Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Uma Jovem Católica

Sou uma jovem católica portuguesa.Neste blog partilho a minha caminhada em busca da santidade, da fé, da misericórdia, da caridade, do amor a Deus e ao próximo.Espero que ele vos possa ajudar a encontrar a Alegria do Evangelho!

Nazaré e a vida da Sagrada Família

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

A anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia chamada Nazaré, a uma virgem desposada com um homem chamado José, da casa de David.

Lucas 1,26-27

 

Morto Herodes, o anjo do Senhor apareceu em sonhos a José, no Egipto, e disse-lhe: «Levanta-te, toma o Menino e sua mãe e vai para a terra de Israel, porque morreram os que atentavam contra a vida do menino.» Levantando-se, ele tomou o Menino e sua mãe e voltou para a terra de Israel.

Advertido em sonhos, retirou-se para a região da Galileia e foi morar numa cidade chamada Nazaré; assim se cumpriu o que foi anunciado pelos profetas: «Ele será chamado Nazareno».

Mt 2,19-20.23

nazare 6.jpg

 

Estamos em Nazaré, a terra natal de Maria e de José e a região onde Jesus passou a maior parte da Sua vida, desde o Seu regresso da terra do Egipto, por volta dos seus 6 a 7 anos de idade, até ter iniciado a Sua pregação (depois de ter passado pelas águas do rio Jordão), por volta dos seus 30 anos.

 

Nazaré situa-se na parte Norte do país de Israel, num vale rodeado por altas montanhas. Este vale, se o seguíssemos para Noroeste, levar-nos-ia até ao Mar Mediterrâneo; e se o seguíssemos para Sudeste, levar-nos-ia em direcção ao rio Jordão.

 

nazareth.png

Imagem adaptada daqui

A Sul da cidade de Nazaré, localiza-se a Planície de Esdrelão (ou Vale de Jezrel), que é uma zona muito fértil, cheia de campos de colheitas, de plantas, árvores e flores - ena, que contraste tão grande em relação a todas as terras áridas e desérticas pelas quais temos passado nos últimos dias! 

 

Nazaré é hoje uma cidade grande, próspera e bonita; mas no tempo de Jesus terá sido apenas uma pequena aldeia judaica, de pouca importância, com pouco mais que 20 a 30 famílias, que viveriam da agricultura, do pastoreio e do trabalho de artífices como a carpintaria de S.José. Esta aldeia estaria rodeada de olivais e de vinhas que desceriam pelas encostas dos montes. É provável que tivesse uma única sinagoga, pequena e simples, à imagem dos seus habitantes, e que talvez fosse, tal como as casas destas famílias eram, parcialmente construída à mão e parcialmente escavada na encosta dos montes. 

nazaré 7.jpg

 

A Sagrada Família viveu durante tantos anos em Nazaré e ninguém suspeitava que o próprio Deus vivesse ali, bem juntinho do Seu povo tão amado. Como é que foi possível? Oh, que mistério tão grande! 

Penso nos incontáveis Santos que povoam o Céu, já neste preciso momento, cujos nomes nós nem sequer sabemos, cujas vidas nem conhecemos; tantos Santos escondidos, silenciosos, que levaram vidas simples, humildes, sem grande alarido, sem feitos extraordinários, à semelhança da Sagrada Família, à semelhança (assim o espero e desejo) da minha vida, da tua vida, da nossa vida ... 

 

Alguém muito querido do meu coração, um dia destes perguntou-me se eu alguma vez tinha pensado que nunca na História da humanidade tinha havido, como hoje, tantos Santos e Santas, Beatos e Veneráveis, Servos e Servas de Deus, conhecidos ou não, a viver, a rezar e a interceder por todos nós no Céu ... como é que eu nunca tinha pensado nisso?! Quão maravilhoso! Louvado seja Deus!

nazaré 4.jpg

Planície de Esdrelão (ou Vale de Jezrael)

 

E como terá sido a vida quotidiana da Sagrada Família?...

Penso em Jesus como criança, a receber o início da Sua educação escolar e de Fé (só a nossa sociedade actual é que tenta separar as duas coisas ...), através dos ensinamentos e do exemplo vivo de Maria e de José; ao aprender na carpintaria a trabalhar a madeira e a pedra com as Suas mãos e instrumentos, enquanto ouvia, vezes e vezes sem conta, José a contar-Lhe toda a História do povo de Deus, até a saber de coração...

Jesus a brincar com os outros meninos e meninas da Sua idade... Jesus como menino na escola da sinagoga, a aprender a ler e a interpretar as Sagradas Escrituras ... Oh, será que Jesus chegava a pensar: Hum ... isto parece-me familiar... sim, acho que fui Eu que fiz e disse isto tudo  

 

Penso em Maria, como esposa e mãe, exercendo na perfeição todas as facetas do «génio feminino» que o Santo Papa João Paulo II nos ensinaria tantos séculos mais tarde ... Maria a lavar e a estender a roupa, a limpar a casa, a fazer as refeições, a ir buscar água aos poços e cisternas, enquanto cantava continuamente todas as maravilhas que o Senhor fez ...

Sabem, desde que me tornei catequista, dou por mim muitas vezes a imaginar (e a tentar inspirar-me) acerca de como é que Maria ensinaria e cativaria todas as meninas e meninos com os quais contactasse, ao longo da sua vida, acerca do amor, da misericórdia e da justiça de Deus ... (tento, mas garanto-vos que falho redondamente a tentar fazer o mesmo! )

 

nazaré 5.jpg

 

Durante muito tempo pensei que Maria e José tivessem dedicado as suas vidas, em exclusividade, um ao outro e a Jesus, depois de casarem. Que todas as outras facetas anteriores das suas vidas - restante família, profissão, actividades na comunidade, amizades e tarefas - tivessem sido completamente abandonadas e esquecidas e postas de parte, para que tudo girasse apenas à volta de Jesus ... o que é, bem, em parte verdade. 

