Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

O Baptismo de Jesus no rio Jordão

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

 

Partimos do Monte Nebo e chegamos a Betânia da Jordânia - e está tanto, tanto calor!

É preciso deixarmos para trás o conforto do ar condicionado do nosso autocarro, respirar fundo uma última vez e mergulhar na onda de calor. Ao fim de 6 dias de peregrinação, continuo sem me conseguir habituar ao calor tão intenso e sufocante (duvido muito que alguma vez consiga). Mas estamos em Betânia da Jordânia! E tantas coisas importantes aconteceram aqui ...

baptismo jordão 6.jpg

Naqueles dias, apareceu João, o Baptista, a pregar no deserto da Judeia. Dizia: «Convertei-vos, porque está próximo o Reino do Céu.»  Iam ter com ele os de Jerusalém, os de toda a Judeia e os da região do Jordão, e eram por ele baptizados no Jordão, confessando os seus pecados.

Disse-lhes: «Eu baptizo-vos com água, para vos mover à conversão; mas Aquele que vem depois de mim é mais poderoso do que eu e não sou digno de Lhe descalçar as sandálias. Ele há-de baptizar-vos no Espírito Santo e no fogo

Mt 3,  1-2; 5-6; 11

 

Disseram [a João]: «Quem és tu, para podermos dar uma resposta aos que nos enviaram? Que dizes de ti mesmo?». Ele declarou:

‘«Eu sou a voz de quem grita no deserto:
Rectificai o caminho do Senhor’,
como disse o profeta Isaías.»

Ora, havia enviados dos fariseus que lhe perguntaram: «Então porque baptizas, se tu não és o Messias, nem Elias, nem o Profeta?» João respondeu-lhes: «Eu baptizo com água, mas no meio de vós está Quem vós não conheceis. É Aquele que vem depois de mim, a Quem eu não sou digno de desatar a correia das sandálias.» 

Isto passou-se em Betânia, na margem além do Jordão, onde João estava a baptizar.

Jo 1, 22-28

baptismo jordão 2.jpg

Foi aqui, aqui mesmo, neste lado da margem do rio Jordão que agora pertence à Jordânia, que São João começou a baptizar o povo de Deus. Em tempos, as águas do rio Jordão chegavam até aqui; agora, temos de andar largos minutos a partir deste local, até chegarmos perto da água do rio... 

A foto de cima mostra as ruínas de uma das primeiras igrejas aqui construídas, inicialmente sobre as águas do rio. Desde cedo, peregrinos de todo o mundo vieram até este local, a fim de serem baptizados nas águas do rio Jordão, e assim foram sendo construídas diversas igrejas perto destas águas, tal como o mosaico da foto de baixo nos mostra.

Ainda hoje, muitos cristãos vêm aqui de propósito para se baptizarem nas águas do rio Jordão - como, aliás, estava a acontecer, no lado israelense do rio Jordão, quando aqui chegámos. Quase que me apetecia gritar-lhes: Pessoal, enganaram-se! Leiam lá bem a Bíblia - foi deste lado do rio, não desse ...

baptismo jordão 1.jpg

Então, veio Jesus da Galileia ao Jordão ter com João, para ser baptizado por ele. João opunha-se, dizendo: «Eu é que tenho necessidade de ser baptizado por ti, e Tu vens a mim?» Jesus, porém, respondeu-lhe: «Deixa por agora. Convém que cumpramos assim toda a justiça.» João, então, concordou.

Uma vez baptizado, Jesus saiu da água e eis que se rasgaram os céus, e viu o Espírito de Deus descer como uma pomba e vir sobre Ele. E uma voz vinda do Céu dizia: «Este é o meu Filho muito amado, no qual pus todo o meu agrado.»

Mt 3, 13-17

No dia seguinte, ao ver Jesus, que se dirigia para ele [João], exclamou: «Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! É Aquele de quem eu disse: ‘Depois de mim vem um Homem que me passou à frente, porque existia antes de mim.’ Eu não O conhecia bem; mas foi para Ele se manifestar a Israel que eu vim baptizar com água.» 

E João testemunhou: «Vi o Espírito que descia do céu como uma pomba e permanecia sobre Ele. E eu não O conhecia, mas Quem me enviou a baptizar com água é que me disse: ‘Aquele sobre quem vires descer o Espírito e poisar sobre Ele, é o que baptiza com o Espírito Santo’. Pois bem: eu vi e dou testemunho de que Este é o Filho de Deus

Jo 1, 29-34

baptismo jordão 4.jpg

Tenho de ser sincera convosco e admitir que fiquei um pouco desiludida quando finalmente vi o rio Jordão - a água era verde e suja e não cheirava propriamente bem ... mas a Igreja diz-nos que se trata de água abençoada e portanto toca a benzer-nos com ela!

