Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Sem Mim, nada podeis fazer ....

Neste Domingo tão especial, em que celebramos a Divina Misericórdia de Jesus, gostava de partilhar convosco algumas reflexões e ensinamentos que aprendi e experimentei nos 3 dias de vivência do Tríduo Pascal, junto das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, em Palmela. São pequenas notas dispersas ... mas desejo sinceramente que elas vos possam abençoar e tocar o coração de algum modo ... 

 

"Sem Mim, nada podeis fazer..." (Jo 15,5)

Palavras duras de Jesus. Parece quase um Mandamento - "Sem Mim, nada podeis fazer..."

Palavras difíceis de ouvir ... e ainda mais difíceis de reconhecer como verdadeiras - porque o são, de facto - mas custa, custa tanto admitir ... Posso fazer muita coisa, sozinha, à minha maneira, pelas minhas próprias mãos e inteligência e projectos ... mas, na realidade, sem Jesus, nada posso fazer que tenha verdadeiro valor, que seja rico em amor, que seja realmente significativo, que tenha valor eterno ... 

 

Sim, "sem Mim, nada podeis fazer", é verdade meu Jesus, é a mais pura das verdades. Mas, com estas palavras, pelo Teu grande e infinito amor, também nos dizes que "conTigo, tudo poderemos fazer... " ... ah, que doce e terna verdade - "conTigo, tudo poderemos fazer... " - tudo, tudo, tudo .... 

 

~

 

Quinta-feira Santa - dia da Última Ceia do Senhor - dia da instituição da divina Eucaristia

Que dia este que celebramos todos juntos em Igreja, um dia tão rico em ensinamentos - tão importantes e tão profundos - numa comunhão infindável entre os acontecimentos do Antigo Testamento e o seu pleno cumprimento e significado na vida e morte e ressurreição de Jesus ...

 

A Ceia Pascal hebraica - que nos chama, a cada um de nós, a trazer à memória e a dar testemunho...

Trazer à memória ... Lembra-te, povo de Israel, da Minha salvação, lembra-te de como vos salvei da escravatura do Egipto, onde éreis escravo do pecado. Eu vos salvei tantas e tantas vezes, e vocês continuaram a adorar outros deuses - uns de ouro, outros de carne, outros de dinheiro ou sucesso ou reconhecimento, outros - pior de tudo - fizeram de vós próprios o "deus" das vossas vidas... Lembra-te, povo Meu, que Me pertences - paguei por vós um preço tão elevado: todo o amor e sangue e misericórdia do Meu próprio coração, por vós entreguei, para que tenhais vida e vida em abundância.... Façam memória - de Mim, da nossa história e da nossa História - mas uma memória viva, presente, contínua ...

Dêem testemunho - contem aos outros tudo o que Eu fiz por vocês, por cada um de vocês; partilhem e transmitam esta memória - que é tua, que é vossa, que é Nossa - para que todos possam celebrar, connosco, junto de nós, estes dias de festa - alegrai-vos e exultai, porque é eterno o Meu amor ...

 

Pascoa Jovem 1.jpg

Nesta Última Ceia - um acontecimento de tal modo importante que está descrito nos 4 Evangelhos - Jesus dá um especial simbolismo ao pão ázimo - entrego-vos a Minha pessoa - e ao vinho - entrego-vos a Minha vida....

 

O sangue, simbolizado nesta Ceia pelo vinho, para os judeus, era algo tão sagrado, tão puro, que apenas podia pertencer a Deus. Por isso, ninguém podia tocar em sangue; por isso a carne tinha de ser tão bem cozinhada. Mas - quanta admiração, quanto espanto! - é Deus, o próprio Deus, que oferece o Seu sangue; que, com o Seu sangue, nos toca, que toca a nossa vida - tornando-a pura e sagrada também. Quanta humildade a de Jesus - permitir-nos tocar no Seu sangue, tão precioso e puro e sagrado, na santa Eucaristia ... 

 

O cordeiro que era servido nesta Ceia Pascal estava sujeito a uma série de exigências, cheias de sentido profético, como certamente entenderão - o cordeio devia ser macho, sem qualquer defeito, devia ser assado num espeto em forma de cruz e nenhum osso deveria ser quebrado ... oh, Jesus, que vieste cumprir perfeitamente todas as Sagradas Escrituras ....

 

~

 

Durante a noite da Quinta-feira Santa, lemos o Evangelho de São Mateus e de São João que nos contam o seguinte acerca dos acontecimentos da Última Ceia de Jesus:

"Enquanto comiam, disse [Jesus]: «Em verdade vos digo: Um de vós Me há-de entregar.» Profundamente entristecidos, começaram a perguntar-Lhe, cada um por sua vez: «Porventura serei eu, Senhor?»" (Mt 26, 21-22)

 

"Jesus perturbou-se interiormente e declarou: «Em verdade, em verdade vos digo que um de vós Me há-de entregar!» Os discípulos olhavam uns para os outros, sem saberem a quem se referia. Um dos discípulos, aquele que Jesus amava, estava à mesa reclinado no seu peito. Simão Pedro fez-lhe sinal para que Lhe perguntasse a quem se referia. Então ele, apoiando-se naturalmente sobre o peito de Jesus, perguntou: «Senhor, quem é?»" (Jo 13, 21-25)

Eu fiquei absolutamente chocada nessa noite! Claro que esta não foi nem a primeira, nem a segunda, nem talvez a décima vez que li e ouvi esta passagem do Evangelho, mas nunca, nunca me tinha apercebido que os Apóstolos não faziam a mínima ideia de que seria Judas Iscariotes a trair Jesus. A nenhum deles ocorreu a ideia de poder ser Judas! Antes, começaram a perguntar-se a si mesmos. Não faziam a mínima ideia ...

Pedro chega ao cúmulo de ter de pedir a João para perguntar a Jesus, quem poderia ser ... ninguém suspeitou de Judas, ninguém ....  absolutamente incrível!

Judas nunca se tinha mostrado nem revelado, realmente, a nenhum dos seus companheiros. Apesar de tudo o que passaram juntos, Judas tinha sempre usado uma máscara perante os seus "amigos", ocultando os verdadeiros desejos do seu coração.... oh, Judas, porque o fizeste?