Mas apenas em parte verdade. Graças aos ensinamentos das Famílias de Caná, percebi que a Sagrada Família, protótipo perfeito das Famílias-Cântaro a que somos chamados a ser, não só não terá renunciado às diversas tarefas e funções que anteriormente possuía, como as deverá ter, sim, abraçado e dedicado ainda mais intensamente, com ainda mais amor, auto-doação e sacrifício! 

Sim, claro que sim! Claro que tanto Maria como José se terão disponibilizado para servir ainda mais cada elemento das suas comunidades e das suas famílias; claro que se terão dedicado com ainda mais fervor e amor às suas profissões e tarefas; claro que terão crescido ainda mais em generosidade; claro que terão aberto as portas (e as janelas e o telhado!) da sua casa a todos os que precisassem, ou duma simples palavra amiga e dum sorriso, ou duma fatia de pão com doce de tâmaras, ou dum colo e ombro amigo para chorar, ou duma cama para passar a noite; claro que raramente haveria apenas 3 pratos e 3 copos e 3 talheres na mesa da Sagrada Família, mas sim sempre mais, sempre espaço e comida e amor para mais um (ou dois ou três ou mais!), por mais tarde que chegassem; claro que se terão oferecido e dedicado e gasto mais e mais e mais, depois da chegada de Jesus às suas vidas ...

Oh, que o mesmo aconteça na minha vida também!...

 

O nosso autocarro está quase a chegar a um dos locais que eu mais desejava ver e tocar, sentir e estar, como Jesus tantas e tantas vezes o fez - o Mar das Tiberíadas, o Mar da Galileia - oh, ei-lo em toda a sua beleza, bem aqui à nossa espera ... 

nazaré 9.jpg

 

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

Egipto, a terra que oferece refúgio e crescimento

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

 

Só ao preparar-me para esta peregrinação até à Terra Santa é que me apercebi o quanto associava o Egipto a coisas, digamos assim, menos boas....

O Egipto significava para mim uma terra de escravidão, onde o povo de Deus tinha sido tratado com dureza nas mãos dos bárbaros egípcios pagãos, a fim dos poderosos poderem acumular os seus tesouros e riquezas. O Egipto representava para mim a terra da qual se desejava sempre fugir. Era o local das pragas, das doenças, das tragédias, da morte. Afinal, parecia que tinha sido no Egipto que o povo hebreu tinha aprendido a "criar" os seus próprios e falsos ídolos, meros animais de bronze ou ouro ... 

 

Só durante a nossa peregrinação pelas terras egípcias, ao ouvir as leituras das Sagradas Escrituras, durante as nossas viagens de autocarro, é que me apercebi duma outra realidade, duma outra faceta do Egipto, que eu tinha completamente ignorado até então. Esteve sempre ali e eu nunca me tinha apercebido dela ...

 

O Egipto foi um local de refúgio para Abrãao e a sua família, quando estes passaram fome.

Abrão continuou a sua viagem, acampando aqui e ali, em direcção ao Négueb. Houve fome naquela terra. Como a miséria era grande, Abrão desceu ao Egipto para aí viver algum tempo. 

Gn 12, 9-10

abraão no egipto.jpg

 

Enquanto esteve no Egipto, Abrãao tentou enganar os egípcios e o Faraó, mentindo e fingindo que Sara era sua irmã e não sua esposa. E assim aprendeu uma grande lição, tendo sido mandado embora do Egipto, sim, mas não de mãos a abanar (porque, apesar do mal e das asneiras que nós próprios fazemos, o Senhor não se cansa de nos abençoar....)

Abrão saiu do Egipto, em direcção ao Négueb, com a sua mulher e tudo o que lhe pertencia. Lot acompanhava-o. Abrão era muito rico em rebanhos, prata e ouro.

Gn 13,1-2

 

O Egipto representou também um local de refúgio para o povo hebreu, quando também este passou por dificuldades, através da bondade e perdão de José, filho de Jacob. 

Estendendo-se a fome a toda a terra, José abriu todos os celeiros do Egipto

Gn 41, 56

Os filhos de Israel foram comprar trigo, juntamente com outros que iam, pois também havia fome no país de Canaã.

Gn 42, 5

José instalou seu pai e seus irmãos e concedeu-lhes direitos de propriedade no Egipto, no melhor território, o de Ramessés, como o faraó lhe tinha ordenado. E José sustentou seu pai, seus irmãos e toda a casa de seu pai, dando-lhes víveres, de acordo com as necessidades de cada família.

Gn 47, 11-12

jose salva o povo.jpg

 

Mas, antes disso, o Egipto tinha sido um local de grande crescimento para José, que passou dum jovem de 17 anos mimado e apaparicado, a um homem honesto, íntegro, capaz de sofrer heroicamente as adversidades, chegando a tornar-se no sábio e prudente chefe do reino do Faraó. Mas isso ainda não era suficiente, José tinha de crescer ainda mais, tinha de expandir o seu coração, a dar e a doar-se até doer: era preciso que ele aprendesse a perdoar (sempre uma das nossas lições mais difíceis ...) e a perdoar mesmo aqueles que tinham tentado destruir a sua vida - os seus irmãos.