Fez-me lembrar do meu processo de aceitação do Mistério da Sagrada Eucaristia - a hóstia consagrada não parece nada ser o corpo de Jesus, mas Jesus (e por isso a Igreja também) disse-nos que é, mesmo, realmente, apesar dos nossos olhos não verem nada de diferente naquela pequena hóstia ...

 

"Padre Miguel, podemos renovar as nossas promessas de Baptismo aqui?" - pergunto eu.

"Não!" - é a resposta bem enfática. Por esta é que eu não esperava ... 

Na verdade, iríamos sim renovar as nossas promessas de Baptismo, uns dias mais tarde, na Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém, junto do local onde Jesus foi crucificado e junto do local onde Ele ressuscitou.

Mas porquê???... Estava na altura de mais uma catequese 

baptismo jordão 3.jpg

Ora, o baptismo que João realizava no rio Jordão era um baptismo de conversão, de arrependimento, de penitência. Quando alguém desejava e aceitava ser baptizado por João, estava a reconhecer os seus pecados perante Deus (e também publicamente). A água do baptismo de João pretendia representar a lavagem das nossas impurezas e a preparação para uma vida nova, um novo nascimento ...

Este baptismo foi importante, sim, porque serviu como preparação para o verdadeiro Baptismo, que Jesus nos ofereceria mais tarde. Este baptismo pretendia ser um sinal para algo maior e mais profundo que iria acontecer em breve.

 

João, como protótipo dos fiéis que tentam sempre escutar e fazer a vontade de Deus, sabia disto tudo e é por esta razão que fica bastante atordoado quando vê Jesus na fila dos que se querem baptizar, na fila dos pecadores. É por isso que João tenta opor-se a baptizar Jesus naquelas águas. Então, diz ele, «Eu é que tenho necessidade de ser baptizado por ti, e Tu vens a mim?» - oh, quantas e quantas vezes ficamos também nós atordoados com a humildade de Deus ...

 

Não se baralhem, Jesus, verdadeiro Deus e verdadeiro Homem, jamais pecou. Em tudo Ele foi semelhante a nós na Sua vida terrena, em absolutamente tudo - excepto no pecado. Assim, é óbvio que Ele não precisava de passar por um baptismo de conversão e arrependimento ...

Mas, ainda assim, fê-lo. Porquê? Pelo menos, por duas razões.

 

Quando Jesus aceitou tornar-se homem, Ele assumiu, voluntariamente, a nossa carne, a nossa natureza humana, a nossa natureza pecadora. Assim, pergunto-vos, quando Jesus foi imergido nas águas do rio Jordão, quem é que afinal foi baptizado naquela altura? Ele ou nós, o homem velho, o velho Adão, ou seja, toda a humanidade? 

Este baptismo simbolizava a preparação para o início duma nova vida, lembram-se? E foi apenas depois de ter sido baptizado por João, que Jesus iniciou o Seu ministério, a Sua pregação, a Sua missão - e, assim, o início da nossa nova vida.

Além disso, foi depois de Jesus ser baptizado que o Espírito Santo se manifestou e a voz do Pai se fez ouvir, «Este é o meu Filho muito amado, no qual pus todo o meu agrado».

 

Então, quando é que o Sacramento do Baptismo foi instituído?

Na Cruz!

Quando, do coração aberto de Jesus, foi derramado sangue e água. Esse é o verdadeiro Baptismo, que não só nos purifica totalmente dos nossos pecados como (que grande mistério este!) nos torna verdadeiros filhos de Deus! 

 

Como não podia deixar de ser, as canções da minha querida Danielle Rose acompanharam-me em toda esta peregrinação à Terra Santa. Assim, partilho convosco a canção que ela compôs para o 1º Mistério Luminoso do Terço, o baptismo de Jesus no rio Jordão.

Behold the Lamb of God

From the perspective of John the Baptist

(Matthew 3:13-17, Mark1:9-11, Luke 3:21-22, John 1:19-34, 4:29-30)

 

It is I who need you, and yet you come to me.
I must grow smaller, so you will increase.
God said, “This is my Beloved Son, with whom I am well pleased.”
So this joy of mine has been made complete.

I was buried with you in the water, but I rose again gasping to take a new breath.
Drowned by your grace on the altar, I drink of your cup, I drink of your death.

Behold the Lamb of God.
Behold the Lamb of God,
Who takes away the sin of the world. Behold the Lamb of God.

The veil shrouding heaven was torn from my eyes, 
Then a waterfall of grace tumbled down from the sky. 
The Spirit swirled ‘round with wings white as a dove,
Descending upon the Father’s Beloved.

We were buried with you in the water, but we rose again gasping to take a new breath.
Drowned by your grace on the altar, we drink of your cup, we drink of your death.

I am not worthy.
I am not worthy to touch your feet.
I am not worthy to receive you,
But only say the word and I shall be healed!

