Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Vai

Estávamos a poucos dias do fim da Quaresma, a poucos dias da Semana Santa.

No Evangelho de São Marcos, capítulo 10, leio que Jesus dirigia-se em subida para Jerusalém, a Cidade Santa, para aquela que seria a Páscoa da Sua cruz e ressurreição. Na berma da estrada estava sentado um mendigo, cego, chamado Bartimeu. Ao saber que Jesus se encontrava perto, ele põe-se a gritar: «Jesus, Filho de David, tem misericórdia de mim!», sem cessar. Jesus convida-o a aproximar-se. O cego suplica-Lhe «Mestre, que eu veja!» e Jesus responde «Vai, a tua fé te salvou!». Bartimeu recuperou a vista «e seguiu Jesus pelo caminho» (Mc 10, 47-52)

 

Vai.

Escolham um Evangelho para ler e analisem as palavras de Jesus a cada pessoa que se encontrava com Ele pelo caminho. Vão encontrar quase sempre esta resposta de Jesus - Vai. Agora que já te encontraste Comigo, agora que já Me conheceste - Vai.

 

Não é possível ter um verdadeiro encontro com Jesus e permanecer na mesma. É impossível que a nossa vida permaneça na mesma. Se permanecer, quer apenas dizer que afinal não O encontrámos realmente, que não O chegámos a conhecer. 

Vai, mexe-te. Vai e conta a toda a gente acerca de Mim, da Minha misericórdia, do Meu infinito amor. Vai e vive a tua nova vida que Eu te dei. Vai, por Mim. Vai, Comigo.

 

open hand of jesus.jpg

Imagem retirada daqui

 

Quem tenta seguir Jesus mas sem querer perder nada deste mundo, desta sociedade ... na verdade, está a perder tudo, porque não está a seguir Jesus. É simplesmente impossível ter as duas coisas. É preciso escolher. E todas as escolhas, todas, implicam perdas. Ao escolhermos algo, estamos a dizer não a tudo o resto. 

 

É difícil? É...Vai.

Vêm poucas pessoas por este caminho?  Sim .... Vai.

Vais ter de desistir de muita coisa? Sim.... Vai

Jesus precisa de ti. Sim, de ti! Vai!

 

Vocação, missão e descanso em Deus

"Fomos criados por Deus para o descanso!"

 

O quê?? Eu ouvi bem??

Mais de 100 pessoas ficam a olhar, perplexas, para o sr. Pe José Pinheiro, no passado sábado dia 2 de Março, no início do retiro quaresmal para catequistas, a nível diocesano, que decorreu no nosso belíssimo Seminário em Almada.

 

"Sim, ouviram bem, Deus criou-nos para descansarmos Nele!"

Na verdade, já Santo Agostinho afirmava

Criaste-nos para Vós, Senhor, e o nosso coração vive inquieto, enquanto não repousar em Vós!

 

Mas não se enganem: descansar em Deus é muito diferente de não fazer nada. Aliás, envolve até fazermos muita coisa, dizer Sim a Deus muitas e muitas e muitas vezes - quando apetece e quando não apetece, quando dá jeito e quando não dá jeito nenhum, quando posso e mesmo quando não posso...

Mas devemos fazer tudo isso, com o nosso coração em paz, nas mãos de Deus, no exacto local onde ele pertence. Só encontramos verdadeiro descanso para a nossa alma, um descanso permanente, seguro, eterno, quando encontramos Deus e a Ele oferecermos a nossa pobre alma e aceitarmos descansar Nele.

 

rest in jesus.jpg

Imagem retirada daqui

 

Existem muitas pessoas que descansam demais (quantos exemplos podemos nós encontrar nos Evangelhos... e nas nossas vidas!)... ou melhor dizendo, usam essa desculpa para permanecerem estacionários no conforto das suas vidas

Outras, pelo contrário, não conseguem ficar quietas, fazem, fazem e fazem, como autênticas Martas... mas esquecem-se ou desvalorizam aquilo que é mais importante - conhecer e amar Deus, crescer todos os dias em intimidade com Ele, deixar que Ele nos fale ao coração, que cuide das nossas feridas, que nos ensine o caminho a seguir, e que desta relação de amor transborde abundantemente o amor pelo próximo.

Não importa o quão cheia ou agitada ou preenchida a nossa vida esteja. Pelo menos um momento de oração por dia é absolutamente essencial nas nossas vidas. Essencial! Imprescindível!

Porque

«Sem Mim, nada podeis fazer»   Jo 15,5

 

Cada um de nós tem uma vocação, um chamamento por parte de Deus, para sermos santos. Santos! Conseguem imaginar-vos santos? Eu não consigo imaginar-me! Mas o olhar de Deus vai sempre mais longe que o nosso...

Esta nossa vocação tem ser descoberta - alguns mais cedo, outros mais tarde na vida. E quando a descobrimos, devemos olhá-la com verdadeiro espanto (Tu queres-me a mim, Senhor?!), com verdadeira humildade (Oh Senhor, mas eu não sou digno!) e com verdadeiro agradecimento (Se Tu queres Jesus, então eu também quero!).