Se, ao menos, Judas tivesse dado a antever aquilo que iria fazer nessa noite ... se, ao menos, algum dos discípulos estivesse atento e compreendesse o que estava a acontecer dentro do coração de Judas ... estou certa de que teria feito de tudo para o impedir, para o convencer do contrário - não só por amor e protecção de Jesus, seu adorado Mestre e Senhor, mas também por amor fraterno ao próprio Judas ... oh, Judas, porque nunca te deste a conhecer? - sim, pecador, grande pecador ... mas ainda assim ... porque não permitiste que alguém te pudesse ajudar?

 

~

 

A agonia no Getsemani

Jesus sente uma angústia terrível, incomparável ... e simplesmente pede aos seus amigos que fiquem com Ele, que O acompanhem naquele momento, em que Ele mais precisa do seu apoio ... mas acaba sozinho ...

Jesus abre-nos o Seu coração - que, naquele momento, está cheio de sentimentos de «pavor, angústia e tristeza de morte» - e partilha connosco o que está a passar ... Jesus apenas nos pede: «Ficai aqui e velai comigo» ... acompanhem-Me ... estejam Comigo ... não vos fecheis, não fujais, não vos deixeis abater ... não ponhais a vossa força naquilo que é passageiro nem em vos mesmos, mas sim em Deus ... «Ficai aqui e velai comigo» ....

Contudo, no final, quando O vêem prender ... apercebemo-nos que "fugiram todos"... naquela noite, não foi apenas Judas que traiu Jesus ... mas também Pedro e João e todos os discípulos, também tu e também eu ... 

 

~

Pascoa Jovem 2.jpg

 

O julgamento e condenação de Jesus

"Pilatos convocou os sumos sacerdotes, os chefes e o povo, e disse-lhes: «Trouxestes este homem à minha presença como agitador do povo.»" (Lc 23, 13)

Agitador do povo....

Jesus é apresentado como agitador; Ele que toda a Sua vida tinha levado, semeado e propagado a paz, aquela paz transformadora e inexplicável que vem de Deus ... 

Julgado por quem não O conhece ... abandonado e traído pelos Seus amigos ... oh, Jesus, que Te fiz eu? ....

 

Mas, apesar de tudo, Jesus confia; apesar de tudo, Jesus sabia-se profundamente acompanhado pelo Pai; e por isso não procura fazer justiça pelas suas próprias mãos e meios.... pelo contrário, Jesus deixa que as coisas aconteçam naturalmente e a seu tempo, que é o tempo de Deus ... E fá-lo com a simplicidade e humildade de quem confia em Deus Pai e O deixa agir, deixando que Deus seja Deus.... o tempo de Deus ... deixando que Se faça ... 

 

~

 

Via Sacra 

Recordemos a paixão de Jesus...   Recordar, que significa 'voltar a passar pelo coração' ... 

E reconheçamos o nosso lugar ao pé da cruz de Jesus - qual o lugar que me pertence? que só pode ser meu? que só eu posso preencher e ocupar? Sejamos valentes e descubramos ... 

 

Pilatos lava as mãos. Não quer estar do lado dos que condenam Jesus, mas também não se coloca ao lado de Jesus. O silêncio de Pilatos não tem nada a ver com o silêncio de Jesus: o silêncio de Pilatos mata; o silêncio de Jesus é pura misericórdia....

 

Os soldados colocam uma capa escarlate e uma coroa de espinhos em Jesus - pensam saber o que Ele procurava: poder, riqueza e honra ... Mas ao longo da Sua vida na terra, Jesus sempre respondeu à honra com a humildade, à riqueza com a pobreza e o poder com o serviço ...

 

Mesmo sentindo o peso da Cruz nas Suas costas, Jesus não abdica de escolher o bem.... cada passo, cada silêncio, cada gesto, cada palavra deste percurso são Suas escolhas sucessivas, são a demonstração do Seu contínuo e infinito amor ... Jesus não perde qualquer tempo, não perde nenhum segundo e toma nas Suas mãos o tempo que ainda tem, para continuar a amar e dar a conhecer o Pai. Até ao fim, até ao extremo .... 

 

Apesar de tudo, Jesus não caminha sozinho neste percurso até ao Calvário - Jesus deixou-se ajudar por Simão de Cirene que, sem contar, vê-se numa situação difícil; Simão que, sem contar, é chamado a acompanhar Alguém durante a Sua dor e a partilhar o peso da Sua cruz.... Simão também não caminha sozinho; e aceita partilhar - ainda que por alguns momentos - a dor de Jesus.

 

Verónica não tem força para carregar a cruz de Jesus mas pode, com a sua presença carinhosa e compassiva, aliviar um pouco, um pouco que seja, o Seu sofrimento. Enxuga o sangue, o suor, a dor. Consola, da forma que pode, e tenta aliviar o sofrimento - por um pouco que seja .... 

 

Crucificado. Não, não são os pregos que seguram Jesus na cruz - mas sim o Seu amor, que O faz permanecer. O mundo não compreende ... mesmo pregado na cruz, Jesus continua a ter escolha, continua a ser livre para amar e fazer o bem, mesmo nas circunstâncias em que se encontra ... 

 

~

Pascoa Jovem 3.jpg

 

Libertei-te do Egipto ... e tu preparaste-me uma Cruz, preparaste uma Cruz ao teu Salvador.

Libertei-te das velhas cadeias que te atavam, ajudei-te a vencer os medos que te oprimiam .... e tu não me reconheceste como teu grande Amigo, como teu Salvador ....

Ó Meu povo, que te fiz, em que te ofendi? Responde-me ...

 

Guiei-te pelo deserto durante quarenta anos, alimentei-te com o maná e fiz-te chegar a uma terra muito boa ... e tu preparaste uma Cruz para o teu Salvador ....

Guiei-te durante todo o teu processo de crescimento até chegares aqui, alimentei-te com o pão da Minha palavra e do Meu corpo, dei-te a Minha vida e fui-te envolvendo na Minha intimidade ... e tu viraste-Me as costas ....

Ó Meu povo, que te fiz, em que te ofendi? Responde-me ...

 

Que mais devo fazer e não fiz?

Fui Eu que te plantei como a mais bela das vinhas, a Minha escolhida ... e tu tornaste-te amarga para Mim; saciaste a Minha sede com vinagre e com uma lança abriste o peito do teu Salvador ...

Que mais devia fazer e não fiz?

Fui Eu quem fez de ti o que és hoje e o Meu amor por ti não conhece limites ... e tu tornaste-te ingrata para Mim; preferiste outros "amores" que te afastam de Mim e destroçaste o Meu coração ao recusares o Amor do teu Salvador ....

Ó Meu povo, que te fiz, em que te ofendi? Responde-me ...