Eis o Cordeiro de Deus

A partir da perspectiva de João Baptista

(Mt 3:13-17, Mc 1:9-11, Lc 3:21-22, Jo 1:19-34, 4:29-30)

 

Sou eu que preciso de Ti e, no entanto, és Tu que vens até mim
Eu devo decrescer, de modo a que Tu aumentes.
Deus disse: “Este é o meu Filho Amado, em Quem Eu muito Me comprazo”.
Então esta minha alegria ficou completa.

Fui enterrado conTigo na água, mas levantei-me desejoso dum novo fôlego
Imergido pela Tua graça no altar, eu bebo do Teu cálice, eu bebo da Tua morte.

Eis o Cordeiro de Deus.
Eis o Cordeiro de Deus
Que tira o pecado do mundo. Eis o Cordeiro de Deus.

O véu que cobria o céu foi arrancado dos meus olhos, 
E assim uma cascata de graças desceu dos Céus. 
O Espírito Santo girou com umas asas brancas como uma pomba,
Descendo sobre o Amado do Pai.

Nós fomos enterrados conTigo na água, mas levantamo-nos desejosos dum novo fôlego
Imergidos pela Tua graça no altar, nós bebemos do Teu cálice, nós bebemos da Tua morte.

Eu não sou digno.
Eu não sou digno de tocar nos Teus pés.
Eu não sou digno de Te receber
Mas dizei apenas uma palavra e eu serei salvo!

 

Louvado seja Deus, para sempre!

 

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

As ruínas da cidade dos sábios

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

 

Ah, a cidade de Mênfis!

Uma cidade criada por volta do ano 3.000 a.C. (antes de Cristo!) e que durante séculos foi a capital do Império Egípcio. Foi nas ruínas desta cidade antiga que foi descoberta a grande estátua do Faraó Ramessés II. Era conhecida como a "cidade branca", pela abundância das suas construções em mármore (na época de Jesus, Jerusalém era a cidade conhecida como a "cidade branca" - algo que permanece até aos dias de hoje - mas partilharei sobre isso em posts futuros). Dada a sua localização estratégica no delta do rio Nilo, era uma cidade com grande actividade comercial, religiosa e militar. 

 

Samuel, o nosso querido guia egípcio (e um valente cristão copta!), conta-nos que os principais filósofos, professores e doutores daquele tempo, vinham até Mênfis para poderem aumentar os seus conhecimentos. Esta cidade, em tempos conhecida também como a "cidade dos sábios", possuía diversas escolas e universidades, assim como pelo menos um "hospital".

menfis 2.jpg

Ruínas do antigo hospital da cidade de Mênfis

Há evidências de que Sócrates e Hipócrates estudaram nesta cidade. Aliás, o conhecimento-base que era exigido para se poder entrar nas suas escolas, era de tal forma elevado que foi negada a entrada de Hipócrates por 6 vezes (por ser demasiado burro, imaginem só!) antes de ser finalmente aceite como aluno...

Supõe-se também que Moisés, ao ser adoptado pela filha do Faraó (provavelmente o Faraó Ramessés II), terá igualmente estudado nas escolas de Mênfis ...

 

Mas, apesar de tanta beleza, riqueza e esplendor, dada a dureza dos corações dos seus habitantes, tanto o profeta Isaías, Ezequiel e Jeremias profetizaram a queda da cidade de Mênfis ... hoje, realmente, pouco resta desta cidade em tempos tão grandiosa ...

 

"Oráculo contra o Egipto. Olhai! O Senhor, montado so­bre uma nuvem veloz, entra no Egipto: os ídolos do Egip­to tremem diante dele, e o coração dos egípcios aperta-se no seu peito. Farei com que os egípcios se le­vantem contra os egípcios, lutarão irmãos contra irmãos, ami­gos contra amigos, cidade contra cidade, reino con­tra reino. O Egipto perderá o seu valor. 

Onde estão agora os teus sá­bios? Que eles te anunciem, se é que podem, os desígnios do Senhor do uni­verso contra o Egipto. Os príncipes de Tânis estão lou­cos, e os da cidade de Mênfis andam iludidos; os chefes das suas tribos desen­caminham o Egipto. 

O Egipto nunca mais terá su­cesso, desde o rei ao escravo, desde a palmeira ao junco."

(Is 19,1-3; 12-13;15)

 

"Anunciai no Egipto, publicai em Migdol, em Mênfis e em Taapanés. Dizei: ‘Levanta-te, prepara-te, que a espada vai devorar tudo à tua volta.’ Porque caiu o poderoso deus Ápis e não se mantém de pé? Porque o Senhor o derrubou.

Preparai a bagagem para o exílio, habitantes da terra do Egipto, porque Mênfis vai transformar-se em deserto, lugar devastado e sem habitantes. 

Foi derrotada a capital do Egipto, entregue nas mãos de um povo do Norte."