A nossa vocação surge do nosso encontro pessoal com Jesus. Eu não escolho a minha vocação - Deus escolhe. E por mais que eu a negue e que tente fugir e dizer que não, a nossa vocação é incontornável. Aceitarmos a vocação de Deus é o único, único caminho que sacia completamente e que me traz felicidade verdadeira.

Ao procurarmos Jesus, descobrimos depois a nossa missão; do nosso encontro com Jesus, brota uma missão. Enquanto a vocação à santidade é universal, é para todos, a missão que Deus tem para cada um de nós é única, irrepetível, personalizada. Ninguém a poderá fazer por mim. Tenho mesmo de ser eu. Só podia ser eu a fazê-la.

walk with jesus.jpg

Imagem retirada daqui

 

Ser catequista faz parte da missão que Deus escolheu para mim.

Partindo sempre do meu encontro pessoal, íntimo, familiar, de pleno amor, com Deus, eu devo dar testemunho aos outros, devo apontar o caminho, devo partilhar as maravilhas que Deus continuamente faz na minha vida, devo evangelizar, sempre, em todos os momentos, em todos os lugares, não apenas na sala de catequese.

 

Sábado foi um dia muito chuvoso, com muito vento e trovoada. Na hora de meditação pessoal durante o retiro, senti-me a ser chamada numa dada direção no Seminário. Eu já devia ter adivinhado quem seria - claro que fui encontrar uma bela estátua de Nossa Senhora, bem ali, à minha espera. Fiquei toda molhada, mas nem dei conta.

Ali, no meio dos trovões, da chuva, do vento, não pude deixar de reparar num pequeno passarinho que insistia em continuar a cantar - e que bem que cantava. Quanto mais chovia, mais trovejava, mais ele cantava! Que eu assim seja também ...

 

Para terminar, queria apenas partilhar convosco algumas ideias (já antigas, ao que parece) do nosso querido Papa Francisco (mas que eu nunca tinha lido antes!) para manifestarmos visivelmente o amor de Deus durante a Quaresma (e que foram partilhadas connosco durante o retiro).

 

15 actos de caridade como manifestações concretas de amor

  • Sorrir - um cristão é sempre alegre
  • Agradecer - embora não "precise" fazê-lo
  • Lembrar o outro quanto o amamos
  • Cumprimentar com alegria as pessoas que vemos todos os dias
  • Ouvir pacientemente a história do outro, sem julgamento, com amor
  • Parar para ajudar - estar atento a quem precisa de mim
  • Animar alguém
  • Reconhecer os sucessos e as qualidades do outro
  • Separar o que não se usa e dar a quem precisa
  • Ajudar alguém, para que possa descansar
  • Corrigir com amor - não calar por medo
  • Ter pequenas delicadezas para quem está perto de nós
  • Limpar o que se suja em casa
  • Ajudar os outros a superar os seus obstáculos
  • Telefonar aos nossos pais

 

E agora, para coisas ainda mais dificeis

O melhor jejum

  • Jejum de palavras negativas e abundância de palavras bondosas
  • Jejum de descontentamento e abundância de gratidão
  • Jejum de raiva e abundância de mansidão e paciência
  • Jejum de pessimismo e abundância de esperança e optimismo
  • Jejum de preocupações e abundância de confiança em Deus
  • Jejum de queixas e abundância de agradecimento pelas coisas simples da vida
  • Jejum de tensões e abundância de orações
  • Jejum de amargura e tristeza e abundância de alegria no coração
  • Jejum de egoísmo e abundância de compaixão pelos outros
  • Jejum de falta de perdão e abundância de gestos de reconciliação
  • Jejum de palavras e abundância de silêncio para ouvir os outros

A continuação duma santa Quaresma para todos!

Ser luz

Nós somos chamados a sermos uma luz - como uma pequena chama duma velinha branca - num mundo que está cheio de luz artificial eléctrica.

Quem vive no conforto da luz artificial não consegue ver a nossa luzinha de vela; aqueles que até a conseguem ver, não percebem para que serve ou não compreendem porque insistimos em mantê-la acesa - num mundo cheio de luz artificial. Para quê? Porquê?

 

pequena vela.jpg

Imagem retirada daqui

 

No meu trabalho no hospital, quando alguém descobre que eu sou catequista, não é costume ouvir nenhum comentário entusiástico nem incentivador. Não é adequado um médico ter religião ... porque pode interferir.

Os meus colegas não compreendem porquê é que eu haveria de gastar o meu tempo com essas coisas.... eu devia era sair, viajar, gastar o meu ordenado em jantares e prendas e aproveitar a vida.

A minha família pergunta-me várias vezes porque é que eu passo tanto tempo na igreja, envolvida em tantas coisas? Missas e missas e missas, reuniões, encontros, actividades, catequese, vias sacras ... para quê? perguntam-me sempre.

 

Para ser sincera, eu própria às vezes me pergunto se todas as horas que eu invisto em preparar a catequese terá algum valor ... Tantas horas a desenvolver ideias para que as catequeses sejam estimulantes, que ensinem pelo exemplo, que toquem os corações de todos os meninos, que os façam não só saber mas compreender e querer viver ...

