Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Cristo, o nosso eterno Profeta, Rei e Sacerdote

Durante toda a Quaresma, diariamente as leituras da Santa Missa mostram-nos a tripla missão de Jesus, o perfeito e eterno Profeta, Rei e Sacerdote. Esta tripla missão é especialmente visível nas leituras do julgamento de Jesus. 

O Sumo Sacerdote voltou a interrogar [Jesus]: «És Tu o Messias, o Filho do Deus Bendito?» Jesus respondeu: «Eu sou. E vereis o Filho do Homem sentado à direita do Poder e vir sobre as nuvens do céu.» O Sumo Sacerdote rasgou, então, as suas vestes e disse: «Que necessidade temos ainda de testemunhas? Ouvistes a blasfémia! Que vos parece?» E todos sentenciavam que Ele era réu de morte. (Mc 14, 61b-64)

Perante o povo judeu, representado por Caifás, o Sumo Sacerdote do templo de Jerusalém naquele ano, foi julgado Cristo-Profeta. Profeta é alguém que se coloca em escuta atenta da Palavra de Deus e que depois a transmite a cada um de nós, ajudando-nos a interpretá-la e a pô-la em prática, retirando-nos as máscaras e as vendas dos nossos olhos - que insistimos em colocar, tanto em nós, como nos outros - auxiliando-nos a reconhecer o nosso pecado e as nossas culpas e indicando-nos o caminho seguro a seguir. Quem foi o mais perfeito Profeta, se não Jesus Cristo?

E qual a razão da condenação de Cristo-Profeta? Jesus ter-Se declarado Filho de Deus, o Messias há muito prometido e desejado. Mas os judeus consideraram-n'O demasiado "terreno", demasiado humano e parecido connosco, para poder ser verdadeiramente Filho de Deus. E, assim, condenaram o Verbo de Deus por blasfémia.

Cristo-Profeta foi ridicularizado ao vendarem-Lhe os olhos e questionando-O se conseguia adivinhar quem era que Lhe batia no rosto - um rosto que, apesar dos inúmeros golpes, lhes oferecia sempre a outra face...

Cuspiam-Lhe no rosto e batiam-Lhe. Outros esbofeteavam-n'O, dizendo: «Profetiza, Messias: quem foi que Te bateu?» (Mt 26, 67-68)

jesus-sinedrio.jpg

Imagem retirada daqui

[Pilatos] chamou Jesus e perguntou-Lhe: «Tu és Rei dos judeus?» Respondeu-lhe Jesus: «Tu perguntas isso por ti mesmo, ou porque outros to disseram de Mim? (...) A Minha realeza não é deste mundo» Disse-Lhe Pilatos: «Logo, Tu és Rei!» Respondeu-lhe Jesus: «É como dizes: Eu sou Rei! Para isto nasci, para isto vim ao mundo: para dar testemunho da Verdade».(Jo 18, 33-34. 36a. 37)

Perante os gentios, representados pela figura de Pilatos, foi julgado Cristo-Rei. Rei é alguém que tem uma justa e suprema autoridade sobre o seu reino e sobre cada pessoa que lhe pertence. Uma vez que o rei é responsável por cada pessoa que lhe é confiada, ele tem o dever de as proteger dos perigos e de garantir o seu bem estar. Assim, por causa desse dever paternal, cada súbdito lhe deve a devida reverência.

Os soldados do governador conduziram Jesus para o pretório e reuniram toda a coorte à volta Dele. Despiram-n'O e envolveram-n'O com um manto escarlateTecendo uma coroa de espinhos, puseram-Lha na cabeça, e uma cana na mão direita. Dobrando o joelho diante Dele, escarneciam-n'O, dizendo: «Salve! Rei dos Judeus!» (Mt 27, 27-29)

Cristo-Rei foi humilhado ao ser despido das Suas vestes e ao ser coberto por um manto cor de sangue; ao ser coroado com uma coroa de espinhos; ao receber como trono uma cruz, como ceptro uma cana e como jóias três longos cravos, que O prenderam na Cruz. 

jesus-pilatos.jpg

Imagem retirada daqui

Por fim, unindo-se pela primeira vez judeus e gentios (só Jesus poderia usar uma situação tão horrível, como a Sua crucifixão, para unir antigos inimigos), condenaram Cristo-Sacerdote. O sacernote serve de ponte medianeira entre Deus e os homens. O sacerdote apresenta ao Senhor os nossos sacrifícios mas também as nossas preces e necessidades. Assim, Jesus é o mais perfeito e eterno Sacerdote.

Os que passavam injuriavam-n'O e, abanando a cabeça, diziam: «Olha o que destrói o templo e o reconstrói em três dias! Salva-Te a Ti mesmo, descendo da cruz!» Da mesma forma, os sumos sacerdotes e os doutores da Lei troçavam Dele entre si: «Salvou os outros mas não pode salvar-Se a Si mesmo!» (Mc 15, 29-31)

Judeus e gentios, juntos, escarneceram de Cristo crucificado, desafiando-O a salvar-Se a Si mesmo e a descer da Cruz. Mas este eterno Cristo-Sacerdote já Se tinha oferecido a Si mesmo como a mais perfeita vítima de holocausto, através da Qual todos nós recebemos o perdão dos nossos incontáveis pecados.

 

Em resumo, o Sinédrio dos judeus desprezou e ridicularizou Cristo-Profeta; o Império Romano dos gentios julgou e escarneceu de Cristo-Rei; por fim, ambos se juntaram para condenar e crucificar Cristo-Sacerdote. Que paradoxo tão grande - Caifás, aquele que era Sumo Sacerdote por apenas um ano, desprezou o Eterno Sumo Sacerdote do Deus Altíssimo. E Aquele que Se revelou como o Caminho e a Vida é condenado ao caminho do Calvário e à morte...

jesus-crown.jpg

Mas nós sabemos muito bem que a história não acaba aqui. Nem a morte, nem o demónio, nem o pecado, nem as dificuldades têm a última palavra - mas sim Cristo, o alfa e o ómega, o princípio e o fim, o primeiro e o último, o nosso Salvador. 

Quando Jesus se preparava para voltar para o Reino dos Céus, no dia da Sua Ascenção, Ele distribuiu estas três dimensões pelos Seus Apóstolos: o serviço profético ou de ensino, ao prometer-Lhes que lhes enviaria o Espírito da Verdade, que os ajudaria a recordar e a compreender tudo o que Ele lhes tinha ensinado; o serviço real, ao dar-lhes as chaves do Reino de Deus, com o dever de defender e cuidar deste Reino e de cada pessoa que nele habitará; e, por fim, o serviço sacerdotal, para que fizessem memória contínua da Sua entrega Eucarística e conferindo-lhes o poder de perdoar os nossos pecados.