 

Anos mais tarde, o Egipto foi também uma terra de refúgio para alguns dos profetas, como Jeremias (apesar de este ter dito, antes, cobras e lagartos acerca do Egipto ...)

 

E claro, mais importante que todos estes exemplos, é a representação do Egipto como terra de refúgio para a Sagrada Família, quando esta foi perseguida pelo terrível Herodes...

fuga para egipto.jpg

 

O anjo do Senhor apareceu em sonhos a José e disse-lhe: «Levanta-te, toma o menino e sua mãe, foge para o Egipto e fica lá até que eu te avise, pois Herodes procurará o menino para o matar.» E ele levantou-se de noite, tomou o menino e sua mãe e partiu para o Egipto, permanecendo ali até à morte de Herodes. Assim se cumpriu o que o Senhor anunciou pelo profeta: Do Egipto chamei o meu filho.

Mt 2, 13-15

Também aqui a Sagrada Família cresceu, em especial Jesus, uma vez que terão aí vivido até aos seus 6 a 7 anos de idade, altura em que voltaram para Nazaré, após a morte do rei Herodes.

 

Dentro do bairro cristão copta no Cairo, localiza-se uma igreja que se acredita que marque a casa da Sagrada Família, durante o tempo em que esta se refugiou no Egipto. E nós tivémos a maravilhosa oportunidade de a visitar ...

fuga para egipto 2.jpg

Nesta igreja copta, como na maioria das igrejas ortodoxas, existe uma separação bastante marcada entre a zona da assembleia dos cristãos e a zona do altar do Senhor. Apenas os Padres podem passar através da "porta de Nossa Senhora" e realizarem a Euraristia sobre o altar.

Não é belíssima a forma como arquitecturaram esta ideia de Maria como sendo a porta através da qual podemos aceder ao Céu, e assim, a Deus?

fuga para egipto 3.jpg

Theotokos = Mãe de Deus

fuga para egipto 4.jpg

O Anjo Gabriel que guia a Sagrada Família

fuga para egipto 5.jpg

Por baixo da igreja, situa-se aquela que terá sido a casa onde habitou a Sagrada Família no Egipto

fuga para egipto 6.jpg

fuga para egipto 7.jpg

O poço da casa da Sagrada Família

fuga para egipto 8.jpg

Líndíssimo ícone copta de Nossa Senhora

 

Oh, o que terá acontecido à Sagrada Família durante os anos em que viveram no Egipto?...

 

  †   Peregrinação: do EGIPTO à TERRA SANTA ~  2019   †  

 ~  Egipto - Jordânia - Israel - Palestina  ~ 

Quantos quilómetros andaram Maria e Jesus ao longo das suas vidas?

É engraçado que eu tenha passado da "menina com medo de conduzir" para aquela que mais quilómetros faz de carro por dia aqui em casa. Há 2 anos que faço (e continuarei a fazer este ano também) quase 80 km por dia, cerca de 1 hora e meia a conduzir, para ir e vir do Hospital de Setúbal. Deus é realmente curioso ...

Mas, se ao início custava um pouquinho - tanto tempo, tantos quilómetros, tantos carros, tanto trânsito, tanta confusão - hoje, já quase nem dou pelo tempo passar e Setúbal parece que é já ali. E, além disso, passar tanto tempo sozinha, dá-me a oportunidade de rezar o Terço no caminho para o trabalho e de fazer muitas outras orações e meditações no caminho de volta para casa. Que bênção tem sido!

 

Um dia destes, ao meditar no 2º Mistério Gozoso - a visitação de Nossa Senhora à sua prima Santa Isabel - dei comigo a pensar quantos quilómetros seriam e quanto tempo demoraria a ir de Nazaré, da casa de Maria, até Jerusalém (onde algures seria a casa de Isabel). E este pensamento depressa escalou - quantos quilómetros seriam de Belém a Jerusalém, e daí ao Egipto .... quanto tempo demoraria? e... 

 

Claro que fui procurar respostas na internet na primeira oportunidade que tive!

Encontrei um óptimo artigo - em inglês, escrito por um pastor protestante que aparentemente dedicou a sua vida a percorrer o globo inteiro, a pé, de terra em terra, de país em país, a fim de propagar a mensagem do Evangelho. Ainda assim, é um artigo que eu recomendo todos a lerem - é muito comprido, é verdade, mas ensina-nos muitas coisas acerca de como era a vida no tempo de Jesus, em especial, acerca das suas deslocações e das suas viagens.

É com base neste artigo que escrevo o texto de hoje (principalmente para saber as distâncias entre as cidades). É preciso ter em atenção que o autor desse artigo é Protestante e que, portanto, os seus cálculos e informações não têm em conta aquilo que a Tradição da Igreja Católica nos transmite que realmente aconteceu (que eu explicarei mais à frente).

jesus travels.jpg

Imagem retirada daqui

 

O meio de transporte mais usado no tempo de Jesus era, admirem-se, andar a pé!

Quem podia, viajava sobre um burro ou usava uma carroça para transportar cargas mais pesadas, mas a maior parte das viagens, e pensando especialmente no caso da Sagrada Família, eram feitas a pé. Naquela altura, os romanos ainda não tinham construído muitas estradas em Israel e assim, a maior parte dos caminhos ainda eram muito rudes e agrestes. Um percurso entre Nazaré e Belém envolvia passar por zonas montanhosas, vales, rios, zonas de deserto e até regiões mais selvagens e com poucas casas. Imaginem dias e dias a andar, sob diversas temperaturas - muito calor durante o dia e frio durante a noite. Imaginem a poeira e a sujidade. Imaginem o cansaço.... É verdade, existiam pousadas e outros locais, como celeiros e grutas, que se podiam alugar para passar a noite - mas nas zonas mais desertas, às vezes a única hipótese era montar uma tenda ou dormir ao relento. Também não havia casas de banho, nem banheiras para tomar um banho quentinho, nem restaurantes com a comida pronta. E os perigos eram abundantes, desde animais selvagens a ladrões escondidos ao longo do caminho. Eram dias difíceis na estrada, e uma viagem nunca era encarada de ânimo leve ...