Aqueles meninos de 7 anos nunca se vão lembrar de mim quando forem adultos. Não se vão lembrar de grande parte das coisas que eu lhes tentei ensinar. 

Que posso fazer eu, quando os pais não vêm à missa, não querem saber da igreja, e só põem os filhos na catequese como se fosse outra actividade extra-curricular como a natação ou o ballet? Ou apenas para poderem fazer a primeira comunhão? 

Que diferença farei eu nas suas vidas? Que diferença faz aquilo que eu faço?...

 

Há dias difíceis, em que me deixo engolir por essas vozes e pensamentos, em que apetece desistir de tudo. Sim, há dias assim; poucos dias, pela graça de Deus, mas existem.

Nestas alturas, Deus tem sempre o enorme carinho de me enviar um anjo, na forma duma pessoa, que me incentiva, que me anima, que me compreende e que partilha comigo situações parecidas. Ou então descubro uma reflexão de alguém no facebook ou em algum site ou num livro, que reflecte as minhas duvidas e que me ajuda a encontrar soluções.

pequena vela 2.jpg

Imagem retirada daqui

 

Sim, aquilo que eu faço, aos olhos do mundo, não é quase nada. Não tem qualquer valor. É insignificante. É tempo mal gasto. Não me faz ganhar nada, aliás, só me faz perder....

Não consigo deixar de sorrir ao escrever este texto. As pessoas não compreendem nada! Não compreendem o que verdadeiramente tem valor!

 

"Perante um mundo fragmentado, (...) perante a experiência dolorosa da nossa própria fragilidade, torna-se necessário e urgente, atrever-me-ia mesmo a dizer imprescindível, aprofundar a oração e a adoração. Ela nos ajudará a unificar o nosso coração e nos dará «entranhas de misericórdia», para sermos homens de encontro e comunhão, que assumem como vocação própria tomarem a seu cargo a ferida do irmão (...) dando testemunho de um Deus tão próximo, tão Outro: Pai, Irmão e Espírito; Pão, Companheiro de Caminho e dador de Vida (...)

Hoje, mais do que nunca, é necessário adorar para tornar possível a "proximidade" que reclamam estes tempos de crise. Só na contemplação do mistério do Amor que vence distâncias e se torna perto encontraremos a força para não cair na tentação de seguir de longe, sem nos determos no caminho... (...)

Também nós, perante esta nova invasão pseudocultural que nos apresenta os novos rostos pagãos dos «baalins» do passado, experimentamos a desproporção de forças e a pequenez do enviado. Mas é justamente a partir da experiência da própria fragilidade que se evidencia a força do alto, a presença d'Aquele que é o nosso garante e a nossa paz.

Por isso, quero convidar-vos (...) a que reconheçais na vossa fragilidade o tesouro escondido, que confunde os soberbos e derruba os poderosos. Hoje, o Senhor convida-nos a abraçar a nossa fragilidade como fonte de um grande tesouro evangelizador. (...)

Porque só aquele que se reconhece vulnerável é capaz de uma acção solidária. Pois comovermo-nos («movermo-nos com»), compadecermo-nos («padecermos com») de quem está caído à beira do caminho são atitudes de quem sabe reconhecer no outro a sua própria imagem, mescla de terra e tesouro, e por isso não a rejeita. Pelo contrário, ama-a, aproxima-se dela e, sem o procurar, descobre que as feridas que cura no irmão são unguento para as suas. A compaixão converte-se em comunhão, em ponte que aproxima e estreita laços. (...)

Não tenhais medo de cuidar da fragilidade do irmão com a vossa própria fragilidade: a vossa dor, o vosso cansaço, as vossas perdas; Deus transforma-os em riqueza, unguento, sacramento. (...) Há uma fragmentação que permite, no gesto terno do dar, alimentar, unificar, dar sentido à vida. (...) Que possais, em oração, apresentar ao Senhor os vossos cansaços e fadigas, bem como o das pessoas que o Senhor colocou no vosso caminho e deixai que o Senhor abrace a vossa fragilidade, o vosso barro, para o transformar em força evangelizadora e em fonte de fortaleza. (....)

É na fragilidade que somos chamados a ser catequistas. A vocação não seria plena se excluísse o nosso barro, as nossas quedas, os nossos fracassos, as nossas lutas quotidianas: é nela que a vida de Jesus se manifesta e se faz anúncio salvador. Graças a ela descobrimos as dores do irmão como sendo nossas."

 

Palavras do Papa Francisco, numa carta aos catequistas da diocese de Buenos Aires, 

Agosto de 2003 (retirado do livro - O Verdadeiro Poder é Servir, da editora Nascente)

pequena vela 3.jpg

Imagem retirada daqui

 

Não importa que ninguém veja aquilo que fazemos. Não importa se parece insignificante e sem valor. Deus vê tudo o que fazemos e vê, principalmente, o amor com que o fazemos. 

