Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Ana, a fiel profetisa da espera

Ao reflectir sobre o início da Quaresma deste ano, dei por mim a pensar no exemplo da profetisa Ana, que nos é dada a conhecer no relato da apresentação de Jesus Menino no Templo de Jerusalém. Ana tende a passar tão despercebida entre as linhas do Evangelho como também deve ter passado despercebida ao longo da sua própria vida. Ao rezar os Mistérios Gozosos do Terço, quantas vezes dou por mim a pensar mais em Simeão e nas suas palavras do que nas de Ana?...

"Quando se cumpriu o tempo da sua purificação, segundo a Lei de Moisés, levaram o Menino a Jerusalém para O apresentarem ao Senhor. Havia uma profetisa, Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser, a qual era de idade muito avançada. Depois de ter vivido casada sete anos, após o seu tempo de donzela, ficou viúva até aos oitenta e quatro anos". (Lc 2, 22.36-37)

À semelhança de Nossa Senhora, também a vida de Ana sofreu uma grande e inesperada reviravolta quando, tragicamente, Ana perdeu o seu amado marido, sendo ainda muito nova, após um feliz mas dolorosamente curto matrimónio. Ana terá certamente pensado: E agora, o que devo fazer? Sem filhos e sem família ... Quem cuidará de mim? Quem me protegerá? Quem me amará?

Ana, à semelhança da história do povo hebreu e à semelhança de cada um de nós em alguma altura das nossas vidas, teve de descobrir o amor carinhoso, o cuidado atencioso, a protecção segura, a firmeza da presença permanente e inabalável do Deus que nunca nos abandona e que nos acompanhada em todos os instantes da nossa vida. Pela fé, Ana permitiu que Deus transformasse um acontecimento trágico, que poderia tê-la destruído interiormente, em algo belo e frutuoso - uma vida dedicada ao serviço dos irmãos e à oração pela vinda do Messias prometido, que viria resgatar para sempre todo o povo de Israel.

Talvez por o Evangelho nos falar do seu "tempo de donzela", eu tendo a imaginar Ana como uma daquelas mulheres que desenvolvem uma beleza tão única e especial, que não parece mudar com o avançar dos anos. Aquele tipo de beleza que só é possível ser desenvolvida por quem se deixa preencher, cativar e florescer pelas graças do Senhor, numa contínua relação de intimidade de amor mútuo com Deus. Imagino Ana com um espírito jovem e vivo, típico de quem aprende a falar com o Senhor como com um amigo, mas, simultaneamente, com uma alma firmemente enraizada no profundo amor e bondade do Senhor, demonstrado e comprovado em todos os dias da sua longa vida. 

Profetisa Ana.jpg

Pintura da Profetisa Ana, da autoria da maravilhosa artista protestante Elspeth Young

Ana viveu e serviu no Templo de Jerusalém durante várias décadas, após ter ficado viúva, o que lhe terá permitido ouvir repetidamente as palavras divinas da Lei e dos Profetas, as inúmeras discussões e ensinamentos dos escribas e dos fariseus, assim como observar todos os movimentos, carregados de significado e simbolismo, dos sacerdotes do Templo. Assim, Ana estaria bem familiarizada com as diversas profecias dos autores sagrados que anunciavam a vinda do Messias. Isto, associado ao cuidado amadurecimento do seu génio feminino e a uma graça especial do Senhor, fizeram dela uma das poucas profetisas nomeadas nas Sagradas Escrituras, à semelhança de Miriam, irmã de Moisés, e de Débora no Antigo Testamento. Uma profetisa é alguém que sabe interpretar os sinais dos tempos e de discernir a vontade de Deus, tal como ela o fez, de forma aparentemente tão simples, no relato da apresentação de Jesus no Templo - um acontecimento de tal forma importante que foi imortalizado para sempre, primeiro na Tradição da Igreja, depois nas páginas da Bíblia e depois ainda nos Mistérios do Santo Terço. 

