oração especial, onde faço um balanço do meu dia, onde peço perdão pelos meus erros e agradeço todas as graças e bênçãos no meu dia.
  • E, ao longo do dia, várias vezes rezo o Nós, JesusNós, Jesus, vamos lidar com aquela criança doente que está aos berros e aos pontapés! (E às vezes, como segundo recurso ....) Anjo da Guarda, podes por favor dizer ao Anjo da Guarda daquela criança que eu preciso MESMO de lhe ver os ouvidos e que ela tem de ficar quieta só 10 segundos??!! Ou então, Nós Jesus, vamos estudar aquela matéria gigantesca e super complicada que eu tenho tentado fugir nas últimas semanas, mas agora tem mesmo de ser! 

 

Mas o meu coração queria mais! Eu desejava mais momentos de oração! Eu desejava uma maior entrega! Parecia que Deus me pedia mais! Mais de mim!

 

Há uns dias atrás tomei a minha resolução para este Advento - passar mais tempo em oração! Como?

 

Claro que haverá dias e dias. Claro que não conseguirei rezar todas as orações. Claro que haverá dias em que conseguirei fazer mais, outros menos. Afinal, estou quase em exames da faculdade. Mas o primeiro passo está dado!

Deixará de haver tempo para o facebook, para seguir todos o blogs que gosto, de ler os 2 livros maravilhosos que tinha acabado de receber pelo correio, de fazer outras actividades de lazer. Não haverá tempo para a preguiça. Não haverá tempo a perder!

 

"Assim como a corça suspira pelas águas correntes,
suspira igualmente minh’alma por vós, ó meu Deus!

Minha alma tem sede de Deus, e deseja o Deus vivo.
Quando terei a alegria de ver a face de Deus?

 

Que o Senhor me conceda de dia sua graça benigna
e de noite, cantando, eu bendigo ao meu Deus, minha vida."

Salmo 41:2-3, 9

 

Nas lidas domésticas

Ainda se lembram do post que escrevi no início das férias acerca das minhas lições domésticas?

Estando prestes a terminar o meu "curso intensivo" de lidas domésticas de verão, queria actualizar-vos acerca dos meus progressos. (Esqueci-me de ir tirando fotos, desculpem)

Lady of the house

Créditos da imagem

  • Culinária (módulo 2 e 3) - Pratos de peixe e sobremesas - feito!! A família comeu sempre e gostou. E pelos vistos parece que, como a mãe, as sobremesas são aquilo para que tenho mais jeitinho :)

bolo de anos 1.jpg

 Bolo dos 14 anos da prima - Bolo de iogurte com cobertura de chocolate

bolo de anos 2.jpg

 O meu bolo de aniversário - 22 aninhos! - Bolo de ananás com cobertura de natas

 

  • Lida da casa (temas C e D) – Limpeza da casa + Loiça + Roupa - aprovada! Acreditem, o que houve mais foi isto - lavar, estender, apanhar, passar, arrumar .... 

laundry.jpg

 Créditos da imagem

E isto - lavar, lavar, lavar, lavar:

washing dishes.jpg

 Créditos da imagem

E ainda isto - reorganização do meu enxoval:

hope chest.jpg

 Créditos da imagem

 

  • Compras (nível inicial) – Estudo começado mas pouco realizado - fica para o próximo ano!
  • Costura (escalão 2 – costura na máquina) – Nem sequer foi começado, não houve tempo ...
  • Tricot - Isto sim, foi a surpresa das férias! Há já vários anos que via a mãe a fazer tricot e sempre foi uma arte que me intrigava bastante... Este ano, quando fomos de férias para Lamego, tive finalmente tempo suficiente para a mãe me ensinar!
  • O começo foi dificil!! Ai que complicação! Tantos fios e voltas e troca e cruza e vira e .... MÃE, PERDI UMA MALHA! ou então, MÃE ESTOU A FAZER TUDO AO CONTRÁRIO! O terror, o caos!
  • Enfim, após várias tentativas diárias, a mãe lá disse que eu estava pronta para iniciar um projecto mais sério. Decidi começar de forma simples, e pensei em fazer um cachecol:

tricot 1.jpg

 E lá vou eu entretida. Uns 5 minutos aqui, uns 15min ali, às vezes mais, aos poucos:

tricot 2.jpg

Quando dei por mim, já de regresso a casa:

tricot 3.jpg

Já parece um cachecol certo?

