Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

As acácias e as águas de Mara

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

 

Continuamos o nosso caminho pelo deserto em direcção ao Monte Sinai. Já atravessámos o Mar Vermelho, tal como o povo hebreu; e para traz de nós ficaram os cavalos e os cavaleiros do Egipto. A parte mais fácil do trabalho de Deus - tirar o povo hebreu do Egipto - já está feita.

Agora sim vem a parte mais complicada e mais demorada desta tarefa a que Deus se propõe - tirar o Egipto de dentro do coração, da mente, da alma e do corpo do povo hebreu... Isto sim, dará imenso trabalho! Não demorará apenas alguns meses, como foi para tirar o povo hebreu do Egipto ... Deus Todo Poderoso, que criou o Céu e a Terra em apenas 6 dias, precisará de levar aquele povo - "de dura cerviz", como o próprio Moisés confessa - através do deserto durante 40 anos para tal conseguir .... 

 

Moisés fez partir Israel do Mar dos Juncos, e saíram para o deserto de Chur. Caminharam três dias no deserto e não encontraram água. Chegaram a Mara, mas não puderam beber a água de Mara, porque era amarga. Por isso se chamou àquele lugar Mara.

O povo murmurou contra Moisés, dizendo: «Que beberemos?»

E ele clamou ao Senhor, e o Senhor indicou-lhe um tronco que ele lançou à água; e a água tornou-se doce

Ex 15, 22-25

Chegamos a Mara, local onde ocorreu este pequeno episódio bíblico. Este pequeno relato facilmente passa despercebido quando seguimos a história do povo hebreu ao longo do livro do Êxodo - eu não me lembrava de alguma vez o ter lido até este dia!

O povo hebreu e todo o seu rebanho está cheio de sede. Andaram 3 dias pelo deserto sem encontrar nenhuma fonte de água. Toda a água que traziam, tirada do Mar dos Juncos, ou seja, do Mar Vermelho, esgotou-se. E agora, o que fazer? Voltar para trás? Continuar caminho? Morreremos todos à sede?

aguas de mara 1.jpg

 

Eis que vislumbram um autêntico oásis: água, um poço de água! Rápido, venham todos beber!

Mas oh, que decepção! Que água tão amarga, impossível de beber....

O povo hebreu vira-se para um homem, à procura duma solução. O sábio Moisés sabe bem melhor para Quem se deve virar para pedir ajuda - Aquele que tudo pode, Aquele que prometera que estaria sempre com eles.

 

Deus pede a Moisés que jogue o tronco duma árvore para dentro do poço. Que pedido mais estranho! Estamos em pleno deserto, porque é que Deus não pediu a Moisés que jogasse uma pedra? Pedras há muitas por aqui ...

As árvores são tão raras aqui no deserto. Na periferia do deserto ainda era possível encontrar-se tamareiras; mas aqui, no meio do deserto, apenas é possível encontrar algumas acácias.... E, o mais provável, é que tenha sido essa a espécie de árvore que Moisés atirou para dentro do poço, tornando a água amarga em doce.

acacia.jpg

Conseguem acreditar que não me lembrei de tirar uma única foto duma acácia ao longo da peregrinação? Foto retirada daqui

 

As acácias foram quase sempre árvores pouco valorizadas por todos os povos que alguma vez aqui habitaram, no deserto. Sempre foram árvores desprezadas.... Crescem apenas nos lugares mais áridos e decididamente que não são árvores bonitas; são finas e tortuosas, cheias de nós e de espinhos - tudo características que as tornam imensamente difíceis de trabalhar e de fazer seja o que for com a sua madeira. Os Egípcios nunca gostaram de trabalhar com a madeira das acácias, preferiam mais os cedros do Líbano....

Apesar disso, se avançarmos no livro do Êxodo e se lermos com atenção as ordens do Senhor para a construção da Arca da Aliança e dos principais objectos da Tenda da Reunião (e posteriormente do Templo do Senhor) iremos reparar, com frequência, num pormenor muito curioso:

O Senhor falou a Moisés, dizendo-lhe: «Fala aos filhos de Israel. Fareis o santuário e todos os seus utensílios, de acordo com os modelos que vou mostrar-vos. Fareis uma Arca de madeira de acáciaMandarás fazer varais de madeira de acácia revestidos de ouro; introduzirás os varais nas argolas, ao longo dos lados da Arca, a fim de servirem para a transportar.

