Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Jordânia, a terra que nos lembra de rezar

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

 

Tanto o nosso 4º como 5º dia de peregrinação estão bastante enublados na minha memória, principalmente devido à valente gastroenterite que nos assolou ... Foram os dias em que saímos do Egipto, atravessámos a fronteira e entrámos na Jordânia. Eu sinceramente só me lembro das náuseas, do mal estar geral, das cólicas intensas, da diarreia interminável e do calor, oh o calor húmido, tão intenso e difícil de suportar, que quase não nos permitia respirar ... Sim, foram dias bem difíceis... 

jordania 1.jpg

Apesar disso, na Jordânia, fomos calorosamente recebidos pelo nosso novo guia jordaniano, Luai, que tinha um maravilhoso sentido de humor. Oh, Deus abençoou-nos muito com todos os guias que escolheu para a nossa peregrinação!

Ao longo dos dias e das viagens, o Luai, além de partilhar muito do seu conhecimento arqueológico, histórico, cultural e político, foi-nos abrindo aos poucos o seu coração e contando a sua história de vida.

Ele nasceu numa família muçulmana praticante mas a sua juventude levou-o a afastar-se bastante da sua religião ... o que não correu nada bem, claro. Com a idade (e com as dificuldades da vida), aos poucos o Luai foi-se aproximando de novo do Deus a que ele chama Alá e da religião dos seus pais e irmãos, o Islão, que hoje vive em pleno.

 

Sabem, eu nunca tinha ouvido um muçulmano falar de Jesus. Não estava, de todo, preparada para o enorme respeito e admiração com que o Luai nos falaria de Jesus - um dos Profetas mais importantes no Islamismo, pelo o que ele nos contou - e muito menos de Maria! Sim, pelos vistos, as mães são muitíssimo valorizadas na religião Islã, e a Mãe de um dos principais Profetas não é excepção... 

jordania 2.jpg

Com a ajuda e as explicações do Luai, foi possível aprender e compreender bastante acerca do Islão - que é talvez uma das poucas religiões que eu não tinha explorado na minha própria juventude...

 

Mas, apesar de tudo, parece-me que o Islão, tal como o Judaísmo, é daquelas religiões que apenas percebeu uma parte da mensagem de Deus à humanidade por Ele criada e tão, tão amada ... Sim, parece que não a compreenderam por completo, em pleno, na totalidade... Deixaram "escapar" muitas coisas importantes e uma delas, parece-me, é que Deus não deseja ser conhecido como o Deus da Vitória, nem do Poder, nem do Sucesso, nem da Glória, nem da Vingança ... mas quer, sim, ser conhecido (intimamente conhecido, por cada um de nós) como o Deus que é Amor, Misericórdia, Bondade,  Humildade, Perdão ...

jordania 3.jpg

 

Uma das coisas que eu ouvia os outros peregrinos a comentarem, ao longo da nossa viagem, era o quanto lhes incomodava ouvirem, cinco vezes ao longo do dia, o bem audível chamamento religioso das mesquitas locais (o Salat)...

Até hoje, continuo sem saber dizer bem se vi mais mesquitas no Egipto ou na Jordânia (a meu ver, havia uma em cada esquina em ambos!), mas nestes dois países, este longo e audível chamamento estava sempre presente, onde quer que fossemos, aonde quer que tivéssemos...

 

O primeiro chamamento do dia ocorria bem antes do sol nascer, o que, nestes países, acontecia por volta das quatro e meia da manhã e depois às cinco e meia (e garanto-vos que acordava toda a gente!). O segundo, ao meio dia; o terceiro, por volta das quatro da tarde; o quarto pelas dezoito ou dezanove horas e o último, uma hora e meia depois do pôr do sol, ou seja, por volta das vinte e duas horas. 