 

~

 

Sábado Santo - dia de deserto ....

Uma vida sem Ti ... uma vida em que Tu deixasses de existir .... pedem-nos para imaginarmos como os discípulos terão vivido estes dias .... e eu não consigo. Pedem-nos para imaginarmos uma vida sem Ti; pedem-nos para imaginarmos como seria, como nos sentiríamos, o que faríamos - se Tu deixasses de existir nas nossas vidas ... e eu simplesmente não consigo imaginar. Seria um vazio tão grande, tão grande ... seria uma vazio absolutamente indescritível ... 

Penso na minha vida passada, antes de ser cristã, penso na dor e no sofrimento, na superficialidade, na ausência de rumo, na ausência de amor ... mas até nessa altura da minha vida eu consigo reconhecer a Tua mão a guiar-me, o Teu carinho disfarçado, o Teu chamamento incessante - volta, volta para casa, para Mim - o Teu amor e misericórdia infinita ... 

Penso na minha vida actual e tento, como me pedem, imaginar uma vida sem Ti - mas eu não consigo. A dor é demasiado grande, incomparável; o vazio seria colossal, infinito ... como posso eu imaginar uma vida sem Ti, sem Aquele que mais amo, Aquele que transforma continuamente em amor todas as coisas na minha vida, tanto grandes como pequenas, Aquele por quem eu faço (quase) tudo - simplesmente não consigo imaginar, não consigo ...

Consigo imaginar uma vida sem a mãe, sem o pai, sem os avós, sem os meus mais queridos amigos; consigo imaginar uma vida em que já não seria médica de família; consigo imaginar uma vida sem a minha casinha e a minha independência; consigo até imaginar uma vida sem saber ler, ou sem ver ou sem andar .... mas uma vida em que Tu deixasses de existir?... impossível ... não consigo, não consigo sequer imaginar como seria ....

 

~

 

O nosso Deus é um Deus que faz história com cada um de nós e que faz parte da nossa História; um Deus que Se faz, tal como Se fez e tal como continuará a fazer, história - connosco.

Oh, não percamos a nossa memória ... lembra-te Israel, lembra-te Marisa, que o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor, amarás o Senhor com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todas as tuas forças, e ao próximo como a ti mesmo, faz isto e serás feliz (Lc 10, 27-28).

É preciso fazer memória continuamente - todos os dias e, alguns momentos da nossa vida, duma forma ainda mais profunda - memória de todo o bem que o Senhor fez nas nossas vidas, de todo o Amor transbordante, de todas as aventuras, de todas as lágrimas e dores, de todos os sorrisos mais sinceros e profundos, de todas as bênçãos e graças recebidas, de toda a misericórdia, oh, de toda a misericórdia imerecida ... Não nos esqueçamos de Quem é Deus, de Quem Ele foi na nossa vida e de Quem Ele nos prometeu que sempre será. Não percamos a memória, recordemos - passemos de volta pelo coração - sim, é nosso dever estar sempre a re-avivar a nossa memória ...

 

~

Pascoa Jovem 4.jpg

 

Vigília Pascal 

Os primeiros cristãos celebravam a Vigília Pascal iniciando a celebração ao pôr do sol de Sábado Santo, continuando por toda a noite adentro, até à chegada do novo dia, Domingo de Páscoa - o que pretendia simbolizar a nossa morte com Cristo, a morte do homem velho com coração de pedra, para podermos ressuscitar também com Cristo, já como homens de coração novo, de carne....

Na verdade, ainda hoje, se estivermos bem atentos, conseguiremos reparar que as diversas partes da nossa Vigília Pascal pretendem transmitir esta ideia maravilhosa e transformadora, ora vejamos:

 

1) Liturgia da Luz

O lume ou fogo novo como símbolo da vida nova, iluminada. O fogo como lugar de encontro e de alegria. Neste lume novo acendemos o Círio Pascal, que permanecerá aceso até ao dia de Pentecostes.

Seguimos em procissão, todos juntos, no escuro da noite, atrás do Círio Pascal nas mãos do sacerdote, a luz de Cristo que ilumina as nossas vidas - relembrando-nos da longa viagem do povo de Israel em direcção à Terra Prometida ...

 

2) Liturgia da Palavra

O vento como símbolo do novo alento, da nova vida, inspirada, que Jesus nos oferece. A Palavra de Deus é proclamada, em voz alta e por vezes cantada, em 7 leituras diferentes provenientes do Antigo Testamento, intercaladas com cânticos dos Salmos e 2 passagens do Novo Testamento.

Escuta Israel, escuta povo de Deus ...

 

3) Liturgia Baptismal

A água como símbolo da libertação e da purificação. Cantamos a ladainha dos Santos, pedindo a Sua intercessão para que ajudem a purificar a água com a qual seremos benzidos. É o dia por excelência para alguém ser baptizado e todos somos convidados a renovar as nossas próprias promessas baptismais.

Ao sermos aspergidos com a água baptismal, é como se estivéssemos a recordar (a passar de novo pelo coração) o nosso baptismo e, assim, a renovar e a reactivar, a pôr de novo em acção, todas as bênçãos e graças recebidas no dia do nosso baptismo.

 

4) Liturgia Eucarística

A comunhão - alimenta-me, Senhor, porque sem Ti não consigo fazer nada...

Durante o ofertório, entregamos (de volta) todas as coisas que fazem parte da nossa vida (e que Deus livremente nos ofereceu), mas entregamos em especial tudo aquilo que ainda precisa de ser transformado.

Na fracção do pão, vemos Jesus que Se dá a conhecer, que Se oferece por inteiro, abrindo-Se a cada um de nós, permitindo-Se ser partido ao meio, para poder a ficar a morar no mais fundo do nosso ser.

E, assim, quando o sacerdote nos enviar "ide e fazei discípulos de todos os povos", sabemos que não iremos sozinhos, mas com o próprio Deus dentro de nós. 

 

Sem Mim, nada podeis fazer ... Comigo, tudo podereis fazer!

 

Um abençoado Domingo da Divina Misericórdia para todos!

No deserto com o Senhor

O Senhor levou-me ao deserto, uma vez mais. Até parece que estamos em plena Quaresma, não é? 

 

Sabem, este ano, dei por mim a desejar que a Quaresma nunca mais chegasse. Adiei e adiei e adiei até ao máximo tudo o que pudesse ter a ver com a Quaresma. Eu não queria que a Quaresma chegasse... 

Porquê? Porque a Quaresma dói, a Quaresma custa. Viver verdadeiramente uma Quaresma dói e custa. 