[Ana] não se afastava do Templo, participando no culto noite e dia, com jejuns e orações. (Lc 2,38)

A sua presença constante no Templo, contudo, também lhe daria hipóteses de observar atentamente o comportamento dos fariseus legalistas, o domínio crescente dos vendedores, comerciantes e cambistas, assim como todas as demonstrações de hipocrisia, desrespeito e pecado, realizadas na Casa do Senhor, aquela que devia ser "casa de oração" por excelência, e não um "covil de ladrões" como se tinha tornado (cf Mt 21,13). Questiono-me se alguma vez lhe terá passado pela cabeça fazer algo parecido ao que Jesus faria, anos mais tarde, expulsando "os que vendiam e os que compravam" e "derrubando as mesas" onde se propagava a iniquidade daquele povo? (cf Mt 21,12) Quem sabe ...

 

Ana é um belo exemplo de paciência, de quem sabe esperar fielmente pelo cumprimentos das promessas do Senhor. Mas, ao contrário do que o mundo nos diz, esperar no Senhor e esperar pelo cumprimentos das Suas promessas, não tem nada de passivo. Ana participava na vida e nas celebrações do Templo de Jerusalém, servindo o Senhor e os irmãos e dedicando-lhes toda a sua vida. Ana era activa na sua espera, jejuando e orando frequentemente. Quem já jejuou sabe que é algo que tem pouco de passivo, é necessário uma luta interior, permanente, contra o desejo natural de saciar o nosso corpo com comida.

Ana ter-se-á dedicado a preparar-se, à semelhança das virgens prudentes (cf Mt 25,1-13), para a vinda do Messias desejado. Ana é um exemplo perfeito de quem conseguiu manter acesa dentro de si a chama da esperança, da fé nas promessas feitas pelo Deus fiel, apesar das dificuldades e das situações que a poderiam desanimar e enfraquecer. Assim, ela esperou e esperou e esperou. Atenta e vigilante aos sinais dos tempos e do Senhor. Com fé viva e expectante - durante 84 anos. 

anna-prophetess.jpg

Imagem retirada daqui

Se Ana "não se afastava do Templo, participando no culto de noite e de dia", quem sabe se ela não terá também testemunhado os acontecimentos extraordinários que envolveram o sacerdote Zacarias no ano anterior? (cf Lc 1,5-25)

Talvez também ela terá reparado em como Zacarias se demorava no interior do Santo dos Santos. Talvez também ela terá esperado que ele de lá saísse, expectante acerca do que poderia estar a acontecer. Talvez também ela terá ficado admirada por descobrir que Zacarias "não lhes podia falar", que tinha ficado "mudo" e que só era capaz de comunicar por "sinais" a partir desse dia. Talvez também ela terá compreendido que Zacarias "tinha tido uma visão no santuário" que mudaria, não só a sua vida, mas a de toda a História. Talvez também ela terá estado presente no Templo quando, 9 meses mais tarde, a boca de Zacarias "abriu-se, a língua desprendeu-se-lhe e começou a falar, bendizendo a Deus" (Lc 1,64), após o nascimento do seu filho João. Quem sabe?

Na verdade, Lucas diz-nos realmente que "por toda a montanha da Judeia se divulgaram aqueles factos" (Lc 1,65) e que "quantos os ouviam retinham-nos na memória e diziam para si próprios: «Quem virá a ser este menino?»" (Lc 1,66). Assim, talvez também Ana terá meditado no seu coração, à semelhança da Virgem Maria, acerca do profundo significado e das implicações de tais acontecimentos extraordinários, o que a terá colocado ainda mais atenta e vigilante na leitura e interpretação dos sinais que o Senhor dava ao seu povo amado. Afinal, não tinha cantado Zacarias que João seria "chamado profeta do Altíssimo, porque [iria] à Sua frente a preparar os Seus caminhos" (Lc 1,76) e que "o Senhor, Deus de Israel, [tinha] visitado e redimido o Seu povo, [dando-nos] um Salvador poderoso da casa de David, Seu servo"? (Lc 1,68-29)

Será que o tempo favorável tinha chegado? Será que o acontecimento mais desejado da história do povo hebreu, a vinda do Messias, o resgate de Israel, estava finalmente a acontecer, ali mesmo, à frente dos seus olhos? 

 

Por esta altura, já era difícil esconder o sorriso aberto e inexplicável na bela face de Ana, que parecia tornar-se ainda mais bela e jovem a cada novo dia de esperança renovada. Já nem lhe passava pela cabeça abandonar, por um segundo que seja, o Templo de Jerusalém, para ir dormir e descansar na sua casa. O Senhor estava perto, era preciso orar e preparar-se para O receber. 