Construirás em seguida uma mesa de madeira de acácia. Farás para a mesa quatro argolas de ouro e prendê-las-ás nas quatro extremidades, formadas pelos seus quatro pés. Estas argolas estarão colocadas frente a frente e por elas passarão varais destinados ao transporte da mesa. Farás os varais de madeira de acácia revestidos de ouro e servirão para transportar a mesaColocarás sobre esta mesa os pães da oferenda, que estarão permanentemente diante de mim.

Ex 25, 1; 9-10; 13; 23; 26-28; 30

Farás também para o santuário pranchas verticais de madeira de acácia. Assim construirás o santuário, conforme a norma que te mostrei neste monte. 

Ex 26, 15; 30

Farás o altar de madeira de acácia. Farás, para o altar, varais de madeira de acácia, revestidos de cobre. 

Ex 27, 1; 6

Também construirás um altar para queimar perfumes, e fá-lo-ás de madeira de acácia

Ex 30,1

Deus pede ao povo hebreu que faça alguns dos objectos mais importantes da Tenda da Reunião usando a madeira da acácia, nomeadamente a própria Arca da Aliança, que conterá as sagradas tábuas com os 10 Mandamentos da Lei do Senhor.

Mas com Deus é sempre assim: tudo aquilo que tiver sido desprezado pelo mundo, Ele reconhece o seu devido valor e ainda o eleva acima das outras coisas ... Servimos um Deus tão bom, tão bom...

 

acacia 2.jpg

Foto retirada daqui

 

Para utilizar a madeira da acácia era preciso, primeiro, cortar os ramos em segmentos de pequeno tamanho (porque os ramos são tortuosos e pouco práticos de utilizar); depois, colocar os ramos em água, para ser possível retirar a sua casca; a seguir era preciso cortar os nós e os espinhos e tentar "endireitar" as angulações naturais destes ramos; e finalmente obtém-se um pedaço de madeira mais ou menos direitinho, mais ou menos pronto a ser usado para construir alguma coisa. Por fim, para que pudesse servir a construção da Arca da Aliança ou dos outros objectos da Tenda da Reunião, era ainda preciso revestir a madeira com uma camada de ouro ou de bronze ... quanta trabalheira!

Mas sabem que mais? A madeira da acácia, uma árvore capaz de resistir à vida difícil do deserto, quando assim trabalhada, torna-se numa das madeiras mais resistentes que se pode encontrar...

 

acacia 3.jpg

Foto retirada daqui

 

Na realidade, se pararmos para pensar um pouco, apercebemo-nos que nós próprios somos muito parecidos com as acácias ... Todos nós temos muitos "espinhos" e "nós" e "angulações", muitos erros e falhas e defeitos e características difíceis de lidar. Para trabalhar com a madeira duma acácia é necessário que se faça um longo e paciente processo de limpeza e tratamento, tentando endireitar ou suavizar ao máximo estes espinhos e nós. Também em nós o Senhor precisa fazer um longo e paciente processo de "limpeza e tratamento" a fim de nos tornar santos.

O primeiro passo neste processo consiste em mergulhar os ramos da acácia dentro de água, a fim de lhes retirar a casca; também nós precisamos de passar, primeiro e logo desde o princípio, pelas águas do Baptismo, a fim de nos retirar a carapaça do pecado original e assim podermos ser trabalhados pelas mãos do Santo dos Santos. 

Mas o processo ainda não está completo; é ainda preciso que sejamos revestidos pelo Espírito Santo, tal como acontece no nosso Crisma - e agora sim, o pecado jamais conseguirá aceder e estragar definitivamente o íntimo da nossa natureza, o íntimo da nossa alma. Conseguirá sim, fazer uns riscos ou umas moças, sujar-nos e deixar-nos com algumas manchas ao longo das nossas vidas - mas nada disso será capaz de chegar até ao fundo do nosso coração, se trabalhado desta maneira por Deus. Esse precioso núcleo estará sempre protegido pelas próprias mãos do Senhor, estará sempre a salvo ...

 

aguas de mara 2.jpg

Poço de Mara

Voltemos ao poço das águas de Mara e aos nossos poços, onde acumulamos os nossos problemas, medos, dúvidas, erros e asneiras. Por vezes parecem que estão cheios de água até cá acima, sim, mas cheios duma água amarga, incapaz de dar a vida a quem dela beba ...

 

Claro que não foi a árvore jogada dentro do poço que purificou aquela água; foi sim todo o trabalho que o povo hebreu teve ao tratar e transformar aquele tronco; foi a cruz de aceitar ter todo aquele trabalho; foi, em última instância, o trabalho que Deus teve no coração de cada um deles, em cada um de nós ... 