Quaresma é tempo de mudança, de purificação, de morte - para o nosso homem velho, pecador, orgulhoso, auto-suficiente - para que um novo homem, humilde, livre das cadeias do pecado, ardente de amor por Deus e pelo próximo, possa nascer e crescer.

 

Racionalmente, eu sabia tudo isto. Mas deixei-me levar pela voz sedutora e mentirosa do Maldito, que me assegurava e convencia do quanto uma Quaresma é exigente e dura e sofrida .... 

A graça e o amor de Deus, porém, vence tudo. E assim, após um período de arrependimento e reconciliação, deitei mãos e coração e cérebro a planear a Quaresma de 2019. Oh, ia ser perfeita - ia fazer isto e aquilo e o outro, abdicaria disto e daquilo, aprenderia a fortalecer esta e aquela virtude, venceria este e aquele vício e pecado com este e este método e ....

 

Claro, Deus - louvado seja - à primeira oportunidade, deitou os meus lindos planos pela janela e virou a minha vida do avesso. Louvado seja! Um Pai que não dá aos seus filhos aquilo que eles querem, mas sim aquilo que eles precisam e que é realmente melhor para eles.

 

Portanto, esta Quaresma, com todos os seus sacrifícios, alegrias, dores, milagres, bênçãos e graças, tem decorrido ao ritmo e ao sabor do nosso querido Salvador.

Ele é que tem escolhido as cruzes que me pede para levar - com Ele. 

Ele é que tem escolhido as lições a aprender. 

Ele é que tem escolhido as formas de eu amar o próximo.

Ele é que tem escolhido os pecados que precisam de ser redimidos e as virtudes que precisam de serem aprendidas e exercidas - aqui mesmo, neste exacto momento da minha vida, no meio desta tempestade que foge do meu controlo que tem sido a minha vida nos últimos tempos ...

 

Mas se queremos chegar à Terra Prometida, temos de passar primeiro pelo deserto. E assim Deus levou-me ao deserto, mais uma vez. Juntos, temos passado por períodos de intensa aridez; juntos, temos passado por períodos de dor - porque qualquer morte dói sempre - e esta Quaresma tem-me dado inúmeras oportunidades para o meu tremendo orgulho morrer, para a minha vontade egoísta morrer, para o meu desejo de controlar tudo à minha volta morrer, para as minhas inúmeras inseguranças e dúvidas e medos morrerem ... 

 

In The Silence Of The Heart

(Hosea 2:16-17, 21-22)

 

"In the silence of the heart
In the silence of the heart
In the silence of the heart You speak

 

Thus says the Lord, “I will allure her
I will lead her into the desert.

 

There she shall respond as in the days of her youth,
When she came up from the land of Egypt.

 

I shall espouse you to me forever,
In right and in justice, love and in mercy;
I’ll espouse you in fidelity,
And you shall know the Lord."

 

No Silêncio do Coração
(Oseias 2:16-17, 21-22)

 

"No silêncio do coração
No silêncio do coração
No silêncio do coração Tu falas

 

Assim diz o Senhor: "Eu vou seduzi-la
Eu vou levá-la para o deserto.

 

Lá ela responderá como nos dias da sua juventude,
Quando ela veio da terra do Egipto.

 

Eu vou desposar-te para sempre,
No direito e na justiça, amor e misericórdia;
Eu esposar-te-ei em fidelidade
E tu conhecerás o Senhor."

 

Não podia deixar passar a oportunidade de partilhar convosco mais uma das canções da minha cantora favorita - a Danielle Rose - cuja letra tem sido vivida tão intensamente por mim nesta Quaresma ...

 

Apesar de tudo, parece-me que simplicidade é a palavra que melhor pode definir esta Quaresma de 2019. Providencialmente, claro, tem sido uma óptima oportunidade para viver realmente o ensinamento mensal de Março das Famílias de Caná - O que está ao nosso alcance.

 

E vocês? Como tem sido a vossa Quaresma? 

Vai

Estávamos a poucos dias do fim da Quaresma, a poucos dias da Semana Santa.

No Evangelho de São Marcos, capítulo 10, leio que Jesus dirigia-se em subida para Jerusalém, a Cidade Santa, para aquela que seria a Páscoa da Sua cruz e ressurreição. Na berma da estrada estava sentado um mendigo, cego, chamado Bartimeu. Ao saber que Jesus se encontrava perto, ele põe-se a gritar: «Jesus, Filho de David, tem misericórdia de mim!», sem cessar. Jesus convida-o a aproximar-se. O cego suplica-Lhe «Mestre, que eu veja!» e Jesus responde «Vai, a tua fé te salvou!». Bartimeu recuperou a vista «e seguiu Jesus pelo caminho» (Mc 10, 47-52)

 

Vai.

Escolham um Evangelho para ler e analisem as palavras de Jesus a cada pessoa que se encontrava com Ele pelo caminho. Vão encontrar quase sempre esta resposta de Jesus - Vai. Agora que já te encontraste Comigo, agora que já Me conheceste - Vai.

 

Não é possível ter um verdadeiro encontro com Jesus e permanecer na mesma. É impossível que a nossa vida permaneça na mesma. Se permanecer, quer apenas dizer que afinal não O encontrámos realmente, que não O chegámos a conhecer. 

Vai, mexe-te. Vai e conta a toda a gente acerca de Mim, da Minha misericórdia, do Meu infinito amor. Vai e vive a tua nova vida que Eu te dei. Vai, por Mim. Vai, Comigo.

 

open hand of jesus.jpg

Imagem retirada daqui

 

Quem tenta seguir Jesus mas sem querer perder nada deste mundo, desta sociedade ... na verdade, está a perder tudo, porque não está a seguir Jesus. É simplesmente impossível ter as duas coisas. É preciso escolher. E todas as escolhas, todas, implicam perdas. Ao escolhermos algo, estamos a dizer não a tudo o resto. 

 

É difícil? É...Vai.

Vêm poucas pessoas por este caminho?  Sim .... Vai.

Vais ter de desistir de muita coisa? Sim.... Vai

Jesus precisa de ti. Sim, de ti! Vai!

 

As voltas de Deus e as lições de cada Quaresma

Estamos na Semana Maior, na semana mais importante de todo o ano!

Chegou depressa este ano - parece que esta Quaresma passou a correr...

São sempre tantas as lições que cada Quaresma me ensina, que me faz finalmente ver e verdadeiramente compreender ... que ás vezes é difícil escolher qual a mais importante, qual a que teve maior impacto na minha vida.