Aproximando-Se deles, Jesus disse-lhes: «Foi-Me dado todo o poder no Céu e na Terra. Ide, pois, fazei discípulos de todos os povos, baptizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a cumprir tudo quanto vos tenho mandado. E sabei que Eu estarei sempre convosco até ao fim dos tempos.» (Mt 28, 18-20)

Não posso deixar de sorrir ao pensar que, neste ano 2021, a Quinta-feira da Ascensão do Senhor será a 13 de Maio - quem melhor do que Nossa Senhora para nos transmitir as graças do Senhor neste dia e para sempre? 

Ana, a fiel profetisa da espera

Ao reflectir sobre o início da Quaresma deste ano, dei por mim a pensar no exemplo da profetisa Ana, que nos é dada a conhecer no relato da apresentação de Jesus Menino no Templo de Jerusalém. Ana tende a passar tão despercebida entre as linhas do Evangelho como também deve ter passado despercebida ao longo da sua própria vida. Ao rezar os Mistérios Gozosos do Terço, quantas vezes dou por mim a pensar mais em Simeão e nas suas palavras do que nas de Ana?...

"Quando se cumpriu o tempo da sua purificação, segundo a Lei de Moisés, levaram o Menino a Jerusalém para O apresentarem ao Senhor. Havia uma profetisa, Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser, a qual era de idade muito avançada. Depois de ter vivido casada sete anos, após o seu tempo de donzela, ficou viúva até aos oitenta e quatro anos". (Lc 2, 22.36-37)

À semelhança de Nossa Senhora, também a vida de Ana sofreu uma grande e inesperada reviravolta quando, tragicamente, Ana perdeu o seu amado marido, sendo ainda muito nova, após um feliz mas dolorosamente curto matrimónio. Ana terá certamente pensado: E agora, o que devo fazer? Sem filhos e sem família ... Quem cuidará de mim? Quem me protegerá? Quem me amará?

Ana, à semelhança da história do povo hebreu e à semelhança de cada um de nós em alguma altura das nossas vidas, teve de descobrir o amor carinhoso, o cuidado atencioso, a protecção segura, a firmeza da presença permanente e inabalável do Deus que nunca nos abandona e que nos acompanhada em todos os instantes da nossa vida. Pela fé, Ana permitiu que Deus transformasse um acontecimento trágico, que poderia tê-la destruído interiormente, em algo belo e frutuoso - uma vida dedicada ao serviço dos irmãos e à oração pela vinda do Messias prometido, que viria resgatar para sempre todo o povo de Israel.

Talvez por o Evangelho nos falar do seu "tempo de donzela", eu tendo a imaginar Ana como uma daquelas mulheres que desenvolvem uma beleza tão única e especial, que não parece mudar com o avançar dos anos. Aquele tipo de beleza que só é possível ser desenvolvida por quem se deixa preencher, cativar e florescer pelas graças do Senhor, numa contínua relação de intimidade de amor mútuo com Deus. Imagino Ana com um espírito jovem e vivo, típico de quem aprende a falar com o Senhor como com um amigo, mas, simultaneamente, com uma alma firmemente enraizada no profundo amor e bondade do Senhor, demonstrado e comprovado em todos os dias da sua longa vida. 

Profetisa Ana.jpg

Pintura da Profetisa Ana, da autoria da maravilhosa artista protestante Elspeth Young

Ana viveu e serviu no Templo de Jerusalém durante várias décadas, após ter ficado viúva, o que lhe terá permitido ouvir repetidamente as palavras divinas da Lei e dos Profetas, as inúmeras discussões e ensinamentos dos escribas e dos fariseus, assim como observar todos os movimentos, carregados de significado e simbolismo, dos sacerdotes do Templo. Assim, Ana estaria bem familiarizada com as diversas profecias dos autores sagrados que anunciavam a vinda do Messias. Isto, associado ao cuidado amadurecimento do seu génio feminino e a uma graça especial do Senhor, fizeram dela uma das poucas profetisas nomeadas nas Sagradas Escrituras, à semelhança de Miriam, irmã de Moisés, e de Débora no Antigo Testamento. Uma profetisa é alguém que sabe interpretar os sinais dos tempos e de discernir a vontade de Deus, tal como ela o fez, de forma aparentemente tão simples, no relato da apresentação de Jesus no Templo - um acontecimento de tal forma importante que foi imortalizado para sempre, primeiro na Tradição da Igreja, depois nas páginas da Bíblia e depois ainda nos Mistérios do Santo Terço. 

[Ana] não se afastava do Templo, participando no culto noite e dia, com jejuns e orações. (Lc 2,38)

A sua presença constante no Templo, contudo, também lhe daria hipóteses de observar atentamente o comportamento dos fariseus legalistas, o domínio crescente dos vendedores, comerciantes e cambistas, assim como todas as demonstrações de hipocrisia, desrespeito e pecado, realizadas na Casa do Senhor, aquela que devia ser "casa de oração" por excelência, e não um "covil de ladrões" como se tinha tornado (cf Mt 21,13). Questiono-me se alguma vez lhe terá passado pela cabeça fazer algo parecido ao que Jesus faria, anos mais tarde, expulsando "os que vendiam e os que compravam" e "derrubando as mesas" onde se propagava a iniquidade daquele povo? (cf Mt 21,12) Quem sabe ...

 

Ana é um belo exemplo de paciência, de quem sabe esperar fielmente pelo cumprimentos das promessas do Senhor. Mas, ao contrário do que o mundo nos diz, esperar no Senhor e esperar pelo cumprimentos das Suas promessas, não tem nada de passivo. Ana participava na vida e nas celebrações do Templo de Jerusalém, servindo o Senhor e os irmãos e dedicando-lhes toda a sua vida. Ana era activa na sua espera, jejuando e orando frequentemente. Quem já jejuou sabe que é algo que tem pouco de passivo, é necessário uma luta interior, permanente, contra o desejo natural de saciar o nosso corpo com comida.