Mantenhamos a nossa pequena chama acesa, num local onde todos a possam sempre ver. Sempre que a luz artificial se apague nas vidas das outras pessoas, como tantas vezes acontece, que elas possam sempre ver e contar com a nossa pequena luz, para as iluminar e lhes dar de novo vida. 

Dicas para ler e estudar a Bíblia

Entre 2014 e 2015, eu escrevi alguns posts acerca do Plano de Leitura da Bíblia que na altura tinha decidido seguir, com o objectivo de ler a Bíblia, duma ponta à outra, no espaço de um ano. Sei que muitas pessoas descobriram este blog exactamente por terem andado à procura dum plano de leitura bíblico que incluisse os 73 livros da Bíblia Católica (em vez dos 66 das bíblias protestantes) - algo que é bastante dificil de encontrar....

 

Eu segui, mais ou menos, o plano que tinha delineado e sem dúvida que aquela decisão foi muito importante, tanto na minha relação com Deus, como com a Igreja. Mas hoje, queria partilhar convosco algumas sugestões e alguns tópicos para ponderarem antes de se aventurarem numa primeira grande leitura da Bíblia... principalmente para aqueles que nunca leram a Bíblia antes ...

 

Eu penso, com toda a sinceridade, que é preferível (e mais sábio) seguirem as leituras da missa diária, durante um ano inteiro, do que começarem logo por um plano de leitura da Bíblia. Por exemplo, através do site do Evangelho Quotidianopodem receber todos os dias no vosso email as leituras da missa diária, associada a um pequeno comentário a essa leitura, comentário esse que pode ser da autoria dum santo, dum papa ou de algum documento da Igreja Católica (como do Catecismo). É através deste site/aplicação que eu leio, todos os dias, ao pequeno-almoço, as leituras da missa diária (uma vez que não consigo ter disponibilidade para participar na Eucaristia durante a semana - que é obviamente a melhor opção). 

Esta é, acredito eu, a melhor forma de compreenderem a interligação existente entre o Antigo e o Novo Testamento; entre aquilo que Deus tinha já tentado dizer aos judeus, mas que eles não perceberam na totalidade, e que portanto Jesus veio esclarecer; também descobrirão coisas que os judeus tinham compreendido correctamente, mas que já se tinham .... esquecido, ou dado menor importância, e que Cristo veio (re)afirmar e (re)validar. E os comentários às leituras que a equipa do Evangelho Quotidiano escolhe são sempre, sempre, sempre maravilhosos, edificantes e inspiradores!

 

20180130_183542.jpg

 

Se, ainda assim, pretenderem ler e, principalmente, estudar a Biblia, tenho algumas dicas para partilhar convosco:

 

Comprem uma boa Bíblia - procurem uma Bíblia que tenha uma boa tradução, mas que inclua também muitos comentários e explicações.  A melhor Bíblia em português que conheço é dos Capucinhos (que podem ler online aqui) - é simplesmente fantástica! 

 

- Estudem acompanhados dum bom guia de estudo o melhor site de estudo bíblico católico que eu conheço (e que eu uso frequentemente) é o Agape Bible Study. Outro site muitíssimo bom é o St. Paul Center, onde podem encontrar guias de estudo em formato de texto ou então de vídeo

 

- Aprofundem o vosso conhecimento acerca do Antigo Testamento - no site da Alexandria Católica podem encontrar 2 livros maravilhosos, que nos ensinam a compreender o pensamento e a escrita dos judeus da época do Antigo Testamento: Para entender o Antigo Testamento e Páginas Difíceis da Bíblia 

 

Já começaram a planear a Quaresma? Ela está quase aí! E que tal oferecerem mais um pouquinho do vosso dia a Deus? Se deixarem de lado o Facebook, o Instagram ou a Blogosfera de certeza que terão tempo. Deixem que Deus vos fale, directamente ao coração, através da Sua palavra, todos os dias!

 

Quantos quilómetros andaram Maria e Jesus ao longo das suas vidas?

É engraçado que eu tenha passado da "menina com medo de conduzir" para aquela que mais quilómetros faz de carro por dia aqui em casa. Há 2 anos que faço (e continuarei a fazer este ano também) quase 80 km por dia, cerca de 1 hora e meia a conduzir, para ir e vir do Hospital de Setúbal. Deus é realmente curioso ...

Mas, se ao início custava um pouquinho - tanto tempo, tantos quilómetros, tantos carros, tanto trânsito, tanta confusão - hoje, já quase nem dou pelo tempo passar e Setúbal parece que é já ali. E, além disso, passar tanto tempo sozinha, dá-me a oportunidade de rezar o Terço no caminho para o trabalho e de fazer muitas outras orações e meditações no caminho de volta para casa. Que bênção tem sido!

 

Um dia destes, ao meditar no 2º Mistério Gozoso - a visitação de Nossa Senhora à sua prima Santa Isabel - dei comigo a pensar quantos quilómetros seriam e quanto tempo demoraria a ir de Nazaré, da casa de Maria, até Jerusalém (onde algures seria a casa de Isabel). E este pensamento depressa escalou - quantos quilómetros seriam de Belém a Jerusalém, e daí ao Egipto .... quanto tempo demoraria? e... 

