Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Deus disse: «Faça-se luz» (o 1ºdia da Criação)

A preparação do novo ano catequético, que se inicia este fim-de-semana na minha paróquia, leva-me a ler e a desfolhar as primeiras páginas da Bíblia, acerca do relato da Criação do mundo em 7 dias. No primeiro dia a luz é criada, no segundo dia ocorre a separação das águas, no terceiro a terra seca surge no meio das águas ...

Hmm ... - dou por mim a pensar - isto parece-me familiar ... sim, isto faz-me mesmo lembrar de ...

 

Apercebo-me então que cada dia do relato da Criação parece querer prefigurar um episódio específico da vida de Jesus, da Encarnação ao Calvário. Na verdade, parece que o Divino Autor das Sagradas Escrituras tentou anunciar-nos a total restauração que Cristo nos viria oferecer, por amor, logo desde as primeiras páginas ... 

No princípio, Deus disse: «Faça-se luz.» E a luz foi feita. Deus viu que a luz era boa e separou a luz das trevas. Deus chamou dia à luz, e às trevas, noite. Assim, surgiu a tarde e, em seguida, a manhã: foi o primeiro dia. (Gn 1,3-5)

Jesus, Luz dos homens, estava presente antes de qualquer outra coisa existir. Deste modo, esta Luz tomou parte, tornou-Se parte, de todas as coisas que foram criadas depois Dela. Nada foi criado que não A possuísse, que não A tivesse em si. Esta Luz, esta Vida, estava, assim, presente em todas as coisas...

Até surgir o pecado.

dia 1 da criação.jpg

Imagem retirada daqui

No princípio existia o Verbo;
o Verbo estava em Deus;
e o Verbo era Deus.

No princípio Ele estava em Deus.
Por Ele é que tudo começou a existir;
e sem Ele nada veio à existência.

Nele é que estava a Vida
de tudo o que veio a existir.
E a Vida era a Luz dos homens.

A Luz brilhou nas trevas,
mas as trevas não A receberam.

(Jo 1,1-5)

Através do pecado, prefigurado pela história de Adão e Eva no jardim do Éden, o homem renunciou a esta Luz, a esta Vida, presente em todas as coisas criadas pelo Senhor. Ao escolher o pecado, ao escolher o amor próprio, o egoísmo, o desejo de se tornar como Deus, o homem renunciou ao amor do Senhor, que estava intrinsecamente presente em tudo o que existia, desde o primeiro dia da criação do mundo.

Deus não aceitou esta separação. Então planeou uma nova criação, uma nova humanidade, através do mistério da Redenção de Cristo Jesus.

«Eis que venho renovar todas as coisas.» (Ap 21,5a)

Foi assim o primeiro dia da Nova Criação: Deus disse «Faça-se Luz». E a luz foi feita.

«Maria, hás-de conceber no teu seio e dar à luz um filho, ao qual porás o nome de Jesus»

«Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra.» (Lc 1,31.38)

Com o mistério da Encarnação, Jesus colocou toda a Sua divindade dentro duma célula minúscula, dentro do ventre de Maria, que a acolheu e nutriu, como ninguém alguma vez poderia ter feito. Deus, o Criador, entra assim dentro da Sua própria criação ... E se, antes, havia uma parte da Luz do Senhor em cada coisa criada, Maria tornou-se a primeira criatura a ser plena e totalmente possuída pela Luz, pela Vida, de Deus. 

O Verbo era a Luz verdadeira,
que, ao vir ao mundo,
a todo o homem ilumina.

E o Verbo fez-Se homem
e veio habitar connosco.
E nós contemplámos a Sua glória

(Jo 1,9. 14)

Ensina-me, Mãe, a deixar-me também possuir, totalmente, por essa Luz da Vida ...

Esperando por (e com) Deus

Ninguém gosta de esperar. 

Esperar parece uma autêntica perda de tempo. Porquê esperar? Para quê? Não seria melhor se tudo acontecesse - já?! De que serve esperar?... Ai, o desejo impaciente de passar o mais rapidamente possível da situação em que me encontro para aquela que eu queria tanto estar ou ter ou fazer ou ser - e já!

 

Mas, se pensarmos bem, todos estamos permanentemente à espera. É raro, muito raro na verdade, não estarmos numa situação de espera - seja por algo ou por alguém. Às vezes, esperamos por coisas pequeninas, como esperar que nos respondam a um email, ficar preso no trânsito e nunca mais chegarmos onde queremos, estar na fila das compras (seja para entrar na loja ou para pagar), ou então esperar que chegue a hora de sair do trabalho ... Outras vezes, esperamos ansiosamente por coisas grandes e importantes, como saber que entrámos na faculdade dos nossos sonhos, discernir uma vocação, poder tomar o primeiro passo numa decisão importante ou esperar a resposta do outro ... 

 

Há poucos dias atrás, iniciei um novo ano de vida, o meu 27º ano. Se Deus quiser, e por uma graça absolutamente imerecida, será durante o decorrer deste ano que poderei declarar o meu "sim", total e eterno, à vocação de amor a que o Senhor me chama. Apesar dos longos anos de discernimento vocacional, esperar pela vontade e pelo tempo de Deus continua a ser uma batalha perene para mim. Oh, como gostava que esse dia glorioso, em que poderei oferecer toda a minha vida e todo o meu ser, chegasse depressa - ou, melhor ainda, fosse já amanhã!

 

Mas, se Deus nos coloca, tantas vezes, em situações de espera, não seria melhor aprender a esperar e a esperar santamente

waiting for god.jpg

Imagem retirada daqui

A Bíblia está cheia de histórias de pessoas à espera. Às vezes, estão à espera de certas situações, outras vezes à espera umas das outras mas, principalmente, encontramos pessoas à espera de Deus.

Tomemos como exemplo as primeiras páginas dos Evangelhos. Zacarias e Isabel estão há anos à espera de ter um filho. Maria também espera o nascimento dum Filho, mas um que nunca pensara conceber. José está permanentemente à espera que Deus lhe diga o que deve fazer. Simeão e Ana passaram toda a sua vida à espera do dia em que veriam com os próprios olhos o Messias prometido. 

Todo o Evangelho parece iniciar-se com pessoas à espera. O que inclui o próprio Deus - aliás, ninguém passou mais tempo à espera do que Ele que, desde a queda de Adão e Eva no Jardim do Éden, aguardava ardentemente o momento perfeito para revelar-Se e demonstrar todo o Seu amor e misericórdia por cada homem e mulher.

Mas, tanto Zacarias como Isabel, Maria e José, Simeão e Ana, souberam esperar santamente porque a sua espera estava fundada numa promessa e numa esperança firmes.

