Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Aquele que o meu coração ama....

Querido leitores, 

Não consigo resistir em partilhar convosco o maravilhoso comentário ao Evangelho da passada 3ªfeira da Oitava da Páscoa, escolhido pela equipa do Evangelho Quotidiano - falou-me tanto, tanto ao coração e espero que a vocês também ... 

 

Evangelho segundo São João 20,11-18

Naquele tempo, Maria Madalena estava a chorar junto do sepulcro. Enquanto chorava, debruçou-se para dentro do sepulcro e viu dois Anjos vestidos de branco, sentados, um à cabeceira e outro aos pés, onde estivera deitado o corpo de Jesus. 

Os Anjos perguntaram a Maria: «Mulher, porque choras?». Ela respondeu-lhes: «Porque levaram o meu Senhor e não sei onde O puseram». 

Dito isto, voltou-se para trás e viu Jesus de pé, sem saber que era Ele. Disse-lhe Jesus: «Mulher, porque choras? A quem procuras?». Pensando que era o jardineiro, ela respondeu-Lhe: «Senhor, se foste tu que O levaste, diz-me onde O puseste, para eu O ir buscar». 

Disse-lhe Jesus: «Maria!». Ela voltou-se e respondeu em hebraico: «Rabuni!», que quer dizer: «Mestre!». Jesus disse-lhe: «Não Me detenhas, porque ainda não subi para o Pai. Vai ter com os meus irmãos e diz-lhes que vou subir para o meu Pai e vosso Pai, para o meu Deus e vosso Deus».

Maria Madalena foi anunciar aos discípulos: «Vi o Senhor». E contou-lhes o que Ele lhe tinha dito. 

 

Aquele que o meu coração ama 1.jpg

 

Comentário ao Evangelho:

"Em que estação desperta o Salvador? Diz o Cântico dos Cânticos: «Eis que o inverno passou, cessaram e desapareceram as chuvas. Apareceram as flores na nossa terra» (2,11-12). A terra está cheia de flores [...]? Chegou abril e com ele a primavera. E é nesta estação, neste primeiro mês do calendário hebraico, que se celebra a Páscoa, outrora em símbolo e agora na realidade. [...]

Um horto foi o local da sepultura do Senhor. [...] E que diz Aquele que está sepultado no horto? «Colho a minha mirra e o meu bálsamo, a mirra e o aloés dos balsameiros mais seletos» (Cant 5,1; 4,14), pois tudo isso simboliza a sepultura. Os evangelhos também dizem: «As mulheres foram ao sepulcro levando os perfumes que haviam preparado» (Lc 24,1).

[...] Porque, antes de entrar na sala de cima passando pelas portas fechadas, o Esposo e Médico das almas fora procurado por mulheres de coração forte. As santas mulheres foram ao sepulcro à procura daquele que havia ressuscitado. [...] Segundo o evangelho, Maria foi ao sepulcro, procurou-O e não O encontrou; em seguida, ouviu a mensagem dos anjos e por fim viu Cristo. Estas circunstâncias também haviam sido descritas.

Diz Maria no Cântico: «Durante a noite, no meu leito, busquei Aquele que a minha alma ama» (3,1). [...] E narra o evangelho que Maria foi ao sepulcro «logo de manhã, ainda escuro» (Jo 20,1). «Procurei-O de noite, mas não O achei»; e no evangelho: «Levaram o meu Senhor e não sei onde O puseram»; é então que os anjos lhe aparecem, perguntando: «Porque buscais entre os mortos Aquele que vive?» (Lc 24,5)

[...] Maria não O reconheceu e era em seu nome que o Cântico dos Cânticos dizia: «Vistes, acaso, Aquele que a minha alma ama? Mal passara pelos guardas [que eram os dois anjos], encontrei Aquele que a minha alma ama. Agarrei-me a Ele e não O larguei mais» (3,3-4)."

 

São Cirilo de Jerusalém (313-350)
bispo de Jerusalém, doutor da Igreja
Catequese baptismal n.° 14

 

 

Em aventuras com Deus

Nesta Quaresma, Deus levou-me até uma série de situações bastante atípicas, fora do meu "normal", tal como vos tinha falado num post anterior. Mas, como relembro a mim mesma todos os dias, Deus deseja a nossa santidade e não o nosso conforto ou comodidade.... 