 

Claro que fui procurar respostas na internet na primeira oportunidade que tive!

Encontrei um óptimo artigo - em inglês, escrito por um pastor protestante que aparentemente dedicou a sua vida a percorrer o globo inteiro, a pé, de terra em terra, de país em país, a fim de propagar a mensagem do Evangelho. Ainda assim, é um artigo que eu recomendo todos a lerem - é muito comprido, é verdade, mas ensina-nos muitas coisas acerca de como era a vida no tempo de Jesus, em especial, acerca das suas deslocações e das suas viagens.

É com base neste artigo que escrevo o texto de hoje (principalmente para saber as distâncias entre as cidades). É preciso ter em atenção que o autor desse artigo é Protestante e que, portanto, os seus cálculos e informações não têm em conta aquilo que a Tradição da Igreja Católica nos transmite que realmente aconteceu (que eu explicarei mais à frente).

jesus travels.jpg

Imagem retirada daqui

 

O meio de transporte mais usado no tempo de Jesus era, admirem-se, andar a pé!

Quem podia, viajava sobre um burro ou usava uma carroça para transportar cargas mais pesadas, mas a maior parte das viagens, e pensando especialmente no caso da Sagrada Família, eram feitas a pé. Naquela altura, os romanos ainda não tinham construído muitas estradas em Israel e assim, a maior parte dos caminhos ainda eram muito rudes e agrestes. Um percurso entre Nazaré e Belém envolvia passar por zonas montanhosas, vales, rios, zonas de deserto e até regiões mais selvagens e com poucas casas. Imaginem dias e dias a andar, sob diversas temperaturas - muito calor durante o dia e frio durante a noite. Imaginem a poeira e a sujidade. Imaginem o cansaço.... É verdade, existiam pousadas e outros locais, como celeiros e grutas, que se podiam alugar para passar a noite - mas nas zonas mais desertas, às vezes a única hipótese era montar uma tenda ou dormir ao relento. Também não havia casas de banho, nem banheiras para tomar um banho quentinho, nem restaurantes com a comida pronta. E os perigos eram abundantes, desde animais selvagens a ladrões escondidos ao longo do caminho. Eram dias difíceis na estrada, e uma viagem nunca era encarada de ânimo leve ...

 

Proponho-vos tentarmos fazer uma estimativa de quantas viagens e de quantos quilómetros percorreram Nossa Senhora e Jesus ao longo das suas vidas, com base nas informações que a Bíblia nos fornece, associadas às da Tradição da Igreja Católica (e por causa deste ponto, os meus cálculos vão ser diferentes dos cálculos do artigo que vos mencionei). Comecemos com Nossa Senhora!

Mapa de Israel.jpg

Mapa de Israel no tempo de Jesus - eu sinalizei a amarelo os locais das cidades mais importantes para os nossos cálculos.

É um óptimo mapa, aproveitem-no para localizarem outras cidades por onde Jesus passou - Caná, Bethsaida, Cesareia ...

 

Quanto andou Nossa Senhora ao longo da sua vida?

 

Maria terá nascido em Nazaré e, segundo a Tradição, terá sido entregue ao Templo de Jerusalém por volta dos 2-3 anos idade. Sendo ainda tão pequena, vou supor que alguém, a mãe ou o pai, a terá levado ao colo na maior parte da viagem, e portanto não vou incluir esta primeira viagem nos meus cálculos.

Maria terá ficado a viver no Templo de Jerusalém até aos seus 14-15 anos, altura em que terá voltado para Nazaré, tendo ficado noiva de São José. São Lucas diz-nos explicitamente que a anunciação do anjo Gabriel a Nossa Senhora ocorreu em Nazaré (Lc 1,26-27) - uma pequena cidade no norte de Israel, na região da Galileia, como podem observar no mapa. Uma viagem de Jerusalém até Nazaré (como vou explicar mais à frente) são cerca de 190 km. Considerando que uma pessoa possa andar cerca de 30km por dia, uma viagem de Jerusalém a Nazaré constituía cerca de 5-6 dias de viagem.

Logo após a Anunciação, Nossa Senhora parte, já grávida, em viagem até à casa da sua prima Isabel, a poucos quilómetros a sul da cidade de Jerusalém. Esta viagem de ida e volta até à casa de Isabel e Zacarias são cerca 390km (um total de 13 dias de viagem).

Já casada com São José, grávida de Jesus, Maria viaja novamente até Belém, para o recenseamento romano. De Nazaré até Belém são cerca de 210km. Ou seja, sabemos que Nossa Senhora andou, pelo menos, 600km grávida! Absolutamente impressionante .... 