E quanto não terá exultado de alegria, meses mais tarde, ao ouvir o testemunho dos pastores de Belém que "começaram a divulgar o que [os Anjos] lhes tinham dito a respeito daquele Menino", fazendo com que "todos os que os ouviam se admirassem"? (Lc 2,17-18). Oh sim, Ana terá certamente vivido na mais pura alegria durante os 40 dias que ainda teve de esperar até conhecer o desejado Redentor de Israel.

Assim, quando José e Maria vieram ao Templo para oferecerem o Menino ao Senhor, ela ali estava, preparada e à espera, radiante e rejubilante, junto de Simeão.

"[Ana] aparecendo nessa mesma ocasião, pôs-se a louvar a Deus e a falar do Menino a todos os que esperavam a redenção de Jerusalém". (Lc 2,38)

 

Sempre achei muito engraçado que Lucas nos dissesse que, após o seu encontro com o Senhor Encarnado, Ana "pôs-se ... a falar do Menino a todos". Ora aí está Deus a fazer um bom uso duma característica tendencialmente feminina: ir contar a toda a gente algo que aconteceu! Faz-me lembrar do dia da Ressurreição do Senhor, em que Maria Madalena e as outras mulheres "cheias de temor e de grande alegria, correram a dar a notícia aos discípulos" (Mt 28, 8b), dando assim um santo uso a esta capacidade feminina de propagar e partilhar um acontecimento ... 

 

Esta semana começa a Quaresma, o tempo por excelência para nos preparar-mos para receber o amor do Senhor, que é tão grande e imenso que precisa de espaço - nas nossas vidas mas especialmente dentro de nós. Aprendamos o que é viver em clima de preparação constante e vigilantes. Deixemo-nos inspirar no exemplo da profetisa Ana, sejamos activos na nossa espera e tenhamos os olhos e o coração abertos às palavras e aos sinais do Senhor. Desejo-vos uma Santa e abençoada Quaresma!

A pressa na passagem das contas do rosário

Sempre me maravilhou a forma como Deus consegue ensinar-nos grandes lições a partir de coisas pequenas do dia a dia...

Já sei muito bem que a luta contra a impaciência e o combate pela virtude da paciência e da temperança acompanhar-me-ão todos os dias da minha vida aqui na terra. Um dia destes, estava eu a rezar o Terço, como o faço diariamente, e dei por mim a reparar na forma como passava as contas do rosário. Pela primeira vez, apercebi-me que, ainda que eu estivesse a rezar as palavras do meio dum Pai Nosso ou Avé Maria, os meus dedos se apressavam a alcançar o início da conta seguinte, uma e outra e outra vez... Caramba Marisa, até aqui se expressa a tua impaciência! 

A impaciência costuma ser facilmente visível em pequenos comportamentos do nosso dia a dia, em casa, no trabalho, no trânsito, nas relações com os outros, na comunicação - e, pelos vistos, até na nossa forma de rezar! Mas esses comportamentos são, na verdade, expressões duma realidade mais profunda dentro de nós. Não sabemos esperar pelos outros, nem pelo próprio Deus. Não sabemos esperar pelo tempo ou os caminhos do Senhor. Achamos que sabemos mais e melhor, que sabemos fazer tudo da forma mais rápida e eficaz. Temos pressa, nem sei bem de quê nem para quê, de passar à tarefa seguinte, à actividade seguinte, à etapa seguinte. Somos descontentes e ingratos pelo momento presente, que os outros e o Senhor nos oferecem, e que desejam viver connosco. E, dou por mim a pensar, se reflectirmos com atenção, a impaciência, muitas vezes, mais não é do que soberba disfarçada...

IMG_20200705_105027.jpg

Assim, desde esse dia, fiz um firme propósito (por mais tolo que pareça) de apenas mexer os meus dedos para alcançar a conta seguinte apenas quando terminasse, realmente, a oração do Pai Nosso, da Avé Maria, do Glória ... Não foi um hábito fácil de adquirir, e de vez enquanto ainda caio no meu comportamento anterior mas ...