(Jr 46,14-15; 19; 24)

 

"Assim fala o Senhor Deus: Destruirei os ídolos e farei desaparecer os grandes de Mênfis."

(Ez 30,13)

 

Como é possível que, uma cidade cheia de sábios, não tenha reconhecido o verdadeiro Deus? Oh, de que vale tanto conhecimento - que, na realidade, é vazio? Também nos dias de hoje se pode observar na nossa sociedade esta realidade ... e a História já nos mostrou, vezes e vezes sem conta, o que acontecerá - desta cidade, em tempos tão importante, pouco resta e nos seus destroços vivem hoje apenas ratos e insectos ...

Ao ver tantas ruínas, só pensava nas palavras de Jesus:

«Bendigo-te, ó Pai, Senhor do Céu e da Terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e aos entendidos e as revelaste aos pequeninos. Sim, ó Pai, porque isso foi do teu agrado.»

(Mt 11,25-26)

E lembro-me de mais uma das maravilhosas canções da Danielle Rose (que é, como sabem, a minha cantora favorita) e das palavras da Madre Teresa de Calcutá:

Small Things With Great Love

(Lc 10,21) 

 

Not to the learned nor to the kings,
But to the little ones you show the mysteries.
I rejoice when I am weak, for you will give me all I need.
Though I cannot fly, you carry me to heaven.

You have not called me to be successful;
You have called me to be faithful.

I can do small things with great love
That is enough.
I can do small things with great love
And make my life something beautiful for God.

One drop in the ocean,
One petal in the garden,
One hidden sacrifice,
One reason for my life,
One dance before your throne,
One child to give a home,
One step towards Calvary,
One touch of empathy.

I can do small things with great love
That is enough.
I can do small things with great love
And make my life something beautiful for God.

Yesterday is gone,

Tomorrow has not yet come.
We have only today.
Let us begin.

Be faithful in small things,
For in them our strength lies.

Pequenas coisas com grande amor

(Lc 10,21)

 

Não para os sábios nem para os reis,
Mas para os pequeninos Tu mostraste estes mistérios.
Eu alegro-me quando sou fraca, porque Tu me darás tudo o que eu preciso.
Embora eu não possa voar, Tu levas-me até ao Céu.

Tu não me chamaste para ser bem sucedida
Tu chamaste-me para ser fiel.

Eu consigo fazer pequenas coisas com muito amor
Isso é suficiente.
Eu consigo fazer pequenas coisas com muito amor
E fazer da minha vida algo bonito para Deus.

Uma gota no oceano,
Uma pétala no jardim,
Um sacrifício oculto
Uma razão para a minha vida
Uma dança à frente do Teu trono
Uma criança para oferecer um lar
Um passo em direção ao Calvário
Um toque de empatia.

Eu consigo fazer pequenas coisas com muito amor
Isso é suficiente.
Eu consigo fazer pequenas coisas com muito amor
E fazer da minha vida algo bonito para Deus.

O ontem já se foi,

O amanhã ainda não chegou.
Nós apenas temos o dia de hoje.
Comecemos então.

Sê fiel nas pequenas coisas
Pois nelas reside a nossa força.

 

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

Porque perdemos a paz nos nossos corações?

No meu último post falei-vos acerca da batalha que Deus nos chama a travar, para mantermos sempre e em todas as circunstâncias a paz interior, que só Ele nos pode oferecer. 

 

Mas então o que fazer se nos encontrarmos num momento da nossa vida em que não conseguimos encontrar nenhuma paz interior?

Temos de descobrir (ou relembrar) as razões que nos fazem perder essa paz. Temos de procurar descobrir (ou relembrar) as razões, profundas e verdadeiras, que estão na raiz do nosso problema de falta de paz interior, e não apenas aquelas razões superficiais, que não passam de desculpas para as nossas atitudes e acções ("estou cansada", "chateei-me com alguém no trabalho", "os miúdos hoje portaram-se mal", "tive um dia difícil" ....). Temos de descobrir (ou relembrar) as razões que nos fazem perder a nossa paz interior - não apenas nos momentos importantes da nossa vida, mas em especial naqueles momentos do dia a dia em que, continua e constantemente, perdemos e perdemos e voltamos a perder a paz, por mais que a gente se "esforce" para a retomar....

 

"Vede o que diz o Senhor Deus, o Santo de Israel:

«A vossa salvação está na con­ver­são e em terdes calma;

a vossa força está em terdes con­fiança e em permanecerdes tranquilos

Mas não quisestes."   (Is 30,15)

 

DSC_0456.JPG

 

Uma das principais razões que nos fazem perder a paz nos nossos corações é o medo. O medo do desconhecido, o medo do incerto e da incerteza, o medo nas situações que não podemos controlar... Sentimos muito medo, ansiedade e preocupação assim que nos deparamos com situações difíceis, quer elas se apresentem imediatamente, momento presente, quer apenas algures no futuro ... Sentimos medo de falhar, de errar; temos medo que nos falte alguma coisa, que não saibamos o que é melhor fazer...