Maria e José terão ficado a viver em Belém durante algum tempo após o nascimento de Jesus, mas foram até Jerusalém uma vez para a apresentação do Menino no Templo e uma segunda vez, 40 dias depois do parto, para a purificação ritual de Maria - o que constitui 4 viagens de 10 km, ou seja, mais 40km.

jose e maria viajam.jpg

 Imagem retirada daqui

De Belém, após um sonho de São José, partiram com o Menino para o Egipto - numa viagem de, pelo menos, 563km, ou seja, quase 19 dias até chegarem ao Egipto. Por aí ficaram a viver, escondidos, até ao dia em que José teve um novo sonho e finalmente puderam voltar para casa, em Nazaré. Do Egipto até Nazaré, utilizando a estrada mais curta, que segue o mar Mediterrâneo, são pelo menos 645 km, ou seja, quase 22 dias a caminhar com a "casa às costas"!

Tentam retomar a sua vida em Nazaré, tendo Jesus cerca de 3-5 anos. Maria viverá em Nazaré, pelo menos, até aos 30 anos de Jesus, quando Ele começa a pregar acerca do Reino de Deus.

O livro do Êxodo indica claramente que:

"Todos os homens deverão apresentar-se três vezes por ano, diante do Senhor, Deus de Israel." Êxodo 34,23

Ou seja, qualquer judeu devoto ía, pelo menos, três vezes por ano a Jerusalém, ao Templo do Senhor, celebrar as 3 maiores festas judaicas - a Páscoa, a Festa das Semanas e a Festa das Tendas ou dos Tabernáculos. Apesar disso, sabe-se que as famílias que viviam mais longe de Jerusalém, como poderá ter sido o caso da Sagrada Família em Nazaré (a quase 200km de Jerusalém), iam até ao Templo apenas na Páscoa (a celebração mais importante do ano inteiro). 

Assim, Maria terá acompanhado São José e Jesus, pelo menos, uma vez por ano até Jerusalém, ou seja, 386km de ida e volta durante 25 a 27 anos, o que dá um total de cerca 10.000km.

Durante os 3 anos do ministério de Jesus, Maria tê-lo-á acompanhado a Jerusalém todos os anos, sendo que na 3ª e última vez, Jesus foi crucificado (ou seja, 2 viagens de ida e volta de Jerusalém + 1 ida a Jerusalém = 965km). Também sabemos que Maria estava presente nas bodas de Caná (ida e volta de Nazaré a Caná são cerca de 19 km). E sabemos também que Maria esteve presente, pelo menos uma vez, em Cafarnaum (ida e volta de Nazaré a Cafarnaum são cerca 96km).

 

Tudo isto somado, dá um total de, pelo menos, 13.118km percorridos ao longo de 47 anos de vida de Nossa Senhora (até à morte de Jesus), ou seja, mais de 437 dias em viagem (o que constitui 1 ano e 2 meses).

 

Impressionante não?

Agora passemos a Jesus.

 

Quanto andou Jesus ao longo da sua vida?

 

Jesus era muito pequeno na altura da fuga de São José e de Nossa Senhora para o Egipto. Assim, começo os meus cálculos pela viagem de volta do Egipto até Nazaré, altura em que Jesus já teria entre 3 e 5 anos, e portanto, faria a maior parte da viagem a pé (pelo menos 645 km, ou seja, quase 22 dias na estrada).

Vou considerar que Jesus terá acompanhado São José nas três idas por ano ao Templo de Jerusalém, como o livro do Êxodo diz. Ou seja, até aos 30 anos de vida, Jesus terá realizado, pelo menos, 30.000km (só em viagens de ida e volta de Jerusalém) ou seja, cerca de 1.000 dias a caminhar. 

Um pormenor importante é que a distância exacta, em linha recta, entre Cafarnaum, Nazaré e Jerusalém são cerca de 144km. Contudo, para fazerem essa viagem, os judeus teriam de atravessar o território da Samaria; como havia uma rivalidade com os samaritanos, os judeus da Galileia seguiam sempre um percurso que contornava a Samaria. Além disso, este percurso, apesar de mais longo (193km), era mais fácil de atravessar (não era por terrenos tão montanhosos como seria pela Samaria) e era o que a maior parte dos judeus seguia. Eu assinalei-o no mapa para compreenderem melhor:

Mapa de Israel adaptado.jpg

 Mapa de Israel no tempo de Jesus (adaptado)

Durante os 3 anos do Ministério de Jesus, o Evangelho de São João indica-nos que Jesus esteve em Jerusalém:

  • pelo menos uma vez, para a Festa das Tendas (Jo 7,2)
  • pelo menos uma vez, na Festa da Dedicação do Templo (Jo 10,22)
  • pelo menos três vezes durante a Páscoa dos judeus (Jo 2,13 e 5,1 e 12,12)

O que dá um total de, pelo menos, cinco viagens da Galileia a Jerusalém durante esses 3 anos (3.669km). Se considerarmos ainda as outras viagens que nos são relatadas nos Evangelhos, por exemplo, as bodas em Caná, o baptismo no rio Jordão, a estadia em Cafarnaum na casa de Pedro .... totaliza-se (segundo o artigo que vos mencionei) 5.029km durante esses 3 anos de pregação (168 dias em viagem).

 

Tudo isto somado, dá um total de, pelo menos, 34.640km percorridos ao longo dos 33 anos de vida de Jesus, ou seja, mais de 1.155 dias em viagem (o que constitui mais de 3 anos e 2 meses).

 

Ainda mais impressionante, não é?