 

Proponho-vos tentarmos fazer uma estimativa de quantas viagens e de quantos quilómetros percorreram Nossa Senhora e Jesus ao longo das suas vidas, com base nas informações que a Bíblia nos fornece, associadas às da Tradição da Igreja Católica (e por causa deste ponto, os meus cálculos vão ser diferentes dos cálculos do artigo que vos mencionei). Comecemos com Nossa Senhora!

Mapa de Israel.jpg

Mapa de Israel no tempo de Jesus - eu sinalizei a amarelo os locais das cidades mais importantes para os nossos cálculos.

É um óptimo mapa, aproveitem-no para localizarem outras cidades por onde Jesus passou - Caná, Bethsaida, Cesareia ...

 

Quanto andou Nossa Senhora ao longo da sua vida?

 

Maria terá nascido em Nazaré e, segundo a Tradição, terá sido entregue ao Templo de Jerusalém por volta dos 2-3 anos idade. Sendo ainda tão pequena, vou supor que alguém, a mãe ou o pai, a terá levado ao colo na maior parte da viagem, e portanto não vou incluir esta primeira viagem nos meus cálculos.

Maria terá ficado a viver no Templo de Jerusalém até aos seus 14-15 anos, altura em que terá voltado para Nazaré, tendo ficado noiva de São José. São Lucas diz-nos explicitamente que a anunciação do anjo Gabriel a Nossa Senhora ocorreu em Nazaré (Lc 1,26-27) - uma pequena cidade no norte de Israel, na região da Galileia, como podem observar no mapa. Uma viagem de Jerusalém até Nazaré (como vou explicar mais à frente) são cerca de 190 km. Considerando que uma pessoa possa andar cerca de 30km por dia, uma viagem de Jerusalém a Nazaré constituía cerca de 5-6 dias de viagem.

Logo após a Anunciação, Nossa Senhora parte, já grávida, em viagem até à casa da sua prima Isabel, a poucos quilómetros a sul da cidade de Jerusalém. Esta viagem de ida e volta até à casa de Isabel e Zacarias são cerca 390km (um total de 13 dias de viagem).

Já casada com São José, grávida de Jesus, Maria viaja novamente até Belém, para o recenseamento romano. De Nazaré até Belém são cerca de 210km. Ou seja, sabemos que Nossa Senhora andou, pelo menos, 600km grávida! Absolutamente impressionante .... 

Maria e José terão ficado a viver em Belém durante algum tempo após o nascimento de Jesus, mas foram até Jerusalém uma vez para a apresentação do Menino no Templo e uma segunda vez, 40 dias depois do parto, para a purificação ritual de Maria - o que constitui 4 viagens de 10 km, ou seja, mais 40km.

jose e maria viajam.jpg

 Imagem retirada daqui

De Belém, após um sonho de São José, partiram com o Menino para o Egipto - numa viagem de, pelo menos, 563km, ou seja, quase 19 dias até chegarem ao Egipto. Por aí ficaram a viver, escondidos, até ao dia em que José teve um novo sonho e finalmente puderam voltar para casa, em Nazaré. Do Egipto até Nazaré, utilizando a estrada mais curta, que segue o mar Mediterrâneo, são pelo menos 645 km, ou seja, quase 22 dias a caminhar com a "casa às costas"!

Tentam retomar a sua vida em Nazaré, tendo Jesus cerca de 3-5 anos. Maria viverá em Nazaré, pelo menos, até aos 30 anos de Jesus, quando Ele começa a pregar acerca do Reino de Deus.

O livro do Êxodo indica claramente que:

"Todos os homens deverão apresentar-se três vezes por ano, diante do Senhor, Deus de Israel." Êxodo 34,23

Ou seja, qualquer judeu devoto ía, pelo menos, três vezes por ano a Jerusalém, ao Templo do Senhor, celebrar as 3 maiores festas judaicas - a Páscoa, a Festa das Semanas e a Festa das Tendas ou dos Tabernáculos. Apesar disso, sabe-se que as famílias que viviam mais longe de Jerusalém, como poderá ter sido o caso da Sagrada Família em Nazaré (a quase 200km de Jerusalém), iam até ao Templo apenas na Páscoa (a celebração mais importante do ano inteiro). 

Assim, Maria terá acompanhado São José e Jesus, pelo menos, uma vez por ano até Jerusalém, ou seja, 386km de ida e volta durante 25 a 27 anos, o que dá um total de cerca 10.000km.

Durante os 3 anos do ministério de Jesus, Maria tê-lo-á acompanhado a Jerusalém todos os anos, sendo que na 3ª e última vez, Jesus foi crucificado (ou seja, 2 viagens de ida e volta de Jerusalém + 1 ida a Jerusalém = 965km). Também sabemos que Maria estava presente nas bodas de Caná (ida e volta de Nazaré a Caná são cerca de 19 km). E sabemos também que Maria esteve presente, pelo menos uma vez, em Cafarnaum (ida e volta de Nazaré a Cafarnaum são cerca 96km).