Ana ter-se-á dedicado a preparar-se, à semelhança das virgens prudentes (cf Mt 25,1-13), para a vinda do Messias desejado. Ana é um exemplo perfeito de quem conseguiu manter acesa dentro de si a chama da esperança, da fé nas promessas feitas pelo Deus fiel, apesar das dificuldades e das situações que a poderiam desanimar e enfraquecer. Assim, ela esperou e esperou e esperou. Atenta e vigilante aos sinais dos tempos e do Senhor. Com fé viva e expectante - durante 84 anos. 

anna-prophetess.jpg

Imagem retirada daqui

Se Ana "não se afastava do Templo, participando no culto de noite e de dia", quem sabe se ela não terá também testemunhado os acontecimentos extraordinários que envolveram o sacerdote Zacarias no ano anterior? (cf Lc 1,5-25)

Talvez também ela terá reparado em como Zacarias se demorava no interior do Santo dos Santos. Talvez também ela terá esperado que ele de lá saísse, expectante acerca do que poderia estar a acontecer. Talvez também ela terá ficado admirada por descobrir que Zacarias "não lhes podia falar", que tinha ficado "mudo" e que só era capaz de comunicar por "sinais" a partir desse dia. Talvez também ela terá compreendido que Zacarias "tinha tido uma visão no santuário" que mudaria, não só a sua vida, mas a de toda a História. Talvez também ela terá estado presente no Templo quando, 9 meses mais tarde, a boca de Zacarias "abriu-se, a língua desprendeu-se-lhe e começou a falar, bendizendo a Deus" (Lc 1,64), após o nascimento do seu filho João. Quem sabe?

Na verdade, Lucas diz-nos realmente que "por toda a montanha da Judeia se divulgaram aqueles factos" (Lc 1,65) e que "quantos os ouviam retinham-nos na memória e diziam para si próprios: «Quem virá a ser este menino?»" (Lc 1,66). Assim, talvez também Ana terá meditado no seu coração, à semelhança da Virgem Maria, acerca do profundo significado e das implicações de tais acontecimentos extraordinários, o que a terá colocado ainda mais atenta e vigilante na leitura e interpretação dos sinais que o Senhor dava ao seu povo amado. Afinal, não tinha cantado Zacarias que João seria "chamado profeta do Altíssimo, porque [iria] à Sua frente a preparar os Seus caminhos" (Lc 1,76) e que "o Senhor, Deus de Israel, [tinha] visitado e redimido o Seu povo, [dando-nos] um Salvador poderoso da casa de David, Seu servo"? (Lc 1,68-29)

Será que o tempo favorável tinha chegado? Será que o acontecimento mais desejado da história do povo hebreu, a vinda do Messias, o resgate de Israel, estava finalmente a acontecer, ali mesmo, à frente dos seus olhos? 

 

Por esta altura, já era difícil esconder o sorriso aberto e inexplicável na bela face de Ana, que parecia tornar-se ainda mais bela e jovem a cada novo dia de esperança renovada. Já nem lhe passava pela cabeça abandonar, por um segundo que seja, o Templo de Jerusalém, para ir dormir e descansar na sua casa. O Senhor estava perto, era preciso orar e preparar-se para O receber. 

E quanto não terá exultado de alegria, meses mais tarde, ao ouvir o testemunho dos pastores de Belém que "começaram a divulgar o que [os Anjos] lhes tinham dito a respeito daquele Menino", fazendo com que "todos os que os ouviam se admirassem"? (Lc 2,17-18). Oh sim, Ana terá certamente vivido na mais pura alegria durante os 40 dias que ainda teve de esperar até conhecer o desejado Redentor de Israel.

Assim, quando José e Maria vieram ao Templo para oferecerem o Menino ao Senhor, ela ali estava, preparada e à espera, radiante e rejubilante, junto de Simeão.

"[Ana] aparecendo nessa mesma ocasião, pôs-se a louvar a Deus e a falar do Menino a todos os que esperavam a redenção de Jerusalém". (Lc 2,38)

 

Sempre achei muito engraçado que Lucas nos dissesse que, após o seu encontro com o Senhor Encarnado, Ana "pôs-se ... a falar do Menino a todos". Ora aí está Deus a fazer um bom uso duma característica tendencialmente feminina: ir contar a toda a gente algo que aconteceu! Faz-me lembrar do dia da Ressurreição do Senhor, em que Maria Madalena e as outras mulheres "cheias de temor e de grande alegria, correram a dar a notícia aos discípulos" (Mt 28, 8b), dando assim um santo uso a esta capacidade feminina de propagar e partilhar um acontecimento ... 

 

Esta semana começa a Quaresma, o tempo por excelência para nos preparar-mos para receber o amor do Senhor, que é tão grande e imenso que precisa de espaço - nas nossas vidas mas especialmente dentro de nós. Aprendamos o que é viver em clima de preparação constante e vigilantes. Deixemo-nos inspirar no exemplo da profetisa Ana, sejamos activos na nossa espera e tenhamos os olhos e o coração abertos às palavras e aos sinais do Senhor. Desejo-vos uma Santa e abençoada Quaresma!

O Senhor que chama pelos corações jovens

O jovem Samuel servia o Senhor sob a direcção de Eli. O Senhor, naquele tempo, falava raras vezes e as visões não eram frequentes. Ora certo dia aconteceu que Eli estava deitado, pois os seus olhos tinham enfraquecido e mal podia ver. A lâmpada de Deus ainda não se tinha apagado e Samuel repousava no templo do Senhor, onde se encontrava a Arca de Deus. (1Sm 3,1-3)

O profeta Eli estava no final dos seus dias. Tinha sido escolhido pelo Senhor, para ser Seu profeta e sacerdote, para ensinar o povo a interpretar os sinais dos tempos e os sinais de Deus, e para servir e louvar o próprio Deus no Seu templo sagrado. Mas Eli não fez nem uma coisa, nem outra. Deixou-se corromper, permitiu que o pecado grave e mortal entrasse na sua casa, no seio da sua família, e se entranhasse no povo de Deus, o qual tinha prometido proteger, guardar e orientar. Todos sabiam dos seus pecados, dos seus maus caminhos, das suas más decisões, não só em relação a si próprio mas especialmente em relação aos seus filhos, que criou com "rédea solta", sem os educar no amor e nos caminhos do Senhor, como era seu dever de pai e chefe de família. Sem limites ou regras, e sem exemplos inspiradores, os seus filhos cresceram entregues às suas próprias paixões e desejos... e o resultado estava à vista de todos.