 

Hoje, queria contar-vos uma das lições desta Quaresma.

Não sei se já deram a Deus essa oportunidade, mas se sim, já descobriram que Deus gosta muito de nos "trocar as voltas". Deus gosta de vento! Deus gosta muito de baralhar e de bagunçar aquilo que nós tínhamos tão cuidadosamente planeado. Mas Deus é assim - Ele não deseja o nosso conforto nem a nossa comodidade, mas sim a nossa santidade. 

 

Cruz quaresma.jpg

 
Ora, para esta Quaresma, eu tinha planeado uma série de pequenas penitências, renúncias e actividades, após várias semanas (achava eu) a rezar e a meditar no assunto.
Deus, aparentemente, tinha outras ideias... e, quando me apercebi, dei por mim perante situações muito pouco usuais, particularmente desconfortáveis ... mas que, lá me apercebi um dia, após muito refilar delas, eu podia usar como mortificações nesta Quaresma!
 
Refiro-me a coisas simples mas que, para mim, são bastante difíceis: esforçar-me para ser mais sociável na paróquia; tentar começar conversas com pessoas que eu já tinha visto mas nunca tinha tido a coragem de falar; tentar conhece-las, ouvir as suas histórias, e deixar que elas me conheçam; ficar um pouco (ou muito) mais depois da missa; estar presente em actividades que eu normalmente não estaria, como na ceia antes da via sacra que a nossa paróquia organiza. 
Estas situações podem parecer insignificantes aos vossos olhos. Mas para mim, que sou tão tímida e envergonhada e introvertida ... para mim, pareciam autênticas aventuras, rumo ao desconhecido, sem saber o que iria acontecer a seguir. 
 
A verdade é que, esta Quaresma, como todas as outras, não é minha, não me pertence - é do Senhor e deve ser sempre Ele a decidir o que acontece e como acontece ... e não eu. Ele sabe, melhor que eu, qual o caminho que devo seguir para alcançar a santidade e tornar-me na santa que só eu posso ser.
 

 

Este Tríduo Pascal vai ter algo muito especial - vou viver uma aventura com Jesus!

Depois, conto-vos tudo   Vemo-nos depois do 1º dia da Páscoa!

Festa do Pai Nosso

- Esta vai ser a primeira vez que vou à missa! - disse-me uma menina na catequese deste sábado, numa voz cheia de entusiasmo

- Eu também!

- Também eu!

- E a minha também! - disseram os outros meninos e meninas, também eles cheios de entusiasmo e expectativa. Estavam empolgados com a missa do dia seguinte, porque nessa Eucaristia iríamos celebrar a Festa do Pai Nosso, dos meninos do 2º ano de catequese. 

 

Tenho de fazer um esforço para não pensar na pena e tristeza que sinto, sempre que me apercebo que a grande maioria dos 25 meninos da minha catequese não vem à missa .... nunca. Por mais que eu os convide (e aos pais e avós) todas as semanas, dentro destes 25, apenas 3 vêm regularmente à missa. Outros tantos vêm às vezes. Os restantes.... nunca vieram ao longo do ano porque, apercebi-me neste sábado, nunca vieram nas suas pequenas vidas.

 

- Quer dizer - retomou a primeira menina - a primeira vez não é, porque a minha mãe diz que houve uma no meu baptizado, mas aí eu era pequena e não me lembro de nada!... E várias vozes de concordância seguem a sua resposta.

 

Desta vez, recuso a deixar-me levar por pensamentos de derrota e de desânimo, como nas outras catequeses. Agarro-me às suas vozes de entusiasmo por irem pela primeira vez à missa. Estão realmente empolgados! 

Eu quero crer que este entusiasmo venha, não só por ser a primeira vez que vêm ou apenas porque vai ser a "sua" Festa do Pai Nosso, mas também por todas as conversas que já tivemos na catequese acerca da missa, de como é a missa e do que acontece na missa; mas, mais importante que tudo, vejo a Fé a desabrochar nos seus corações. 

 

Deviam ver também as carinhas de felicidade dos meninos que vêm regulamente à missa - esses sim, não conseguiam caber em si de contentes!! Não só por terem finalmente a companhia dos seus amigos mas também porque já sabem reconhecer a importância da Santa Missa.

 

Oh, Deus meu, que eles venham e que voltem!

Esta é uma das preces que eu mais rezo. Que eles, os Teus filhos pródigos, dispersos, cheios de dor e com tanta falta do Teu amor e misericórdia, que eles voltem para casa!

 

Penso que conhecem a velha máxima de Santo Inácio de Loyola

Trabalha, como se tudo dependesse de ti, e confia, como se tudo dependesse de Deus

 

Eu quero cativar aquelas crianças, mas principalmente os seus pais e avós, que desta vez aceitaram o meu quinquagésimo terceiro convite para virem à missa. Quero cativá-los para que voltem mais vezes!

 

Portanto mãos à obra, há uma Eucaristia para embelezar!

E que bênção é poder contar com a catequista do outro grupo do 2º ano, com a sua experiência, bom senso e abertura para novas ideias e sugestões. Conversas e conversas e conversas, emails e telefonemas, emails e telefonemas ....

Finalmente, tudo está organizado e dividido. Inacreditavelmente, em ambos os grupos, tanto os meninos como os pais, parece que todos aceitaram participar e ajudar em alguma coisa durante a missa. Glória a Deus! 

 

Voltemos ao dia de ontem, sábado de manhã, na catequese, véspera da Festa do Pai Nosso, onde decorreu aquele pequeno diálogo. Há uma grande actividade para preparar para o dia seguinte .... Shiu! Não contém a ninguém o que é! É surpresa!

 

Cartaz 1.jpg

Eu desenhei este mega-cartaz, para colocar à frente do altar na igreja. Não sei se dá para perceber muito bem, mas é composto por 2 cartolinas. Cada grupo de catequese pintou uma metade (uma cartolina) deste cartaz, sem saber como o outro grupo pintara a sua parte. Uns usaram lápis de cor, outros lápis de cera, algumas tintas e colas brilhantes... foi uma divertida confusão, todos queriam ajudar a pintar!

 

Eu tirei esta ideia do cartaz deste blog maravilhoso, que tem montes de ideias de trabalhos manuais para a catequese (apesar de ser escrito por uma catequista da igreja Anglicana)!