 

Tudo isto somado, dá um total de, pelo menos, 13.118km percorridos ao longo de 47 anos de vida de Nossa Senhora (até à morte de Jesus), ou seja, mais de 437 dias em viagem (o que constitui 1 ano e 2 meses).

 

Impressionante não?

Agora passemos a Jesus.

 

Quanto andou Jesus ao longo da sua vida?

 

Jesus era muito pequeno na altura da fuga de São José e de Nossa Senhora para o Egipto. Assim, começo os meus cálculos pela viagem de volta do Egipto até Nazaré, altura em que Jesus já teria entre 3 e 5 anos, e portanto, faria a maior parte da viagem a pé (pelo menos 645 km, ou seja, quase 22 dias na estrada).

Vou considerar que Jesus terá acompanhado São José nas três idas por ano ao Templo de Jerusalém, como o livro do Êxodo diz. Ou seja, até aos 30 anos de vida, Jesus terá realizado, pelo menos, 30.000km (só em viagens de ida e volta de Jerusalém) ou seja, cerca de 1.000 dias a caminhar. 

Um pormenor importante é que a distância exacta, em linha recta, entre Cafarnaum, Nazaré e Jerusalém são cerca de 144km. Contudo, para fazerem essa viagem, os judeus teriam de atravessar o território da Samaria; como havia uma rivalidade com os samaritanos, os judeus da Galileia seguiam sempre um percurso que contornava a Samaria. Além disso, este percurso, apesar de mais longo (193km), era mais fácil de atravessar (não era por terrenos tão montanhosos como seria pela Samaria) e era o que a maior parte dos judeus seguia. Eu assinalei-o no mapa para compreenderem melhor:

Mapa de Israel adaptado.jpg

 Mapa de Israel no tempo de Jesus (adaptado)

Durante os 3 anos do Ministério de Jesus, o Evangelho de São João indica-nos que Jesus esteve em Jerusalém:

  • pelo menos uma vez, para a Festa das Tendas (Jo 7,2)
  • pelo menos uma vez, na Festa da Dedicação do Templo (Jo 10,22)
  • pelo menos três vezes durante a Páscoa dos judeus (Jo 2,13 e 5,1 e 12,12)

O que dá um total de, pelo menos, cinco viagens da Galileia a Jerusalém durante esses 3 anos (3.669km). Se considerarmos ainda as outras viagens que nos são relatadas nos Evangelhos, por exemplo, as bodas em Caná, o baptismo no rio Jordão, a estadia em Cafarnaum na casa de Pedro .... totaliza-se (segundo o artigo que vos mencionei) 5.029km durante esses 3 anos de pregação (168 dias em viagem).

 

Tudo isto somado, dá um total de, pelo menos, 34.640km percorridos ao longo dos 33 anos de vida de Jesus, ou seja, mais de 1.155 dias em viagem (o que constitui mais de 3 anos e 2 meses).

 

Ainda mais impressionante, não é?

Não há um dia que passe, sem eu me admirar e espantar mais e mais, acerca de Jesus e da sua família!

 

Acho que não voltarei a refilar acerca das minhas inúmeras viagens, no conforto do meu querido carrinho ...  

 

Este texto não pretende ser um artigo científico, nem um estudo exacto - eu quis apenas fazer uma estimativa acerca de quantos quilómetros fizeram cada elemento da Sagrada Família e de quantos dias em viagem que passaram, a fim de compreender melhor as suas vidas...

Calendário Católico - mês de Fevereiro

~ Mês dedicado à Sagrada Família ~

Fevereiro 2017

 Podem fazer à vontade o download grátis do Calendário mensal católico para 2017 que eu criei.

Peço-vos apenas que, ao fazerem o download do calendário, rezem uma Avé Maria por mim - obrigado! 

 

Dia 2 Fev (5ªfeira) - Festa da Apresentação do Senhor

Dia 5 Fev (domingo) - 5º Domingo do Tempo Comum

Dia 7 Fev (3ªfeira) - Festa das Cinco Chagas do Senhor

Dia 11 Fev (sábado) - Festa de Nossa Senhora de Lurdes

Dia 12 Fev (domingo) - 6º Domingo do Tempo Comum

Dia 19 Fev (domingo) - 7º Domingo do Tempo Comum

Dia 26 Fev (domingo) - 8º Domingo do Tempo Comum

 

Podem fazer à vontade o download grátis do Calendário mensal católico para 2017 que eu criei.

Peço-vos apenas que, ao fazerem o download do calendário, rezem uma Avé Maria por mim - obrigado! 

São José, o carpinteiro

Já vos contei acerca de algumas das descobertas que fiz ao longo do meu plano de leitura bíblico, como a alegria de Jesus e o aspecto dos Anjos. Hoje, gostava de vos contar mais uma descoberta, desta vez sobre São José.

 

Qual é a primeira imagem que se forma na vossa mente quando pensam em São José?

 

Provavelmente, pensarão, como eu, num homem de meia-idade, magro, com cabelos brancos e barba comprida, a olhar terna e carinhosamente para o Menino Jesus no seu colo e com um bonito lírio numa das mãos, como símbolo da sua pureza  … 

 

S.Jose velhinho.jpgS.Jose velhinho 2.jpg

Imagem de S.José - retirada daqui.                                                                                     Imagem de São José - retirada daqui

 

Bem, pelo menos, era essa a imagem que eu tinha de São José …. E vocês?

 

 

Um dia, quando estava a ler o Evangelho segundo São Mateus, deparo-me, no capítulo 13, versículo 54-55, com uma pergunta que me pôs a pensar:

 

“Tendo [Jesus] chegado à Sua terra, ensinava os habitantes na sinagoga, de modo que todos ficavam admirados e diziam: «De onde Lhe vem esta sabedoria e o poder de fazer milagres?