Mas o Senhor, ao contrário de nós, é sempre rico em misericórdia. Na verdade, a "lâmpada de Deus ainda não se tinha apagado" e continuava a dar novas oportunidades a Eli para se redimir dos seus pecados. Já na sua velhice, já com os olhos "enfraquecidos", que "mal podiam ver" a luz da Fé, o Senhor entrega nas suas mãos o cuidado pelo coração dum jovem. Este jovem, gerado não por obra do próprio Eli, mas através dum milagre do Senhor numa mulher, Ana, até então estéril, é oferecido imerecidamente a Eli para que o adoptasse como seu. 

Samuel e Eli.jpg

Imagem retirada daqui

Apesar de todos os seus erros, pecados e maus caminhos, será só a partir do reconhecimento de Eli, que o jovem Samuel saberá identificar a voz de Deus na sua vida.

O Senhor chamou Samuel e ele respondeu: «Eis-me aqui.» Samuel correu para junto de Eli e disse-lhe: «Aqui estou, pois me chamaste.» Disse-lhe Eli: «Não te chamei, meu filho; volta a deitar-te.»  (1 Sm 3, 3b-5)

Neste último Domingo, na sua homilia, o nosso pároco explicou-nos que este episódio da vida de Samuel poderia assemelhar-se a uma circunstância, nas nossas próprias vidas, pela qual já todos passámos: recebemos uma chamada no nosso telefone, cujo número desconhecemos, e portanto não sabemos quem é; atendemos e não conseguimos reconhecer, logo pelas primeiras palavras, quem está a falar connosco; e por fim, vemo-nos obrigados a questionar - quem está a falar?

Para podermos identificar o número que nos está a ligar, habitualmente, é necessário que já tenhamos ligado antes para esse número e que, por isso, o tenhamos guardado na memória do nosso telefone associado a um nome. Mas, para reconhecermos, imediatamente, a voz de quem nos fala, é preciso haver vários diálogos prévios, é preciso haver intimidade, é preciso haver uma história com aquela pessoa. Só assim podemos reconhecê-la imediatamente: Sim, sei exactamente de quem é esta voz!

O Senhor voltou a chamar Samuel. Samuel levantou-se, foi ter com Eli e disse: «Aqui estou, porque me chamaste». Eli respondeu: «Não te chamei, meu filho; torna a deitar-te». 
Samuel ainda não conhecia o Senhor, porque, até então, nunca se lhe tinha manifestado a palavra do Senhor. (1Sm 3,6)

chamamento de samuel.jpg

Imagem retirada daqui

Por três vezes Samuel é chamado pelo Senhor; por três vezes Samuel acorda do seu sono, tranquilo e sereno, sem refilar nem resmungar; por três vezes Samuel aceita levantar-se da sua cama, quentinha e confortável como a nossa; por três vezes atravessa o templo do Senhor, correndo com santa pressa, para ir ter com Eli que ele julgava que o tinha chamado; por três vezes apresenta-se junto de Eli e comunica-lhe a vontade do seu coração: "Eis-me aqui. Aqui estou. Chamaste-me e eu vim. E vim para fazer a tua vontade".

Às vezes, como sabem que é o meu hábito, ponho-me a imaginar como seria este episódio se fosse eu no lugar do pequeno Samuel. Seria certamente algo como: "O Senhor chamou a Marisa a meio da noite. E das duas uma: ou ela nem sequer acordou; ou então, acordou, refilou - Hã? Que foi? Isto são horas? - virou-se para o outro lado e voltou a adormecer. No dia seguinte, ao pequeno-almoço, a Marisa continuou a resmungar pela interrupção inconveniente dessa mesma noite - E tu nunca mais me faças uma dessas, hã?"

O Senhor chamou Samuel pela terceira vez. Ele levantou-se, foi ter com Eli e disse: «Aqui estou, porque me chamaste». Então Eli compreendeu que era o Senhor que chamava pelo jovem. Disse Eli a Samuel: «Vai deitar-te; e, se te chamarem outra vez, responde: "Falai, Senhor, que o vosso servo escuta"». Samuel voltou para o seu lugar e deitou-se.
O Senhor veio, aproximou-Se e chamou como das outras vezes: «Samuel, Samuel!». E Samuel respondeu: «Falai, Senhor, que o vosso servo escuta». (1 Sm 3, 6-10)

Fora de brincadeiras. 

Ao ler esta passagem no Domingo passado, a minha atenção ficou presa nestas últimas palavras: "O Senhor veio, aproximou-Se e chamou como das outras vezes". O escritor sagrado constrói uma frase com 3 verbos - "veio", "aproximou-Se" e "chamou", à semelhança da actuação do jovem Samuel, também ela constituída por 3 etapas: "levanta-se", "vai ter com" e "diz". Não me parece ser ao acaso essa construção gramatical.

Deus veio até nós, como ainda há pouco celebrávamos no tempo de Natal, para que nos possamos levantar, pela Sua graça e força. Deus aproximou-Se de nós, meras criaturas humanas, decaídas e perdidas no nosso pecado, para que pudéssemos iniciar o caminho que nos levará, um dia, até junto d'Ele, para que fosse possível irmos ter com Ele. Por fim, o Senhor chamou-nos, dizendo: "Vocês são os Meus filhos muito amados. Venham, deixem-se amar por Mim!"

A maravilhosa canção-oração da Natércia e do Martinho Coelho do Canal Sede Sal, Sede Luz

 

E Ele continua a chamar-nos, uma, duas, três vezes, as que forem precisas e necessárias. Ele nunca Se cansará de nos chamar; nós é que muitas e muitas vezes nos cansamos de Lhe responder, de O ouvir, de O escutar, de seguir a Sua voz, de nos apresentar-nos ao serviço a que Ele nos chama. É preciso fazer como as crianças e aprender a ter um coração jovem como o delas: pedir, pedir, pedir sem cessar a graça para responder ao Senhor; convidar-nos uns a outros, uma e outra vez, vamos, vamos de novo, outra vez, outra vez!; sem refilar ou resmungar pela repetição, mas escolhendo ser alegres de coração; correndo quando necessário, com a santa pressa de fazer a vontade do Senhor no momento em que Ele nos chama e não depois, mais tarde, mais logo ... Ah, tanto a aprender!

Hoje se escutardes a voz do Senhor, não fecheis os vossos corações (Heb 3,7b-8)

Fala, Senhor, que os vossos servos Te escutam!

O vento novo da Galileia

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

 

Sabem qual é uma das coisas que mais me lembro da Galileia? Do vento! Sim, do vento!