 

Oh Senhor, trabalha em mim e no meu coração tanto quanto seja preciso! Amén

 

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

O meu pecado que revejo no outro ...

Porque é que todos os meses confesso sempre o mesmo pecado - respondi mal à mãe, com impaciência e brusquidão; refilei forte e feio com a avó; murmurei palavras maldosas e cheias de veneno contra o meu pai ...??

 

O período de férias é sempre uma boa altura para reflectir - nas férias a sério, claro, quando há espaço para o silêncio tão necessário para ouvir a voz de Deus; não naquelas férias em que escolhemos esconder-nos dos problemas e enterrar a cabeça na areia das praias  ...

 

Porque é que discuto tanto e tantas vezes com as pessoas que precisamente mais amo e que mais me amam?

Porque é que é tão fácil falar com elas com menos cuidado, menos caridade, irreflectidamente, levianamente, do que faria se fosse com colegas de trabalho?

Porque é que penso que é um "direito" que eu tenho, poder chegar a casa e largar toda a frustração do dia de trabalho em cima da primeira pessoa que encontro em casa?

Porque é que é tão fácil pensar e falar acerca dos desagradáveis defeitos de cada elemento da minha família?

Porque penso assim? Porque as vejo assim? Porque faço isto?

 

É fácil, oh tão fácil, pensar - a culpa é deleseles é que são isto e aquilo e assim e assado ... eles é que me estão sempre a chatear e a “picar”; eles é que não têm paciência nenhuma comigo; eles é que não compreendem; eles é que me fazem ser assim …

 

Que pecado tão grande o meu.

 

Folha 3.JPG

 

Se tivermos realmente vontade de melhorar, de nos santificar, de crescer em amor a Deus e ao próximo … no dia em que ganharmos coragem para enfrentar de frente, com a ajuda do Espírito Santo, este nosso pecado tão grande, tão grave …. e fizermos finalmente silêncio na nossa alma, sempre tão agitada e desassossegada, então …

 

…. poderemos por fim reconhecer que, em plena verdade, deveríamos antes pensar: 

Não acontecerá que sou eu que tenho precisamente os defeitos que mais me incomodam nos outros?

Quais são os meus defeitos – que eu não quero reconhecer por falta de humildade - que me levam a falar e responder assim, a julgar os outros assim?

 

Na minha mãe revejo este e este defeito, na avó aquele e o outro, no pai revejo perfeitamente este, este e ainda este ... e, por reconhecer a presença dos meus defeitos nos outros que me rodeiam, torno-me hostil para com eles, em vez de os compreender e ter paciência ...

 

Este exercício de reflexão dói e dói muito, mesmo muito ... mas também purifica o coração, traz clareza de pensamento e torna-nos, sem dúvida, mais humildes, mais santos ...

 

"Muitos focalizam as pessoas com as lentes deformadas dos seus próprios defeitos."

São Josemaria Escrivá, Sulco n. 644

 

«Devemos sempre julgar os outros benignamente, porque o que parece aos nossos olhos negligência pode muitas vezes ser um acto de heroísmo aos olhos do Senhor. Uma irmã que tenha uma dor de cabeça ou atravesse provações espirituais cumpre mais quando faz metade do seu trabalho do que outras irmãs sadias de corpo e alma que fazem tudo bem».

 

Palavras de Santa Teresinha 

 

Reflexão feita após o início da leitura do livro "Tornar a vida amável", do Pe Francisco Faus 

Coroa de Espinhos

Hoje não consigo ter palavras para vos expressar o que sinto ... assim, deixo-vos com uma das melhores canções da belíssima cantora norte-americana Danielle Rose - Crown of Thorns (Coroa de Espinhos).
 

3º Mistério Doloroso: A Coroação de Espinhos de Jesus

 

Letra escrita com base nos Evangelhos de S.Mateus 27: 27-31, S.Marcos 15: 16-20, e S.Lucas 23:11

A letra da canção descreve o ponto de vista da Rosa

 

 

 

 

My seed was born
One bright spring morn
In gardens grown by God.
Out of the earth
My stem gave birth
To petals red as blood.

 

The gentle rain
My growth sustained,
And like each seed God sows,
I dreamed one day
That I’d be named
A king’s most precious rose.

 

***

 

One day a soldier
Bent me over,
Tore me from my bed.
All beaten, battered,
My stem tattered,
Wanted but for dead.

 

In cruel hands gripped,
My beauty stripped,
‘Twas not the dream I chose.
And filled with shame,
I wept in pain,
No more a precious rose.