«Não temas, Zacarias: a tua súplica foi atendida. Isabel, tua esposa, vai dar-te um filho e tu vais chamar-lhe João.» (Lc 1,13)

«Maria, não temas, pois achaste graça diante de Deus. Hás-de conceber no teu seio e dar à luz um Filho, ao qual porás o nome de Jesus. Será grande e vai chamar-se Filho do Altíssimo» (Lc 1,30-31)

«José, filho de David, não temas receber Maria, tua esposa, pois o que ela concebeu é obra do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, ao qual darás o nome de Jesus, porque Ele salvará o povo dos seus pecados.» (Mt 1,20-21)

Vivia em Jerusalém um homem chamado Simeão; era justo e piedoso e esperava a consolação de Israel. Tinha-lhe sido revelado pelo Espírito Santo que não morreria antes de ter visto o Messias do Senhor. (Lc 2,25-26)

Zacarias e Isabel 2.jpg

Zacarias, Isabel e Maria a admirarem João, o filho prometido pelo anjo do Senhor - Imagem retirada daqui

É a fé nas promessas do Senhor que permite a cada uma destas pessoas saber esperar santamente. Pela fé, acreditam desde já que possuirão, um dia, aquilo que o próprio Senhor lhes prometeu. Elas escolheram aceitar receber e aceitar acreditar nas promessas do Senhor. E, assim, aquilo que, a nós, nos parece futuro, para elas tornam-se, desde já, presente e real; torna-se, desde já, obtido. 

É como se recebessem uma semente da parte do Senhor, que crescerá e brotará na terra fértil da sua fé. São capazes de sorrir a cada novo amanhã (como é dito da mulher forte em Provérbios 31) porque sabem que, neste preciso momento em que vivem, a promessa de Deus está a ganhar forma, está a crescer, está a realizar-se. O segredo de esperar santamente é, assim, a fé de que Deus já plantou a semente, que algo já começou, de que algo está já a ocorrer. 

Esse algo está, quase sempre, escondido aos nossos olhos, sim; mas nem por isso deixa de acontecer ou ser real, porque, como nos disse Jesus: "O Meu Pai está sempre a trabalhar" (Jo 5,17)

god the sower.jpg

Imagem retirada daqui

Olhemos uma vez mais para os Evangelhos, mas agora para as últimas páginas, para a paixão e ressurreição de Jesus. Uma das palavras mais usadas para descrever o que aconteceu a Jesus é "ser entregue".

Estando reunidos na Galileia, Jesus disse-lhes: «O Filho do Homem tem de ser entregue nas mãos dos homens, que o matarão; mas, ao terceiro dia, ressuscitará.» (Mt 22,22-23)

Então, Judas Iscariotes, um dos Doze, foi ter com os sumos sacerdotes para lhes entregar Jesus. Eles ouviram-no com satisfação e prometeram dar-lhe dinheiro. E Judas espreitava ocasião favorável para O entregar. (Mc 14,10-11)

Quando chegou a hora, pôs-Se à mesa e os Apóstolos com Ele. Tomou, então, o pão e, depois de dar graças, partiu-o e distribuiu-o por eles, dizendo: «Isto é o Meu corpo, que vai ser entregue por vós; fazei isto em memória de Mim.» (Lc 22,19)

Estas mesmas palavras serão depois usada por São Paulo, na sua carta aos Romanos, ao declarar que "[Deus] nem sequer poupou o seu próprio Filho, mas entregou-O por todos nós" (Rom 8,32)

É impressionante reparar como, logo a seguir a ser entregue às autoridades de Jerusalém, Jesus deixa de ser Aquele que faz e submete-se humildemente a ser Aquele a quem as coisas Lhe são feitas ...  Jesus é preso por outros; é levado até ao Sumo-Sacerdote; depois é levado até Pilatos; é coroado com espinhos e, por fim, preso na cruz. Tudo Lhe é feito, sem que Ele tenha qualquer controlo

Quando Jesus finalmente diz: "Tudo está consumado" (Jo 19,30), Ele não quer dizer "Eu fiz todas as coisas que queria fazer", mas sim "Eu permiti que Me fosse feito tudo o que era preciso, de modo a cumprir plenamente a Minha vocação." Na verdade, Jesus não cumpriu a Sua missão apenas de uma forma activa, ou seja, curando os doentes, fazendo milagres, anunciando o Reino de Deus; mas também de uma forma passiva (muitíssimo mais difícil de aceitar que aconteça, na minha opinião!) durante a sua longa Paixão, sabendo esperar santamente a realização do plano de Deus Pai. 

jesus passion.jpg

Imagem retirada daqui

Assim, de certa forma, a agonia de Jesus não será meramente a agonia da morte e do sofrimento, mas também a agonia de ter de esperar. É a agonia dum Deus que depende de nós para poder demonstrar a Sua divina presença entre nós; é a agonia dum Deus que, duma forma absolutamente misteriosa, permite-nos quase que decidir como Deus será Deus...

Descubro, assim, uma nova perspectiva de esperar - não apenas em esperar por Deus, mas também de participar na espera do próprio Deus ...

A fé de Isabel

Sempre que passo por uma altura na minha vida, em que Deus me pede para esperar por algo, acabo por descobrir mais um querido amigo do Céu, cuja história de vida me inspira a levar avante o meu combate diário pela virtude da paciência e da humildade. E assim, desta vez, Deus falou-me ao coração através da história de Isabel.

No tempo de Herodes, rei da Judeia, havia um sacerdote chamado Zacarias, da classe de Abias, cuja esposa era da descendência de Aarão e se chamava Isabel. Ambos eram justos diante de Deus, cumprindo irrepreensivelmente todos os mandamentos e preceitos do Senhor. Não tinham filhos, pois Isabel era estéril, e os dois eram de idade avançada.  (Lc 1,5-7)

Uma pesquisa rápida no Google diz-me que, em toda a Bíblia, podemos encontrar referência a mais de 20 personagens com o nome de Zacarias. Mas, e Isabel? Ah, Isabel há só uma, a mulher escolhida - à semelhança de Maria - para ser a mãe de São João Baptista, e não há outra ...

Só o Evangelho de São Lucas, o Evangelho da alegria, nos fala de Isabel, a prima mais velha de Maria e esposa do sacerdote Zacarias. Não são muitas as mulheres cujo nome aparece expresso nas Sagradas Escrituras, quase que se podem contar pelos dedos das mãos (e dos pés ). Mas Isabel promete ser alguém muito especial, ou não fosse ela logo chamada, juntamente com o seu marido, como sendo «justa diante de Deus», à semelhança quase apenas do que nos é dito sobre São José.

O anjo disse-lhe: «Não temas, Zacarias: a tua súplica foi atendida. Isabel, tua esposa, vai dar-te um filho e tu vais chamar-lhe João. Será para ti motivo de regozijo e de júbilo, e muitos se alegrarão com o seu nascimento. 