Missa Campal 4.jpg

Desde criança que eu sempre gostei muito de vento, mas o vento da Galileia parecia ser ainda mais especial ... 

Ah, só de me lembrar do vento da Galileia ....

Um vento que nos chamava a rir, ao brincar com o nosso cabelo e as nossas roupas; um vento que nos chamava a dançar, como se fosse uma criança a puxar por nós; um vento que nos refrescava o corpo cansado da viagem; um vento que nos sussurrava ao ouvido acerca do tremendo amor e misericórdia de Deus; um vento que surgia de repente, aparentemente do nada, e que "bagunçava" a nossa vida, tirando-nos do nosso conforto e comodismo, à semelhança do Espírito Santo; um vento que nos impelia a avançar, sempre, em frente ...

 

Também nós avançamos na nossa viagem, até uma linda capela ao ar livre, que parecia esperar por nós, escondida entre as árvores, as flores e as plantas - como se sempre estivesse estado ali desde o tempo de Jesus, como se aquele sempre tivesse sido o seu devido lugar ...

Missa Campal 1.jpg

Foto tirada por outro peregrino na nossa viagem - obrigado pela partilha!

 

Pela graça de Deus, temos oportunidade de celebrar a Santa Missa neste preciso local - a nossa primeira Eucaristia celebrada na Terra Santa, depois de termos celebrado uma no Egipto e outra na Jordânia. Estamos a 9 de Agosto de 2019 e eu não posso deixar de sorrir e sorrir e sorrir quando me apercebo que a primeira leitura do dia é uma das minhas leituras favoritas e mais queridas do meu coração ... 

 

É assim que a vou seduzir:

ao deserto a conduzirei, para lhe falar ao coração.

Dar-lhe-ei então as suas vinhas

e o Vale de Acor será como porta de esperança.

Aí, ela responderá como no tempo da sua juventude,

como nos dias em que subiu da terra do Egipto.

Naquele dia – oráculo do Senhor –

ela me chamará: «Meu marido»

e nunca mais: «Meu Baal.»

Tirarei da sua boca os nomes de Baal,

de modo que tais nomes não voltem a ser recordados.

Farei em favor dela, naquele dia,

uma aliança com os animais selvagens,

com as aves do céu e com os répteis da terra;

farei desaparecer da terra o arco, a espada e a guerra,

e farei com que eles repousem em segurança.

Então, te desposarei para sempre;

desposar-te-ei conforme a justiça e o direito,

com amor e misericórdia.

Desposar-te-ei com fidelidade,

e tu conhecerás o Senhor.

                                      Oseias 2,16-22

Missa campal 5.jpg

Foto tirada por outro peregrino na nossa viagem - obrigado pela partilha!

 

Não consigo ler esta passagem sem me recordar sempre da belíssima música que a Danielle Rose compôs, cantou e tocou - como já tinha partilhado convosco no início deste ano. Esta foi uma das músicas que mais me acompanhou durante os primeiros 6 meses deste ano de 2019, uma altura da minha vida que, devido a uma grande conjugação de factores, se veio a revelar tão espiritualmente difícil para mim ... 

 

Ao trazer estas memórias de volta ao coração e ao reflectir naquilo que vivi e experienciei naquela bela manhã de Missa campal, consigo finalmente compreender uma última coisa que o Senhor desejava dizer-me, através daquele vento especial da Galileia ... É que aquele vento, novo e rejuvenescedor, era também um vento de mudança, de muitas mudanças, que se sucederiam, umas a seguir às outras, mal eu chegasse de volta a Portugal, cada uma mais bela e maravilhosa que a anterior ... 

 

Oh, louvado sejas, Senhor meu, para todo o sempre!

Missa Campal 2.jpg

Foto tirada por outro peregrino na nossa viagem - obrigado pela partilha!

 

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

A Jordânia bíblica

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

 

Passámos pouco mais que 2 dias completos na Jordânia e, como tal, não nos foi possível visitar muitos dos locais bíblicos que actualmente se situam dentro do território jordaniano. Eu não fazia a mínima ideia da quantidade de histórias bíblicas que se passaram na actual Jordânia, até a visitar e ouvir o nosso guia Luai enumerá-las...

 

Aliás, vocês deviam ter visto a minha cara de espanto, quando me apercebi que estes limites e fronteiras actuais, entre a Jordânia e Israel ...

mapa israel e jordania.jpg

Imagem retirada daqui

.... foram em tempos (~850 a.C) assim:

reinos israel e jordania 1.png

Imagem retirada daqui

Ou seja, muitas terras que actualmente se localizam na Jordânia, há muitos séculos atrás pertenciam ao reino de Israel. Ora, isso explica muita coisa ... 

 

Em diversas passagens da Bíblia, tinha eu reparado desde o tempo em que li a Bíblia duma ponta à outra durante pouco mais que um ano, volta e meia é-nos falado acerca de Edom e dos edomitas, de Moab e dos moabitas, de Amon e dos amonitas ... São-nos referidos durante a longa viagem do povo hebreu, que atravessa as suas terras, até chegar à Terra Prometida; são-nos referidos durante a conquista das terras do reino de Israel; são-nos referidos também por diversos Profetas, como Ezequiel (que profetiza contra os 3 povos) e Jeremias ... mas quem eram, afinal, estes povos e porque são eles tão referidos?

 

Se olharmos para o segundo mapa, seguindo o percurso do povo hebreu até à Terra prometida (portanto, de baixo para cima) deparamo-nos primeiro com as terras de Edom, à saída do grande deserto. Os habitantes dessas terras eram os descendentes de Esaú, o filho primogénito de Isaac, que vendeu o seu direito de primogenitura ao seu irmão Jacob por um simples prato de lentilhas ... Devido a esta proximidade com a origem do povo hebreu, o livro do Deuteronómio alertava-os dizendo

Não abominarás o edomita, porque ele é teu irmão (Dt 23,8)

Apesar disso, os edomitas atacaram por diversas vezes o povo israelita, sendo que tanto o Rei Saul como o Rei David lutaram contra este povo. Este povo desapareceu pouco depois da morte do rei Herodes, por volta do tempo de Jesus, tal como o Profetas Ezequiel tinha profetizado

Assim fala o Senhor Deus: «Porque Edom exerceu vingança contra a casa de Judá e se tornou culpado, vingando-se deles, por isso, diz o Senhor Deus: Eis que Eu estendo a minha mão contra Edom e vou exterminar pessoas e animais. Dele farei um deserto.