O nosso medo de perder alguma coisa - desde bens materiais, à nossa reputação, às horas (ou até apenas minutos) do nosso tempo - ou o medo de nos faltar alguma coisa importante - seja ela material ou alguma capacidade / virtude / traço de personalidade - faz-nos logo entrar num estado de agitação interior, ansiedade e preocupação, e rapidamente perdemos a paz interior (que deu tanto trabalho a Deus nos anos / meses / horas / minutos ou até segundos anteriores !....)

 

Então, o que podemos fazer?

Palavras de Jesus:

"Qual de vós, por mais que se preocupe,

pode acrescentar um só côvado à duração de sua vida?" (Mt 6,27)

 

A resposta é dolorosa (em especial, para o nosso orgulho) e já a partilhei convosco no post anterior. Usando apenas as nossas próprias capacidades, não podemos fazer nada que resulte. Tentando controlar ao máximo todas as variáveis / eventos / situações e pessoas na nossa vida, também não iremos conseguir. 

 

"Sem Mim, nada podeis fazer."  (Jo 15,5)

 

Aliás, vou-me atrever a dizer que, a maneira mais rápida e eficaz de perdermos a nossa paz é exactamente tentarmos nós próprios resolvermos a situação, usando unicamente as nossas capacidades, as nossas decisões pessoais, ou procurando que outro resolva a situação por nós.

 

"Sem Mim, nada podeis fazer."  (Jo 15,5)

 

hand of god.jpg

Imagem retirada daqui

 

Para preservar a paz nos nossos corações, mesmo no meio da loucura e imprevisibilidade do nosso dia a dia, temos apenas uma solução: Confiar em Deus. Confiar na Divina Providência. Confiar totalmente e só em Deus.

E é assim que nos deparamos com outra verdade dolorosa: nós não confiamos em Deus; nós não acreditamos, plenamente, que 

 

"O vosso Pai celeste bem sabe do que necessitais" (Mt 6,32)

 

Parem para pensar um bocadinho nesta verdade ...

 

 

Quão injustificada é esta nossa falta de confiança em Deus!

Como se Ele não tivesse já dado provas mais do que suficientes para nos provar todo o Seu amor, misericórdia e providência perfeita em tantas, tantas, tantas situações - tanto na história do Povo de Deus, na vida dos Santos, na história da Igreja, na nossa própria história de vida ....

 

Porque não confias em Mim, o teu Criador? Porque contas apenas contigo? Não serei Eu leal e fiel contigo? Redimi e restaurei a humanidade através da graça proveniente do sangue do Meu único Filho e deste modo o homem pode dizer que experimentou a minha fidelidade. Mas, apesar de tudo isso, o homem ainda duvida; ainda duvida se Eu serei suficientemente poderoso para o ajudar, suficientemente forte para o defender dos seus inimigos, suficientemente sábio para iluminar a sua inteligência, ou se Eu serei suficientemente misericordioso para lhe oferecer o que for necessário para a sua própria salvação. Não serei Eu suficientemente rico para lhe oferecer um tesouro ou suficientemente belo para o embelezar; quem poderá dizer que receia não encontrar pão suficiente na Minha casa para o alimentar, ou roupa suficiente para se cobrir?

 

Diálogo de Santa Catarina de Sena com Deus, capítulo 140

(Texto original em inglês, tradução livre minha)

 

Temos de reverter esta desconfiança que nós próprios provocámos, desde a altura do Jardim do Éden. Temos de combater esta nossa tendência do pecado original, de não confiarmos nas promessas de Deus. Ao longo de toda a nossa vida, por mais longa ou breve que ela seja, é nosso dever, como cristãos e filhos muito amados de Deus, avançar sempre neste processo de recuperar a confiança perdida, através da graça do Espírito Santo - o Único capaz de nos fazer dizer novamente, de coração, Abba, Pai!

Este processo de recuperar a confiança perdida no amor de Deus não vai ser fácil, aliás, vai ser difícil, provavelmente longo e sem dúvida que doloroso por vezes. Mas é necessário - todos os Santos nos têm ensinado isso.

 

Sweetness 2.JPG

 

Estamos quase no início duma nova Quaresma. Aceitemos o desafio, digamos sim ao chamamento de Deus - atrevam-se a abandonar-se, um pouquinho mais a cada dia, nas mãos de Deus. Larguem a corda, deixem de tentar controlar tudo, abandonem-se e confiem em Deus, tanto nas pequenas coisas como nas grandes...

 

Deus não permanecerá calado, Deus não ficará quieto, disso podem ter a certeza!