Pois ele será grande diante do Senhor e não beberá vinho nem bebida alcoólica; será cheio do Espírito Santo já desde o ventre da sua mãe e reconduzirá muitos dos filhos de Israel ao Senhor, seu Deus. Irá à frente, diante do Senhor, com o espírito e o poder de Elias, para fazer voltar os corações dos pais a seus filhos e os rebeldes à sabedoria dos justos»

Zacarias disse ao anjo: «Como hei-de verificar isso, se estou velho e a minha esposa é de idade avançada?»  (Lc 1,13-18)

Terminados os dias do seu serviço, [Zacarias] regressou a casa. Passados esses dias, sua esposa Isabel concebeu. (Lc 1,23-24)

Zacarias, apesar de ser sacerdote e de ter passado toda a sua vida a conhecer, a servir e a amar o Senhor, quando chega a um dos momentos mais impactantes da sua vida, duvida das palavras de Deus, transmitidas pelo Anjo Gabriel. Já Isabel, pelo contrário, crê firmemente nas promessas do Senhor e é essa fé que permite que um milagre aconteça na vida de ambos. 

zechariah and angel gabriel.jpg

Imagem retirada daqui

Num Matrimónio abençoado pelo Senhor, aquilo que poderá faltar a um dos esposos - a fé num dado momento, a paciência noutro, o bom humor, o entusiasmo, o livre abandono à vontade do Senhor - é, por acção Divina, compensado pela virtude do outro esposo. Na verdade, anos mais tarde, São Paulo falará deste grande mistério, tão bela e visivelmente presente na história de Zacarias e Isabel, ao afirmar aos Coríntios de que "o marido não crente é santificado pela sua mulher, e a mulher não crente é santificada pelo seu marido" (1 Cor 7,14)

Isabel não vê Anjo nenhum, nem ouve nenhuma palavra proferida pela sua boca - não é preciso! A passagem dos anos ensinou-a a ser uma mulher que crê, que confia, que sabe esperar, que sabe escutar uma outra voz, que fala bem mais baixinho, vinda do mais fundo do seu coração durante a oração e que lhe assegura vezes e vezes sem conta: "Procura no Senhor a tua felicidade e Ele satisfará os desejos do teu coração" (Sl 37, 4).

Por aqueles dias, Maria pôs-se a caminho e dirigiu-se à pressa para a montanha, a uma cidade da Judeia. Entrou em casa de Zacarias e saudou Isabel.  (Lc 1,39-40)

Apesar de nos ser dito, logo no início da narração de São Lucas, que Isabel e Zacarias "cumpriam irrepreensivelmente todos os mandamentos e preceitos do Senhor", eles aceitam receber na sua casa uma jovem rapariga que, apesar de ainda não estar casada, já ficou grávida! Como podem eles aceitar tal coisa? Como podem recebê-la na sua casa? Não saberão eles que a lei dos fariseus e dos escribas condena gravemente essas mulheres?

Sim, Zacarias e Isabel conhecem bem a Lei de Moisés, como conhecem as palmas das suas mãos. Eles são o reflexo vivo de um casal que não só conhece como vive diariamente o Shemá: "AmarásSenhor, teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua alma, com todo o teu entendimento e com todas as tuas forças" (Dt 6,5) E é por isso mesmo que sabem reconhecer o mistério extraordinário que se vai revelando diante dos seus olhos ...

Meu filho, se receberes as Minhas palavras
e guardares cuidadosamente os Meus mandamentos,
prestando o teu ouvido à sabedoria,
se a buscares como se procura a prata
e a pesquisares como um tesouro escondido,
então, compreenderás o temor do Senhor
e chegarás ao conhecimento de Deus.

Compreenderás a justiça e a equidade,
a rectidão e todos os caminhos que conduzem ao bem;
pois a sabedoria entrará no teu coração
e o conhecimento será para ti uma delícia.

(Sl 2, 1-2. 5. 9-10)

mary and elizabeth.jpg

Imagem retirada daqui

Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, o menino saltou-lhe de alegria no seio e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. Então, erguendo a voz, exclamou: «Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o Fruto do teu ventre. E donde me é dado que venha ter comigo a mãe do meu Senhor? Pois, logo que chegou aos meus ouvidos a tua saudação, o menino saltou de alegria no meu seio. Feliz de ti que acreditaste, porque se vai cumprir tudo o que te foi dito da parte do Senhor.»  (Lc 1, 41-45)

Nuns versículos mais atrás, é-nos dito que Isabel se encontra no seu 6º mês de gestação, quando recebe a visita de Maria. São Lucas, sendo médico, sabia bem que uma mulher, grávida com o seu primeiro filho, apenas o sentirá mexer a partir da 20ª a 22ª semana de gestação. Assim, esta poderá muito bem ter sido a primeiríssima vez que Isabel sentiu o seu bebé, João, a mexer dentro de si. E ele não mexeu só um bocadinho, mas verdadeiramente "saltou de alegria no [seu] seio".

Oh, pensar que a primeira pessoa a reconhecer a presença de Jesus, verdadeiro Deus encarnado dentro de Maria, foi um bebé que ainda não tinha nascido, um feto ainda dentro do útero de sua mãe (mas um embrião não é uma pessoa, nem possui nenhuma dignidade nem valor, grita-nos a nossa sociedade actual ...)

Num momento de pura clareza espiritual, Isabel compreende todos os sinais que Deus lhe foi dando e que culminam neste momento: a plena e perfeitíssima realização de tudo o que foi escrito nas Sagradas Escrituras, naquele que se tornará o Antigo Testamento, está agora mesmo a começar. Está agora mesmo a realizar-se. Ali, diante dos seus olhos.

 

E assim, contemplando tudo isto, faço minhas as palavras de Isabel, em oração: "Donde me é dado que venha ter comigo a mãe do meu Senhor?"

Shekina - a presença visível de Deus que connosco habita

Pentecostes - a Solenidade gloriosa em que celebramos de forma muito especial a Terceira Pessoa da Santíssima Trindade, Deus Espírito Santo!