Ez 25, 12-13a

 

Depois, temos o reino de Moab, onde residiam os moabitas, que eram descendentes de Lot, sobrinho de Abrãao, que concebeu este povo através da sua filha mais velha. Este povo viveu em paz com o povo hebreu durante longos períodos. Quando penso em moabitas, lembro-me sempre da maravilhosa história de Rute, a moabita, que se tornaria na bisavó do rei David, mulher de tal maneira marcante na história do povo hebreu que por isso chega a ser mencionada na genealogia de Jesus.

Booz perguntou ao seu servo que era supervisor dos ceifei­ros: «De quem é aquela jovem?» O servo que era supervisor dos ceifei­ros respon­deu-lhe : «Esta é a jovem moabita que voltou com Noemi da terra de Moab. Pediu-nos, por fa­vor, que a dei­xás­se­­mos respigar e reco­lher espi­gas atrás dos ceifeiros. Ela veio e aqui tem fi­cado desde manhã até agora, e nem por um pouco foi a casa descansar

Rt 2, 5-7

O livro de Rute é um dos meus livros favoritos, tão pequenino mas com tantas lições para nos ensinar... 

 

Por fim, mais a Norte, encontramos os amonitas, das terras de Amon, também eles descendentes de Lot, concebidos numa relação com a sua filha mais nova. Também acerca deste povo, os hebreus são alertados, ao entrarem na Terra Prometida, de que

Irás encontrar-te em frente dos amonitas. Não os ataques nem os provoques, porque não te darei em propriedade nenhuma terra dos filhos de Amon. Foi aos filhos de Lot que a dei em propriedade.

Dt 2, 19

Deus alertou-os para não se meterem com este povo, pagão, que sacrificava bebés e mulheres grávidas em louvor dos seus deuses. O Rei Saul combateu-os, tal como o Rei David. Mesmo assim, o rei Salomão desobedeceu ao Senhor e casou com uma mulher amonita, o que o levou a adorar os seus deuses pagãos e a esquecer-se d'Aquele que tanto amor lhe tinha oferecido na sua juventude ...

 

Mas voltemos ao rio Jordão, esse rio que, se pudesse, tinha tantas histórias para nos contar...

rio jordao.jpg

Apesar de Moisés ter chegado a ver com os seus próprios olhos a Terra Prometida, a partir do topo do Monte Nebo, coube a Josué, herdeiro da nova geração, a tarefa de guiar, comandar e organizar todo o povo hebreu a partir do Monte Nebo e de voltar a conquistar a terra de Canaã, dada a Abrãao pelo Senhor.

O capítulo 3 do livro de Josué conta-nos como foi, para o povo hebreu, a proeza de atravessar as águas a pé enxuto, pela segunda vez na sua história ...

Logo pela manhã, Josué levan­tou o acampamento e partiu de Chi­tim com todos os filhos de Israel. Chegados ao Jordão, aí se detive­ram antes de o atravessar. Três dias de­pois, os chefes atravessaram o acam­­pamento e deram ao povo esta or­dem: «Quando virdes a Arca da aliança do Senhor vosso Deus, conduzida pelos sacerdotes levitas, dei­xareis o vosso acampamento e pôr-vos-eis a cami­nho atrás dela.

Josué disse, então, ao povo: «San­tificai-vos, por­que ama­nhã o Senhor vai fazer coi­sas ma­ravilhosas no meio de vós.»

O Senhor disse a Josué: «Hoje começarei a exaltar-te na presença de todo o Israel, para que se saiba que, assim como estive com Moisés, assim estarei também contigo. Hás-de ordenar aos sacerdotes que le­vam a Arca da aliança: ‘Quando che­gar­des ao Jordão, deter-vos-eis junto das suas águas.’»

Então, o povo, dobrando as suas tendas, preparou-se para passar o Jordão com os sacerdotes que cami­nhavam diante dele, transportando a Arca. Quando chegaram ao Jordão, e os pés dos sacerdotes que trans­portavam a Arca entraram na água da margem do rio – de facto, o Jor­dão transborda e alaga as suas mar­gens durante todo o tempo da ceifa - en­tão, as águas que vi­nham de cima pa­raram e amontoa­ram-se numa grande extensão, até perto de Adam, loca­lidade situada nas proximidades de Sartan; as águas que desciam para o mar da Arabá, o Mar Salgado, essas fica­ram completamente separadas.

E o povo atravessou o rio em frente de Jericó. Os sacerdotes que trans­por­tavam a Arca da aliança do Se­nhor conservaram-se de pé, sobre o leito seco do Jordão, e todo o Israel o atra­vessou sem se molhar. Perma­nece­ram ali até todo o povo ter aca­bado de atravessar o Jordão.

Js 3, 1-3; 5; 7-8; 14-17

Com Moisés, o povo atravessou as águas do Mar Vermelho, deixando para trás a escravatura do Egipto; com Josué, as águas do rio Jordão, deixando para trás, finalmente, a idolatria aprendida no Egipto... 

Com Moisés, a nuvem do Senhor ía à frente do povo, indicando o caminho; com Josué, é a Arca da Aliança que lhes abre o caminho através das profundas águas das dúvidas e dos medos.... 

Tais feitos extraordinários só foram possíveis através de alguém com uma Fé forte e inabalável, tal como a de Moisés, tal como a de Josué. Aliás, o livro de Josué terminará com uma das passagens mais queridas às Famílias de Caná

Eu e a minha família serviremos o Senhor (Js 24,15)

 

Alguém consegue identificar que episódio bíblico aconteceu aqui? - pergunta-nos o Luai.

elias 1.jpg

Duas pessoas a atravessar um rio ... no céu, uma carruagem puxada por cavalos, envolta em fogo... um homem de joelhos a clamar aos céus ... Oh, sim, pois claro! É o arrebatamento do Profeta Elias até ao Céu!

Acon­­­teceu que, quando o Se­nhor quis arrebatar Elias ao céu, num re­de­moinho, Elias e Eliseu par­tiram de Guilgal.

Elias disse a Eli­seu: «Fica aqui porque o Senhor envia-me a Betel.» Mas Eliseu respondeu-lhe: «Pelo Deus vivo e pela tua vida, juro que não te deixarei.» E desce­ram am­bos a Betel. 

Elias disse a Eliseu: «Fica aqui porque o Senhor envia-me a Je­ricó.» Ele respondeu: «Pelo Deus vivo e pela tua vida, juro que não te dei­xa­rei.» E, assim, che­ga­ram a Jericó.