Não é Ele o filho do carpinteiro?”

 

Umas páginas à frente, no Evangelho de São Marcos, no capítulo 6, esta história é-nos novamente contada, quase palavra por palavra ….

 

“Não é Ele o filho do carpinteiro?” 

 

Eu tinha lido anteriormente que o povo Judeu tinha por tradição que, quando os rapazes chegavam aos 12 anos de idade, começavam a aprender o ofício dos pais [1]. Sem dúvida que na casa de Jesus, modelo de cumprimento das Sagradas Escrituras, não terá sido diferente! Assim, ensinado por São José, Jesus também terá aprendido o ofício da carpintaria e esse terá sido o Seu principal modo de subsistência durante a maior parte da Sua vida.

 

Mas o que é que os carpinteiros faziam exactamente naquela altura?

 

Lá fui eu, novamente, pesquisar nesse mar imensurável de informações a que chamamos internet. Querem saber o que descobri? 

 

  • Primeiro, descobri que a palavra original nesses textos, em grego, “tekton”, teria sido melhor traduzida como artesão, em vez de carpinteiro, para englobar todo o seu significado. “Tekton” aparentemente indica um artífice que trabalha com madeira, mas também com pedra, ferro e cobre. [2]

 

  • Em segundo lugar, descobri (sem me admirar) que a profissão de carpinteiro (ou artesão, como preferirem) conferia à família uma posição social muito baixa na cultura Judaica e que os seus rendimentos seriam bastante pequenos e humildes. [2]

 

  • Depois, descobri que os principais objectos fabricados pelos carpinteiros naquela altura eram arados e jugos (ou juntas) de madeira (ouvem tocar algum sininho?), uma vez que grande parte dos hebreus eram agricultores e havia assim uma grande necessidade de juntas de bois e de arados para trabalharem nos campos. [1, 2]

 

jugo.jpg

Jugo de bois - imagem retirada daqui.

 

arado de madeira.jpeg

Arado de madeira - imagem retirada daqui.

 

Os carpinteiros também construíam objectos pequenos, como chaves e cadeados de madeira, e peças maiores, como portas e janelas, telhados, mesas, cadeiras e bancos, baús e outros móveis de arrumação. Além disso, eram frequentemente chamados para reparar objectos que se partiam ou que precisavam de novas peças. [1,2]

 

Que árvores eram usadas para fornecer a madeira? Principalmente ciprestes, carvalhos, freixos, sândalo e oliveiras ... ah, e claro, os cedros! A bíblia refere com frequência os famosos cedros do Líbano ... [1]

 

“Os justos florescerão como a palmeira

e crescerão como os cedros do Líbano.

Plantados na casa do Senhor,

florescerão nos átrios do nosso Deus.

 

Até na velhice continuarão a dar frutos

e hão-de manter sempre a seiva e o frescor,

para proclamar que o Senhor é justo.”

Salmo 92:13-16

 

cedro-do-libano.jpg

Cedro do Líbano - Imagem retirada daqui.

 

Quase todas estas árvores, como sabem, são árvores de grande porte. Os cedros, por exemplo, podem alcançar os 40 metros de altura …

E sabem quem eram os homens capazes de deitar abaixo estas grandes e pesadas árvores, cortá-las e transportá-las até à cidade? Sim, exactamente, os carpinteiros!  

 

Ora, que tem esta conversa toda a ver com a imagem do velhinho São José??

 

Durante muitos séculos, foi defendida a ideia que São José teria cerca de 80 anos quando casou com a Virgem Maria. Porquê? Porque assim, com um marido idoso, seria mais fácil defender a Virgindade Perpétua de Maria. [3]

Actualmente, a maior parte dos investigadores-historiadores que se dedicam ao estudo das Sagradas Escrituras, da cultura judaica e dos acontecimentos históricos no tempo de Jesus, concordam entre si que, tal como a grande maioria das raparigas naquela altura, a Virgem Maria teria provavelmente cerca de 14 a 15 anos quando se casou com São José e foi mãe de Jesus. [3]

 

.... Agora, conseguem imaginar uma rapariga de 15 anos a casar livre e deliberadamente com um homem de 80 anos? Acham mesmo que Deus teria inspirado uma história de amor entre duas pessoas com idades tão díspares, para serem os pais terrenos do Seu Único Filho?

 

Eu pessoalmente não consigo imaginar que Deus tenha escolhido um velhote de 80 anos para defender e proteger a Sagrada Família … Não consigo imaginar que Deus tenha escolhido um homem já velho para percorrer todos aqueles quilómetros, que separam Nazaré de Belém, apenas para se apresentar e registar no censo do Imperador romano. Nem consigo imaginar como um idoso poderia fugir da ira do rei Herodes, às pressas e no meio da noite, desde Belém até ao Egipto! Nem como um homem assim poderia trabalhar como carpinteiro, carregando pesados troncos de árvores, serrando e partindo a madeira, construindo telhados e móveis, a fim de sustentar a sua esposa e o seu filho …

 

Na verdade, actualmente, os investigadores-historiadores já conseguiram comprovar que, naquela altura da História, a maioria dos homens judeus se casavam por volta dos 16 a 20 anos de idade, e que essa terá sido provavelmente a idade de São José quando se casou com Nossa Senhora. [3]

 

O falecido Arcebispo Fulton J. Sheen (que eu admiro particularmente, lembram-se dele?), já tinha escrito no seu livro “O Primeiro Amor do Mundo” (The World’s First Love, Ignatius Press) em 1952, que:

 

“S. José foi, provavelmente, um homem jovem, forte, viril, atlético, bonito, casto e disciplinado, o tipo de homem que se vê a trabalhar numa oficina de carpintaria. Em vez de ser um homem incapaz de amar, ele deve ter ardido interiormente com amor ... Naqueles dias, jovens raparigas como Maria, já faziam votos de dedicação e de amor perpétuo a Deus, tal como alguns jovens rapazes, entre os quais José, que se tornou digno de ser chamado de “o justo”. Em vez de ser como um fruto seco para ser servido sobre a mesa do Rei, ele terá sido como uma árvore florida de promessas e de força. Ele não estaria no entardecer da sua vida, mas sim na sua manhã, borbulhando de energia, força e controlada paixão.”