Durante muito tempo (aliás, até ter iniciado a leitura dum maravilhoso livro acerca da Santa Missa, da autoria do Pe James Luke Maegher), sempre tinha associado a presença do Espírito Santo à imagem corpórea de uma pomba, ao pensar, por exemplo, no episódio do baptismo de Jesus nas margens do rio Jordão

Uma vez baptizado, Jesus saiu da água e eis que se rasgaram os céus, e viu o Espírito de Deus descer como uma pomba e vir sobre Ele. E uma voz vinda do Céu dizia: «Este é o meu Filho muito amado, no qual pus todo o Meu agrado.» (Mt 3,16-17)

Ou então, associava a presença do Espírito Santo até junto de nós pensando na imagem das línguas de fogo, capazes de irromper através dos nossos muros defensivos e das nossas portas fechadas por medo, para nos vir abrasar o coração, como nos é relatado no episódio dos Atos dos Apóstolos que ouvimos neste Domingo

Quando chegou o dia de Pentecostes, os Apóstolos estavam todos reunidos no mesmo lugar. Subitamente, fez se ouvir, vindo do Céu, um rumor semelhante a forte rajada de vento, que encheu toda a casa onde se encontravam. Viram então aparecer uma espécie de línguas de fogo, que se iam dividindo, e poisou uma sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar outras línguas, conforme o Espírito lhes concedia que se exprimissem. (At 2,1-4)

Mas ... alguma vez pensaram na presença de Deus Espírito Santo através da imagem duma nuvem?

shekina 1.jpg

Em pleno Pentecostes: conseguem ver a nuvem com a forma duma asa de pomba?

«Shekina» foi, segundo o livro do Pe James Luke Maegher, a palavra hebraica que os primeiros judeus escolheram para tentar descrever Aquele que, muitos séculos mais tarde, Jesus nos veio apresentar como Espírito Santo. «Shekina» significa uma «presença visível», uma «presença que habita connosco» - a Presença Divina, Deus Espírito Santo. 

No princípio, Deus criou os céus e a terra e o espírito de Deus movia-se sobre a superfície das águas. (Gn 1,1b)

Logo nos primeiros versículos das Sagradas Escrituras é-nos apresentado esta Presença Divina, que se movia sobre as águas, tal qual uma nuvem, e que quis habitar com Adão e Eva na sua casa, o jardim do Éden. Deparamo-nos novamente com esta palavra, «Shekina», quando Deus fala com Noé para construir a arca, como um sopro de vento, e depois no chamamento de Abraão desde Ur dos Caldeus até à Terra Prometida.

Um Deus que se move sobre, que habita com, que chama pelo nosso nome e que sussurra ao nosso ouvido ... assim é Deus Espírito Santo!

Quatrocentos anos de silêncio mais tarde, esta Presença Divina volta a aparecer na Bíblia, chamando Moisés a libertar o povo judeu cativo no Egipto, através duma sarça ardente. É também esta a palavra usada para descrever a Presença de Deus que habitava junto do povo hebreu sob a forma duma nuvem ao longo da sua travessia do Mar Vermelho e depois nos 40 anos no deserto ...

O Senhor caminhava diante deles; durante o dia, numa coluna de nuvem para os conduzir na estrada, e de noite, numa coluna de fogo para os iluminar, para que pudessem caminhar de dia e de noite. (Ex 13,21)

E aconteceu que, na vigília da manhã, o Senhor olhou da coluna de fogo e de nuvem, para o acampamento dos egípcios, e lançou a confusão no acampamento dos egípcios. (Ex 14,24)

O Senhor disse a Moisés: «Eis que Eu venho ter contigo no coração duma nuvem, para que o povo oiça quando Eu falar contigo e também acredite em ti para sempre.» (Ex 19,9)

E eis que, no terceiro dia, ao amanhecer, houve trovões e relâmpagos e uma nuvem pesada sobre a montanha, e um som muito forte de trombeta, e todo o povo que estava no acampamento tremia. (Ex 19,26)

O povo manteve-se à distância e Moisés aproximou-se da nuvem escura, onde estava Deus. (Ex 20,21)

A glória do Senhor permaneceu sobre a montanha do Sinai, e a nuvem envolveu-o durante seis dias. No sétimo dia, o Senhor chamou por Moisés do meio da nuvem. Moisés entrou pelo meio da nuvem e subiu à montanha, e ali esteve Moisés durante quarenta dias e quarenta noites. (Ex 24,16.18)

Uma nuvem foi a imagem que Deus Espírito Santo escolheu para poder falar com Moisés, tanto lá em cima no topo do Monte Sinai, para lhe ensinar os 10 Mandamentos do Amor; como também cá em baixo, dentro da Tenda da Reunião, para poder guiar todo o povo judeu até à abundância da Terra Prometida. Uma nuvem que fala e guia, uma sombra que cobre e protege ... donde me lembro eu de ter lido isto?

Ah, sim, na Anunciação do Anjo Gabriel a Maria ...

Disse-lhe o anjo: «Maria, não temas, pois achaste graça diante de Deus. Hás-de conceber no teu seio e dar à luz um filho, ao qual porás o nome de Jesus.»

Maria disse ao anjo: «Como será isso, se eu não conheço homem?» O anjo respondeu-lhe: «O Espírito Santo virá sobre ti e a força do Altíssimo estenderá sobre ti a Sua sombra. Por isso, Aquele que vai nascer é Santo e será chamado Filho de Deus. (Lc 1,30-31.34-35)

E depois, também, na Transfiguração de Jesus no topo do Monte Tabor ...

Ainda [Jesus] estava a falar, quando uma nuvem luminosa os cobriu com a sua sombra, e uma voz dizia da nuvem: «Este é o Meu Filho muito amado, no qual pus todo o Meu agrado. Escutai-O.» (Mt 17,5)

Ah, sim, e também na Ascenção de Jesus aos Céus ...

Disse-lhes Jesus: «Ides receber uma força, a do Espírito Santo, que descerá sobre vós, e sereis minhas testemunhas em Jerusalém, por toda a Judeia e Samaria e até aos confins do mundo.» Dito isto, elevou-Se à vista deles e uma nuvem subtraiu-O a seus olhos. (At 1,9)

Ena, como é que eu nunca tinha reparado antes?

shekina 2.jpg

Digam lá se não é mesmo uma nuvem coma forma duma asa? Ah, as maravilhas de Deus ... 

Eu sempre gostei muito de contemplar as nuvens no céu e de brincar com elas, tentando imaginar as formas, figuras, animais, pessoas ou histórias que os seus formatos - sempre dinâmicos, sempre a mudar e nunca iguais - me faziam lembrar e imaginar. Agora compreendo porquê - as nuvens foram uma das imagens que Deus Espírito Santo escolheu para se tornar visível, para habitar connosco e Se dar a conhecer ...

É maravilhoso pensar como as nuvens se mostram, ao mesmo tempo que velam o seu interior. Apesar de as vermos, permanecem um mistério. Não é possível delinear com exatidão os seus limites. Encontram-se numa transformação contínua das suas formas e formatos, apesar de nunca perderem a sua essência e de deixarem de ser quem são. Representam uma certa leveza de espírito e jovialidade da alma. São capazes de nos proteger dos raios quentes do sol. E a sua presença promete-nos a vinda duma chuva fecunda e geradora de vida...

Assim é, se me permitirem dizer, de certa forma também Deus Espírito Santo ... 