Deus aproveitará todas as oportunidades que vocês lhe dêem para manifestar a Sua ternura, o Seu extremo cuidado e amor com cada um de nós; Ele manifestará visivel e palpavelmente a Sua divina providência e a Sua eterna fidelidade para connosco.

 

"Sabemos que tudo contribui para o bem daqueles que amam a Deus,

daqueles que são chamados, de acordo com o Seu desígnio. 

Se Deus está por nós, quem poderá estar contra nós?

Ele, que nem sequer poupou o Seu próprio Filho, mas O entregou por todos nós,

como não havia de nos oferecer tudo juntamente com Ele?" (Rom 8,28.31-32)

 

Uma abençoada Quaresma para todos! 

 

Reflexão após leitura dum livro do Pe Jacques Philippe

São José, o carpinteiro

Já vos contei acerca de algumas das descobertas que fiz ao longo do meu plano de leitura bíblico, como a alegria de Jesus e o aspecto dos Anjos. Hoje, gostava de vos contar mais uma descoberta, desta vez sobre São José.

 

Qual é a primeira imagem que se forma na vossa mente quando pensam em São José?

 

Provavelmente, pensarão, como eu, num homem de meia-idade, magro, com cabelos brancos e barba comprida, a olhar terna e carinhosamente para o Menino Jesus no seu colo e com um bonito lírio numa das mãos, como símbolo da sua pureza  … 

 

S.Jose velhinho.jpgS.Jose velhinho 2.jpg

Imagem de S.José - retirada daqui.                                                                                     Imagem de São José - retirada daqui

 

Bem, pelo menos, era essa a imagem que eu tinha de São José …. E vocês?

 

 

Um dia, quando estava a ler o Evangelho segundo São Mateus, deparo-me, no capítulo 13, versículo 54-55, com uma pergunta que me pôs a pensar:

 

“Tendo [Jesus] chegado à Sua terra, ensinava os habitantes na sinagoga, de modo que todos ficavam admirados e diziam: «De onde Lhe vem esta sabedoria e o poder de fazer milagres?

Não é Ele o filho do carpinteiro?”

 

Umas páginas à frente, no Evangelho de São Marcos, no capítulo 6, esta história é-nos novamente contada, quase palavra por palavra ….

 

“Não é Ele o filho do carpinteiro?” 

 

Eu tinha lido anteriormente que o povo Judeu tinha por tradição que, quando os rapazes chegavam aos 12 anos de idade, começavam a aprender o ofício dos pais [1]. Sem dúvida que na casa de Jesus, modelo de cumprimento das Sagradas Escrituras, não terá sido diferente! Assim, ensinado por São José, Jesus também terá aprendido o ofício da carpintaria e esse terá sido o Seu principal modo de subsistência durante a maior parte da Sua vida.

 

Mas o que é que os carpinteiros faziam exactamente naquela altura?

 

Lá fui eu, novamente, pesquisar nesse mar imensurável de informações a que chamamos internet. Querem saber o que descobri? 

 

  • Primeiro, descobri que a palavra original nesses textos, em grego, “tekton”, teria sido melhor traduzida como artesão, em vez de carpinteiro, para englobar todo o seu significado. “Tekton” aparentemente indica um artífice que trabalha com madeira, mas também com pedra, ferro e cobre. [2]

 

  • Em segundo lugar, descobri (sem me admirar) que a profissão de carpinteiro (ou artesão, como preferirem) conferia à família uma posição social muito baixa na cultura Judaica e que os seus rendimentos seriam bastante pequenos e humildes. [2]

 

  • Depois, descobri que os principais objectos fabricados pelos carpinteiros naquela altura eram arados e jugos (ou juntas) de madeira (ouvem tocar algum sininho?), uma vez que grande parte dos hebreus eram agricultores e havia assim uma grande necessidade de juntas de bois e de arados para trabalharem nos campos. [1, 2]

 

jugo.jpg

Jugo de bois - imagem retirada daqui.

 

arado de madeira.jpeg

Arado de madeira - imagem retirada daqui.

 

Os carpinteiros também construíam objectos pequenos, como chaves e cadeados de madeira, e peças maiores, como portas e janelas, telhados, mesas, cadeiras e bancos, baús e outros móveis de arrumação. Além disso, eram frequentemente chamados para reparar objectos que se partiam ou que precisavam de novas peças. [1,2]

 

Que árvores eram usadas para fornecer a madeira? Principalmente ciprestes, carvalhos, freixos, sândalo e oliveiras ... ah, e claro, os cedros! A bíblia refere com frequência os famosos cedros do Líbano ... [1]

 

“Os justos florescerão como a palmeira

e crescerão como os cedros do Líbano.

Plantados na casa do Senhor,

florescerão nos átrios do nosso Deus.

 

Até na velhice continuarão a dar frutos

e hão-de manter sempre a seiva e o frescor,

para proclamar que o Senhor é justo.”