 

***

 

Then I did see
The soldiers lead
A man through palace doors.
Was this my king?
Why did they bring him in,
This man so poor?

 

A purple garment
Hid the torment
None but I could see.


They mocked and laughed,
Gave him a staff,
And bowed on bended knee.

 

***

 

They bent me ‘round
And wove a crown
And placed me on his head.


My petals found
Crushed on the ground,
Like tears of God turned red.

 

With each small sin
I was pressed in.
I pierced with self-disdain.


In thought and deed
I made him bleed,
My selfishness, his pain.

 

***

 

“Behold!” they’d sing,
“Behold your King! Hail,
King of the Jews!”
With each reeds’ blow,
Our pain did grow.


As one we were abused.

Despite the crown,
He did not frown.


He smiled with love instead,
And carried me
For all to see
Upon His tender head.

 

***

 

Once placed with awe
In manger straw,
Anointed by John’s hands,
Transfigured on
A mountain dawn,
Now wore a mangled branch.

 

Once gently kissed
By Mary’s lips,
And blessed with magi’s myrrh,
Baptized by
A parting sky,
Now streamed with blood so pure.

 

***

 

An innocent brow
Calls to us know
To follow this example:
To let our thorns
And all that scorns
Be healed within His Temple.

 

Though dreams may fade,
Each one was made
In seed that Jesus sows.
And now I see
I’m called to be
The King’s most precious rose.

 

***

A minha semente nasceu

Numa manhã clara de primavera

Nos jardins cultivados por Deus.

Fora da terra

O meu caule deu à luz

Pétalas vermelhas como o sangue.

 

A chuva suave

O meu crescimento continuou,

E como cada semente que Deus semeia,

Eu sonhei (que) um dia

Seria chamada

A rosa mais preciosa do rei.

 

***

 

Um dia, um soldado

Inclinou-se sobre mim,

(E) arrancou-me da minha cama.

Totalmente espancado, golpeado,

O meu caule esfarrapado,

Procurado, mas para morrer.

 

Agarrada em mãos cruéis,

Fui despida da minha beleza,

Este não era o sonho que eu escolhi.

E cheia de vergonha,

Chorei de dor

Nunca mais (seria) uma rosa preciosa.

 

***

 

Então, eu vi

(Que) os soldados conduziam

Um Homem através das portas do palácio.

Seria este o meu Rei?

Porque trazem eles

Este Homem tão pobre?

 

Um manto de púrpura

Escondeu a tortura

Mas eu (ainda) podia ver.

 

Eles ridicularizaram(-No) e riram-se (Dele),

Deram-Lhe uma equipa,

E se inclinaram ajoelhados.

 

***

 

Eles dobraram-me sobre mim mesma

E teceram uma coroa

E colocaram-me sobre a Sua cabeça.

 

As minhas pétalas encontravam-se

Esmagadas pelo chão,

Como se fossem as lágrimas vermelhas de Deus.

 

Com cada pequeno pecado

Eu estava pressionando-O.

(E) eu perfurei-O com auto-desprezo.

 

Em pensamentos e em acções,

Eu fi-Lo sangrar,

O meu egoísmo, a Sua dor.

 

***

 

"Eis", eles cantam,

"Eis o vosso Rei! Saúdem,

O Rei dos judeus!"

Com cada golpe dos juncos,

A nossa dor aumentava.

 

Como (se fossemos) um, nós fomos maltratados.

Apesar da coroa,

Ele não franziu as sobrancelhas.

 

Em vez disso, Ele sorriu com amor,

E carregou-me

Para todos verem

Sobre a Sua querida cabeça.

 

***

 

Outrora colocado com reverência

Sobre as palhas duma manjedoura,

Ungido pelas mãos de João,

Transfigurado

Numa montanha ao amanhecer,

Agora usava um ramo destruído.

 

Outrora beijado delicadamente

Pelos lábios de Maria,

E abençoado com mirra dos Magos,

Baptizado por

Um céu que se dividiu (ao meio),

(Estava) agora raiado do sangue mais puro.

 

***

 

Uma fronte inocente

Chama-nos a conhecer

(E) a seguir este exemplo:

Deixemos que os nossos espinhos

E tudo o que nos despreza

Seja curado no interior do Seu Templo.

 

Embora os sonhos possam desaparecer,

Cada um (deles) foi criado

Nas sementes que Jesus semeou.

E agora eu vejo

(Que) fui chamado a ser

A Rosa mais preciosos do Rei.

 

***

 

 

Se quiserem, podem ouvir as canções dos outros Mistérios Dolorosos e seguir a letra de cada uma aqui.