Elias disse a Eliseu: «Fica aqui porque o Senhor envia-me ao Jordão.» Mas Eliseu res­­pondeu: «Pelo Deus vivo e pela tua vida, juro que não te deixarei.» E par­tiram juntos. 

Elias tomou o seu manto, dobrou-o e bateu com ele nas águas, que se separaram de um e de outro lado, de modo que pas­­saram os dois a pé enxuto. Tendo passado, Elias disse a Eliseu: «Pede o que quiseres, antes que eu seja se­pa­­rado de ti. Que posso fazer por ti?» Eliseu respondeu: «Seja-me con­ce­dida uma porção dupla do teu espí­rito.» Elias replicou: «Pedes uma coisa difícil. No entanto, se me vires quando estiver a ser arrebatado de junto de ti, terás aquilo que pedes; mas, se não me vires, não o terás.»

Continuando o seu caminho, en­­tre­­tidos a conversar, eis que, de re­pente, um carro de fogo e uns cava­­los de fogo os separaram um do outro, e Elias subiu ao céu num redemoi­nho. Eliseu viu tudo isto e excla­mou: «Meu pai, meu pai! Carro e con­dutor de Israel!» E não o voltou a ver mais.

2 Rs 2, 1-2; 4; 6; 8-12

 

Elias é conhecido como sendo o pai dos profetas, um dos primeiros sobre quem o Salmista canta

Esta é a geração dos que O procuram,

dos que buscam a face do Deus de Jacob.

Sl 24, 6

Elias foi chamado por Deus numa das (diversas) alturas em que o povo hebreu se começava a esquecer do Senhor. A sua missão não foi nada fácil. Foi chamado, tal como anos mais tarde também João Baptista, a ir falar com o Rei e a ter coragem para lhe dizer, clara e publicamente, todos os seus pecados .... o que, claro, não foi nada bem recebido.

Claro que foi perseguido, claro que o tentaram matar, claro que foi obrigado a fugir para preservar a vida ... Tal como acontece até aos dias de hoje a todos nós, cristãos e católicos; mas a "morte" que nos procuram dar, quando proclamamos aquilo que é a Verdade, hoje em dia é diferente, é de outro estilo: "morte" por difamação e, especialmente, "morte" por ridicularização ... Sejamos corajosos para a enfrentar!

 

O Profeta Elias encontrou refúgio na casa duma pobre viúva e do seu filho único, que se preparavam para tomar a sua última refeição... mas que belo hotel me encontraste, Senhor! 

Uma mãozinha de farinha, umas gotas de azeite, era tudo o que tinham e ainda assim ofereceram-no ao Senhor - que lição tão grande e rica para todos nós  ... 

 

Elias, que chega a desafiar e vencer os 450 feiticeiros mais poderosos de Baal à frente do Rei, foge logo a seguir com medo da promessa de vingança de uma única mulher, Jezabel ... Záaas! passa do orgulho à humildade, em menos de nada.

Fugindo, Elias acaba por vaguear no deserto - o mesmo deserto que o povo hebreu tinha atravessado séculos antes - chegando até ao topo do monte Sinai, o mesmo monte onde Moisés conversou com Deus como um amigo, durante 40 dias e noites, até receber as tábuas dos Mandamentos.... 

Neste monte, Elias tentará esconder-se - de si mesmo, da sua própria cobardia, ou de Deus? - numa gruta escavada na rocha, mas nem aí consegue fugir da paixão que arde no seu coração ...

Ten­do chegado ao Horeb, Elias pas­sou a noite numa caverna, onde lhe foi di­rigida a palavra do Senhor: «Que fazes aí, Elias?»

Ele respondeu: «Es­tou a arder de zelo pelo Senhor, o Deus do uni­verso, porque os filhos de Israel aban­­donaram a tua aliança, derru­ba­ram os teus altares e assas­sinaram os teus profetas. Só eu esca­pei; mas também a mim me querem matar!»

11O Senhor disse-lhe então: «Sai e mantém-te neste monte, na pre­sença do Senhor; eis que o Se­nhor vai passar.»

Nesse momento, passou diante do Senhor um vento impe­tuoso e violento, que fendia as mon­tanhas e quebrava os rochedos diante do Senhor; mas o Senhor não se encontrava no vento. Depois do vento, tremeu a terra. Passou o tremor de terra e ateou-se um fogo; mas nem no fogo se encontrava o Senhor. De­pois do fogo, ouviu-se o murmúrio de uma brisa suave. Ao ouvi-lo, Elias cobriu o rosto com um manto, saiu e pôs-se à entrada da caverna.

Disse-lhe, então, uma voz: «Que fazes aqui, Elias?» Ele res­pon­deu: «Ardo em zelo pelo Senhor, Deus do uni­verso, porque os filhos de Israel aban­­donaram a tua alian­ça, derru­baram os teus altares e mata­ram os teus profetas. Só eu escapei; mas agora também me querem ma­tar a mim.»

O Senhor disse-lhe: «Vai e volta pelo caminho do deser­to, em direc­ção a Damasco.

1 Rs 19, 9-15

Porque foi Elias arrebatado aos Céus num carro de fogo?

Ora, um profeta que passou toda a sua vida a arder de zelo pelo Senhor, Deus do Universo, não podia ser recebido nos Céus de outra forma que não arrebatado num carro de fogo, pois não? 

elias 2.jpg

Conseguem ver a igreja lá ao fundo? É aí que se acredita que o profeta Elias foi arrebatado até aos Céus. 

 

Também foi aqui, nas terras da Jordânia, que Jacob lutou durante toda a noite com o anjo do Senhor ...

Também foi aqui, nas terras da Jordânia, que o Rei David mandou que colocassem Urias, o hitita, em plena frente de batalha, para que morresse, e assim pudesse casar com a sua esposa, Betsa­bé ... 

Também foi aqui, nas terras da Jordânia, que, anos mais tarde o Rei David se refugiou, fugindo do seu próprio filho Absalão que o tentara matar ...

Também foi aqui, nas terras da Jordânia, que o rei Herodes mandou decapitar João Baptista, a mando dum puro capricho duma jovem ...

Também foi aqui ...

 

Oh, havia ainda tanto para contar ... 

Mas o nosso autocarro chega finalmente à fronteira com Israel. 

Está na altura de seguirmos caminho; está na altura de entrarmos na Terra Prometida ...