Salmo 92:13-16

 

cedro-do-libano.jpg

Cedro do Líbano - Imagem retirada daqui.

 

Quase todas estas árvores, como sabem, são árvores de grande porte. Os cedros, por exemplo, podem alcançar os 40 metros de altura …

E sabem quem eram os homens capazes de deitar abaixo estas grandes e pesadas árvores, cortá-las e transportá-las até à cidade? Sim, exactamente, os carpinteiros!  

 

Ora, que tem esta conversa toda a ver com a imagem do velhinho São José??

 

Durante muitos séculos, foi defendida a ideia que São José teria cerca de 80 anos quando casou com a Virgem Maria. Porquê? Porque assim, com um marido idoso, seria mais fácil defender a Virgindade Perpétua de Maria. [3]

Actualmente, a maior parte dos investigadores-historiadores que se dedicam ao estudo das Sagradas Escrituras, da cultura judaica e dos acontecimentos históricos no tempo de Jesus, concordam entre si que, tal como a grande maioria das raparigas naquela altura, a Virgem Maria teria provavelmente cerca de 14 a 15 anos quando se casou com São José e foi mãe de Jesus. [3]

 

.... Agora, conseguem imaginar uma rapariga de 15 anos a casar livre e deliberadamente com um homem de 80 anos? Acham mesmo que Deus teria inspirado uma história de amor entre duas pessoas com idades tão díspares, para serem os pais terrenos do Seu Único Filho?

 

Eu pessoalmente não consigo imaginar que Deus tenha escolhido um velhote de 80 anos para defender e proteger a Sagrada Família … Não consigo imaginar que Deus tenha escolhido um homem já velho para percorrer todos aqueles quilómetros, que separam Nazaré de Belém, apenas para se apresentar e registar no censo do Imperador romano. Nem consigo imaginar como um idoso poderia fugir da ira do rei Herodes, às pressas e no meio da noite, desde Belém até ao Egipto! Nem como um homem assim poderia trabalhar como carpinteiro, carregando pesados troncos de árvores, serrando e partindo a madeira, construindo telhados e móveis, a fim de sustentar a sua esposa e o seu filho …

 

Na verdade, actualmente, os investigadores-historiadores já conseguiram comprovar que, naquela altura da História, a maioria dos homens judeus se casavam por volta dos 16 a 20 anos de idade, e que essa terá sido provavelmente a idade de São José quando se casou com Nossa Senhora. [3]

 

O falecido Arcebispo Fulton J. Sheen (que eu admiro particularmente, lembram-se dele?), já tinha escrito no seu livro “O Primeiro Amor do Mundo” (The World’s First Love, Ignatius Press) em 1952, que:

 

“S. José foi, provavelmente, um homem jovem, forte, viril, atlético, bonito, casto e disciplinado, o tipo de homem que se vê a trabalhar numa oficina de carpintaria. Em vez de ser um homem incapaz de amar, ele deve ter ardido interiormente com amor ... Naqueles dias, jovens raparigas como Maria, já faziam votos de dedicação e de amor perpétuo a Deus, tal como alguns jovens rapazes, entre os quais José, que se tornou digno de ser chamado de “o justo”. Em vez de ser como um fruto seco para ser servido sobre a mesa do Rei, ele terá sido como uma árvore florida de promessas e de força. Ele não estaria no entardecer da sua vida, mas sim na sua manhã, borbulhando de energia, força e controlada paixão.”

 

St.-Joseph-the-Giver.jpg

São José, o Dador - pintura de Kimberly Cook (imagem retirada daqui)

saint_joseph.jpg

Imagem retirada daqui

 

st joseph.jpg

S. José a ensinar Jesus a arte da carpintaria - imagem retirada daqui.

 

Para mim, esta imagem de São José, como um jovem alegre, fisicamente em forma, com a força e coragem e o ânimo necessário para aguentar todas aquelas provas de resiliência … mas, simultaneamente capaz de ser fiel e casto, protector e guarda, um homem de oração e de serviço, humilde e obediente aos desígnios do Senhor …. Esta imagem de São José tem, certamente, infinitamente mais mérito e ofereceria uma glória muitíssima maior a Deus.

 

São José - o maior exemplo terreno de masculinidade e de paternidade. 

Rogai por nós.

 

 

 

Bibliografia:

[1] Artigo sobre a História da Carpintaria: http://www.wagnermeters.com/wood-moisture-meter/woodworking-history/

[2] Página com links para vários artigos sobre carpintaria na Bíblia: http://www.bible-history.com/links.php?cat=39&sub=418&cat_name=Manners+%26+Customs&subcat_name=Carpenters

[3] Artigo do sr. Fr Michael D. Griffin, no site do canal americano EWTN, sobre a vida de São José e do seu importantíssimo papel na Salvação da Humanidade (que recomendo vivamente a ler!): https://www.ewtn.com/library/MARY/THEOINTR.HTM

A Alegria de Jesus

Qual é a primeira palavra que se forma na vossa mente quando pensam em Jesus?