Depois de os meninos terem pintado o cartaz, eu reforcei os contornos dos desenhos com marcador preto e colei sobre cartão grosso para fortificar um pouquinho ... 

 

É domingo de manhã, o despertador toca e eu salto da cama, abrindo logo a janela mais próxima. Oh não! Chuva! Chuva, chuva e mais chuva! Vai estragar tudo!

Sim, choveu e bem ... até à exacta hora em que devíamos fazer a nossa entrada pela porta principal da igreja, dois a dois, num belo comboio com quase 40 crianças, à frente do Sr Padre e dos acólitos. A igreja está cheia de pessoas, que bom! Mas ai que vergonha, estão todos a olhar para nós!

 

Inacreditavelmente, ninguém tropeça nem cai ao ajoelhar-se à frente do Sacrário, ninguém empurra nem corre. Ena, eles estão a portar-se bem! E estão a ir direitinhos para os seus lugares! Mas que bem!

A missa pareceu-me um sonho - correu tudo tão bem! Tão bem! Todas as nossas ideias resultaram! E estão todos a cantar, ena!!

Subimos todos ao altar para rezarmos de mãos dadas a maravilhosa oração do Pai Nosso, que une sempre todas as pessoas que estão presentes na missa. Não importa se vêm sempre à missa, se participam na paróquia ou se há anos que não vinham - toda a gente sabe, de coração, a oração do Pai Nosso, e apenas isso é digno de louvor e de acção de graças!

 

Já no final da missa, algumas crianças reúnem-se à frente do altar, para algumas orações finais, enquanto outras elevam cartolinas coloridas com as frases do Pai Nosso, para toda a assembleia ver:

"Jesus obrigado:

Obrigado por nos ensinares que o Teu Pai também é nosso Pai,
Obrigado por nos ensinares que o Seu nome é santo e que também nós podemos ser santos,
Obrigado por nos ensinares que também nós podemos ajudar a construir o Reino de Deus, 
Obrigado por nos ensinares a importância de fazer o bem, e que através das nossas boas acções fazemos a vontade de Deus,
Obrigado por nos ensinares que o pão é vida, por nos ensinares a pedir pão para todas as pessoas, todos os dias,
Obrigado por nos ensinares que Deus tudo perdoa,
Obrigado por nos ensinares a perdoar,
Obrigado por nos ensinares que podemos pedir forças a Deus para sermos corajosos e fortes, para não fazermos o mal, mas sim o bem,
Obrigado por nos ensinares a falar com o nosso Pai que está no Céu e em todos os nossos corações."
Catequista Maria Teresa Capela

A missa terminou com muita alegria, muitos beijinhos e abraços e sorrisos ... e com alguns chocolates também - afinal é dia de festa!

 

Oh, é verdade - querem ver como ficou o cartaz? Digam lá se não ficou bonito!

Cartaz 2.jpg

 

Cartaz 3.jpg

 

Será que resultou? Será que voltam noutro dia?

Não sei, só Deus saberá. Porque só Deus, pela sua extraordinária graça, pode mudar os corações - daqueles que aceitarem essa graça. Eu, pelo menos, vou passar o resto do dia a cantar

A Ti (a Ti), Senhor (Senhor), meu Deus (meu Deus);

A Ti (a Ti), Senhor (Senhor), meu Deus (meu Deus)!

Te dou tudo o que sou

Tudo o que sou, Senhor, a Ti, tudo Te dou.

 

Meu coração e minhas mãos
Minha pobreza, tudo te dou.
Minha ternura, minha amargura.
O pão e o vinho da minha vida.

Vocação, missão e descanso em Deus

"Fomos criados por Deus para o descanso!"

 

O quê?? Eu ouvi bem??

Mais de 100 pessoas ficam a olhar, perplexas, para o sr. Pe José Pinheiro, no passado sábado dia 2 de Março, no início do retiro quaresmal para catequistas, a nível diocesano, que decorreu no nosso belíssimo Seminário em Almada.

 

"Sim, ouviram bem, Deus criou-nos para descansarmos Nele!"

Na verdade, já Santo Agostinho afirmava

Criaste-nos para Vós, Senhor, e o nosso coração vive inquieto, enquanto não repousar em Vós!

 

Mas não se enganem: descansar em Deus é muito diferente de não fazer nada. Aliás, envolve até fazermos muita coisa, dizer Sim a Deus muitas e muitas e muitas vezes - quando apetece e quando não apetece, quando dá jeito e quando não dá jeito nenhum, quando posso e mesmo quando não posso...

Mas devemos fazer tudo isso, com o nosso coração em paz, nas mãos de Deus, no exacto local onde ele pertence. Só encontramos verdadeiro descanso para a nossa alma, um descanso permanente, seguro, eterno, quando encontramos Deus e a Ele oferecermos a nossa pobre alma e aceitarmos descansar Nele.

 

rest in jesus.jpg

Imagem retirada daqui

 

Existem muitas pessoas que descansam demais (quantos exemplos podemos nós encontrar nos Evangelhos... e nas nossas vidas!)... ou melhor dizendo, usam essa desculpa para permanecerem estacionários no conforto das suas vidas

Outras, pelo contrário, não conseguem ficar quietas, fazem, fazem e fazem, como autênticas Martas... mas esquecem-se ou desvalorizam aquilo que é mais importante - conhecer e amar Deus, crescer todos os dias em intimidade com Ele, deixar que Ele nos fale ao coração, que cuide das nossas feridas, que nos ensine o caminho a seguir, e que desta relação de amor transborde abundantemente o amor pelo próximo.

Não importa o quão cheia ou agitada ou preenchida a nossa vida esteja. Pelo menos um momento de oração por dia é absolutamente essencial nas nossas vidas. Essencial! Imprescindível!

Porque

«Sem Mim, nada podeis fazer»   Jo 15,5

 

Cada um de nós tem uma vocação, um chamamento por parte de Deus, para sermos santos. Santos! Conseguem imaginar-vos santos? Eu não consigo imaginar-me! Mas o olhar de Deus vai sempre mais longe que o nosso...

Esta nossa vocação tem ser descoberta - alguns mais cedo, outros mais tarde na vida. E quando a descobrimos, devemos olhá-la com verdadeiro espanto (Tu queres-me a mim, Senhor?!), com verdadeira humildade (Oh Senhor, mas eu não sou digno!) e com verdadeiro agradecimento (Se Tu queres Jesus, então eu também quero!).