Não há um dia que passe, sem eu me admirar e espantar mais e mais, acerca de Jesus e da sua família!

 

Acho que não voltarei a refilar acerca das minhas inúmeras viagens, no conforto do meu querido carrinho ...  

 

Este texto não pretende ser um artigo científico, nem um estudo exacto - eu quis apenas fazer uma estimativa acerca de quantos quilómetros fizeram cada elemento da Sagrada Família e de quantos dias em viagem que passaram, a fim de compreender melhor as suas vidas...

Por causa dum Sim, veio o Natal

"O Natal é quando o homem quiser!"

 

Não me recordo a primeira vez que ouvi esta velha expressão mas sei que a tenho ouvido vezes e vezes e vezes sem conta. Oiço-a na rua, nas lojas, no hospital, nas reuniões de família.... Alguém (usualmente eu) deseja "um feliz Natal" e a outra pessoa responde, numa voz cheia de sarcasmo e amargura - "Natal? Natal é quando o homem quiser!

Apetece-me sempre responder de volta - "Ora, isso querias tu!

 

Não, o Natal NÃO é quando o homem quiser....

Nas palavras do nosso novo sr. padre - o Natal foi quando Deus quis e uma mulher aceitou e disse que sim.

 

Natal foi quando Jesus voluntariamente se propôs vir à Terra. 

Natal foi quando Ele atravessou o enormíssimo abismo do pecado (que nós próprios criámos) e que nos separava do amor de Deus. 

O Natal foi uma das maiores expressões de humildade, que nunca ninguém se tinha atrevido sequer a pensar ser possível: Deus Todo Poderoso, Criador do Céu e da Terra, Aquele a quem nada falta, que tudo tem, que tudo pode - esse mesmo Deus, desejou encarnar, verdadeiramente, na nossa própria natureza humana, frágil e dependente.... e, escândalo dos escândalos, apenas depois de pedir o consentimento a uma jovem virgem. 

Que grande é este mistério! 

 

S. Luís Maria de Montfort, no seu Tratado, nos tinha tentado exprimir este mistério:

"Maria, não sendo mais que uma criatura saída das mãos do Altíssimo, (...) não sendo nada em comparação com a Sua Majestade infinita" e sendo " (...) o Senhor sempre independente e bastando-se a Si mesmo, (Ele) não teve nem tem absoluta necessidade da Santíssima Virgem para o cumprimento dos seus desígnios" (TVD 14)

 

Jesus podia ter vindo à Terra e ter-se tornado homem de qualquer maneira que Ele quisesse. Podia ter surgido, já homem adulto, do nada! Mas não.... Ele quis pedir a participação voluntária a Nossa Senhora, assumindo a condição dum ser tão indefeso como um bebé.  

"O Espírito Santo quer servir-se dela, embora disso não tenha uma necessidade absoluta, para produzir nela e por ela Jesus Cristo." (TVD 21)

"Ó admirável e incompreensível dependência de um Deus!" (TVD 18

 

Nossa Senhora podia ter dito que não. Ela era livre para escolher. Ela podia ter duvidado. Mas não - como reflectimos num post anterior, ela tentou logo compreender como tal podia acontecer.

 

Maria.jpg

 

Parem um momento e reflictam bem no valor do sacrifício deste sim: Maria, uma jovem mulher (numa sociedade onde as mulheres eram maioritariamente vistas como mercadorias de troca entre famílias), uma virgem noiva, às portas do seu casamento.... aceita tornar-se mãe, sem compreender bem como nem porquê, esquecendo todos os seus planos de vida, aceitando o risco de ser repudiada por S. José e pela sua própria família, aceitando o risco de ser apedrejada até à morte por um suposto crime de adultério... 

Maria, simples e humildemente, aceita. Livremente ela aceita tudo. Aceita completamente. Ela doa-se na sua totalidade, tudo para Deus... 

 

Sim, como é grande este mistério!

 

O Natal aconteceu uma vez; mas os seus efeitos e implicações são eternos.

A Igreja estabeleceu um período de 4 semanas (a que chamou Advento) para prepararmos os nossos corações e as nossas vidas, a fim de, durante as 2 semanas seguintes, pudéssemos reflectir e traduzir em acções concretas na nossa vida, as inúmeras graças e os mistérios que envolvem o início da nossa Salvação.

Mas não permaneçamos no que aconteceu ontem; no tempo do Natal devemos olhar para o hoje e para o futuro, preparando-nos, com alguma pressa e urgência, para a segunda e definitiva vinda de Jesus - não sabemos quando será mas o Senhor pediu-nos, em diversas vezes, para que estivéssemos sempre prontos e preparados.

 

Essa é que devia ser a nossa principal pressa... e não no trânsito, nas filas, na compra das prendas (e agora na troca das prendas e nos saldos).

Há tanta coisa para fazer, tanta coisa para preparar - vá, comecemos agora mesmo! Rezem comigo uma Avé Maria e um Nós, Jesus - e aqui vamos nós! Juntos! 

O nascimento de Jesus a 25 de Dezembro

Imprevistos, imprevistos e imprevistos!