 

Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis
e acendei neles o fogo do Vosso amor.
Enviai, Senhor, o Vosso Espírito, e tudo será criado,
e renovareis a face da terra. Amén!

O véu que se rasga e a porta que se abre ... para sempre!

Jesus, com um grito forte, expirou. E o véu do templo rasgou-se em dois, de alto a baixo (Mt 15, 38)

Com a morte de Jesus rasga-se o véu do templo de Jerusalém. Este véu localizava-se no interior do templo, à entrada do Santo dos Santos, o local mais sagrado para os judeus, onde apenas o Sumo Sacerdote podia entrar (e apenas uma só vez no ano) para estar na presença do Altíssimo e pronunciar o Seu Nome santo.

Este véu, ao contrário dos véus a que estamos habituados, não era de renda, nem de nenhum tecido fininho, transparente ou frágil. Era mais uma tapeçaria, um têxtil que apenas podia ser produzido pelo melhor artesão, sujeito a inúmeras regras, utilizando fios de lã de cor azul (simbolizando o Criador do mundo), de cor roxa (significando a realeza do Senhor dos Exércitos) e de cor escarlate (simbolizando o sangue dos sacrifícios) juntamente com fios do linho mais puro, pela pureza do Santo de Israel. Depois, tinha ainda de ser bordada a ouro, com a imagem de dois querubins, de dois anjos que guardavam, de dia e de noite, a porta que dava acesso ao Senhor. E o que se dizer das suas dimensões? Nada mais nada menos que 5m de largura, 5m de altura e 5cm de espessura de acordo com as Escrituras...

veil temple torn.jpeg

Imagem retirada daqui

Com a morte de Jesus rasga-se o véu do templo de Jerusalém. Este véu espesso e forte, que impedia o acesso a Deus, é dividido em dois e rasgado de alto a baixo. O rosto de Deus, que sempre tinha estado, até aquele momento, escondido e velado - até mesmo de Moisés, que falava com o Senhor como se fosse um amigo - é então revelado a todos, judeus e pagãos. 

É o próprio Deus que retira o véu e que Se mostra e releva livremente, como Aquele que ama até ao fim, Aquele que ama até dar a própria vida pelo ser amado... 

O véu foi rasgado. A porta foi escancarada. O peito foi aberto. O acesso a Deus está livre!

No primeiro dia da semana, ao romper do dia, as mulheres foram ao sepulcro, levando os perfumes que tinham preparado. Encontraram removida a pedra da porta do sepulcro e, entrando, não acharam o corpo do Senhor Jesus. Apareceram-lhes dois homens em trajes resplandecentes, que lhes disseram: «Porque buscais entre os mortos Aquele que vive? Não está aqui: ressuscitou!» (Lc 24, 1-3.4b.5b)

Temos o azul do céu, o roxo dos perfumes, o escarlate das marcas do sangue e o branco da mortalha e das ligaduras. À entrada, dois anjos guardam a porta que dá acesso ao Senhor e a porta está completamente aberta ... Já nada, nem mesmo o pecado nem a morte, nos pode separar do amor de Deus!

Aleluia! Aleluia! 

Na casa de Simão Pedro

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

 

Continuamos a nossa peregrinação pela cidade de Cafarnaúm, sob um sol abrasador. Como pode uma terra à beira mar ser assim tão quente? 

Mas há aqui, nesta cidade, uma construção muito especial, que eu há muito desejava ver com os meus próprios olhos (e que, infelizmente, entre o entusiasmo e a maré de turistas, quase não consegui tirar fotos ...)

              Deixando a sinagoga, Jesus entrou em casa de Simão Pedro       (Lc 4, 38a)

E nós fazemos o mesmo - saímos da sinagoga, onde Jesus tinha acabado de curar um homem possesso por um espírito maligno, em pleno Sábado judaico (ai o burburinho que não terá corrido pela cidade nesse dia!); descemos uns degraus de pedra, damos uma dúzia de passos e deparamo-nos com aquela que se acredita ser a casa do Apóstolo Simão Pedro....

Cafarnaum 11.jpg

É tão pequenina! 

É a primeira interjeição que me sai dos lábios, quando a vejo pela primeira vez, por fora, e que volto a repetir uns instantes depois, quando tiver a oportunidade de a ver melhor, de cima. Sim, é realmente pequena, tem apenas uma divisão, de formato quadrangular, que serviria simultaneamente de cozinha, sala e quarto.

 

E como podemos nós saber, tantos séculos depois, que esta é, realmente, a casa de Pedro?

Sou-vos sincera, já não me lembro de todos os argumentos que a nossa guia partilhou connosco, mas lembro-me de nos ter falado sobre umas inscrições descobertas nas paredes, em hebraico e em grego, datadas dos primeiros séculos, alegando este facto, e outras inscrições dizendo "Cristo tende piedade" e "Senhor Jesus Cristo ajuda os Teus servos".

Um dado arqueológico em particular marcou-me a memória: o terem descoberto, nas ruínas desta casa, uma quantidade absurda de cotos de velas e de candeias a óleo! Sim, restos e restos de velas, e quase nenhum item doméstico, como pratos ou vasilhas de barro, como as que se encontraram nas ruínas das outras casas vizinhas. Parece que os primeiros cristãos utilizaram estas instalações como uma das primeiras igrejas, quando começaram a ser expulsos das sinagogas e perseguidos pelos romanos.

Outro dado importante é que, à volta destas primeiras paredes (que rapidamente se tornaram alvo de veneração pelos primeiros cristãos) foram sendo construídos outros edifícios, mas estes já com um formato octogonal, típico do estilo bizantino no século IV e V. Tal como podem observar nesta foto já antiga, parece que foi sendo preciso ir aumentado o tamanho da igreja, uma e outra vez, para poder acolher todos os fiéis que se continuaram a reunir nesta primeira igreja .... 

house-of-peter-in-capernaum.jpg

Imagem retirada daqui

 

Mas voltemos ao relato dos Evangelhos. Conta-nos São Lucas que Jesus naquele dia

Deixando a sinagoga, Jesus entrou em casa de Simão.

A sogra de Simão estava com muita febre, e intercederam junto Dele em seu favor.

Inclinando-se sobre ela, ordenou à febre e esta deixou-a;

ela erguendo-se, começou imediatamente a servi-los.

                                                                                                                  Lc 4, 38-39

Jesus tinha acabado de fazer um (grande) milagre público, à frente de todos os habitantes daquela cidade, em plena sinagoga; mas agora realiza um novo milagre, ainda em pleno Sábado, na intimidade dum lar. Jesus passa do interior das paredes sagradas da sinagoga, o local de eleição para os judeus louvarem a Deus, e entra, Ele mesmo, o próprio Senhor, no interior das paredes sagradas duma casa de família, dando assim um carácter de sacralidade à nossa vida familiar.