A nossa vocação surge do nosso encontro pessoal com Jesus. Eu não escolho a minha vocação - Deus escolhe. E por mais que eu a negue e que tente fugir e dizer que não, a nossa vocação é incontornável. Aceitarmos a vocação de Deus é o único, único caminho que sacia completamente e que me traz felicidade verdadeira.

Ao procurarmos Jesus, descobrimos depois a nossa missão; do nosso encontro com Jesus, brota uma missão. Enquanto a vocação à santidade é universal, é para todos, a missão que Deus tem para cada um de nós é única, irrepetível, personalizada. Ninguém a poderá fazer por mim. Tenho mesmo de ser eu. Só podia ser eu a fazê-la.

walk with jesus.jpg

Imagem retirada daqui

 

Ser catequista faz parte da missão que Deus escolheu para mim.

Partindo sempre do meu encontro pessoal, íntimo, familiar, de pleno amor, com Deus, eu devo dar testemunho aos outros, devo apontar o caminho, devo partilhar as maravilhas que Deus continuamente faz na minha vida, devo evangelizar, sempre, em todos os momentos, em todos os lugares, não apenas na sala de catequese.

 

Sábado foi um dia muito chuvoso, com muito vento e trovoada. Na hora de meditação pessoal durante o retiro, senti-me a ser chamada numa dada direção no Seminário. Eu já devia ter adivinhado quem seria - claro que fui encontrar uma bela estátua de Nossa Senhora, bem ali, à minha espera. Fiquei toda molhada, mas nem dei conta.

Ali, no meio dos trovões, da chuva, do vento, não pude deixar de reparar num pequeno passarinho que insistia em continuar a cantar - e que bem que cantava. Quanto mais chovia, mais trovejava, mais ele cantava! Que eu assim seja também ...

 

Para terminar, queria apenas partilhar convosco algumas ideias (já antigas, ao que parece) do nosso querido Papa Francisco (mas que eu nunca tinha lido antes!) para manifestarmos visivelmente o amor de Deus durante a Quaresma (e que foram partilhadas connosco durante o retiro).

 

15 actos de caridade como manifestações concretas de amor

  • Sorrir - um cristão é sempre alegre
  • Agradecer - embora não "precise" fazê-lo
  • Lembrar o outro quanto o amamos
  • Cumprimentar com alegria as pessoas que vemos todos os dias
  • Ouvir pacientemente a história do outro, sem julgamento, com amor
  • Parar para ajudar - estar atento a quem precisa de mim
  • Animar alguém
  • Reconhecer os sucessos e as qualidades do outro
  • Separar o que não se usa e dar a quem precisa
  • Ajudar alguém, para que possa descansar
  • Corrigir com amor - não calar por medo
  • Ter pequenas delicadezas para quem está perto de nós
  • Limpar o que se suja em casa
  • Ajudar os outros a superar os seus obstáculos
  • Telefonar aos nossos pais

 

E agora, para coisas ainda mais dificeis

O melhor jejum

  • Jejum de palavras negativas e abundância de palavras bondosas
  • Jejum de descontentamento e abundância de gratidão
  • Jejum de raiva e abundância de mansidão e paciência
  • Jejum de pessimismo e abundância de esperança e optimismo
  • Jejum de preocupações e abundância de confiança em Deus
  • Jejum de queixas e abundância de agradecimento pelas coisas simples da vida
  • Jejum de tensões e abundância de orações
  • Jejum de amargura e tristeza e abundância de alegria no coração
  • Jejum de egoísmo e abundância de compaixão pelos outros
  • Jejum de falta de perdão e abundância de gestos de reconciliação
  • Jejum de palavras e abundância de silêncio para ouvir os outros

A continuação duma santa Quaresma para todos!

Preparando a Quaresma - a necessidade de Penitência

Hoje é Quarta-feira de Cinzas, o 1º dia da Quaresma!

O dia de hoje e os próximos dias são a altura ideal para cada um reflectir acerca da sua necessidade de (re)conversão ao amor de Deus e à plena comunhão com os nossos irmãos. Sugiro-vos começarem esta reflexão lendo a mensagem do Santo Papa para a Quaresma de 2018 e depois a mensagem quaresmal do nosso querido Bispo de Setúbal

Como irão certamente perceber, as duas mensagens falam da necessidade de realizarmos penitências durante este período de 40 dias - que pode tornar-se num período tão fértil de bênçãos, se nós assim o pedirmos humildemente ao Senhor. 

Esta vai ser apenas a 4ª Quaresma da minha vida, e portanto, ainda estou em processo de aprendizagem acerca do real valor destes dias que a Igreja nos propõe, assim como dos diversos elementos que a acompanham. As penitências, apercebi-me no outro dia, eram talvez o que eu mais ... evitava, a todo o custo, nas Quaresmas anteriores ... até eu ter a oportunidade de ouvir os 3 vídeos que se seguem! Aconselho-vos vivamente a encontrarem um tempinho para os ouvirem atentamente! 

 

A Penitência Quaresmal - Pe Paulo Ricardo

 

Formas de penitência e as suas razões - Pe Paulo Ricardo

 

Como escolher a penitência para esta Quaresma? - Pe Leonardo

 

Calendário para a Quaresma (e para a Páscoa!)

Estamos quase a entrar na Quaresma - o período de excelência para nos renovarmos, para crescermos em amor, em santidade, em generosidade, em misericórdia e em perdão - perdoando aqueles que nos magoam mas também, o que por vezes pode ser muito mais difícil, perdoarmo-nos a nós próprios...

 

Um período de 40 dias, à semelhança de Noé e da sua família, que permaneceram dentro da arca que tinham construído durante 40 dias, mesmo após já terem visto o cume das montanhas, a emergir das águas do grande dilúvio, mantendo sempre viva a esperança na promessa que Deus lhes tinha feito, até pisarem, por fim, terra firme (Génesis cap 7 e 8). 

Um período de 40 dias, à semelhança dos 40 dias e noites que Moisés passou no monte Sinai, na presença de Deus, com quem falava como com um amigo, e onde recebeu a Lei com os dez Mandamentos (Êxodo 24).

Um período de 40 dias, à semelhança dos 40 anos que o povo de Deus passou no deserto, guiado por Moisés, depois de ter saído da escravatura do Egipto e antes de chegar à terra prometida (Deuteronómio 8).

Um período de 40 dias, à semelhança dos 40 dias que o profeta Elias caminhou até chegar ao cimo do monte Horeb, fortalecido pela comida e bebida que o Senhor lhe tinha enviado pelas mãos dum anjo (1 Reis 19).

