Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

O pecado da preguiça

Estes dias têm sido difíceis, espiritualmente difíceis e de grande aridez... mas a única pessoa responsável e culpada por isso sou eu própria, que me deixei levar, mais uma vez, pelo meu terrível, aliciante e destruidor egoísmo...

Então, este fim de semana, levei finalmente uma bela tareia - através da leitura dum pequeno livro do Pe Francisco Faus, da Opus Dei - que me mostrou finalmente a profundidade e a gravidade do meu enorme pecado - a preguiça.

 

Acham que a preguiça é apenas ir adiando coisas para se fazer mais tarde? Acham que é só a falta de vontade de sair do sofá e de fazer o que deveríamos estar a fazer?

Ora pensem melhor, pensem mais fundo, reflictam bem acerca deste grave pecado, que duma forma muito subtil e sorrateira, se intromete nas nossas vidas, separando-nos completamente do amor a Deus e ao próximo...

 

Sugiro-vos a leitura deste pequeno livro do Pe Francisco Faus, acerca do pecado da Preguiça e do modo como devemos combatê-la através da virtude da Diligência. Deixo-vos alguns excertos desta obra maravilhosa, que nos fala directamente ao coração, corrigindo-nos e ensinando-nos por vezes de forma muito dura e dolorosa, mas sempre com muito amor, como só um bom pai com 85 anos de experiência de vida o poderia fazer ...

 

 

Uma definição muito simples da preguiça poderá ser (...) a resistência ao esforço e ao sacrifício. 

Com muito acerto escreveu um filósofo cristão dos nossos dias que “a preguiça significa, antes de mais nada, que o homem renuncia à altura da sua dignidade: não quer ser aquilo que Deus quer que seja”. E, nesta dolorosa renúncia, se destrói. Desistir dos ideais é desistir de sermos “nós mesmos.

 

[Alguns poderiam dizer] “Eu, preguiçoso? Mas se não tenho nem um minuto livre, se trabalho sem folga nem férias... Precisaria, em todo o caso, é de um pouco mais de descanso...” Uma pessoa pode ser ocupadíssima... e ter uma profunda preguiça! (...) 

Sempre paira sobre os cristãos mornos o que alguém denominou “o perigo das coisas boas”: deixar-nos embalar pela satisfação de umas tantas coisas boas que já fazemos, para acobertar o vazio de outras tantas coisas boas que não fazemos, e deveríamos fazer. 

 

Uma das características dessa subtil preguiça é a sua rara habilidade – verdadeiro “engenho e arte” – para se desculpar ou se justificar. A preguiça mostra-se uma artista consumada no uso de diversas máscaras, com as quais se disfarça, apresentando por fora o rosto do dever cumprido, da laboriosidade ou da responsabilidade. Vale a pena, por isso, passar a examinar algumas das máscaras mais comuns de que a preguiça costuma valer-se. 

 

A máscara da actividade: Um homem deu uma grande ceia e convidou a muitos. A parábola começa com uma clara luz: Deus é esse “homem”, que prepara um grande convite de Amor – uma vida de Amor na terra e depois na eternidade –, e chama à porta dos corações dos homens: Vinde, tudo já está preparado. Está pronto o plano que preparei para ti, a missão que te proponho realizar no mundo. Mas o convite do Amor não obtém resposta. (...) Deus não aceita as nossas desculpas, e isto porque o não-posso, a maior parte das vezes, significa simplesmente um não-quero. 

 

A máscara do cansaço: O cansaço é uma coisa muito especializada. Sempre que se pensa nele, é muito conveniente perguntar: “Cansaço, para que coisas?”. Porque todos somos especialistas em determinados cansaços – cansaço “para” rezar, estudar, atender os desejos dos outros, responder cartas, etc. –, que não passam de máscaras da preguiça. (...) A fadiga da alma – é o cansaço que invade os que cumprem os deveres de má vontade, sem amor; é o cansaço dos que vivem reclamando por tudo e por nada, sonhando sempre com situações ideais que jamais irão dar-se; dos que não querem sacrificar-se; dos preguiçosos, em suma, daqueles a quem o bem, o amor e o dever enfastiam, porque exigem sacrifício. 

 

A máscara dos desejos: O desejo-máscara é mais um truque da preguiça para enganar a consciência. Aos imperativos da consciência – deves fazer, deves dar mais, deves enfrentar isto ou aquilo –, a preguiça responde, com aparente sinceridade: “Sim, é mesmo, eu desejaria tanto fazer isso tudo...” (...) Em primeiro lugar, o bom desejo esbarra com a chamada “falta de jeito”. (...) Todos temos “jeito” – ou podemos ganhar “jeito” – para as virtudes, para o bem, para as coisas que pessoalmente Deus nos pede. Nesta matéria, pode-se dizer também que a função cria o órgão. Basta começar, basta iniciar sinceramente o esforço, e a capacidade aparece. Será maior ou menor, mas sempre será útil e eficaz. Principalmente porque Deus não deixa nunca de auxiliar a quem se esforça com boa vontade. (...) Em segundo lugar, tão perigosa como a “falta de jeito” é a desculpa de quem sempre espera pela situação, a época ou as circunstâncias ideais para levar à prática os seus bons desejos. Esse afirma com convicta persuasão que quer, que quer mesmo. Agora, porém, não é o momento propício para levar à prática o desejo. Quando mudarem as circunstâncias e houver condições favoráveis, então sim. “Agora – diz o preguiçoso – estou com tantos problemas na cabeça, que se pegasse num livro de formação cristã, com o propósito de dedicar todas as noites quinze minutos à sua leitura, não aproveitaria nada. Quando esta azáfama acalmar, então...”. “Agora – afirma outro –, ainda não me sinto em condições de fazer uma boa confissão. Deixe que eu amadureça, fortaleça as minhas resoluções, que ganhe mais certeza de não reincidir, e então... " “Agora? – perguntará um terceiro –. Será que não percebe que estou sob a pressão do cursinho e os apertos do vestibular? Vamos deixar para o ano que vem, porque agora não conseguiria levar a sério a tarefa que me propõe..." (...)

“Amanhã! Algumas vezes, é prudência; muitas vezes, é o advérbio dos vencidos”  

 

Diligência: Dizíamos que a acédia – a preguiça – é o contrário do amor, pelo fato de sentir aversão e tristeza por aquilo mesmo que atrai e alegra o amor: o bem, mesmo que seja árduo e difícil. Em confronto com a preguiça, a virtude da diligência consiste no carinho, alegria e prontidão (coisa diferente da pressa) com que pensamos no bem e nos prontificamos a realizá-lo da melhor maneira possível.

 

Pe Francisco Faus, A preguiça 

 

2 comentários

Comentar post