É meramente um sinal, que expressa um propósito mais profundo e importante: a luta constante contra a minha soberba e impaciência, a minha rebeldia e pecado; a humildade de saber esperar pelo tempo e os caminhos de Deus, sempre mais perfeitos e maravilhosos do que tudo o que eu possa imaginar; o permanecer em paz e quietude de espírito, sabendo que Deus tem tudo no Seu divino controlo, que não existe nada que aconteça sem a Sua vontade ou consentimento; o aceitar que "para tudo há um momento e um tempo para cada coisa que se deseja debaixo do céu" (Ecl 3,1) ou que, nas palavras de Jesus

«Não se vendem dois passarinhos por uma pequena moeda? E nem um deles cairá por terra sem o consentimento do vosso Pai! Quanto a vós, até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados! Não temais, pois valeis mais do que todos os passarinhos» (Mt 10, 29-31)

Fala, Senhor, que o Teu servo escuta ...

A vida de Moisés e a nossa vida

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

 

Continuamos o nosso caminho em direcção ao Monte Sinai - o local onde Moisés recebeu as tábuas com as leis de Deus. Espera-nos ainda algumas horas de viagem e, por isso, o Samuel, o nosso guia egípcio, aproveita este tempo para nos falar um pouco mais de Moisés e de nos ler a sua história nas Sagradas Escrituras. O Samuel é capaz de falar sobre Moisés como se falasse acerca dum querido amigo seu ...

(E falar sobre Jesus então? Quanta ternura e quanto conhecimento! Os cristãos coptas do Egipto, que correspondem apenas a uma pequena percentagem da população egípcia, têm sido perseguidos pela sua Fé quase desde a altura em que São Marcos veio evangelizar este território, por volta do ano 67 d.C. Apesar disso - ou será melhor dizer, devido a isso - eles têm-se mantido firmes e fortes na Fé, na propagação do Evangelho e na partilha generosa de todas as bênçãos e graças que recebem do Senhor. Estas famílias levam tão a sério o seu comprometimento cristão que fazem questão de tatuar uma pequena cruz na face interna do punho de todos os seus bebés, logo ao nascer!) 

 

É impressionante como a história de vida de Moisés pode assemelhar-se à história de vida de qualquer um de nós. Abençoado desde a nascença, rodeado de cuidados, protecção e riquezas, que reflectiam o amor e carinho de Deus por Moisés. Apesar de tudo isso, deixa-se levar pelo pecado (de tal modo que chega a cometer um assassínio) e é obrigado a fugir para o deserto, onde, arduamente e ao fim de longos anos, aprende a ser um homem bom. Bom, mas ainda não santo. E assim, a sua história não acaba aqui: Deus dá-Se a conhecer intimamente a Moisés e Moisés descobre que, sim, devemos amar a Deus acima de todas as coisas, mas também o próximo como a nós mesmos... e isso, bem, digamos assim, às vezes dá algum trabalho - como por exemplo guiar, ensinar e proteger mais de 2 milhões de pessoas, desde o Egipto, de volta à terra de Canaã. Coisinha pouca, claro 

 

deserto moises 1.jpg

 

O livro do Êxodo indica-nos claramente que a vida de Moisés passou por estas 3 fases diferentes, cada uma delas levando cerca de 40 anos - ei, afinal não somos só nós que demoramos a aprender as lições de Deus, ahn? 

 

Um homem da casa de Levi tomou por esposa uma filha de Levi. A mulher concebeu e deu à luz um filho. Viu que era belo, e escondeu-o durante três meses. Não podendo mantê-lo escondido por mais tempo, arranjou-lhe uma cesta de papiro, calafetou-a com betume e pez, colocou nela o menino, e foi pô-la nos juncos da margem do rio. A irmã dele colocou-se a uma certa distância para saber o que lhe sucederia.

Ora a filha do faraó desceu ao rio para tomar banho, enquanto as suas jovens acompanhantes caminhavam ao longo do rio. Viu a cesta no meio dos juncos e enviou a sua serva para a trazer. Abriu-a e viu a criança: era um menino que chorava. Compadeceu-se dele e disse: «Este é um dos filhos dos hebreus.»

Então a irmã dele disse à filha do faraó: «Queres que te vá chamar uma ama entre as mulheres dos hebreus, para te amamentar o menino?» «Vai», disse-lhe a filha do faraó. E a jovem foi chamar a mãe do menino. A filha do faraó disse-lhe: «Leva este menino e amamenta-mo, e dar-te-ei o teu salário.» A mulher levou o menino e amamentou-o.