Ele enrola-se um pouco nas laterais por causa do ponto (simples) que escolhi, mas pronto. A mãe diz que no fim arranja uma solução....

 

Nestas férias, descobri que tricotar e rezar o Terço combinam na perfeição!! Ponho um destes vídeos no computador, ou coloco o CD gravado na aparelhagem e ... oh, é uma maravilha!!

Outra combinação bastante agradável é ouvir os vídeos do Padre Paulo Ricardo ao mesmo tempo que tricoteio (acho que acabei de inventar esta palavra...)! 

 

Na verdade, o tricot é uma arte bastante antiga, aprendida e cultivada por tantas gerações, praticada por tantas raparigas e mulheres na história da humanidade! Assim, também eu sinto que faço parte deste grupo de mulheres que sempre tentou alcançar o exemplo de mulher ideal (Provérbios 31), apenas alcançado neste mundo pela Excelentíssima Virgem Maria! 

Imagino se Ela também tricotava? Ou então, se fazia de outra forma as roupas para o pequeno Jesus e para a Sua família? Numa família tão pobre como a Sua, de certeza que não havia muito dinheiro para gastar em roupas. Provavelmente, Nossa Senhora teria de fazer tudo com as Suas mãos.

Imagino-a a rezar enquanto trabalhava. Será que estaria a fazer alguma coisa destas quando o Anjo a veio visitar? Que cores terá ela escolhido para fazer o enxoval do Seu Menino? Quanto amor e carinho terá sido dedicado por Ela a fazer cada cobertor, cada agasalho, cada casaquinho, cada roupinha para o Seu Filho tão amado ... Nem consigo imaginar a dedicação desta perfeita Esposa para com o Seu simples lar e a Sua família!

Algumas peças, talvez algumas roupas, algumas toalhas, terão sido feitas pela mãe de Nossa Senhora, santa Ana, entregues como presente de casamento à sua adorada filha.

Talvez a Virgem Maria tenha oferecido algo a Santa Isabel quando a visitou, dando com amor a São João Baptista a melhor peça que as Suas mãos podiam criar...

 

Oh, tantas histórias que imagino! Tantos se, tantos talvez ...

O importante é que, no final de tudo, cada coisa destas ajuda-me a tornar-me mais próxima da Nossa Mãe, da Sua vida e do Seu exemplo perfeito!

 

Uma visita inesperada

A minha mãe nasceu numa família muito simples e humilde, numa pequena aldeia nos arredores de Lamego. Aos 17 anos teve a oportunidade de vir para Lisboa, com ajuda da família de um tio, à procura dum emprego e duma vida melhor do que o trabalho no campo lhe podia dar. É em Lisboa que conhece o meu pai, filho duma família proveniente de Beja que também procurara a realização dos seus sonhos duma vida melhor na grande cidade.

Quando casaram, os meus pais tomaram a decisão de permanecerem aqui, em Corroios, perto da família do meu pai. A família da mãe acabou por ficar, na sua maioria, em Lamego, a quase 5 horas de distância de nós. Assim, em todas as férias de Verão vamos para Lamego durante algumas semanas, para a mãe (e com o tempo, também eu e o pai) matar as saudades da sua família - principalmente dos seus pais e da sua irmã mais nova. 

Há 24 anos que esta "tradição" acontece todos os verões e é sempre com grande alegria que esperamos esta altura do ano! Contudo, o ano passado foram as nossas primeiras férias sem o avô materno (que faleceu repentinamente em Fevereiro de 2014) e as férias já não foram as mesmas... Este ano também trazia consigo um sentimento agridoce - não sabemos se este ano foi o último em que eu pude ir de férias com os pais, e o mais provável é que estas tenham sido as últimas férias em família durante algum tempo ... Os anos passam e estou perto de terminar a faculdade e de começar a trabalhar como médica. E só Deus sabe como será o futuro. 

 

Assim, foi com grande alegria que, mal chegámos a Lamego, ficámos a saber que nos dias 8 e 9 de Agosto iriamos receber uma visita muito especial! A da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima!! Oh, que festa!!