Instantaneamente. A primeira palavra. Apenas uma palavra.

 

Talvez seja – Messias, Senhor, Salvador, Graça, Luz, Amigo, Rei, Amor, Paz, Misericórdia, Justo, Poderoso, Santo, Fiel, Glorioso?

Acertei em alguma?

 

Sem dúvida alguma que Jesus é tudo isso e infinitamente mais.

 

Mas, e que tal Alegre? Contente? Feliz?

E que tal Brincalhão?

Quando foi a última vez que associaram essas palavras à pessoa de Jesus?

Quantas vezes já O imaginaram a sorrir? Quantas vezes já O imaginaram a rir? A rir à gargalhada?

Quantas vezes O imaginaram a brincar com alguém? Com a Sua Mãe, por exemplo – alguma vez O imaginaram a fazer cócegas à Sua Querida Mãe Maria?

 

Às vezes, noto que retracto Jesus na minha mente com uma face semelhante à maioria das imagens e das pinturas que já vi Dele – com um rosto austero e sério.

No entanto, quando penso bem no assunto, chego à conclusão que Jesus não podia ter tido um rosto assim – pelo menos, não na maior parte do tempo. Não, não acredito que Ele pudesse ter um ar grave e pesado.

Jesus foi um homem real, verdadeiro, vivo, completo, que respirava e que possuía emoções e sentimentos tão como vocês e eu. E apesar de tudo isso, Ele foi perfeito.  

Jesus smilling.gif

 

Cada sentimento, cada emoção, cada alegria, cada gargalhada, cada lágrima, cada pequena gota de raiva ou de paixão, cada menor e maior dor – Jesus sentiu-as a todas, tal como vocês e eu as sentem na nossa vida. Claro, os Seus sentimentos e emoções eram perfeitos e sempre correctos. Mas Ele sentiu-os. A todos.

 

Quanto mais aprendo acerca de Jesus, o nosso grande Salvador, mais Deus me mostra como o Seu Amado Filho só podia ser (vou-me atrever a dizer) o homem mais feliz que já esteve neste mundo. Jesus só pode ter sido o homem mais alegre do mundo inteiro!

 

Jesus deve ter rido muito, deve ter sorriso abundantemente e deve ter dado as gargalhadas mais maravilhosas que a terra alguma vez ouviu… Oh, quantas vezes imagino como terá sido a gargalhada de Jesus – só pode ter sido a gargalhada mais pura, cristalina e melodiosa de todo o sempre!

Imagem retirada daqui

E penso também que Jesus deve ter sido um grande brincalhão! O facto das crianças se sentirem tão atraídas por Ele deve ser o melhor exemplo disso.

 

São Mateus [Mt 10:13-15] conta-nos exactamente que:

 

“Apresentaram-Lhe uns pequeninos para que Ele os tocasse; mas os discípulos repreenderam os que os haviam trazido. Vendo isto, Jesus indignou-Se e disse-lhes: «Deixai vir a Mim os pequeninos e não os afasteis, porque o Reino de Deus pertence aos que são como eles. Em verdade vos digo: quem não receber o Reino de Deus como um pequenino, não entrará nele.» Depois, tomou-os nos braços e abençoou-os, impondo-lhes as mãos”

 

Jesus abraçou aquelas crianças!

Conseguem mesmo imaginar um homem de rosto firme e severo e com uma voz grossa e forte a dizer às crianças: “Venham até Mim”

 

Claro que não!

 

Christ+Blessing+Little+Children 5.jpg

Imagem retirada daqui

 

Ele deve ter-Se ajoelhado no chão, com o maior sorriso do mundo, de braços bem abertos e dizendo alegremente: "Deixai vir a Mim os pequeninos!"

Conseguem imaginá-las? Conseguem imaginar um grupo de crianças a correr à gargalhada e de braços abertos em direcção a Jesus? A saltarem sobre Ele, rindo, gritando, fazendo uma autêntica festa? Todas tão felizes por abraçar o Seu grande Amigo?

 

jesus smiling with children 5.jpg

jesus smiling with children 4.jpgjesus smiling with children 1.jpg

 

jesus smiling with children 2.jpgjesus smiling with children.jpg

Todas estas imagens maravilhosas são do artista Jean Keaton

 

Esta é a imagem que eu escolho de Jesus – um Homem capaz de tocar profundamente desde o coração das crianças mais pequenas ao coração dos mais sábios dos sábios. Um Homem capaz de mostrar a cada um o verdadeiro rosto – alegre, amoroso, misericordioso – de Deus-Pai e, duma forma simples e humilde, mudar as suas vidas para sempre.