O menino cresceu, e ela devolveu-o à filha do faraó. Foi para ela como um filho, e deu-lhe o nome de Moisés, dizendo: «Porque o tirei das águas.»

Ex 2, 1-10

O nascimento daquela criança era a última coisa que aquela família precisava ... Era o pior que podia ter acontecido. Quão inconveniente! Em quantos trabalhos os colocou! Já sob o jugo de trabalhos diários tão difíceis, vidas previamente já complicadas, dificultadas pela opressão do Faraó, que desejava diminuir a todo o custo aquele povo hebreu, que parecia ser cada vez mais numeroso (o mundo sempre teve medo das famílias grandes...) E nascer logo um rapaz ... pior era impossível. Ainda se fosse uma rapariga, o Faraó permitia que vivesse, mas um rapaz ... O nascimento daquela criança colocava aquela família em sério risco de vida. Se fossem descobertos, o que aconteceria?

O menino crescia, dia após dia, e já não era possível mais escondê-lo... Mas crescer para quê? Para que vivesse também ele uma vida de miséria? Viver assim não é viver, dizem ... Para viver assim, mais valia que morresse já ... 

Mais de 3.000 anos separam-nos desta história, mas o raciocínio de pensamento parece que se mantém o mesmo na nossa sociedade ... Se uma vida promete ser difícil de viver, então não vale a pena... Se for diferente daquela que a gente pensa ser a ideal, então não vale a pena viver.... 

 

deserto moises 3.jpg

 

Uma última mamada e Moisés adormece no seu cestinho de papiro. O rio Nilo sempre foi conhecido pela sua abundância de crocodilos e de hipopótamos. Talvez, assim adormecido, não sinta sequer nada ... 

A dor daquela mãe, daquela família, é real. É horrivelmente grande e real. É absurdamente grande, capaz de rasgar o peito e a alma ... O que poderia ter tornado as coisas diferentes? Talvez apenas fosse preciso uma mão de alguém, um gesto de apoio, um ombro amigo - em que desse não só para chorar, sim, mas também para pôr aquele bebé a arrotar ou para ajudar a carregar os pesados tijolos de barro, que diariamente tinham de ser feitos sob um sol abrasador ... 

 

A irmã de Móises, Miriam, apesar de ser ainda criança, sabe que aquilo não está certo... Poderá não saber exactamente porquê, mas as crianças sabem muitíssimo bem discernir o que está certo e o que está errado, com uma clareza que é capaz de superar a de muitos adultos ...

 

A primeira filha do Faraó Ramessés II era infértil, o que significava que o poder do próximo reinado poderia passar para as mãos de outro ramo da família. A adopção daquele bebé foi uma enorme bênção para a família real. Deus é assim - em todas as circunstância, transforma o mal em bem. A (aparente) desgraça numa família muitas vezes corresponde à resposta das orações e súplicas mais intensas de outra família ... 

E Deus oferece uma nova oportunidade àquela mãe, provavelmente já arrependida do que fez, talvez em estado de puro desespero e arrependimento, talvez já odiando-se profundamente pelo que tinha feito ... E Deus, não só perdoa, não só dá uma nova oportunidade, como ainda abençoa aquela mãe - que deve ser a única mulher na história da humanidade que foi paga para poder ficar em casa a cuidar do próprio filho! E esta, ah? Oh, quantas mulheres conheço que desejariam o mesmo ... 

 

deserto moises 6.jpg

 

É provável que Moisés, sendo príncipe do Egipto, tenha sido enviado para as escolas da cidade de Mênfis, a famosa "cidade dos sábios", para estudar e aprender tudo o que precisava para se tornar, um dia, num grande líder. Mal ele imaginava o quanto as capacidades que aprenderia nesta fase da sua vida ser-lhe-iam tão úteis e necessárias no futuro ... 

 

Entretanto, Moisés cresceu, foi ao encontro dos seus irmãos e viu os seus carregamentos. Viu também um egípcio que açoitava um dos seus irmãos hebreus.

Olhando para todos os lados e vendo que não havia ali ninguém, matou o egípcio e enterrou-o na areia.