É o próprio Deus que deseja entrar em nossa casa e nas nossas vidas, e fazer nelas "Sua morada". Será que o permitimos, à semelhança de Pedro? Não tenhamos medo nem vergonha, por mais simples ou humilde que elas sejam - Deus está desejoso de entrar na intimidade das nossas vidas.

 

Cafarnaum 12.jpg

Igreja construída nos anos 90, exactamente por cima e à volta da casa de S.Pedro, numa brilhante ideia, que mistura engenharia e teologia. No seu centro, através dum pavimento transparente, podemos ver ainda mais de perto as ruínas da casa de Pedro.

 

Também São Marcos nos relata este episódio

Saindo da sinagoga, [foi] para casa de Simão e André, com Tiago e João.

    A sogra de Simão estava de cama com febre, e logo Lhe falaram dela. 

           Aproximando-se, tomou-a pela mão e levantou-a.

                 A febre deixou-a e ela começou a servi-los.          (Mc 1, 29-31)

Ao entrar na casa de Pedro, Jesus depara-se com uma mulher paralisada "por uma febre" que a tinha colocado de cama, incapaz de se levantar. Jesus aproxima-Se, faz-Se próximo daquela mulher e de cada um de nós, independentemente da razão da nossa "febre" que nos impede de viver.

Jesus estende-lhe a mão, desejoso de curá-la e de salvá-la daquela prisão - mas, para isso, é necessário um pequeno esforço da parte da sogra de Pedro; é necessário que nós estejamos dispostos, também, a estender a nossa mão, por um pouco que seja, na direcção do Senhor que Se faz próximo de nós; é necessário um pequeno gesto de reciprocidade e de entrega ao Deus que nos visita, tentando salvar, mesmo no nosso maior momento de fraqueza ... 

E assim, levantados pela força do Espírito Santo, acolhendo o amor que Deus nos oferece, agradecidos de todo o coração pelas maravilhas que o Senhor operou nas nossas vidas, colocamo-nos imediatamente ao serviço dos irmãos, começando com os de lá de casa, como sinal visível de quem já não vive só para si mesmo, mas para "dar a vida" aos outros ...

Cafarnaum 13.jpg

 

Os Evangelhos dizem-nos que Jesus veio a Cafarnaúm e ficou diversas vezes nesta casa que pertencia a Simão Pedro... Ao folhear as páginas dos Evangelhos e ao rever estas minhas memórias acerca da Terra Santa, não posso deixar de notar a forma como Pedro deixou que Jesus entrasse na sua vida e de como, aos poucos, este mero pescador, primeiro de peixes e depois de almas, foi permitindo que Jesus tomasse posse de tudo o que lhe pertencia...

Tudo começou com um "ouvi falar" dum Nazareno, com um olhar cheio de amor e misericórdia, com um toque capaz de curar os doentes e uma voz capaz de expulsar demónios, cuja "fama rapidamente se espalhou por toda a parte, em toda a região da Galileia" (Mc 1,28) ... 

Um "ouvi falar", que rapidamente se tornou num "vem e vede" como "o Senhor é bom para aqueles que O temem" (como tantos Salmos nos anunciavam). Pedro veio, viu e ouviu, e o seu coração começou a transformar-se ...

Um dia, na praia, Jesus atrevido - como por vezes era (e ainda é) Seu costume - pede a Simão Pedro o seu barco, para daí poder ensinar melhor as multidões. Pedro aceita mais este passo de Jesus na sua vida e no seu coração, e coloca à Sua disposição um dos seus bens mais preciosos, o seu próprio ganha pão e a sua forma de sustento. Pedro oferece a Jesus, numa demonstração do seu amor crescente pelo Senhor, toda a autoridade e poder de comandar o seu próprio barco, tanto nos dias de brisa suave e de sol ameno, como nos dias de tempestade...

 

Agora, Jesus pede-lhe para entrar na sua própria casa. Nunca mais haverá sossego naquela casa, com pessoas a trazerem familiares e amigos doentes, desde manhã até à noite, num vai e vem constante, não lhes dando tempo sequer para pescarem, cozinharem ou alimentarem-se ... 

Mais tarde, quando o coração de Pedro estiver preparado, Jesus pedir-lhe-á que deixe casa, família e trabalho, para poder segui-Lo. Deus vai assim, pouco a pouco, tomando o devido lugar no coração e na vida de Pedro, Ele de quem tudo provém, Ele de quem tudo recebemos ...

Barco, casa, família, bens e comida, vontade e paciência, (muito!) tempo, o presente e o futuro, incertezas e perseguições, uma grande trabalheira, e por fim a própria vida - sim, Jesus pedirá para se tornar Senhor e Rei de tudo, tudo, tudo na vida do Apóstolo Pedro.

 

À semelhança do que os primeiros cristãos foram fazendo, e do que o povo de Deus tinha já feito no seu longo percurso no deserto, também Pedro aprende que é preciso ir fazendo espaço para o Senhor, é preciso ir alargando o tamanho "da tenda" do nosso coração, "para a esquerda e para a direita"... É preciso, nesta nossa caminhada de santidade diária, que saibamos oferecer - livremente, por puro amor, um passinho de cada vez - todas as áreas das nossas vidas, tudo aquilo que possuímos, que fazemos, que amamos ... o nosso trabalho, as nossas coisas, a nossa casa, a nossa família, o nosso quarto, o nosso coração, a nossa vida ... 

 

O tempo da Quaresma está quase aí, à nossa porta.

Deixaremos que o Senhor se aproxime de nós? Que entre na nossa casa e no nosso coração?

Que cure tudo o que nos paralisa e impede de viver plenamente em serviço e em comunhão com os irmãos?

Permitiremos, à semelhança de Pedro e da sua família, que o Senhor venha e sacralize a nossa vida familiar? 

 

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

Vivendo e amando como Maria Madalena

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

 

Seguimos caminho na nossa peregrinação na Terra Santa. Deixamos para trás, a muito custo da minha parte, a bela praia de Tagba... mas o Mar da Galileia, esse mar que tantas histórias presenciou da vida de Jesus, continua a acompanhar-nos. Dirigimo-nos para uma cidade que apenas aparece nos nossos mapas há um par de anos. Aliás, esta cidade, tão querida e significativa para o meu coração, foi apenas descoberta pelos arqueologos israelenses no ano de 2009....

Estavam ali, a observar de longe, muitas mulheres que tinham seguido Jesus desde a Galileia e O serviram. Entre elas, estavam Maria de Magdala, Maria, mãe de Tiago e de José, e a mãe dos filhos de Zebedeu.