Peregrina 1.jpg

O avô materno sempre teve uma grande dedicação a Nossa Senhora de Fátima, e sempre que penso Nela, não deixo de pensar também no avô. Quando vamos a Fátima, a memória do avô está também sempre presente comigo.

Assim, eu senti que esta visita de Nossa Senhora a Lamego, foi uma forma de Ela nos dizer, mais uma vez, que nós não estávamos sozinhos nestas mudanças da nossa vida, que tinhamos o Seu apoio, a Sua ajuda, o Seu amor de mãe ... Oh, e que Mãe!

 

Deixo-vos um relato fotográfico desta belíssima visita: (nós esquecemo-nos da tirar fotos nos 2 dias, desculpem!) 

 

Dia 8 de Agosto - Procissão das Velas

Peregrina 2.jpg

Peregrina 3.JPG

Peregrina 4.jpg

Peregrina 5.jpg

Peregrina 6.JPG

Peregrina 7.jpg

Peregrina 8.jpg

Peregrina 9.jpg

 Todas estas fotos são da autoria do maravilhoso fotógrafo Rui Jorge Pires do Olhar d'Ouro.

 

Dia 9 de Agosto - Tarde de oração na Sé de Lamego e Despedida 

Peregrina 10.JPG

Peregrina 11.JPG

Peregrina 12.jpgPeregrina 13.JPG

Todas estas fotos são da autoria do maravilhoso fotógrafo Rui Jorge Pires do Olhar d'Ouro.

 

Já por diversas vezes que fomos a Fátima mas nunca conseguimos estar tão perto da imagem de Nossa Senhora como Deus nos deu a oportunidade desta vez. Pela graça de Deus, conseguimos encontrar um lugar para nos sentarmos na Sé a poucos metros da imagem de Nossa Senhora! Que privilégio. Uma tarde passada a rezar e a meditar sob o manto de Nossa Senhora, a rezar o Terço com Ela e a celebrar a Eucaristia na Sua presença - Foi extraordinário!

Mais extraordinário ainda foi a despedida - as orações cantadas, os lenços brancos a acenar, as lágrimas nos olhos de tanta gente, e mais uma vez, sem termos feito por isso mas pelo peso da multidão à nossa volta, encontrámo-nos desta vez a menos de um metro Dela! Caramba! Estávamos tão, tão perto Dela!! 

Há uma série de imagens na minha memória que espero nunca mais perder. Foi uma experiência sem igual...

Há dias em que é difícil rezar a Alguém que não vemos e que não ouvimos. A nossa natureza humana, tão física e corporal, por vezes tem essa necessidade.... de ver com os nossos próprios olhos, de tocar, de ouvir ...

 

Obrigado Mãe, por não me teres esquecido mesmo durante as férias! Eu sei que Tu estás sempre comigo ... mas é possível que eu às vezes me esqueça disso! Obrigado Mãe, obrigado minha Mãe! Obrigado por vires ter comigo!

 

«Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre.

E donde me é dado que venha ter comigo a mãe do meu Senhor?»

Lc 1:42-43

 

Para terminar, deixo-vos um pequeno vídeo com filmagens da Sé de Lamego -  que tem quase 1000 anos de vida!

 

 

Recursos para ajudar a rezar o Terço

O Terço é algo maravilhoso. Diariamente descubro mais provas disso.

Até há pouco tempo, eu pensava que só devia rezar “quando sentia que devia” fazer isso. Porque rezar, sem “sentir”, não era a mesma coisa. Era sim uma chatice! Uma trabalheira! Uma seca!

Assim, só rezava quando precisava de alguma coisa! Quando algo corria mal e precisava de ajuda! Quando queria pedir algo!

 

Quando comecei a rezar o Terço diariamente, ouve dias que não foi fácil. Houve dias que deliberadamente fugi e atrasei ao máximo ter que o fazer. Houve dias em que não rezei porque não preparei o meu dia a contar com aquela meia hora. Houve dias em que fiz autênticas birras, “Não quero! Não me apetece! Não faço!”. Houve dias difíceis.

 

Assim, descobri que preciso de coisas novas, de tempos em tempos, para “espevitar” a minha oração! Para renovar a minha coragem, fé e perseverança. Coisas simples, como verão já, já.

 

Estas foram as últimas aquisições para o meu tempo de oração.