Um período de 40 dias, à semelhança dos 40 dias em que o povo de Nínive fez penitência e jejum pelos pecados que eles próprios tinham cometido, arrependendo-se, pedindo e aceitando o perdão que Deus lhes oferecia (Jonas 3).

Um período de 40 dias, à semelhança dos 40 dias que Jesus passou voluntariamente no deserto, logo depois de ter sido baptizado por João Baptista no rio Jordão e antes de ter iniciado a sua missão de evangelização, onde foi duramente tentado pelo Maligno, e de onde saiu vitorioso, cheio do Espírito Santo (Mateus 4 e Lucas 4).

 

lent beginner.jpg

Imagem retirada daqui 

 

Mas 40 dias, às vezes, parece muito tempo, não parece?

Eu já aprendi por experiência que, para viver com verdadeira intencionalidade um período de tempo tão longo, eu preciso de ver os dias que passam e de ver em que zona do percurso me encontro, para não cair em desânimo por "ainda faltar tanto", nem na atitude do "ainda tenho tempo".

 

Assim, este ano pensei em fazer um calendário para a Quaresma e inspirei-me no maravilhoso calendário que a Jessica do blog Shower of Roses criou, para fazer não só um calendário para a Quaresma, mas também para a Páscoa (porque a Páscoa não é só um dia!)

 

Calendário para a Quaresma

Quaresma 1.jpgQuaresma 2.jpg

Quaresma 3.jpg

 

Podem ler como é que a Jessica fez o calendário delaEu vou descrever-vos como fiz o meu:

  • Comprei uma cartolina A3 branca (mas depois achei que o calendário iria ficar demasiado grande) e cortei-a ao meio.
  • Para o calendário da Quaresma, desenhei com marcador preto uma tabela com 7 linhas, subdivididas em 7 quadrados com 5x5cm. Para a linha superior dessa tabela, a 8ª linha, onde coloquei as etiquetas com os dias da semana, escolhi que tivesse apenas 4 cm de altura (mantendo os 5 cm de largura por cada quadrado).
  • Imprimi o título do calendário (ou aqui) e as etiquetas que desenhei (ou aqui).
  • Para cada dia da semana, comprometi-me a rezar por uma intenção em particular:

Domingo - Acção de graças por todas as bênçãos de Deus

Segunda-feira - Por todos os que sofrem

Terça-feira - Pela conversão dos pobres pecadores

Quarta-feira - Pelo nosso Papa e por todos os sacerdotes

Quinta-feira - Pela nossa família e por todas as famílias

Sexta-feira - Pelo perdão de todos os pecados no nosso mundo

Sábado - Por todos as almas no Purgatório

  • Recortei tudo e colei da forma que podem ver na 1ª imagem (iniciando deliberadamente cada semana pelo Domingo)
  • Escrevi o nº de dias da Quaresma (que não correspondem aos dias do mês, claro) e coloquei o símbolo do peixe nas 6ªfeiras (para me relembrar da maior importância desses dias)
  • Recortei 37 cruzes em cartolina roxa, com a ideia de adicionar, com bostik*, uma a uma, consoante passem os dias da Quaresma - sendo necessário ter realizado as renúncias e as penitências que me propus a fazer nesta Quaresma para poder pôr lá a respectiva cruz.
  • Pelas fotos podem ver como o calendário deve evoluir com o avançar da quaresma.

*pretendo usar bostik em vez de cola, para que possa re-utilizar o mesmo calendário para o próximo ano

 

 

Agora, passando para 

Calendário para a Páscoa

Pascoa 1.jpgPascoa 2.jpg

Pascoa 3.jpg

  • Nas costas do calendário para a Quaresma, decidi fazer um 2º calendário, desta vez para seguir melhor todos os dias em que a Igreja celebra a Páscoa (até ao dia de Pentecostes).
  • Desenhei com marcador preto uma nova tabela, desta vez com 8 linhas, subdivididas em 7 "quadrados" com 4,5x5cm. No topo desta tabela, para as etiquetas dos dias da semana, desenhei uma 9º linha, subdividida em "quadrados" com 3x5cm.
  • Imprimi o título do calendário (ou aqui) e as etiquetas que desenhei (ou aqui).
  • Para cada dia da semana, comprometi-me a rezar pelas seguintes intenções: 

Domingo - Acção de graças por todas as bênçãos de Deus

Segunda-feira - Por todas as intenções de oração no mundo

Terça-feira - Pela conversão dos pobres pecadores

Quarta-feira - Pelo nosso Papa e por todos os sacerdotes

Quinta-feira - Pela nossa família e por todas as famílias

Sexta-feira - Por todos as almas no Purgatório

Sábado - Oração à Santíssima Virgem Maria

  • Recortei as etiquetas todas e colei da forma que podem ver na 1ª imagem
  • Recortei, em cartolina, 6 corações amarelos para a 1ª semana da Páscoa, 5 corações azuis para a 2ª semana da Páscoa (porque este ano a festa da anunciação do Senhor foi transferida do habitual dia 25 de Março, para o dia 9 de Abril, já depois da Quaresma) e 30 corações verdinhos para os restantes dias da Páscoa.
  • Ainda não defini muito bem o que terei de fazer para poder pôr os corações (novamente, com bostik) no calendário ... alguém tem ideias?

 

  • Por fim, colei o calendário (com a face da Quaresma) com bostik na parede do meu quarto. Quando chegarmos à Páscoa é só voltar a colar com bostik a outra face - e pronto, já está!

 

Eu demorei 3 serões à noite para completar, do início ao fim, este duplo calendário. Mas se vocês quiserem utilizar os títulos e as etiquetas que eu já criei, de certeza que irão ter muito menos trabalho e provavelmente conseguirão fazer tudo numa só tarde (ou noite, se tiverem ajuda).

Também podem simplificar todo o processo e escreverem/desenharem/colorirem os quadrados com lápis de cor ou canetas, em vez de imprimirem e depois recortarem as etiquetas. Também podem ir desenhando uma cruz/coração directamente no calendário, por cada dia, em vez de terem de desenhar, recortar e colar as cruzes e os corações em cartolina como eu fiz ...

 

Este calendário em princípio também irá comigo para a Catequese, para que os meninos possam visualizar a passagem dos dias (se 40 dias parecem muito para mim, para eles parece uma eternidade!)

 

Porque não aproveitam este Domingo, ou a terça-feira de Carnaval, ou até o dia de Quarta-feira de Cinzas, para fazer esta actividade em família?  

Uma abençoada Quaresma para todos!