Mt 27, 56-57

magdala 3.jpg

Estamos na cidade de Magdala (ou Migdal), a cidade que deu o nome a uma das minhas santas favoritas e mais inspiradoras, Maria Madalena - e está tanto, oh tanto calor! 

Passado o sábado, Maria de Magdala, Maria, mãe de Tiago, e Salomé compraram perfumes para ir embalsamá-Lo. De manhã, ao nascer do sol, muito cedo, no primeiro dia da semana, foram ao sepulcro.

Mc 16, 1-2

No tempo de Jesus, Magdala era uma próspera cidade, bem situada ao longo duma rota comercial que passava aqui perto, chamada de Via Maris. Por isso, era uma cidade que tinha direito ao seu próprio mercado, onde era vendido cerâmica, produtos têxteis e produtos frescos, tal como as ruínas e os achados aqui encontradas nos sugerem. Neste grande mercado também eram vendidos os peixes acabadinhos de pescar, que eram colocados em instalações de condutas de água, umas autênticas pequenas "piscinas" onde os peixes eram preservados ainda vivos, até ao cliente decidir que peixe desejava levar para a sua família jantar nesse dia ... 

magdala 2.jpg

Foram também encontrados fornos para cozer pão, pátios e ruas pavimentadas e a sinagoga mais antiga alguma vez encontrada na Galileia... Oh, parece que esta cidade vai ganhando vida diante dos meus olhos, enquanto a nossa guia nos relata como seria na altura dos seus habitantes ...

 

Ah, a cidade de Santa Maria Madalena ... 

Não são muitas as passagens das Sagradas Escrituras que nos falam acerca da vida de Maria Madalena, é verdade, mas dizem-nos o suficiente - tudo aquilo que acontece a quem permite ser amado, e assim transformado, pelo imenso amor de Deus; e tudo aquilo que alguém descobre ter a coragem de fazer quando aprende a amar, profundamente, com perseverança, o Senhor e os irmãos.

Jesus ia de cidade em cidade, de aldeia em aldeia, proclamando e anunciando a Boa-Nova do Reino de Deus. Acompanhavam-no os Doze e algumas mulheres, que tinham sido curadas de espíritos malignos e de enfermidades: Maria, chamada Madalena, da qual tinham saído sete demónios.

Lc 8,1-2

Maria Madalena parece ter sido uma das primeiras mulheres a ter a coragem de abandonar tudo e seguir Jesus. Não terá sido nada fácil, claro, mas quando Jesus nos liberta dos nossos sete demónios, ou seja, dos nossos sete pecados capitais - gula, avareza, luxúria, ira, inveja, preguiça e orgulho - aqueles que mais poder têm para nos afastar do amor infinito e misericordioso de Deus, descobrimos que, afinal, somos capazes, sim, de deixar toda a nossa antiga vida e paixões para trás, e seguir, em frente, junto d'Aquele que tem as palavras que nos trazem vida eterna ... 

Junto à cruz de Jesus estavam, de pé, sua mãe e a irmã da sua mãe, Maria, a mulher de Clopas, e Maria Madalena.

Jo 19, 25

Aquele que o meu coração ama 1.jpg

Aquele que o meu coração ama - post escrito em Abril de 2019

No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo logo de manhã, ainda escuro, e viu retirada a pedra que o tapava. Correndo, foi ter com Simão Pedro e com o outro discípulo, o que Jesus amava, e disse-lhes: «O Senhor foi levado do túmulo e não sabemos onde o puseram.»

Maria estava junto ao túmulo, da parte de fora, a chorar. Sem parar de chorar, debruçou-se para dentro do túmulo, e contemplou dois anjos vestidos de branco, sentados onde tinha estado o corpo de Jesus, um à cabeceira e o outro aos pés. Perguntaram-lhe: «Mulher, porque choras?» E ela respondeu: «Porque levaram o meu Senhor e não sei onde o puseram.»

Dito isto, voltou-se para trás e viu Jesus, de pé, mas não se dava conta que era Ele. E Jesus disse-lhe: «Mulher, porque choras? Quem procuras?» Ela, pensando que era o encarregado do horto, disse-lhe: «Senhor, se foste tu que o tiraste, diz-me onde o puseste, que eu vou buscá-lo.» Disse-lhe Jesus: «Maria!» Ela, aproximando-se, exclamou em hebraico: «Rabbuni!» - que quer dizer: «Mestre!» 

Jesus disse-lhe: «Não me detenhas, pois ainda não subi para o Pai; mas vai ter com os meus irmãos e diz-lhes: ‘Subo para o meu Pai, que é vosso Pai, para o meu Deus, que é vosso Deus.’» 

Maria Madalena foi e anunciou aos discípulos: «Vi o Senhor!» E contou o que Ele lhe tinha dito.

Jo 20, 1-2. 11-18

magdala 5.jpg

 

Lendo este relato, não admira que o nosso Papa Francisco tenha declarado, em 2017, ano da Misericórdia, que a anterior Memória de Santa Maria Madalena, celebrada a 22 de Julho, fosse elevada à categoria de Festa. Afinal, Maria Madalena, que desde cedo ficou conhecida como a "Apóstola dos Apóstolos", foi a primeira a ir anunciar aos Discípulos, e a todos que a quisessem ouvir, a alegria contagiante do encontro com o Senhor Ressuscitado

 

O Advento está aí, à nossa porta. Também a nós o Senhor nos chama a irmos ao Seu encontro!

Mas primeiro, é necessário prepararmos o nosso coração, é preciso deixarmos que Jesus nos liberte dos nossos demónios. E tudo isso leva o seu tempo, se estamos realmente dispostos que o Senhor mude, radicalmente, as nossas vidas e nunca nada volte a ser o mesmo.

Que cada um de nós possa, à semelhança de Santa Maria Madalena, deixar-se purificar dos seus pecados. Que cada um de nós possa, à semelhança de Santa Maria Madalena, deixar-se desafiar por Jesus, deixando tudo o que não é importante para trás. Que cada um de nós possa, à semelhança de Santa Maria Madalena, deixar-se ser guiado, rumo ao amor ardente, infinito e misericordioso de Deus, ao longo deste Advento único e irrepetível que o Senhor nos oferece dentro de poucos dias ... Amén!

 

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

Nazaré e a vida da Sagrada Família

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

A anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia chamada Nazaré, a uma virgem desposada com um homem chamado José, da casa de David.

Lucas 1,26-27

 

Morto Herodes, o anjo do Senhor apareceu em sonhos a José, no Egipto, e disse-lhe: «Levanta-te, toma o Menino e sua mãe e vai para a terra de Israel, porque morreram os que atentavam contra a vida do menino.» Levantando-se, ele tomou o Menino e sua mãe e voltou para a terra de Israel.