 

St.-Joseph-the-Giver.jpg

São José, o Dador - pintura de Kimberly Cook (imagem retirada daqui)

saint_joseph.jpg

Imagem retirada daqui

 

st joseph.jpg

S. José a ensinar Jesus a arte da carpintaria - imagem retirada daqui.

 

Para mim, esta imagem de São José, como um jovem alegre, fisicamente em forma, com a força e coragem e o ânimo necessário para aguentar todas aquelas provas de resiliência … mas, simultaneamente capaz de ser fiel e casto, protector e guarda, um homem de oração e de serviço, humilde e obediente aos desígnios do Senhor …. Esta imagem de São José tem, certamente, infinitamente mais mérito e ofereceria uma glória muitíssima maior a Deus.

 

São José - o maior exemplo terreno de masculinidade e de paternidade. 

Rogai por nós.

 

 

 

Bibliografia:

[1] Artigo sobre a História da Carpintaria: http://www.wagnermeters.com/wood-moisture-meter/woodworking-history/

[2] Página com links para vários artigos sobre carpintaria na Bíblia: http://www.bible-history.com/links.php?cat=39&sub=418&cat_name=Manners+%26+Customs&subcat_name=Carpenters

[3] Artigo do sr. Fr Michael D. Griffin, no site do canal americano EWTN, sobre a vida de São José e do seu importantíssimo papel na Salvação da Humanidade (que recomendo vivamente a ler!): https://www.ewtn.com/library/MARY/THEOINTR.HTM

Um Feliz Natal!

Apesar de toda a preparação que planeei e tentei fazer durante este Advento, a verdade é que as circunstâncias da vida têm sempre a mania de se meterem no meio dos nossos planos. E raramente as coisas saem como nós imaginávamos. Mas vai ser sempre assim, não é?

Para vos ser sincera, não me “sentia” nada preparada para celebrar a Encarnação do Filho de Deus neste mundo. Não me “sentia” mesmo nada preparada! Havia muitas áreas do meu coração que eu queria ter trabalhado mais, mais coisas que gostaria de ter feito, mais actividades que gostava de me ter voluntariado….

 

Há uns dias atrás estava bastante desanimada comigo e com o (pouco) que o meu coração estava preparado para uma celebração de tal dimensão e importância! Senti-me bastante tentada em desistir e simplesmente dizer ao Senhor:

“Jesus, o meu coração não está, nem de perto nem longe, devidamente preparado para Te receber. O meu coração não está cheio de generosidade, misericórdia, amor, paz e alegria como eu To desejava oferecer. O meu coração não está pronto para Ti, meu Querido…. E por isso, por favor, não venhas! Mantém-te longe de mim! Tenho tanta vergonha que Tu o vejas, tanta vergonha de Te deixar entrar dentro Dele e de veres a confusão tão feia em que está neste momento … “

 

Uns dias depois deste pensamento, o Senhor respondeu-me, através dum texto que encontrei pela internet (e que entretanto já não o consigo voltar a encontrar …) e o meu coração encheu-se finalmente de Paz!

 

Presépio 1

 

Porque é que Jesus nasceu em Belém, numa manjedoura?

Belém era uma das cidades mais pequenas daquela altura. Uma cidadezinha insignificante. Que, curiosamente (ou talvez não), o seu nome hebraico poderia ser traduzido como Cidade do Pão.

Vejam, Jesus, o Pão da Vida, nasceu numa cidadezinha que se chamava Cidade do Pão, e foi colocado numa manjedoura depois de nascer – no local onde os animais comem!....

 

Além da razão que já vos expus, ainda assim, porque é que Jesus quis nascer longe da Sua casa, a casa de São José e da Virgem Maria, em Nazaré?

Só imagino o carinho e o amor que a Santíssima Virgem não deverá ter colocado na decoração da sua casa. Como a Melhor das mães, Ela mais do que ninguém, deverá ter escolhido tudo o mais confortável e aconchegante possível, apesar do pouco dinheiro que São José ganhava como carpinteiro. E São José, sendo carpinteiro, quanto amor ele não deverá ter colocado na construção, tão trabalhada e ornamentada, dos móveis da sua casa. Que lindo que deveria ser o berço que São José deverá ter construído para Jesus…. 

A casa de Nossa Senhora e de São José devia estar mais perfeitamente preparada para a chegada do Filho de Deus do que as nossas alguma vez estarão para receberem os nossos filhos …

 

E apesar disso tudo, Jesus quis ir nascer numa cidadezinha que nem O quis receber nas suas habitações quentinhas e aconchegantes …. O único sítio livre era um estábulo! Um estábulo! Uma construção tosca, cheia de gretas, buracos e rachas nas paredes e no tecto, por onde o frio e a chuva entravam! O local onde os animais dormiam! Só imagino o cheiro agradável … Um local nu e despido, solitário e longe da companhia e da ajuda de outras pessoas, familiares e amigos …. Que local mais horrível para alguém dar à luz ou para alguém nascer!!