Ex 2, 11-12

Caramba, Moisés devia ter um feitio terrível! Que exagero! Que reação desmedida! 

Moisés escolhe uma solução absolutamente desproporcional às circunstâncias, mesmo após passar anos e anos na escola dos sábios de Mênfis, mesmo após aprender tanta "sabedoria" ... Pode ter aprendido muitas coisas, mas de certeza que não aprendeu o que é realmente importante ... Afinal, nem consegue sequer resolver coisas simples, como um mero conflito entre duas pessoas - como é suposto que saiba governar uma nação inteira? Oh, como eu por vezes me revejo nesta faceta de Moisés... 

deserto moises 4.jpg

 

E Deus, querendo falar-lhe ao coração, leva-o então ao deserto, como faz também com cada um de nós ... 

O faraó ouviu falar deste assunto e procurou matar Moisés. Mas Moisés fugiu da presença do faraó, foi residir na terra de Madian

Ex 2, 15

Passar pelo deserto é sempre difícil. Custa sempre - e muito, mesmo muito.

Mas é o local da escola Divina por excelência...

Moisés estava a apascentar o rebanho de Jetro, seu sogro, sacerdote de Madian. Conduziu o rebanho para além do deserto, e chegou à montanha de Deus, ao Horeb.

O anjo do Senhor apareceu-lhe numa chama de fogo, no meio da sarça. Ele olhou e viu, e eis que a sarça ardia no fogo mas não era devorada. E Deus chamou-o do meio da sarça: «Moisés! Moisés!» Ele disse: «Eis-me aqui!» E continuou: «Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacob.» Moisés escondeu o seu rosto, porque tinha medo de olhar para Deus.

O Senhor disse: «Eu bem vi a opressão do meu povo que está no Egipto, e ouvi o seu clamor diante dos seus inspectores; conheço, na verdade, os seus sofrimentos. Desci a fim de o libertar da mão dos egípcios e de o fazer subir desta terra para uma terra boa e espaçosa, para uma terra que mana leite e mel. E agora, vai; Eu te envio ao faraó, e faz sair do Egipto o meu povo, os filhos de Israel.»

Moisés disse a Deus: «Quem sou eu para ir ter com o faraó e fazer sair os filhos de Israel do Egipto?»

Ex 3, 1-2; 4; 6-8; 10-11

deserto moises 2.jpg

 

Moisés foge, do Egipto para o deserto, por volta dos seus 40 anos de idade (o que quer representar apenas a sua juventude e inicio na idade adulta). É necessário que viva outros 40 anos (que representa o seu amadurecimento) até aprender, verdadeiramente, a virtude da humildade - aqui tão bem representada nesta resposta «Quem sou eu para ...?» 

Anos mais tarde, os descendentes de Moisés escreverão acerca dele, dizendo que

Na realidade, Moisés era um homem muito humilde, mais que todos os homens que há sobre a face da terra

Nm 12,3

Outras versões da Bíblia dizem que "Moisés era um homem muito paciente" ou "muito manso". Pois, é que o deserto é também um óptimo local para desenvolver a virtude da paciência (que claramente Moisés não possuía, pelo seu comportamente explosivo no conflito entre o egípcio e o hebreu). Quem viu Moisés na sua juventude e quem o vir agora, perto dos 80 anos, ou seja, como adulto amadurecido e experienciado - quem diria que poderia vir a acontecer tal tranformação? Oh, só o Senhor pode operar milagres destes ... 

Sim, a todos nós, seja apenas uma única vez, ou muitas vezes, Deus levar-nos-á ao deserto, para nos falar ao coração e para fazer de nós pessoas mais pacientes, mais humildes, mais resistentes, mais santas ... 

deserto moises 7.jpg

 

Após este longo processo de amadurecimento, Moisés está pronto para uma nova fase, um novo desafio, uma nova aventura. Deus chama-o a guiar, organizar, pacificar e preocupar-se com a vida de mais de 2 milhões de pessoas ... como será tal possível? 

Moisés disse a Deus: «Quem sou eu para ir ter com o faraó e fazer sair os filhos de Israel do Egipto?»

O Senhor disse: «Eu estarei contigo».

Ex 3, 11-12

E isso é tudo - tudo! - o que é necessário ...

 

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~