 

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

As ruínas da cidade dos sábios

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

 

Ah, a cidade de Mênfis!

Uma cidade criada por volta do ano 3.000 a.C. (antes de Cristo!) e que durante séculos foi a capital do Império Egípcio. Foi nas ruínas desta cidade antiga que foi descoberta a grande estátua do Faraó Ramessés II. Era conhecida como a "cidade branca", pela abundância das suas construções em mármore (na época de Jesus, Jerusalém era a cidade conhecida como a "cidade branca" - algo que permanece até aos dias de hoje - mas partilharei sobre isso em posts futuros). Dada a sua localização estratégica no delta do rio Nilo, era uma cidade com grande actividade comercial, religiosa e militar. 

 

Samuel, o nosso querido guia egípcio (e um valente cristão copta!), conta-nos que os principais filósofos, professores e doutores daquele tempo, vinham até Mênfis para poderem aumentar os seus conhecimentos. Esta cidade, em tempos conhecida também como a "cidade dos sábios", possuía diversas escolas e universidades, assim como pelo menos um "hospital".

menfis 2.jpg

Ruínas do antigo hospital da cidade de Mênfis

Há evidências de que Sócrates e Hipócrates estudaram nesta cidade. Aliás, o conhecimento-base que era exigido para se poder entrar nas suas escolas, era de tal forma elevado que foi negada a entrada de Hipócrates por 6 vezes (por ser demasiado burro, imaginem só!) antes de ser finalmente aceite como aluno...

Supõe-se também que Moisés, ao ser adoptado pela filha do Faraó (provavelmente o Faraó Ramessés II), terá igualmente estudado nas escolas de Mênfis ...

 

Mas, apesar de tanta beleza, riqueza e esplendor, dada a dureza dos corações dos seus habitantes, tanto o profeta Isaías, Ezequiel e Jeremias profetizaram a queda da cidade de Mênfis ... hoje, realmente, pouco resta desta cidade em tempos tão grandiosa ...

 

"Oráculo contra o Egipto. Olhai! O Senhor, montado so­bre uma nuvem veloz, entra no Egipto: os ídolos do Egip­to tremem diante dele, e o coração dos egípcios aperta-se no seu peito. Farei com que os egípcios se le­vantem contra os egípcios, lutarão irmãos contra irmãos, ami­gos contra amigos, cidade contra cidade, reino con­tra reino. O Egipto perderá o seu valor. 

Onde estão agora os teus sá­bios? Que eles te anunciem, se é que podem, os desígnios do Senhor do uni­verso contra o Egipto. Os príncipes de Tânis estão lou­cos, e os da cidade de Mênfis andam iludidos; os chefes das suas tribos desen­caminham o Egipto. 

O Egipto nunca mais terá su­cesso, desde o rei ao escravo, desde a palmeira ao junco."

(Is 19,1-3; 12-13;15)

 

"Anunciai no Egipto, publicai em Migdol, em Mênfis e em Taapanés. Dizei: ‘Levanta-te, prepara-te, que a espada vai devorar tudo à tua volta.’ Porque caiu o poderoso deus Ápis e não se mantém de pé? Porque o Senhor o derrubou.

Preparai a bagagem para o exílio, habitantes da terra do Egipto, porque Mênfis vai transformar-se em deserto, lugar devastado e sem habitantes. 

Foi derrotada a capital do Egipto, entregue nas mãos de um povo do Norte."

(Jr 46,14-15; 19; 24)

 

"Assim fala o Senhor Deus: Destruirei os ídolos e farei desaparecer os grandes de Mênfis."

(Ez 30,13)

 

Como é possível que, uma cidade cheia de sábios, não tenha reconhecido o verdadeiro Deus? Oh, de que vale tanto conhecimento - que, na realidade, é vazio? Também nos dias de hoje se pode observar na nossa sociedade esta realidade ... e a História já nos mostrou, vezes e vezes sem conta, o que acontecerá - desta cidade, em tempos tão importante, pouco resta e nos seus destroços vivem hoje apenas ratos e insectos ...

Ao ver tantas ruínas, só pensava nas palavras de Jesus:

«Bendigo-te, ó Pai, Senhor do Céu e da Terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e aos entendidos e as revelaste aos pequeninos. Sim, ó Pai, porque isso foi do teu agrado.»

(Mt 11,25-26)

E lembro-me de mais uma das maravilhosas canções da Danielle Rose (que é, como sabem, a minha cantora favorita) e das palavras da Madre Teresa de Calcutá:

Small Things With Great Love

(Lc 10,21) 

 

Not to the learned nor to the kings,
But to the little ones you show the mysteries.
I rejoice when I am weak, for you will give me all I need.
Though I cannot fly, you carry me to heaven.

You have not called me to be successful;
You have called me to be faithful.

I can do small things with great love
That is enough.
I can do small things with great love
And make my life something beautiful for God.

One drop in the ocean,
One petal in the garden,
One hidden sacrifice,
One reason for my life,
One dance before your throne,
One child to give a home,
One step towards Calvary,
One touch of empathy.

I can do small things with great love
That is enough.
I can do small things with great love
And make my life something beautiful for God.

Yesterday is gone,

Tomorrow has not yet come.
We have only today.
Let us begin.

Be faithful in small things,
For in them our strength lies.

Pequenas coisas com grande amor

(Lc 10,21)

 

Não para os sábios nem para os reis,
Mas para os pequeninos Tu mostraste estes mistérios.
Eu alegro-me quando sou fraca, porque Tu me darás tudo o que eu preciso.
Embora eu não possa voar, Tu levas-me até ao Céu.

Tu não me chamaste para ser bem sucedida
Tu chamaste-me para ser fiel.

Eu consigo fazer pequenas coisas com muito amor
Isso é suficiente.
Eu consigo fazer pequenas coisas com muito amor
E fazer da minha vida algo bonito para Deus.

Uma gota no oceano,
Uma pétala no jardim,
Um sacrifício oculto
Uma razão para a minha vida
Uma dança à frente do Teu trono
Uma criança para oferecer um lar
Um passo em direção ao Calvário
Um toque de empatia.

Eu consigo fazer pequenas coisas com muito amor
Isso é suficiente.
Eu consigo fazer pequenas coisas com muito amor
E fazer da minha vida algo bonito para Deus.

O ontem já se foi,

O amanhã ainda não chegou.
Nós apenas temos o dia de hoje.
Comecemos então.

Sê fiel nas pequenas coisas
Pois nelas reside a nossa força.

 

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~