1. Há dias em que preciso de imagens para me ajudarem a reflectir nos mistérios. Ao ler uma passagem da bíblia, eu imagino a cena à minha maneira. Assim, às vezes, é bom alargar horizontes, e saber como outras pessoas imaginam a mesma cena. Além de tornar tudo mais real, mais concreto, mais vivo. 

rosary 2.jpg

 Link para fazer o download

 

2. Há dias em que preciso de ler as passagens em Inglês. É uma bizarrice minha, perdoem-me! Para mim há palavras que têm mais significado em inglês do que em português, como também acontece ao contrário. E falo só no inglês porque é a única língua em que sou fluente...

rosary.jpg

Link para fazer o download

 

3. Há dias em que preciso de ler as mesmas passagens de formas diferentes. Ás vezes ajuda-me a desenvolver melhor o mistério. A pensar em novas perspectivas.

Mistérios Luminosos.jpgMistérios Gozosos.jpgMistérios Gloriosos.jpgMistérios Dolorosos.jpg

Link para download dos Mistérios Gozosos

Link para download dos Mistérios Gloriosos

Link para download dos Mistérios Dolorosos

Link para download dos Mistérios Luminosos

 

4. Por fim, há dias em que basta-me olhar para belas imagens. Basta-me contemplar pinturas, telas e representações. Às vezes, é assim que a imaginação e o pensamento melhor flui. Link dos cartões para o rosário.

 

Gostava só de realçar que todos estes materiais/recursos são também muito bons para crianças e jovens! Alías, foi em sites de mães católicos que os descobri. São divertidos, têm todos imagens muito bonitas e prendem a nossa atenção muito facilmente.

 

De repente já terminei mais uma dezena e mal dei conta, enquanto vagueava em ideias, sonhos e hipóteses incríveis...

 

Porque Nossa Senhora veio precisamente a Fátima, aqui tão pertinho de nós, para nos fazer um pedido especial:

“... Rezem o Terço todos os dias, para alcançarem a paz para o mundo e o fim da guerra”

(Quarta Memória da Irmã Lúcia)

Terço de Ligação

O mês de Outubro é o mês de devoção ao Santo Rosário.

Nesta minha caminhada pela vida católica, já se passou cerca de um mês e meio desde que comecei a rezar diariamente o Terço. Admito-vos que nem sempre tem sido fácil de o conseguir. Até hoje, houve 2 dias em que não o consegui fazer. Paciência, pede-se perdão e reza-se o dobro no dia seguinte!

Mas acreditem, tem sido uma experiência maravilhosa, muito esclarecedora e iluminadora e que me tem ajudado bastante no dia-a-dia, desde as coisas mais simples às mais complicadas. Neste momento, é uma prioridade para mim conseguir aquela meia-hora para rezar o Terço e estar na presença do Senhor. Tornou-se o meu alento e a minha força para enfrentar o dia seguinte, tornou-se a minha recompensa e gratificação no fim dum dia especialmente complicado, tornou-se a luz e a esperança que conduz a minha vida.

 

Um destes dias, ao iniciar o Terço, dei comigo a pensar: "No momento em que eu pego no meu terço, talvez haverá uma outra pessoa no mundo que terá agora mesmo acabado de rezar o seu."

 

Depois, já a meio, voltei a pensar: "Neste momento, talvez haverá mais alguém que estará a rezar o Terço ao mesmo tempo que eu. De certa forma, estará a rezar comigo o terço. Talvez até esteja a dizer exactamente e ao mesmo tempo as mesmas palavras que eu. Talvez reze noutra língua. Talvez esteja a cantá-lo. Talvez seja mais novo que eu, ou mais velho. Talvez esteja a rezar sozinha, talvez esteja acompanhado. Talvez seja uma família inteira."

 

Um pouco mais tarde, ainda durante o Terço, pensei: “Talvez esteja alguém agorinha mesmo a rezar o Terço por si, ou por alguém. Talvez precise duma resposta. Talvez precise duma solução. Talvez esteja a pedir uma intervenção de Deus. Talvez precise de paz e conforto. Talvez precise de esperança e de força. Meu Deus, permita-me rezar com esta pessoa.”