 

Canto oração 2015 (4)

 

Desde o Seu nascimento que Jesus nos mostra o Seu tremendo e imensurável amor pelos lugares pobres, desconfortáveis, sujos e feios …. que é como por vezes vejo o meu coração…

 

Portanto, se é mais ou menos assim que o nosso coração está neste Natal, tenham esperança! Foi exactamente num lugar assim que o nosso Salvador nasceu. Talvez o nosso coração Lhe lembre Belém e aquele local feio que os Seus olhinhos viram quando se abriram pela primeira vez neste mundo que Ele criou. Não se preocupem, Ele está habituado! Mais ainda, Ele AMA locais assim! Ele AMA os corações que estão assim!

 

Porque, apenas se o nosso coração estiver vazio, partido e sujo, é que o Senhor poderá entrar nele e transformá-lo, como só Ele pode, num coração cheio, completo e imaculado! Um coração reluzente, incrivelmente alegre e agradecido! Um coração misericordioso, à semelhança do Seu Criador!

 

 

Uma última questão que também gostava de vos deixar…

Presépio 6

 

Porque é que Maria foi a Belém com José?

Certo, havia um recenseamento que tinha sido ordenado pelo Imperador mas … na antiga Roma apenas os homens tinham importância, e portanto eles só queriam saber o número de homens daquela população! As mulheres não entravam nas contas, nem as crianças!

 

Porque é que Maria, já no fim da Sua gravidez, faria uma viagem tão longa e tão difícil?

Desde que comecei a pensar nesta questão já cheguei a várias respostas possíveis. As que mais me satisfazem são: porque era essa a vontade do Senhor e do próprio Jesus (por exemplo, por uma das analogias que já expliquei em cima) e também porque a nossa querida Mãe Maria devia amar tanto São José que não suportaria ficar todo aquele tempo sem ele, logo agora quando já tinham celebrado oficialmente o Seu Matrimónio no Templo à frente do Senhor … Estou mesmo a imaginar Maria a dizer a José: "Nem penses nisso, querido! Aonde tu fores, eu também vou, grávida e tudo!!" (ahahaha)

 

Hoje, no meio da azáfama das celebrações da Encarnação do nosso Redentor, lembremo-nos, por um pequeno momento, de pedir à nossa querida Mãe para organizar o nosso coração! Para o tornar aconchegante, confortável, exactamente à medida para a vinda de Cristo, como Ela certamente o fez naquele estábulo em Belém …

 

Desejo-vos um Santo Natal, cheio do amor, da paz e da alegria que só o Senhor nos pode dar!


Santo Natal 2015.jpg 

Calendário do Advento

O ano passado comecei a fazer um calendário para a contagem dos dias do Advento. Infelizmente, dado o pouco tempo que Medicina me presenteia nesta altura do ano, não o consegui acabar a tempo. Este vai ser o primeiro ano que o vou usar!

 

O que acham dele?

calendário natal 1.jpg

calendário natal 2.jpg

calendário natal 3.jpg

calendário natal 4.jpg

calendário natal 5.jpg

calendário natal 6.jpg

calendário natal 7.jpg

calendário natal 8.jpg

calendário natal 9.jpg

 

Não vos quero enganar: este calendário demorou muito tempo a ser feito (aproximadamente 2 meses...).

Mas foi muito divertido fazê-lo! :)

 

  1. Comecei por imprimir uma imagem, que encontrei no Pinterest, em A3 a cores (numa reprografia aqui na zona);
  2. Depois cortei duas formas ovais em cartão (duma caixa grande de cartão do papel Renova), uma ligeiramente maior que a outra. A maior pintei-a de azul, a mais pequena de branco.
  3. Contudo, tive algumas dificuldades em cortar o cartão e as margens não ficaram muito bonitas. Então comprei duas fitas (uma azul e outra branca) para pôr nas margens. Deram um trabalhão a colar, mas ficou muitissimo melhor que antes!
  4. Colei com cola branca (montanhas dela!!) os cartões entre si e depois, por cima, a imagem A3 (com cuidados extras para não enrugar em demasia a imagem com a cola... mas acabou por enrugar um pouco).
  5. Durante dias, coloquei pesos em cima dos cartões para colar bem (mais ou menos uma semana).
  6. Depois, tinha em casa umas imagens muito bonitas próprias para fazer decoupage, que comprei numa loja Tiger em Lisboa. Recortei-as (outra trabalheira desgraçada!!) e colei-as sobre a imagem A3.
  7. Novamente, durante dias, coloquei pesos em cima dos cartões para colar bem (mais ou menos outra semana).
  8. Quando já tinha tudo pronto, surgiu-me a ideia das molas para representar os dias. Inspirei-me neste calendário. Assim, comprei molas de madeira e pintei-as de 5 cores diferentes com restinhos de tinta acrílica que tinha (2 camadas de tinta pelo menos). 
  9. Por fim, lembrei-me de escrever os números dos dias com umas canetas brilhantes da UHU que têm relevo.
  10. No final, este calendário ficou com cerca de 60cm de altura e 50cm de largura.
  11. Actualmente, o calendário está pendurado aqui no escritório, à frente dum armário, preso por fitas, como podem ver nas imagens.

 

Que acham do resultado final? 

Vocês também têm/usam algum calendário para o Advento?

 

P.s: Estamos a exactamente um mês da véspera de Natal! Iupii