 

Tinha pensado em traduzir e publicar hoje aqui no blog, no seguimento dos posts anteriores, dois textos do Prof. Taylor Marshall, um deles citando o Papa Bento XVI, confirmando que o dia do nascimento de Jesus foi mesmo a 25 de Dezembro. Mas surgiram imprevistos aqui por casa e já não tive tempo... 

 

Providencialmente, descobri que o blog Senza Pagare já os tinha traduzido e publicado! Oh, graças sejam dadas a Deus!

 

Podem ler aqui:

Senza Pagare - Jesus nasceu mesmo no dia 25 de Dezembro?       (Original do Prof. Taylor Marshall)

 

e aqui:

 

Senza Pagare - Papa Bento XVI: Jesus nasceu no dia 25 de Dezembro      (Original do Prof. Taylor Marshall)

 

Perto do dia 25 de Dezembro, se puderem, voltem a ler este post sobre o dia do Natal - é um post bem velhinho eu sei, mas eu própria tendo a lê-lo todos os anos. É uma das melhores reflexões de Natal que já encontrei ... 

 

dia de natal.jpg

 

Tu fazes parte da família agora (24 Dez 2014)

- Meditação sobre o nascimento de Jesus, por Jurell Sison

 

A Voz - S. João Baptista

No tempo do Advento, a partir do 2º Domingo, as leituras diárias da missa começam a falar-nos muito de João Baptista - desde o relato da anunciação da sua concepção a Zacarias pelo anjo Gabriel, ate à sua vida no deserto, as suas semelhanças com os antigos Profetas, aos baptimos que incentivava as pessoas a realizar e, por fim, até ao relato da sua morte tão injusta.

 

Mas exploremos um pouco mais a importância de João Baptista e a sua extrema humildade, com a ajuda de Santo Agostinho ... 

 

jesus and john baptist.jpg

 Imagem retirada daqui

"João é a voz, Cristo, a Palavra

João era a voz, mas o Senhor, no princípio, era a Palavra (Jo 1,1). João era a voz passageira, Cristo, a Palavra eterna desde o princípio.

Suprimi a palavra, o que se torna a voz? Esvaziada de sentido, é apenas um ruído. A voz sem palavras ressoa ao ouvido, mas não alimenta o coração.

Entretanto, mesmo quando se trata de alimentar nossos corações, vejamos a ordem das coisas. Se penso no que vou dizer, a palavra já está em meu coração. Se quero, porém, falar contigo, procuro o modo de fazer chegar ao teu coração o que já está no meu.

Procurando então como fazer chegar a ti e penetrar em teu coração o que já está no meu, recorro à voz e por ela falo contigo. O som da voz te faz entender a palavra; e quando te fez entendê-la, esse som desaparece, mas a palavra que ele te transmitiu permanece em teu coração, sem haver deixado o meu.

Não te parece que esse som, depois de haver transmitido minha palavra, está dizendo: É necessário que ele cresça e eu diminua? (Jo 3,30). A voz ressoou, cumprindo sua função, e desapareceu, como se dissesse: Esta é a minha alegria, e ela é completa (Jo 3,29). Guardemos a palavra; não percamos a palavra concebida em nosso íntimo.

Queres ver como a voz passa e a palavra divina permanece? Que foi feito do batismo de João? Cumpriu sua missão e desapareceu; agora é o batismo de Cristo que está em vigor. Todos cremos em Cristo e esperamos dele a salvação: foi o que a voz anunciou.

Justamente porque é difícil não confundir a voz com a palavra, julgaram que João era o Cristo. Confundiram a voz com a palavra. Mas a voz reconheceu o que era para não prejudicar a palavra. Eu não sou o Cristo (Jo 1,20), disse João, nem Elias nem o Profeta. Perguntaram-lhe então: Quem és tu? Eu sou, respondeu ele, a voz que grita no deserto: “Aplainai o caminho do Senhor" (Jo 1,19.23). É a voz do que grita no deserto, do que rompe o silêncio. Aplainai o caminho do Senhor, como se dissesse: “Sou a voz que se faz ouvir apenas para levar o Senhor aos vossos corações. Mas ele não se dignará vir aonde o quero levar, se não preparardes o caminho”.

O que significa: Aplainai o caminho, senão: Orai como se deve orar? O que significa ainda: Aplainai o caminho, senão: Tende pensamentos humildes? Imitai o exemplo de João. Julgam que é o Cristo e ele diz não ser aquele que julgam; não se aproveita do erro alheio para uma afirmação pessoal. Se tivesse dito: “Eu sou o Cristo”, facilmente teriam acreditado nele, pois já era considerado como tal antes que o dissesse. Mas não disse; pelo contrário, reconheceu o que era, disse o que não era, foi humilde. Viu de onde lhe vinha a salvação; compreendeu que era uma lâmpada e temeu que o vento do orgulho pudesse apagá-la."

 

Dos Sermões de Santo Agostinho, bispo

(Sermão 293, 3: PL 38, 1328-1329) (Séc. V)

Liturgia das Horas do 3º Domingo do Advento