 

Para mim, este chamamento era bastante bem-vindo - porque lembrava-me sempre da principal razão da minha peregrinação - rezar!

mar morto 4.jpg

Mar Morto, lado jordaniano

 

A minha maior admiração foi, contudo, descobrir que a maioria dos peregrinos não fazia ideia que também nós, católicos, somos chamados a rezar várias vezes por dia, seguindo a Liturgia das Horas (ou Ofício Divino). Sim, é mesmo verdade: também nós somos chamados a largar, por breves momentos, a nossa cama quentinha e fofa, o nosso trabalho diário, as nossas refeições, as nossas tarefas, a nossa noite; e elevar o nosso coração, nem que por breves instantes, até junto de Deus, agradecendo-Lhe e louvando-O por todas as bênçãos que continuamente recebemos, e pedindo-Lhe o auxílio necessário para fazermos santamente todas as actividades da nossa vida - tal como vemos acontecer logo no livro dos Actos dos Apóstolos!

 

Chamam-se Laudes - a primeira oração da manhã, em que oferecemos o nosso novo dia ao Senhor; Hora Intermédia - a oração a meio do nosso dia de trabalho, para nos fazer lembrar da verdadeira razão pela qual fazemos tudo; Vésperas - a oração do final da tarde, em que agradecemos ao Senhor pelo nosso dia; e, por fim, Completas - a oração da noite, antes mesmo de ir para a cama, fazendo o nosso exame de consciência.

mar morto 1.jpg

Mar Morto, lado jordaniano

Também estas devem ser orações públicas e comunitárias, tal como ainda hoje acontece nos conventos, nos mosteiros e em diversas igrejas, tanto grandes como pequeninas, espalhadas pelo mundo ... mas, como isso raramente é possível nas nossas vidas agitadas, a Igreja permite-nos que façamos estas orações duma forma mais isolada e interiormente. 

 

E as orações que somos convidados a ir fazendo ao longo do dia, têm de ser sempre fixas e estruturadas e lidas dum livro? Oh, claro que não!

Pode ser qualquer oração que o vosso coração faça ou precise, naquele momento; pode ser um cântico; pode ser um pequeno Nós, Jesus... ou um Senhor, obrigado ... um Por Ti, meu Deus ... um Senhor ofereço-te ... um Jesus ajuda-me ... um Espírito Santo inspira-me ... um Maria, sê minha mãe também ... 

Como sabem, as Famílias de Caná são peritas neste tipo de mini-orações 

mar morto 3.jpg

Mar Morto, lado jordaniano

 

É verdade, podemos não ter exactamente alguém a cantar ao microfone às horas certinhas e altifalantes espalhados pela cidade (como os países muçulmanos têm), ou então belos sinos a tocar (como nos conventos) que nos relembrem de parar e rezar.

Mas temos sim, se o nosso coração estiver disposto a ouvir, outros tipos de "chamamentos" - o despertador a tocar, as buzinas dos carros no trânsito ou o apito do comboio ou metro, a campainha da escola, a pausa do almoço, o filho que quer insistentemente lanchar, a fila no supermercado, a campainha do microondas ou do forno a dizer-nos que o jantar está pronto, o suspiro ao deitar finalmente a cabeça na almofada, o choro do bebé que nos vai acordando ao longo da noite ... que nos lembram de parar e rezar ....

mar morto 2.jpg

Mar Morto, lado jordaniano

 

Talvez uma das perguntas que mais me fazem no trabalho, quando descobrem que eu sou uma médica católica, é perguntar: porque é que vocês católicos rezam tanto?

Ora, eu desafio-vos a escolherem um Evangelho, a abrirem uma página ao calhas e a tentarem descobrir uma única página onde não exista uma referência de Jesus a rezar ou a dizer-nos insistentemente para o fazer! 

Vá, tentem lá descobrir, se conseguirem, e eu até vos dou um rebuçado! 

 

Para nós, cristãos e católicos, rezar devia ser tão essencial e presente como respirar ...

 

Para quem quiser aprender um pouco mais sobre a Liturgia das Horas, pode ler aqui.

 

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~