 

Por fim, quando estava a terminar e a pousar o meu terço, voltei a pensar mais uma vez: "No momento em que eu pouso o meu terço, talvez esteja agora alguém a pegar no seu e a começar a rezar. É como uma corrente continua, uma ligação ininterrupta, um elo, um laço, uma união eterna entre os cristãos. Estamos todos ligados pela oração, pelo Terço, por acção de Nossa Senhora, pelo amor a Deus e a Cristo.

Quantos corações estarão a bater agora ao mesmo tempo? Quantas almas se fundem neste fenómeno? Quantas intenções, pedidos e desejos se repetem e se acumulam, até formar algo denso, forte, profundo, intenso. Algo capaz de alterar o presente e o futuro. Algo capaz de alterar a nossa realidade. Talvez seja assim que se formam os milagres…”

Terço.jpg

 

Sendo filha única, habituei-me a estar sempre sozinha, a fazer tudo sozinha e a depender apenas de mim. A solidão é minha conhecida desde sempre.

Contudo, desde o dia em que tive estes pensamentos, não voltei a sentir-me sozinha quando estou a rezar o Terço. Agora, sinto-me rodeada de pessoas, sinto-me ligada a elas, sinto-me unida a mais alguém. Às vezes até parece que consigo ouvir as vozes das outras pessoas a rezar comigo. Ave Maria, cheia de graça,….

 

Agora, já não me sinto sozinha.

As Famílias de Caná

famílias de caná.jpeg

 

As Famílias de Caná surgiram em Mogofores, em Anadia, em Aveiro, a 14 de Setembro de 2013. A sua primeira família foi a Família Power

 

Desde desse dia que esta família tem realizado vários retiros para passar a palavra. Os retiros são encontros de famílias, em que experienciamos uma verdadeira intimidade com Deus através do silêncio, da oração, da alegria e da partilha. Só quem já participou sabe a felicidade que se vive naqueles fim-de-semanas! E o barulho das crianças! :)

 

Eu participei no último retiro, no dia 20 de Setembro deste ano, em Almada. E acreditem que mudou a minha vida!

 

A cada dia que tem passado desde o retiro, descubro um novo significado para algo que foi lá dito, ou descubro uma aplicação prática dos ensinamentos e dos princípios falados. 

 

Nesse retiro, a minha família (constituída por enquanto apenas por mim e pela mãe) fez uma promessa inspirada nas seis bilhas de Caná:

  1. Comunhão - Nós, Jesus!
  2. Vida sacramental
  3. A Bíblia
  4. O canto de oração
  5. A visitação
  6. Consagração e Rosário

 

Neste retiro, tive a enorme honra e prazer de conhecer a família Power, cujo blog já seguia quase desde o seu início. Tive também a imensa honra e prazer de conhecer a Família Almeida, e a família da Olívia, e tantas outras famílias tão belas, tão felizes, como só alcançam as famílias guiadas por Deus. 

 

Para fotos e mais palavras acerca do retiro de Almada, clicar aqui, aqui ou aqui.

 

 "No terceiro dia, houve um casamento em Caná da Galileia e a Mãe de Jesus estava presente.

Jesus também tinha sido convidado para esse casamento com os seus discípulos.

Faltou o vinho e a Mãe de Jesus disse-Lhe: «Eles já não têm vinho!»

Jesus respondeu: «Mulher, que existe entre nós? A minha hora ainda não chegou».

A Mãe de Jesus disse aos servidores: «Fazei o que Ele mandar».

Havia ali seis talhas de pedra de uns cem litros cada uma, que serviam para os ritos de purificação dos judeus.

Jesus disse aos servidores: «Enchei de água essas talhas». Eles encheram as talhas até cima.

Depois Jesus disse: «Agora tirai e levai ao chefe de mesa». Então levaram ao chefe de mesa.

Este provou a água transformada em vinho, sem saber de onde vinha. Os que serviam sabiam, pois foram eles que tiraram a água. Então o chefe de mesa chamou o noivo

e disse: «Todos servem primeiro o vinho bom e, quando os convidados estão bêbedos, servem o pior. Tu, porém, guardaste o vinho bom até agora».

Foi assim que, em Caná da Galileia, Jesus começou os seus sinais. Ele manifestou a sua glória e os seus discípulos acreditaram n'Ele."

João 2:1-11