Advertido em sonhos, retirou-se para a região da Galileia e foi morar numa cidade chamada Nazaré; assim se cumpriu o que foi anunciado pelos profetas: «Ele será chamado Nazareno».

Mt 2,19-20.23

nazare 6.jpg

 

Estamos em Nazaré, a terra natal de Maria e de José e a região onde Jesus passou a maior parte da Sua vida, desde o Seu regresso da terra do Egipto, por volta dos seus 6 a 7 anos de idade, até ter iniciado a Sua pregação (depois de ter passado pelas águas do rio Jordão), por volta dos seus 30 anos.

 

Nazaré situa-se na parte Norte do país de Israel, num vale rodeado por altas montanhas. Este vale, se o seguíssemos para Noroeste, levar-nos-ia até ao Mar Mediterrâneo; e se o seguíssemos para Sudeste, levar-nos-ia em direcção ao rio Jordão.

 

nazareth.png

Imagem adaptada daqui

A Sul da cidade de Nazaré, localiza-se a Planície de Esdrelão (ou Vale de Jezrel), que é uma zona muito fértil, cheia de campos de colheitas, de plantas, árvores e flores - ena, que contraste tão grande em relação a todas as terras áridas e desérticas pelas quais temos passado nos últimos dias! 

 

Nazaré é hoje uma cidade grande, próspera e bonita; mas no tempo de Jesus terá sido apenas uma pequena aldeia judaica, de pouca importância, com pouco mais que 20 a 30 famílias, que viveriam da agricultura, do pastoreio e do trabalho de artífices como a carpintaria de S.José. Esta aldeia estaria rodeada de olivais e de vinhas que desceriam pelas encostas dos montes. É provável que tivesse uma única sinagoga, pequena e simples, à imagem dos seus habitantes, e que talvez fosse, tal como as casas destas famílias eram, parcialmente construída à mão e parcialmente escavada na encosta dos montes. 

nazaré 7.jpg

 

A Sagrada Família viveu durante tantos anos em Nazaré e ninguém suspeitava que o próprio Deus vivesse ali, bem juntinho do Seu povo tão amado. Como é que foi possível? Oh, que mistério tão grande! 

Penso nos incontáveis Santos que povoam o Céu, já neste preciso momento, cujos nomes nós nem sequer sabemos, cujas vidas nem conhecemos; tantos Santos escondidos, silenciosos, que levaram vidas simples, humildes, sem grande alarido, sem feitos extraordinários, à semelhança da Sagrada Família, à semelhança (assim o espero e desejo) da minha vida, da tua vida, da nossa vida ... 

 

Alguém muito querido do meu coração, um dia destes perguntou-me se eu alguma vez tinha pensado que nunca na História da humanidade tinha havido, como hoje, tantos Santos e Santas, Beatos e Veneráveis, Servos e Servas de Deus, conhecidos ou não, a viver, a rezar e a interceder por todos nós no Céu ... como é que eu nunca tinha pensado nisso?! Quão maravilhoso! Louvado seja Deus!

nazaré 4.jpg

Planície de Esdrelão (ou Vale de Jezrael)

 

E como terá sido a vida quotidiana da Sagrada Família?...

Penso em Jesus como criança, a receber o início da Sua educação escolar e de Fé (só a nossa sociedade actual é que tenta separar as duas coisas ...), através dos ensinamentos e do exemplo vivo de Maria e de José; ao aprender na carpintaria a trabalhar a madeira e a pedra com as Suas mãos e instrumentos, enquanto ouvia, vezes e vezes sem conta, José a contar-Lhe toda a História do povo de Deus, até a saber de coração...

Jesus a brincar com os outros meninos e meninas da Sua idade... Jesus como menino na escola da sinagoga, a aprender a ler e a interpretar as Sagradas Escrituras ... Oh, será que Jesus chegava a pensar: Hum ... isto parece-me familiar... sim, acho que fui Eu que fiz e disse isto tudo  

 

Penso em Maria, como esposa e mãe, exercendo na perfeição todas as facetas do «génio feminino» que o Santo Papa João Paulo II nos ensinaria tantos séculos mais tarde ... Maria a lavar e a estender a roupa, a limpar a casa, a fazer as refeições, a ir buscar água aos poços e cisternas, enquanto cantava continuamente todas as maravilhas que o Senhor fez ...

Sabem, desde que me tornei catequista, dou por mim muitas vezes a imaginar (e a tentar inspirar-me) acerca de como é que Maria ensinaria e cativaria todas as meninas e meninos com os quais contactasse, ao longo da sua vida, acerca do amor, da misericórdia e da justiça de Deus ... (tento, mas garanto-vos que falho redondamente a tentar fazer o mesmo! )

 

nazaré 5.jpg

 

Durante muito tempo pensei que Maria e José tivessem dedicado as suas vidas, em exclusividade, um ao outro e a Jesus, depois de casarem. Que todas as outras facetas anteriores das suas vidas - restante família, profissão, actividades na comunidade, amizades e tarefas - tivessem sido completamente abandonadas e esquecidas e postas de parte, para que tudo girasse apenas à volta de Jesus ... o que é, bem, em parte verdade. 

Mas apenas em parte verdade. Graças aos ensinamentos das Famílias de Caná, percebi que a Sagrada Família, protótipo perfeito das Famílias-Cântaro a que somos chamados a ser, não só não terá renunciado às diversas tarefas e funções que anteriormente possuía, como as deverá ter, sim, abraçado e dedicado ainda mais intensamente, com ainda mais amor, auto-doação e sacrifício! 

Sim, claro que sim! Claro que tanto Maria como José se terão disponibilizado para servir ainda mais cada elemento das suas comunidades e das suas famílias; claro que se terão dedicado com ainda mais fervor e amor às suas profissões e tarefas; claro que terão crescido ainda mais em generosidade; claro que terão aberto as portas (e as janelas e o telhado!) da sua casa a todos os que precisassem, ou duma simples palavra amiga e dum sorriso, ou duma fatia de pão com doce de tâmaras, ou dum colo e ombro amigo para chorar, ou duma cama para passar a noite; claro que raramente haveria apenas 3 pratos e 3 copos e 3 talheres na mesa da Sagrada Família, mas sim sempre mais, sempre espaço e comida e amor para mais um (ou dois ou três ou mais!), por mais tarde que chegassem; claro que se terão oferecido e dedicado e gasto mais e mais e mais, depois da chegada de Jesus às suas vidas ...

Oh, que o mesmo aconteça na minha vida também!...

 

O nosso autocarro está quase a chegar a um dos locais que eu mais desejava ver e tocar, sentir e estar, como Jesus tantas e tantas vezes o fez - o Mar das Tiberíadas, o Mar da Galileia - oh, ei-lo em toda a sua beleza, bem aqui à nossa espera ... 

nazaré 9.jpg

 

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~