Eu devia ter suposto que Deus não iria ficar só por ali ... Deus quer sempre mais, Deus quer tudo, Deus quer-nos (sim, a nós!) por inteiro. 

 

O meu discernimento vocacional tem tido os seus altos e baixos - às vezes parece que sei exactamente qual o caminho a que o Senhor me chama a percorrer e a viver; noutras alturas, tenho dúvidas, muitas dúvidas, sinto medo e receio pelo futuro desconhecido, pelas consequências de escolher um caminho em detrimento de outro ...

Oh Senhor, qual é afinal a minha vocação? O que é que Tu desejas que eu seja? 

Queres que me santifique através do Sacramento do Matrimónio? Ou como leiga consagrada, entregando-me plenamente aos meus doentes e à minha paróquia? Ou será que me chamas a ser Tua esposa?

Oh, se algum anjo descesse do Céu e me viesse dizer claramente qual o caminho que Tu desejas que eu escolha! 

 

Não desejaríamos todos que fosse assim - simples e directo?

Oh, mas assim perderíamos todas as bênçãos, graças e virtudes que recebemos e que aprendemos a cultivar enquanto percorremos este caminho de discernimento vocacional.

E como são numerosas essas bênçãos e graças que Deus nos oferece! Como são numerosos esses sacrifícios que aprendemos a fazer, de livre vontade, alegremente! E como são numerosas as virtudes que aprendemos a conquistar e a alcançar! A principal é sem dúvida a Paciência - que, ui ui, como é difícil de conquistar!

 

Pertencer ao movimento das Famílias de Caná tem-me ensinado bastante acerca do Matrimónio e da vida familiar. Mas acerca dos 2 outros caminhos de vida que a Igreja Católica nos apresenta - vida religiosa e vida leiga consagrada - bem, eu já tinha lido bastante e reflectido acerca de ... mas ... ainda não tinha conhecido pessoalmente ninguém que as vivesse!

 

É realmente verdade, tal como os Santos nos dizem, que se tivermos o coração aberto, receptivo a ouvir a voz do Senhor e a aceitar, sem medo, os desafios e as oportunidades que Ele nos lança ... acontecem coisas maravilhosas!

Retiro de Pascoa 2018.png

 

A minha primeira experiência com a vida religiosa aconteceu neste Tríduo Pascal, quando tive a oportunidade de passar 3 dias na Casa de Oração de Santa Rafaela Maria, em Palmela, junto das irmãs Escravas do Sagrado Coração de Jesus - eu e outros 60 jovens, vindos de todas as partes do país - Lisboa, Coimbra, Porto e até das Ilhas! 

Durante 3 dias, vivemos intensamente os momentos mais importantes da vida de Jesus - a Sua última ceia e a instituição da Eucaristia, a noite de oração no Horto das Oliveiras, todos os momentos da Sua Paixão, o deserto, a espera e a esperança dos discípulos e de Maria, e por fim a gloriosa Vigília Pascal, onde pudemos celebrar num só coração a alegria renovadora da Ressurreição de Cristo!

Este foi, sem dúvida, um Tríduo Pascal que eu nunca esquecerei! Quantas bênçãos, quantas graças, quanto impacto teve na minha vida ....

 

ordem das virgens.jpg

No passado Domingo, no 3º Domingo da Páscoa, no dia em que celebrámos a visita de Jesus ressuscitado à primeira comunidade cristã, Deus ofereceu-me a graça de passar algumas horas a conversar com uma leiga consagrada!

Tudo começou num simples convite de boleia para a missa - estava a chover e eu sabia que uma amiga, mãe duma maravilhosa e inspiradora família da nossa paróquia, ía a pé até à igreja com os filhos, então perguntei-lhe se queria boleia. Quando dei por mim, já estávamos a marcar um cafezinho e uma conversa para depois da missa. E como as famílias católicas, à semelhança de Jesus, não costumam deixar-se ganhar em generosidade ... o convite alargou-se e quando dei conta, Deus tinha-me dado a graça de almoçar com essa família - a mim e a uma das irmãs do nosso novo pároco, que é leiga consagrada, da Ordem das Virgens (e que, vejam bem, também trabalha num hospital!)

E eu não encontro palavras para vos expressar todas as bênçãos que recebi nesse belo Domingo de Páscoa ...

 

Aquele que o meu coração ama 1.jpg